31 de dez de 2015

2016, aí vamos nós...

Recados Online

• Nem começou 2016 e o Brasil já está mal na foto, literalmente. Economist prevê 2016 desastroso para o Brasil. Revista britânica destaca a possibilidade de impeachment de Dilma, a redução da nota de crédito do país, a troca de comando no Ministério da Fazenda e a previsão de encolhimento da economia como indicadores de que o próximo ano será difícil para o país. 
• Futuro verá mais que coincidência entre o tardio. Acordo de Paris e o recorde de calor em 2015. 
• Recorde: brasileiro já pagou R$ 2 trilhões de impostos este ano. Valor possibilitaria, entre outras coisas, construir mais de 90 milhões de casas populares de 40 m², fornecer medicamentos para a população brasileira por mais de 800 meses, pagar mais de 2,6 bilhões de salários mínimos, construir mais de 20 milhões de km de redes de esgoto, mais de 1,8 milhão de km asfaltados de estradas ou mais de 7 milhões de postos de saúde equipados. 
• Lewandowski extingue ação popular que pedia afastamento de Eduardo Cunha. Na decisão, o presidente do Supremo considerou que a Corte não tem prerrogativa de julgar esse tipo de ação popular, de índole civil. Com a decisão de julgar extinto o processo, não há possibilidade de recurso.
• Nem mago faz Dilma receber Suplicy. Cartas, flores e nem mesmo o apelo de Paulo Coelho sensibilizaram a presidente a receber o primeiro senador eleito pelo PT. Petista já mandou mais de 20 cartas a Dilma pedindo um encontro. 
• Que jogada é essa? Governo paga R$ 72,4 bi para quitar pedaladas. O valor inclui R$ 55,8 bilhões que estão sendo pagos na última semana do ano. As chamadas pedaladas fiscais se referem a atrasos nos repasses feitos pelo Tesouro aos bancos públicos para cobrir despesas com programas sociais e subsídios. 
• Governo regulamenta refinanciamento de dívidas de estados e municípios. O ministério ressalta que a lei não provoca impactos para a dívida pública e não afeta o resultado primário da União e de estados e municípios. Após mudança, Estados já cogitam novas dívidas. Dois dias após nove governadores terem ido a Brasília, Planalto cede. 
• Pessoas se divertem em lago artificial em Deodoro (zona oeste) que será usado para provas de canoagem slalom na Rio-2016; com entrada gratuita, local ganhou ares de piscinão popular. 
• Delegados da PF desafiam Cardozo por recursos e autonomia. Entre outras coisas, os delegados se queixam do corte de R$ 133 milhões no já limitado orçamento da instituição, conforme previsão da Lei Orçamentária Anual. 
• Petistas querem que STJ se desculpe com Dirceu e retire post do Twitter. Deputados alegam que tribunal aviltou dignidade de ex-ministro ao publicar no Twitter oficial que ele vai passar o ano novo atrás das grades ao anunciar adiamento para fevereiro de decisão sobre pedido de liberdade. 
• Cantareira sai do volume morto sem trazer alívio. Racionamento de água para moradores da Grande SP será mantido em 2016. 
• Delações: Delator diz ter levado R$ 1 mi a Renan Calheiros. Segundo ele, o dinheiro não era um repasse da empreiteira Camargo Corrêa; Delator diz que repassou R$ 300 mil para Aécio, afirma jornal. E o Aécio Neves não é da oposição?, teria perguntado Rocha. O diretor da UTC teria respondido, na versão do delator: Aqui a gente dá dinheiro pra todo mundo: situação, oposição, todo mundo; Denúncia de delator é falsa, absurda e irresponsável, diz Aécio. Senador diz que falta lógica à acusação feita por delator da Lava Jato de que recebeu R$ 300 mil em propina da UTC Engenharia. Objetivo de depoimento, segundo ele, é constranger o PSDB. 
• Fazenda vai pagar dívida de R$ 1,5 bilhão com o Banco do Brasil. Despacho autoriza também o contrato de renegociação e quitação de dívida com a Caixa Econômica Federal, no valor total de R$ 168,1 milhões. 
• Portaria regulamenta dispensa de visto para turistas durante Olimpíada. Turistas da Austrália, do Canadá, dos Estados Unidos e do Japão que chegarem ao Brasil entre 1º de junho e 18 de setembro de 2016 serão dispensados de apresentar visto. A dispensa terá validade de 90 dias, a contar a partir da data de entrada no país. 
• STF manda Cunha dar posse a suplente que é vereador no Rio. Presidente da Câmara se recusou a empossar vereador carioca alegando que ele não poderia acumular dois mandatos. Para Lewandowski, proibição prevista no texto constitucional não se aplica a suplente que exerce mandato temporariamente. 

• Argentina muda lei para permitir venda de canais de TV. Mudança na legislação deverá beneficiar o Grupo Clarín. 
• Esforço na acolhida a refugiados marca o ano de Merkel. A estimativa é que a Alemanha chegue a 1 milhão de pedidos de asilo este ano. 
• Só Venezuela raciona mais que Brasil na América Latina. Famílias reduziram em 2,6% o consumo de bens semi e não duráveis. 
• Fortuna dos 400 mais ricos do mundo encolhe US$ 19 bi. A maior queda foi de Carlos Slim, cuja empresa teve desvalorização de 25%. 

Resoluções de ano novo.
Último dia de um ano do Capeta, feito de encomenda para a gente mudar tudo a partir de amanhã. Primeiro cuidarmos de nós: parar de fumar, comer e beber menos, fazer exercícios diários, dar mais carinho a filhos e netos, economizar, pensar na Humanidade, ler aquele monte de livros amontoados na estante, desligar a televisão, visitar as tias velhas, tratar os subordinados com respeito e os chefes com altivez. Há muito o que reformar em termos de comportamento individual.
Quanto ao coletivo, mais ainda: compreensão para os erros e hesitações dos que, por ignorância, descumprem suas obrigações. Também para a incompetência dos responsáveis pelas políticas públicas. Intolerância e condenação para os envolvidos na corrupção. Desprezo para os que de má fé prometeram nas eleições o que não iriam cumprir no exercício de suas funções. Condenação à soberba e à prepotência de quantos se julgam superiores por razões de berço ou de riqueza. Rejeição de partidos, grupos e corporações empenhados em satisfazer seus interesses pessoais em detrimento do conjunto.
Caso conseguíssemos realizar a partir de hoje essas resoluções e logo 2016 seria a antítese de 2015. Só depende de nós, individual ou coletivamente. O problema está em que apenas por milagre praticaremos intenções tão comuns quanto necessárias. Dentro de um ou dois dias ficará clara a impossibilidade dessas mudanças. Sempre restará a desculpa de estarmos planejando resoluções de ano novo, mas para 2017. Quem sabe? (Carlos Chagas)

Os 3 últimos desejos de Alexandre, o Grande.
. Quando à beira da morte, Alexandre convocou os seus generais e relatou seus 3 últimos desejos:
1 - que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época;
2 - que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistados (prata, ouro, pedras preciosas… ); e
3 - que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos. 
. Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, perguntou a Alexandre quais as razões.. Alexandre explicou:
1 - Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles não têm poder de cura perante a morte;
2 - Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;
3 - Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.
. Grande lição… 
É tempo de pensar no se fez em 2015 e mudar 360 graus no escolher eleitos. Não aumente a desgraça dos outros. Reflita! (AA)

Nenhum comentário: