4 de mar de 2016

• Lamas sendo varridas...

 photo efeitodominoacute_zpshnvi37z0.jpg • Denúncia de Delcídio ainda não é delação premiada. Entenda por que as afirmações do ex-líder governista ainda não constituem uma peça oficial de acusação e veja quais são as estratégias do governo, da oposição e do PT para lidar com o mais novo abalo causado pela Lava Jato; Delcídio delata Dilma e Lula, diz revista. Segundo reportagem publicada pela IstoÉ, a presidente e seu antecessor sabiam das irregularidades na Petrobras e tentaram interferir nas investigações. Delcídio não confirma conteúdo de reportagem sobre delação. Em momento algum, nem antes, nem depois da matéria, fomos contatados para nos manifestarmos sobre fidedignidade dos fatos relatados, diz nota em nome do petista; Delcídio apresentou um conjunto de mentiras, diz Cardozo. Em entrevista coletiva, o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo condenou o depoimento da suposta delação premiada. Gleisi: Delação de Delcídio não interfere em processo de impeachment. A senadora Gleisi indaga falta de homologação oficial da denúncia, e afirma que caso Delcídio já teve muitas idas e vindas. Para a congressista, existe muita fofoca relacionada ao assunto; Ministro do TCU repudia relato de Delcídio sobre CPI. Vital do Rego, atualmente ministro do Tribunal de Contas da União, foi citado por suposta de delação premiada de Delcídio Amaral, que o acusa de ter recebido dinheiro para não convocar empreiteiros para depor na CPI da Petrobrás. Delcídio envolve parlamentares e ministro do TCU em delação. Senador acusou os participantes da CPI da Petrobrás de receber dinheiro para não convocar empreiteiros; O ex-senador Gim Argello, os deputados Marco Maia e Fernando Francischini e o ministro do TCU, Vital do Rego, negam as acusações; Relator do caso Delcídio diz que delação seria autoconfissão: Se ele fez a delação premiada, é réu confesso. Se o cara é réu confesso, depõe contra si mesmo, declarou Telmário Motta, que dará parecer sobre petista no Conselho de Ética do Senado. 
• Por unanimidade, Cunha vira réu no STF. Com dez votos por abertura do processo, Cunha protagoniza dois momentos inéditos: a primeira denúncia da Lava Jato recebida pela corte e o primeiro presidente da Câmara a responder uma ação penal na Corte. Fux não votou. 
• Confirmação de denúncias contra Dilma será fundo do poço, diz Aécio. Presidente do PSDB diz que eventual confirmação do teor da delação premiada de Delcídio do Amaral extrapola o debate político entre oposição e governo
• Dengue avança no Rio em área com instalações olímpicas. Casos subiram de 47 no início de 2015 para 329 no mesmo período deste ano. 
• Contribuinte terá que baixar nova versão do IR. Software apresenta falhas; quem já enviou declaração não será afetado. 
• PIB per capita regride a 2010, e país continuará na viagem para o passado. Brasil enfrenta recessão mais profunda em 20 anos. PIB encolheu 3,8% em 2015 e ruma para pior biênio em mais de um século. 
 • Santana e sua mulher têm prisão preventiva decretada. Planilhas mostram que Odebrecht repassou R$ 22 milhões a casal, diz Moro. 
• Decisão do STF tem impactos além do caso Cunha. Supremo consolidou também a importância da delação premiada. 
• Cidade no CE tem 60% da população com suspeita de zika. Epidemia pode ter sido ocasionada pelo atraso no repasse de larvicida. Vírus da zika provoca morte de neurônios. Ataque a células do sistema nervoso durante desenvolvimento seria indício. 
• Dilma se diz alvo de vazamento como arma política. Em nota, presidente defende apuração rigorosa sobre o que considera vazamentos apócrifos de delação do senador Delcídio antes da homologação pela Justiça, mas não menciona denúncia de que tentou interferir na Lava Jato. 
• Citado em depoimento de Delcídio, Lula diz que nunca cometeu ilegalidades. De acordo com revista, Delcídio atribuiu a Lula a responsabilidade pela oferta de R$ 50 mil à família do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que resultou em sua prisão. 
• Oposição quer incorporar denúncias ao processo de impeachment. Decisão unânime de líderes oposicionistas prevê aditamento de denúncias feitas por Delcídio do Amaral ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff instaurado na Câmara. 
• Novo líder do PT diz ver delação de Delcídio como barrigada da imprensa. Para deputado Afonso Florence, enquanto suposta delação não for homologada pelo Supremo Tribunal Federal, não existem denúncias, mas uma notícia que pode estar equivocada. 
• Cunha sobre o PT: Delação nos olhos deles é refresco. Peemedebista diz que acha graça da reação dos petistas no episódio e que fica em uma situação privilegiada diante das denúncias de que Dilma e Lula sabiam de irregularidades na Petrobras e tentaram interferir nas investigações da Lava Jato. 
• De saída do PSD, Araújo mantém posto no caso Cunha. Troca de partido não influi em comando do Conselho de Ética, garante José Carlos Araújo, cujo voto de minerva como presidente do colegiado garantiu a continuidade do processo de cassação. 
• Líder do Pros leva bancada para o PHS. Givaldo Carimbão deixa legenda que foi fundador e primeiro deputado. Veja a lista parcial do troca-troca partidário. 
• Deputados pedem que MPF investigue relação entre Rede Globo e FHC. Petistas Paulo Pimenta e Wadih Damous protocolaram no Ministério Público Federal um pedido de investigação ao ex-presidente. Parlamentares afirmam que há fortes indícios de práticas de crimes
• STJ decreta prisão de ex-vice-governador do Distrito Federal. Benedito Domingos foi condenado a nove anos e oito meses de prisão pelos crimes de fraude em licitação e corrupção passiva. Ministros aplicaram entendimento do STF que prevê prisão em condenações em segunda instância. 
• Lava Jato: Moro decreta prisão preventiva do casal João Santana e Mônica Moura. Segundo o juiz, a prisão de Santana é necessária para preservar as investigações porque ele tentou destruir arquivos eletrônicos. 
• Dilma dá posse aos novos ministros da Justiça, AGU e CGU. Em cerimônia no Palácio do Planalto, Dilma deu posse aos ministros da Justiça, Wellington César Lima e Silva; da Advocacia-Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo; e da Controladoria Geral da União (CGU), Luiz Navarro de Brito. 

• Mauricio Macri fecha acordo com credores e começa a corrigir desequilíbrios herdados do passado. 
• Cúpula republicana reforça a ofensiva para frear Trump. Ex-candidatos à Presidência pelo partido atacam empresário. 
• Oposição lança plano triplo contra Maduro. Estratégia opositora prevê referendo, emenda constitucional e manifestações.
A lama chegou à Brasília e ao capo...
Lembram-se da maior tragédia ecológica nacional, causada pelo rompimento da barragem do Fundão, em Mariana e que levará anos para ter recompostos os danos ocorridos, em boa parte do País?
Lama mais avassaladora que essa, está invadindo os palácios de Brasília e o reinado do capo dei cappi, no leito da delação premiada do Senador Delcídio do Amaral, conforme reportagem da Revista Isto É, nas bancas e nas asas da 24ª. Operação Lava-Jato, a Aletheia, isto é, a verdade, a revelação.
São crimes de toda ordem, ilegalidades eleitorais, compra descarada de ilícitos, pressão sobre juízes para soltar os empreiteiros envolvidos, etc., tudo perpetrado pelos luminares do Poder, a mando da sra. DIImáh e do Sr. Lulla que, agora, não poderão mais ficar cantarolando aquele mote eterno do eu não sabia de nada, eu não vi nada, eu não participei de nada!... O Senador Delcídio é peça central do núcleo do Poder PTista, o grande articulador político da sra. DIImáh, o todo poderoso que nomeava, determinava e avalizava os acordos e entendimentos!
Se estivéssemos vivendo em um País minimamente civilizado e soberano, essa turma já estaria na papuda, há muito tempo! 
A lama chegou ao Sr. Lulla e à sra. DIImáh! Mas todo o País, inclusive nossas Instituições judiciárias, já sabiam que essa onda de sujeira e de fedor estava soterrando esses atores!
Lição básica desse cenário: não fique esperando que outros vão jogar esse embrulho de sujeira e podridão, no lixo! É você quem tem de fazer isso! Assuma a sua indignação e sua não aceitação desse quadro!
Mexa-se! Faça a sua parte! Vá para rua no próximo dia 13! E leve seus amigos e seus parentes!/ O mundo não anda sozinho!... Nossas ações é que determinam para onde ele vai!... (Márcio Dayrell Batitucci) 

Polícia Federal faz operação na casa do ex-presidente Lula, na Grande SP. Operação da Polícia Federal na casa de Lulinha, filho de Lula, em Moema.
A Polícia Federal realizou na manhã desta sexta-feira (4) a 24ª fase da Operação Lava Jato no prédio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seu filho Fábio Luíz Lula da Silva - também conhecido como Lulinha. Essa fase da operação, batizada de Aletheia, apura se empreiteiras e Bumlai favoreceram Lula por meio do sítio em Atibaia e o tríplex no Guarujá. 
Lula foi levado. O ex-presidente é alvo de mandado de busca e apreensão e de condução coercitiva (quando o investigado é obrigado a depor). Os advogados dele tinham entrado com habeas corpus para evitar a medida, mas ele valia só para São Paulo, e não para Curitiba, de onde despacha o juiz Moro, conforme informações dadas à Folha. 
Os carros da PF chegaram às 6h à sua casa, em São Bernardo. Quatro carros entraram na garagem do prédio e cerca de dez agentes ficaram na portaria. A mulher de Lula, dona Marisa, não está na condução coercitiva. 
Cerca de 200 agentes da PF e 30 auditores da Receita Federal cumprem, ao todo, 44 mandados judiciais, sendo 33 mandados de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva no Rio de Janeiro, em São Paulo e na Bahia. 
São investigados crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, entre outros, relacionados à Petrobras. A determinação da busca e apreensão é do juiz federal Sergio Moro, de Curitiba. 
Na casa de Lulinha, em Moema, dois carros da PF e um da Receita Federal são usados na diligência. Os agentes chegaram ao prédio dele às 6h e não falaram com a imprensa. Moradores relatam movimentação intensa da PF no interior do prédio. 
Na capital paulista, há também agentes da PF no Instituto Lula e na Odebrecht. Há mandados para Atibaia e Guarujá, onde estão sítio e tríplex, respectivamente, além de Santo André e Manduri. 
Aletheia
Aletheia é uma palavra grega que significa verdade e, também, realidade, não-oculto, revelado, entre outras asserções. Na filosofia, notadamente nos escritos do alemão Martin Heidegger (1889-1976), o sentido original de revelação é recuperado: para o pensador, aletheia é a verdade objetiva, desvelada, contrapondo-se à verdade descrita convencional. 
O termo é comumente usado na psicologia também, quando se trata da busca por uma verdade além das aparências. Heidegger, um dos mais influentes filósofos do século 20, teve a reputação tisnada por colaborar com o nazismo, mas sua obra permaneceu. 
Delcídio
A ação é realizada um dia após ser revelado um acordo de delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS). O parlamentar revelou que Lula mandou comprar o silêncio de Nestor Cerveró e de outras testemunhas. 
Detalhes do acordo foram veiculados pelo site da revista IstoÉ, que publicou reportagem com trechos dos termos de delação. A informação de que Delcídio fechou acordo de delação premiada foi confirmada à Folha por pessoas próximas às investigações da Lava Jato. 
O senador também diz que Dilma Rousseff usou sua influência para evitar a punição de empreiteiros, ao nomear o ministro Marcelo Navarro para o STJ. O ministro Teori Zavascki, do STF, decidirá se homologa ou não a delação.

Se não fosse o Roberto Jefferson , hoje teríamos José Dirceu...
Se o mensalão não tivesse existido, ou se não fosse descoberto, ou se Roberto Jefferson não o denunciasse, muito provavelmente não seria Dilma, mas Zé Dirceu o ocupante do Palácio da Alvorada, de onde certamente nunca mais sairia.
Roberto Jefferson tem todos os motivos para exigir seu crédito e nossa eterna gratidão por seu feito heroico: Eu salvei o Brasil do Zé Dirceu.
Em 2005, Dirceu dominava o governo e o PT, tinha Lula na mão, era o candidato natural à sua sucessão. E passaria como um trator sobre quem ousasse se opor à sua missão histórica. Sua companheira de armas Dilma Rousseff poderia ser, no máximo, sua chefe da Casa Civil, ou presidente da Petrobrás. Com uma campanha milionária comandada por João Santana, bancada por montanhas de recursos não contabilizados, vindos da corrupção deslavada pelo nosso Delúbio, e Lula com 85% de popularidade animando os palanques, massacraria Serra no primeiro turno e subiria a rampa do Planalto nos braços do povo, com o grito de guerra ecoando na esplanada: Dirceu guerreiro do povo brasileiro.
Ufa!...
A Jefferson também devemos a criação do termo mensalão. Ele sabia que os pagamentos não eram mensais, mas a periodicidade era irrelevante. O importante era o dinheirão. Foi o seu instinto marqueteiro que o levou a cunhar o histórico apelido que popularizou a Ação Penal 470 e gerou a aviltante condição de mensaleiro, que perseguirá para sempre até os eventuais absolvidos. O que poderia expressar melhor a ideia de uma conspiração para controlar o Estado, com uma base parlamentar comprada com dinheiro público e sujo, roubado do povo brasileiro? Nem Nizan Guanaes, Duda Mendonça e Washington Olivetto, juntos, criariam uma marca mais forte e eficiente.
Mas, antes de qualquer motivação política, a explosão do maior escândalo do Brasil moderno, quiçá do mundo, é fruto de um confronto pessoal, movido pelos instintos mais primitivos, entre Jefferson e Dirceu. Como Nina e Carminha da política, é a história de uma vingança suicida, uma metáfora da luta do mal contra o mal, num choque de titãs em que se confundem o épico e o patético, o trágico e o cômico, a coragem e a vilania. Feitos um para o outro!
O chefe sempre foi José Dirceu. Combativo, inteligente, universitário - não sei se completou o curso - fala vários idiomas, treinado em Cuba, de onde é e sempre será agente do serviço secreto de Castro, e na Antiga União Soviética, entre outras coisas, se aprimorou em guerrilha e guerra ideológica. E com uma fé cega em implantar a Ditadura do Proletariado a La Cuba, no Brasil e no resto do continente.
Para isso usou e abusou de várias pessoas e, a mais importante - pelos resultados alcançados - era Lula. Ignorante, iletrado, desonesto, sem ideais, mas um grande manipulador de pessoas, era o joguete ideal para o inspirado José Dirceu. Lula não tinha, nem nunca terá, caráter nem ética, e até contava, entre risos, que sua família só comia carne quando seu irmão roubava mortadela no mercado onde trabalhava. Ou seja, o padrão ético era, e sempre será, vil e horrendo. E ele, o Dirceu, que fizera tudo direitinho, estava na hora de colher os frutos e implantar seu sonho no país.
Aí surgiu Roberto Jefferson... E deu no que deu. Ladrão que ferra ladrão, a lei lhe confere um tanto de perdão.
A análise de Nelson Motta está perfeita. (AD)

Nenhum comentário: