9 de nov de 2015

Começando de novo...

• Inflação fica perto de 10% em 12 meses com alta de combustíveis e alimentos. 
• Após deixar a prisão, delator da Lava Jato diz se sentir leproso. Sem a minha delação, operação não teria existido, diz Paulo Roberto Costa. 
• Garcia é citado 50 vezes na investigação de Lula. O aspone para assuntos internacionais aleatórios da Presidência, Marco Aurélio Garcia, aquele do top-top, é citado ao menos cinquenta vezes no inquérito que investiga o ex-presidente Lula pela prática do crime de tráfico internacional de influência para beneficiar a empreiteira Odebrecht, com financiamentos do BNDES para obras no exterior. O caso vem sendo investigado pelo Ministério Público do DF e Territórios. 
• Aécio emprestou aviões de Minas a celebridades. Legislação diz que uso de aeronaves deve ser restrito a funções públicas. 
• Dinheiro depositado na Suíça não é nada demais, diz Cunha. Presidente da Câmara afirma que origem dos recursos que movimentou é lícita. Caso de Cunha no Conselho de Ética renova truques comuns há pelo menos quatro séculos. 
• Mulher de Cunha omitiu contas da Receita e do BC. Recursos em conta superaram teto de US$ 100 mil que exige declaração. 
• Lula tem todo o direito de não gostar de mim, diz Cardozo. Criticado por petistas por não controlar a PF, ministro se diz injustiçado. Se você não quer ter inimigos, não seja ministro da Justiça. E se você quer, na vida política, se comportar dentro dos princípios do estado de direito, se prepare para ter inimigos e perder amigos. É impossível que se cumpra no Brasil a lei e aja de acordo com a sua consciência sem perder amigos e fazer inimigos, disse o ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, que nega qualquer ação, no Ministério da Justiça, para conter ou estimular investigações.
• Isto é Brasil! Tudo se faz a margem da lei e... Licença para barragens foi dada sem aval da Promotoria. Laudo encomendado pelo Ministério Público apontou risco de colapso. 
• Governo estuda mudar lei para facilitar fusão entre Oi e TIM. Alteração é exigência para que negócio entre as teles possa avançar. 
• A Arte de tomar grana e enganar as empreiteiras. Aqui

• Paz que julgava ver em Israel se tornou a que não quero. Caetano Veloso relata viagem que fez neste ano a Tel Aviv e Cisjordânia.

Filhos de Lula, netos do Brasil? 
. Faz parte da pior cinematografia brasileira a obra em que Flávio Barreto tentou filtrar e tornar cristalinas as águas turvas em que mergulha a figura de seu Lula, o filho do Brasil. O filme conta a história de um menino de origem miserável, cujo caráter teria sido marcado pela figura amorosa de dona Lindu, mulher de grande valor, que criou sozinha a numerosa prole. Em meio às dificuldades do sertão e da cidade grande, ela impôs a todos uma firme determinação moral: Nesta família ninguém vai ser ladrão nem prostituta.
. O filme e a frase me vieram à lembrança ao ler que o presidente nacional do PT, Rui Falcão, informado da busca e apreensão de documentos na empresa de Luís Claudio Lula da Silva, filho do filho do Brasil, exclamou indignado: Tem tubarão e vão atrás de peixinho!. Referia-se a quem? Não sabia que Rui Falcão fosse dado a sutilezas e ironias. Sobre o mesmo episódio, o noticiário do dia 27 relatou que Lula se queixou amargamente da presidente e do ministro José Eduardo Cardozo, que não teriam intervindo para estancar as investigações. A situação passou dos limites, haveria dito Lula.
. De fato, passou dos limites. Os filhos de Luiz Inácio - Luís Cláudio e Fábio Luís - incorporaram Lula ao próprio nome e, em poucos anos, a exemplo do pai, se tornaram empresários muito bem sucedidos. Receita, não única, mas segura, para o sucesso no mundo dos negócios brasileiros: acrescente Lula ao nome ou seja parente do homem. Rapidamente, milhões cairão do céu em suas contas bancárias.
. Não sei se o leitor destas enojadas linhas já reparou que a megalomania de Lula, a mesma que o leva a afirmar que acabou com a pobreza no país, tem a melhor representação precisamente no entorno do presidente e de seu partido. Companheiros que, em 2003, desembarcaram em Brasília viajando de ônibus e calçando chinelo de dedo, hoje vestem Armani e voam em jatinhos públicos ou privados. Nada mais acelerado (nem celerado!), em matéria de desenvolvimento social.
. O filho do Brasil, pai dos pobres e padrinho dos ricos sem caráter, lida com tanta grana que se expôs a uma investigação da COAF. Enquanto isso, os netos do Brasil, os filhos do filho, proporcionam lições de sucesso empresarial que deveriam ilustrar manuais em cursos de Administração. Fabio Barreto está devendo à nação um segundo filme, atualizando a biografia do filho de dona Lindu. (Percival Puggina, membro da Academia Rio-Grandense de Letras, arquiteto, empresário e escritor) 

A marca da incompetência.  
Incompetência - Entre as milhares de coisas erradas e/ou equivocadas que acontecem a toda hora no nosso pobre país, e se acumulam de forma brutal em todos os níveis de governo, todas elas estão marcadas, com letras garrafais, com a palavra incompetência.
Estradas - Vejam, por exemplo, que em todos os lugares do mundo em que as estradas são administradas e/ou conservadas por empresas com reconhecido know-how neste tipo de negócio, o resultado é muito apreciado pelo usuário e pelo investidor.
Concessões - No Brasil, infelizmente, muito até por má informação da mídia, os contratos de administração e/ou conservação de rodovias, (o mesmo serve também para portos, aeroportos, etc.), que nada mais são do que concessões ou permissões temporárias, é visto pela imensa maioria do povo brasileiro como privatizações
Todas continuam públicas - Ora, nenhuma estrada que o setor público construiu neste imenso Brasil, nos últimos 515 anos, foi vendida à iniciativa privada. As poucas que foram concedidas, com o propósito específico de serem mantidas e conservadas por algum tempo, continuam sendo públicas, ou seja, de propriedade do Estado. O que por si só faz do termo privatização uma grande mentira.
Pesquisa CNT - Pois, já que estamos falando de rodovias, é importante que os leitores tomem conhecimento do resultado da pesquisa feita pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes), divulgada ontem. O levantamento, que avaliou mais de 100 mil quilômetros de rodovias, incluindo toda a malha federal e os principais trechos de rodovias estaduais pavimentadas, mostra que 57,3% das principais rodovias do país têm alguma deficiência. Pode?
Resultado - O resultado, que precisa ser amplamente divulgado, informa que nas rodovias concedidas à iniciativa privada, em forma de concessões e não privatizações, tiveram 78,3% das vias classificadas como ótimas ou boas e apenas 21,7% como regulares, ruins ou péssimas.
. Já nas rodovias sob gestão pública (???), 31,4% foram consideradas ótimas ou boas e 65,9% regulares, ruins ou péssimas.
Outras identificações - O levantamento, sem surpresa, identifica que apenas 12,4% da malha rodoviária nacional é pavimentada, contra 78,6% sem pavimento. Esta grande deficiência faz com que o transporte de carga no país encareça em torno de 25,8%. Só em 2014, a perda foi de R$ 46,8 bilhões. 
. A CNT calcula que, se todas as rodovias analisadas fossem classificadas como ótimas ou boas, seria possível economizar 749 milhões de litros de óleo diesel, ou R$ 2,1 bilhões, com impacto positivo na redução de emissões de gases do efeito estufa.
. A pesquisa também mostra que 86,5% dos trechos analisados apresentam rodovia simples de mão dupla. Que tal? Não seria melhor se todas as estradas fossem entregue a concessionários, para que o nosso patrimônio rodoviário não fosse perdido? Ou vamos continuar gritando que se trata de privatização? (GSPires) 
Se você quer um arco-íris, tem que aguentar a chuva. (Dolly Parton)

Nenhum comentário: