19 de mar de 2016

Compasso de espera...

 photo prendammoro_zpslmcebrnw.jpg • Condomínio atrasado por um mês será cobrado na Justiça. 
• Município do Rio também decreta ponto facultativo na quinta-feira. 
• Manifestação em defesa da presidente Dilma reúne 95 mil na Paulista, calcula Datafolha. Entrei para ajudar Dilma, diz Lula em ato. 
• Equipe da PF será trocada se houver vazamento, diz ministro. Novo chefe da Justiça, Eugênio Aragão nega intenção de influenciar Lava Jato. 
• Lava Jato: Suíça promete enviar avalanche de dados sobre políticos brasileiros. 
• STF suspende posse de Lula e devolve investigação a Moro. Gilmar Mendes atendeu a pedidos do PPS e PSDB; governo irá recorrer. 
• OAB nacional decide apoiar o impeachment da presidente. Decisão do conselho federal da entidade foi referendada por 26 votos a 2. 
• Janot foi avisado antes sobre divulgação de grampo de Lula. Gravação de Lula e Dilma pode ter sido correta, diz Janot. Grampo tem validade até empresa ser notificada, diz Janot. 
• Desastre de receita: Arrecadação federal cai em ritmo alarmante, antes mesmo de crise política se agravar. 
• São preocupantes os dados do maior estudo já realizado sobre a saúde e os hábitos dos adolescentes. 
• Moderado, Lula diz que pode ajudar gestão Dilma. Em discurso, petista afirma que há tempo para melhorar atual governo.
• Troca-troca alcança 13% dos deputados. Partido com mais investigados na Lava Jato, PP aumentou bancada em 20%. 
• Governo lançará pacote para estimular a economia. Com mudança em meta e dívidas estaduais, Fazenda prevê injetar R$ 15 bi. 
• Nada muda sem impeachment, diz ex-presidente do BC. Para Affonso Pastore, só um novo governo seria capaz de política coerente. 
• Búzios:  Leia

• Jornal The New York Times critica nomeação de Lula em editorial. 
Brasil tem que limpar a casa, impeachment não basta, diz presidente de consultoria de risco dos EUA. Presidente da Eurasia Group, Ian Bremmer ressalva, contudo, que renúncia de presidente não deve trazer solução imediata ao Brasil.
• Atentado suicida em rua turística de Istambul deixa cinco mortos e 20 feridos (governo). 
• Hillary segue vencendo, mas homens brancos resistem à sua candidatura. 
• Bélgica captura principal foragido de atentado em Paris. Salah Abdeslam estava em Bruxelas, onde foi planejada a ação terrorista. 
• UE fecha pacto com Turquia sobre destino de refugiados. Ancara receberá de volta migrantes que tentam chegar à Grécia ilegalmente. 
• Holocausto da cocaína: Jornalistas ingleses investigam, por dentro, narcotráfico latino-americano. 
• Avião da FlyDubai cai ao tentar pousar e mata 62 na Rússia; caixa-preta é achada. 

Lula foragido... Num ministério?
Só um país governado pelo petismo pode levar às manchetes de seus jornais notícia tão desonrosa: um ex-presidente da República, investigado por decisão da Justiça Federal, medindo a curta distância que o separa da porta da cadeia, negocia com seu partido, refúgio num cargo de ministro. Bastaria um miligrama de senso ético por litro de sangue desse corpo político chamado Partido dos Trabalhadores para que a medida causasse vermelhidão no rosto e fotofobia, tornando obrigatório a todos o uso de óculos bem escuros e boné de aba baixa.
Escandaloso? E quando foi que os escândalos voltaram a escandalizar o país? Note-se: essa é uma decisão praticamente consensual entre a elite partidária. Que se pode esperar da militância, menos dada a operar com relações de causa e efeito? O idioma inglês disponibiliza para situações moralmente repugnantes uma expressão muito forte: Shame on you!, que se pode traduzir por Caia vergonha sobre você!. Funciona como acusativo e como indicativo de repulsa social a um ato infame. Shame on you, Lula! Shame on you, PT! Lula refugiado num ministério para escapar às barras da Justiça é o último degrau de um escabroso poleiro moral.
Mas não é só isso. A ida de Lula para a Casa Civil é, também, a última tábua de salvação proporcionada ao governo que naufraga. Não há mais um sarrafo sequer no oceano de marolinhas em que afunda para mergulho abissal. Se a Justiça referendar o ato presidencial, a militância petista tentará vender a situação ao país como se Lula fosse o príncipe que chega, montado num cavalo branco, para salvar a princesa de casaquinho vermelho. E decretarão um ano de festas e felicidade geral. Sim, sim, têm conversa para tudo, mesmo com João Santana preso. (Percival Puggina, arquiteto, empresário e escritor) 

Glossário ideológico.
Lado ideológico
Como os pensantes sabem, o enorme contingente de formadores de opinião, que atuam, tanto na mídia impressa (jornal) quanto na mídia eletrônica (rádio e televisão) deste nosso pobre país, se deixa levar, exclusivamente, apenas pelo seu viciado lado ideológico.
Visão estreita
Com isto, todos aqueles que têm um pingo de discernimento, ao ler e ouvir comunicadores comprometidos com o socialismo, percebe, com absoluta nitidez, o quanto lhes falta bom senso, lógica de raciocínio e, principalmente, a indispensável veracidade sobre o que dizem e escrevem. 
Clichês
Mesmo que as redes sociais estejam avançando de forma exponencial, o fato é que o povo em geral ainda procura se informar através nos meios de comunicação de massa. Com isto, por entender que tudo que leem e ouvem é verdadeiro, muitos acabam repetindo clichê e inúmeras outras bobagens e inverdades que os maus comunicadores destilam sem parar. 
O Brasil não é um país sério.
No glossário carregado de inverdades proferidas por maus comunicadores constam coisas totalmente absurdas que infelizmente vingam e se tornam verdades. Uma delas diz respeito a frase o Brasil não é um país sério, jamais pronunciada pelo francês Charles de Gaulle.
Quem inventou esta história foi o mau jornalista Luís Edgar de Andrade, então correspondente do Jornal do Brasil em Paris. Entretanto, até hoje muita gente está convencida da mentira, pois De Gaulle jamais pronunciou tal frase. 
Distorcer a verdade.
Da mesma forma, para ficar mais restrito aos fatos atuais, o que a imprensa está definindo como grampo, no que diz respeito às gravações liberadas pelo juiz Sérgio Moro, é uma grande mentira.
Grampo, para quem não sabe, é gravação ilegal. Já as gravações feitas com autorização judicial (legais), como é o caso de Lula, o termo correto é interceptação. Como se vê, a palavra grampo está sendo usada pela mídia com um único propósito: distorcer a verdade. 
Contragolpe.
Da mesma forma, a palavra golpe. Grande parte de comunicadores ideológicos, ao invés de usar o termo correto contragolpe, que define a necessidade de afastamento de todos os governantes que golpeiam a Constituição, fazem exatamente o contrário: usam o termo golpe com o propósito de confundir seus leitores e ouvintes, a maioria formada por semianalfabetos. 
Coxinha e elite.
Mais: depois de repetir, milhares de vezes, que quem se opõe ao PT é coxinha e elite, o fato é que muita gente acredita que é isto mesmo. Totalmente cegos, não levam em consideração que a oposição ao PT já atinge mais de 90% do povo brasileiro. Ora, no raciocínio da mídia comprometida com o (ex) governo, significa, basicamente, que o povo brasileiro é coxinha e elite. Que tal? (GSPires) 
Os que se vingam por princípios são ferozes e implacáveis. (Napoleão Bonaparte)

Nenhum comentário: