22 de ago de 2016

Brasil e Olimpíada, sucesso no mundo.

 photo rio2016_zpsxyp07pj0.jpg • Inflação resiste e desafia economia brasileira. Taxa de juros elevada e recessão não foram suficientes para levar o índice para dentro da meta. 
• Brasil celebra sucesso dos Jogos, mas não bate meta de medalhas. Atletas não atingiram meta do COB de terminar Olimpíada entre dez primeiros. 
• Paraolimpíada aumenta o risco de atraso em voos. Falta de estrutura para transportar passageiros com deficiência deve elevar filas. 
• Patrocínio de estatal não é dinheiro público, diz Nuzman. Presidente do COB atribui êxito do evento aos 21 anos em que está no cargo. 
• Com reforma, idade para aposentadoria no Brasil pode chegar a 70 anos. Projeto de reforma da Previdência prevê adoção de idade mínima em duas etapas. 
• No Congresso, governo tenta evitar mudanças na PEC do teto. Desafio será evitar que proposta que limita o crescimento dos gastos públicos seja desfigurada. 
• MP liga mulher de Cunha a esquema na Petrobras. A Lava Jato aponta que Cláudia Cruz gastou mais de US$ 1 milhão em itens sofisticados do dinheiro que Cunha teria recebido em propina. 
• Moro bloqueia casa de R$ 8,6 milhões de Marcelo Odebrecht. Pedido para confiscar bens foi protocolado em novembro de 2015 pelo MPF, mas ordem confirmando bloqueios só foi dada em abril deste ano. 
• Chefe do STJ viajou por 4 meses e meio em 2 anos. Presidente da corte, Francisco Falcão recebeu R$ 175 mil em diárias. 
• Salários de juízes no Brasil superam os dos EUA. Levantamento aponta que vencimentos de desembargadores ficam muito acima do teto estabelecido no País, de R$ 33,7 mil; para especialistas, números são amostra da dificuldade de se fazer o ajuste fiscal. 
• Mais Médicos pode perder ao menos dois mil profissionais estrangeiros. Sem garantia de votação, termina no dia 29 o prazo para que o Congresso aprove o projeto que converte em lei uma MP que permite a prorrogação do prazo de atuação de médicos estrangeiros no programa por mais três anos. 
• Doações desviadas. CPI investiga se Fundo Amazônia banca invasões. Bilhões doados ao Fundo Amazônia podem ter sido desviados. 

• Turquia: atentado durante casamento matou 22 crianças. De acordo com autoridades do país, o ataque teve traços do grupo terrorista Estado Islâmico; o ataque foi realizado por um menino-bomba de 12 anos.'Jovem-bomba deixa 54 feridos na Turquia. 
• Fundação Clinton é obstáculo para Hillary em eleições. Instituição revela laços com corporações e governos de histórico questionável. 
• Sarkozy anuncia candidatura a presidente da França em 2017. 
• Sem acordo, Colômbia seguirá em guerra, diz Gaviria. Para ex-presidente, pacto fará país destinar recursos para problemas sociais. 
• Israel lança ataques aéreos a Gaza em represália a ação do Hamas. Ataques foram realizados ao norte de Gaza, perto da fronteira com Israel, em resposta a um foguete que atingiu cidade israelense no início do domingo.
• Filipinas ameaça abandonar ONU e se unir a China. 

Uma corrida futura, que já começou animada.
Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra são candidatos à presidência da República, mas só um deles pelo PSDB. Os dois que sobrarem buscarão outros partidos. A disputa, por enquanto, restringe-se ao âmbito da legenda. Aécio tem a vantagem de ter sido candidato nas últimas eleições, mas tanto Alckmin quanto Serra também já foram igualmente derrotados.
Buscar um quarto pretendente não dá, dispostos os três a contar quantos tucanos poderão apoiá-los. Um entra com a maioria da bancada no Congresso, outro com a potência do governo de São Paulo e o terceiro com o governo federal. As primeiras escaramuças já se fazem sentir entre eles.
No PMDB, apesar das negativas, Michel Temer continua parte na equação. Em dois anos, tudo pode acontecer, até o presidente adquirir popularidade. Como tudo dependerá de Henrique Meirelles acertar com a política econômica, eis outra alternativa. Por enquanto, o maior partido nacional parece vazio de candidatos, apesar de Roberto Requião imaginar que sua vez chegará.
Ciro Gomes entrou no PDT confiando em que será lançado. Diverge dos acima referidos por já possuir um plano de governo. Fala-se de outras hipóteses, embora por enquanto menos promissoras, como Ronaldo Caiado e Jair Bolsonaro, empenhados em exprimir uma banda ideológica singular. Alvaro Dias mudou de partido para poder apresentar-se.
Faltou um ser citado, que apesar dos percalços sofridos nos últimos meses, pode ocupar a pole position: o Lula está sendo bombardeado precisamente por isso. (Carlos Chagas) 

Joaquim Barbosa: tomaram o poder para se proteger e continuar roubando.
O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa voltou a criticar o processo de impeachment que afastou a presidente Dilma Rousseff. Ele chamou os partidos políticos de facções e afirmou, sem citar diretamente o PMDB de Michel Temer, que o grupo que tomou o poder o fez para se proteger e continuar roubando.
As declarações foram feitas na última terça-feira (9) a empresários durante a abertura de um evento sobre sustentabilidade em São Paulo, conforme registrou o Jornal da Gazeta. Em sua fala, ele também fez críticas à relação entre empresas e governo que se instalou há décadas no Brasil e ao sistema político atual.
Nosso país está paralisado há mais de um ano em função de uma guerra entre facções políticas. Sabemos por alto que se trata de ambição, de ganância, de apego ao poder, tentativa de se perpetuar no poder para se proteger, mas também para continuar saqueando os recursos da nação, declarou Barbosa. Em maio, após a primeira votação do Senado pró-impeachment, ele já havia denunciando um conchavo no Congresso e defendido enfaticamente novas eleições no País, também em uma palestra. Aquilo ali era uma pura encenação pra justificar a tomada do poder, comentou Barbosa na ocasião, sobre a votação dos senadores.
Colocar no lugar do presidente alguém que ou perdeu a eleição presidencial para o presidente que está saindo ou alguém que sequer um dia teria o sonho de poder disputar uma eleição para presidente da República. O Brasil, anotem, vai ter que conviver por mais de dois anos com essa anomalia, disse, em referência ao PSDB e ao PMDB. 

Não tem mais bobo no mercado, quando se trata de Brasil.
Boa vontade dos investidores com Temer se esgotará em um mês, diz Jason Vieira.
Se tudo sair como o programado, o impeachment de Dilma será confirmado em 31 de agosto e Temer será efetivado na Presidência. Haverá, porém, pouquíssimo tempo para comemorações. A partir daí, a paciência dos investidores em relação ao novo governo se esgotará com uma rapidez olímpica.
Temer terá 30 dias, no máximo, para aprovar as primeiras medidas relevantes, afirma Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset Management. Até porque, segundo ele, os investidores já estão escaldados com promessas não cumpridas do Brasil. Não tem mais bobo no mercado, diz. Confira os principais trechos da entrevista a O Financista:
O Financista: A perspectiva de que vai demorar um pouco mais para os juros subirem nos EUA deveria tornar o Brasil mais interessante para os investidores, mas eles estão cautelosos. Por quê?
Jason Vieira: Esse é o problema: os fundamentos do Brasil ainda estão ruins. O que houve, até agora, foi uma mudança de perspectiva, e não de contexto efetivo. O mercado de trabalho é um exemplo. É sempre o primeiro a sentir a crise e o último a reagir. Mesmo a melhora do contexto vai fomentar um pouco mais de desemprego, porque as pessoas que estavam desanimadas vão se motivar a buscar novamente uma vaga.
O Financista: Que medidas efetivas Temer deverá mostrar ao mercado, para provar que não mudamos apenas da boca pra fora?
Vieira: No curto prazo, a mais fulcral é evitar que a PEC do teto de gastos seja ainda mais desidratada na negociação com o Congresso. Seria um bom sinal, mas há outros. A reforma da Previdência deveria chegar ao Congresso com o máximo de medidas rigorosas para reverter a situação. Ela não pode ser enviada com propostas tímidas, enxutas. Já que se trata de um tema impopular, que vai desgastar o governo de qualquer jeito, que seja a necessária. Até porque, como sabemos, para negociar com os parlamentares no Brasil, é preciso propor mais do que se deseja, para ceder e sair com o que se quer mesmo.
O Financista: Há mais alguma medida que Temer tem que adotar?
Vieira: Já que estamos falando de medidas impopulares, é melhor tratar logo da reforma tributária. Ela é extremamente popular entre os cidadãos e os empresários, mas é polêmica entre os governadores e os parlamentares. Muitos acreditam que, sem a guerra fiscal, não terão o que oferecer para atrair investimentos para seus Estados.
O Financista: Alguns afirmam que o mercado está se autoenganando em relação a Temer. Você concorda?
Vieira: Não diria que é um autoengano. Veja o caso dos investidores estrangeiros. Há uma demanda efetiva por ativos brasileiros, porque as perspectivas estão mudando, mas eles já sabem que este é o Brasil. Ou seja: tudo pode acontecer. E, se tudo pode acontecer, é melhor esperar um pouco, até o impeachment ser efetivado. Eles já sabem que não se pode contar com ovo dentro da galinha aqui.
O Financista: Na prática, uma vez confirmado o impeachment, quanto tempo Temer terá para apresentar resultados concretos e provar ao mercado que a confiança é justificada?
Vieira: Eu diria que, após a confirmação do impeachment, a paciência do mercado será expressivamente mais curta. Eu diria que, no máximo, Temer terá 30 dias para aprovar as primeiras medidas que mostrem que o Brasil vai mesmo mudar. Não tem mais bobo no mercado, em se tratando de Brasil. (Márcio Juliboni) 

Obrigado Lula e Dilma, mas vocês serão presos.
Muito obrigado pela Olimpíada, pela preparação dos atletas etc, mas, infelizmente - para vocês -, isso não os absolverá dos crimes que cometeram, nem melhorará de um dia para o outro a situação econômica e social que deixaram.
Lula, as medalhas não anularão sua participação nos esquemas de corrupção da Petrobrás, do BNDES e na venda de MPs para beneficiar grandes empresas, nem sepultará o processo de tentativa de obstrução da operação Lava Jato que você responde no STF. Você será preso. Se a justiça for justa, morrerá atrás das grades porque você um ladrão.
Dilma, sua situação não melhorará por causa do ouro que foi conquistado no futebol e no vôlei. Você mentiu e fraudou muito e pelo que apontam as investigações, participou ativamente da organização dos esquemas de corrupção.
Você não será apenas chutada do Palácio da Alvorada, mas logo será processada e presa porque você uma bandida.
Enquanto vocês se gabam de ter construído uma zona de conforto dentro da miséria por meio do Bolsa Família, dezenas de milhares de pequenas empresas fecharam e doze milhões de pessoas perderam seus empregos, principalmente os mais jovens das regiões norte e nordeste.
Lula, você não acabou com a pobreza. Você apenas mudou os critérios de avaliação, o que não foi suficiente para esconder a realidade por muito tempo.
Segundo o Ipea, 33 milhões de brasileiros encontram-se abaixo da linha da pobreza, com mais da metade dos lares vivendo com menos de um salário mínimo.
Segundo o IBGE, 39,5% das pessoas aptas a trabalhar não possuem o ensino fundamental e mais de 13 milhões de brasileiros são analfabetos. Menos de 5% dos estudantes da rede pública saem do ensino médio com conhecimentos básicos em matemática.
O próprio ministério das Cidades reconhece que 35 milhões de brasileiros não têm acesso a água tratada, que metade da população não tem acesso a sistemas de coleta de esgoto e apenas 40% dos dejetos coletados são tratados. O ministério reconhece também que 4 milhões de pessoas não contam com banheiro nos locais onde residem. 58% das obras de saneamento básico estão paradas. Soma-se ainda um déficit de 6,4 milhões de moradias e uma recessão econômica de 8% em três anos.
É isso o que vocês entregaram depois do Brasil ter passado por um dos melhores momentos econômicos da história recente.
Enquanto vocês se dizem vítimas de golpe, o PT firma coligação com PSDB, PMDB e DEM em 1683 cidades visando a campanha eleitoral deste ano, confirmando que o único golpe que houve foi o que vocês aplicaram na sociedade brasileira.
As glórias e alegrias da Rio2016 são um prêmio de consolação para o povo brasileiro por ter aguentado por tanto tempo dois parasitas como vocês dois.
Creio que todo brasileiro sabe que a partir de amanhã obras serão paralisadas e virão a público novos escândalos sobre a roubalheira que vocês dois promoveram sob a justificativa da Olimpíada, mas pelo menos teremos o prazer de vê-los sendo enquadrados definitivamente pela justiça.
Desejo aos dois uma vida longa e cheia de saúde… na cadeia. (João Cesar de Melo, artista plástico formado em arquitetura e urbanismo) 
Um amigo falso e maldoso é mais temível que um animal selvagem; o animal pode ferir seu corpo, mas um falso amigo irá ferir sua alma. (Buda)

Nenhum comentário: