15 de jun de 2015

Nova semana e notícias desafiadoras...

• Para os brasileiros não é novidade. Sindicalistas são acusados de desvio de R$ 100 milhões. Auditoria contratada pela Justiça investigou contabilidade de 2009 a 2014. Leia
• Futebol brasileiro de Luto. Morre aos 82 anos Zito, bicampeão mundial pela Seleção e pelo Santos. Velório será esta manhã em Santos. Corpo será sepultado em Roseira, interior de SP. 
• Governo Dilma quer idade mínima para aposentadorias. Planalto busca fórmula alternativa a proposta aprovada pelo Congresso. 
• Brasil está em círculo vicioso de recessão, diz Pastore. Ex-presidente do BC afirma que ajuste fiscal é insuficiente. 
• Análise: violência contra adolescente fica acima da média. Homicídio é a causa da morte de adolescentes em 36% dos casos. 
• Repensando a decisão. Blatter prepara golpe para continuar no poder, diz jornal suíço Schweiz am Sonntag e consideraria permanecer no comando da Fifa. 
• Petrolão - Esquema desviou R$ 256 milhões na Transpetro. Balanço apura perdas com esquema de corrupção na empresa. A investigação provocou a saída de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Balanço de 2014 da Transpetro - subsidiária da Petrobrás para as áreas de transporte e logística - reconheceu um rombo de R$ 256,6 milhões no caixa da companhia por conta dos desvios descobertos pela Operação Lava Jato. 
• Lula desdenha de eventual busca e apreensão. O ex-presidente Lula disparou telefonemas a aliados no Congresso para afirmar que não vai passar disso a descoberta de que, por meio da sua ONG Instituto Lula e da sua empresa Lils (iniciais de Luiz Inácio Lula da Silva), recebeu R$ 4,5 milhões da empreiteira Camargo Corrêa, acusada de roubar ... 
• A respeito escrevem: A Camargo Corrêa, de acordo com as planilhas da empreiteira, pagou R$ 1 milhão em junho de 2012 ao Instituto Lula, a título de bônus eleitoral e mandou outro R$ 1 milhão para o PT. Paulo Okamoto, presidente da entidade, nega que tenha sido bônus eleitoral: garante que foi um pagamento institucional para manutenção de ações de “erradicação da pobreza e fome no mundo”. Dias depois, ainda no mês, a empresa LILS Palestras, Eventos e Publicidade, deu R$ 50 mil para a campanha do candidato Marcos Lula, filho do ex-presidente, que disputava cadeira na Câmara Municipal de São Bernardo do Campo. Eventualmente, outro bônus
• E mais: O ex-presidente Lula fez violento ataque aos principais grupos de mídia do país no Congresso do PT, apresentando uma lista de demissões em jornais, revistas e na Globo. Os correligionários gritavam: O povo não é bobo, abaixo de Rede Globo. Contra a Editora Abril, destilou sua fúria: É a editora que publica a revista mais sórdida deste país. Nos bastidores, Lula pressiona Edinho Silva, titular da Secom, para que feche as torneiras da publicidade para todos os veículos dos grupos que considera seus inimigos....

Estarrecedor sobre Dilma. 
. A acusação é clara, cita as fontes, e só existe um caminho para desqualificar a acusação: Dona Dilma entrar com ação judicial imediata por calúnia e difamação contra os supostos detratores.
. Mas, isto, ela não faz, e todos sabem bem porque não o faz (exceto os petistas inocentes úteis, aqueles que morrem de paixão pela sigla da estrela vermelha, sem ganhar nada com esse amor e mesmo sabendo que ama um traste dirigido por velhacos): porque, se ela entra com processo contra os denunciantes, a denúncia será averiguada, e a verdade que compromete a presidanta virá à tona. Então, o melhor a fazer é seguir a velha receita de sempre, ou seja, deixar quieto, a ver se a acusação cai no esquecimento. Leia
.  
O PT no desespero.... 
. A maré não anda nada favorável para o PT apóstata! Escândalos e mais escândalos pipocando a cada hora, operação Lava-jato chegando perto do guru-maior Lulla, seu lugar tenente e escudeiro fiel, Paulo Okamoto, sendo convocado na CPI da Petrobrás, para explicar os milhões recebidos da Odebrecht, exatamente nas épocas em que ela conseguia seus fabulosos empréstimos do BNDES, o Congresso do PT apóstata continuando a defender aquelas teses absurdas sintonizadas com o bolivarianismo, já definitivamente rejeitadas pela sociedade brasileira, o partido esfacelado internamente por suas disputas de poder, com muitos militantes opondo-se abertamente ao governo e ás decisões da sra. DIImáh, etc..
. Enfim: um governo PTista que não consegue governar neste atual modelo presidencialista e um partido que perdeu totalmente seu rumo e seu norte, inerte e refém do PMDB e dos presidentes da Câmara e do Senado!...
. É a entronização do padrão-FIFA, algo que não consegue mostrar qualquer consistência ou perpetuidade!/ De qualquer modo, uma boa notícia para o País: a era PTista-sindical apóstata, parece que está se esgotando e se auto-destruindo, de dentro para fora, dispensando o papel que deveria ser exercido pelas oposições e pela instituições brasileiras!...
. E para complicar tudo isso: o Pizzolato vem aí!.... (Márcio Dayrell Batitucci)
O BB não é a Petrobrás! Alguém acredita nisto? 

. Henrique Pizzolato vem aí, trazendo com ele doloridas lembranças do mensalão e reavivando a certeza de que, na era PT, a política desenfreada de ocupação de estatais e bancos públicos não se resumiu à Petrobrás. O Banco do Brasil foi uma das vítimas, mas se defendeu.
. Petrobrás e BB viraram o paraíso de petistas e sindicalistas, mas com uma diferença: os funcionários da petroleira não viram, não ouviram e não falaram nada nesses anos todos, enquanto os do banco souberam botar a boca no trombone na hora certa, já em 2003, meses depois da posse de Lula. Foi assim que o BB resvalou nos escândalos, mas - pelo que se sabe até agora - não afundou neles, como a Petrobrás.
. Ao tomar posse, Lula até que tentou emplacar um sindicalista do PT na presidência do Banco do Brasil, assim como fizera na da Petrobrás, mas os escolhidos não tinham diploma de nível superior, uma exigência do estatuto da instituição. Pensou-se inclusive em mudar o estatuto, mas seria um pouco demais. Os funcionários puseram-se em alerta.
. Fora da presidência, os petistas jogaram-se com unhas e dentes nas demais instâncias do BB. Cinco dos sete vice-presidentes eram vinculados ao PT e só escaparam dois, o de Agronegócio e o de Negócios Internacionais. À época, o então presidente da Associação Nacional dos Funcionários do BB (Anabb), Valmir Camilo, me deu sua versão, um tanto preconceituosa, para essas duas exceções: os sindicalistas do PT não entendiam de agronegócio, só de MST, e não podiam assumir a vice internacional porque não falavam uma palavra de inglês.
. Além das vices, os companheiros abocanharam oito das 15 diretorias, sete das dez gerências gerais e as três joias da coroa: Previ (fundo de pensão), Cassi (plano de saúde) e Fundação BB (programas sociais e culturais). Além do presidente, cinco dos seis diretores do Conselho Diretor da Previ, maior fundo de pensão da América Latina, com patrimônio de R$ 38 bilhões em 2003, passaram às mãos de petistas a partir da posse de Lula.
. Voltemos pois a Pizzolato, funcionário de carreira do Banco do Brasil, militante do PT, sindicalista atuante e ex-presidente da CUT no Paraná. Em 2002, ele trabalhou diretamente com o tesoureiro da candidatura Lula, o agora famoso Delúbio Soares, e apresentava-se por aí com sua curiosa gravatinha borboleta e um cartão de visitas poderoso: Henrique Pizzolato - do Comitê Financeiro.
. Eleito Lula, Pizzolato voltou por cima ao BB, como diretor de Marketing (um dos oito diretores petistas), e não demorou muito para aprontar das suas. Já em 2004, foi pego com a boca na botija quando o BB comprou R$ 73,5 mil em ingressos de um show de Zezé di Camargo e Luciano para arrecadar fundos para... a nova sede do PT.
. Depois, Pizzolato foi flagrado levando para casa a bagatela de R$ 356 mil em dinheiro vivo, numa dessas confusões nunca bem explicadas, e foi condenado a 12 anos e sete meses de cadeia no escândalo do mensalão. Diferentemente dos demais réus, fugiu. Usando o nome de um irmão morto, foi curtir sua dupla cidadania na Itália, até acabar preso.
. Os excessos de Pizzolato, aliados à coragem de funcionários de carreira, alertaram a imprensa desde o início para o aparelhamento e o tsunami que estava se armando. Foi assim que o Banco do Brasil, aparentemente, escapou da tragédia que assolou a nossa Petrobrás e, quem sabe, outros bancos e empresas públicas do País. E é por isso que uma Lei de Responsabilidade das Estatais, desde que bem discutida e com objetivos claros, é muito bem-vinda.
. Quando se enrolou com o show pró-PT, Pizzolato me deu uma entrevista em que foi irônico, às vezes até sarcástico, apostando que nada iria lhe acontecer: Já comemos [ELE E O PT] torresmo com muito mais cabelo. Agora, é saber se tem torresmo na Penitenciária da Papuda, com ou sem cabelo. (Eliane Catanhêde, 05Jun2015)

Nenhum comentário: