15 de abr de 2015

Populismo e corrupção: de quem é a culpa...

• Superlotação no BRT Transoeste é causada pela falta de ônibus, afirma secretário de Transportes Rafael Picciani. Seriam necessários, hoje, mais 41 ônibus articulados e 15 não-articulados - somados aos 316 coletivos que existem nos dois corredores. 
• Rio: Lagoa sofre com mais de 32 toneladas de peixes mortos recolhidos. Comissão da Alerj vai investigar mortandade em parceria com o Inea e com a Secretaria estadual do Ambiente. Troca de águas com mar e gestão eficiente cortariam danos. Palco de competições de canoagem e remo nos Jogos de 2016. 
• Hum, mais outro petista: Dilma Rousseff indica Luiz Edson Fachin para o STF. Lewandowski, presidente do STF, é o padrinho oficial da indicação do jurista paranaense para o lugar de Joaquim Barbosa. Jurista indicado para o STF já pediu votos para Dilma em 2010, disse que eleição de petista era necessária para garantir conquistas dos anos anteriores
• Operação Zelotes: Alvo de escândalo bilionário de corrupção, o Carf deveria ser extinto?  Leia
• Tesoureiro do PT, João Vaccari Neto é preso pela PF em nova fase da Lava Jato e executa ainda mandado de condução coercitiva contra a mulher de Vaccari e procura sua cunhada. André Vargas, que recebeu R$ 3,7 milhões de 200 empresas, por meio de empresa de fachada do ex-deputado petista viajou para encontrar doleiro às custas da Câmara. Delator deu ao governo provas de repasse de US$ 31 mi em propina. 
• Petrobras vai colocar à venda ativos do pré-sal. Estatal pretende arrecadar até US$ 14 bilhões; processo está sob coordenação do Bank of America e deve se restringir às áreas de concessão e à fatia de 10% em Libra, do regime de partilha; sendo assim, estariam fora da lista áreas de cessão onerosa, como Búzios.
• Em convenção partidária, Bolsonaro pede desfiliação do PP.
• 87% querem redução da maioridade penal no país, de acordo com Datafolha. 
• Lula apela para que Dilma não aprove terceirização. Estatais terão limites para terceirização. Manifestantes bloqueiam Dutra contra projeto. Temos hoje no país 35 milhões de empregados formais e 13 milhões de terceirizados. Caso esta lei seja aprovada na Câmara, e depois no Senado, em pouco tempo a relação será certamente invertida porque nenhuma empresa vai querer pagar mais se pode gastar menos com seus funcionários, diz o jornalista Ricardo Kotscho. 
• Para manifestantes, PT quer implantar comunismo. Opinião é de 64% dos manifestantes presentes nos atos contra a presidente Dilma Rousseff em SP, segundo pesquisa coordenada pela socióloga Esther Solano, da Unifesp, e pelo filósofo Pablo Ortellado, da USP. Seis em cada dez (64,1%) das pessoas que estiveram na avenida Paulista no último domingo (12) para protestar contra o governo concordam com a afirmação de que o Partido dos Trabalhadores (PT), da presidente Dilma Rousseff, quer implantar o regime comunista no Brasil. Outros 29,9% não concordam com a afirmação. O restante não respondeu ou não sabe.

A marcha da insensatez. 
. Vai terminando o verão do descontentamento. como terminará o outono que se abre aí à frente? Há mais de 20 anos, desde os tempos de anarquia do infeliz governo de Fernando Collor, o Brasil não vivia um período tão longo de desencanto com o dia a dia, desgosto pela autoridade de quem está na Presidência da República e desprezo pelo que é percebido, cada vez mais, como sua pura e simples incapacidade de governar.
. Num espaço de alguns poucos dias, o país assistiu às maiores demonstrações públicas de condenação a um governo já registradas na memória nacional, à pior queda em sua avaliação nas pesquisas de opinião e à extravagante demissão de um ministro de Estado que resolveu, por conta própria, declarar guerra à Câmara dos Deputados.
. Pouco antes, na mesma cadência de uma desgraça a cada dia útil, ou o equivalente a isso, a presidente Dilma Rousseff tinha sido esmagada numa disputa irracional pela presidência da Câmara; seu adversário era o candidato desejado não pela oposição, mas pelo principal partido de apoio ao governo. O Senado Federal lhe enviou de volta o texto de uma mensagem de medida provisória que fazia parte das prioridades econômicas do Palácio do Planalto.
. O monumental escândalo de corrupção da Petrobras produz tensão contínua no noticiário cotidiano. Os dados econômicos, um após o outro, são uma sequência de derrotas. O ano mal completou três meses e já está certo que haverá recuo da economia em 2015, depois do crescimento zero de 2014. A inflação dá sinais ruins, o dólar não para de subir e o pleno emprego foi para o espaço. Há outras coisas, ainda; mas não é preciso ficar pendurando mais roupa nesse varal para constatar que o barômetro do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff tem registrado mau tempo fixo desde o dia da posse, e mesmo antes, logo após sua vitória nas eleições de outubro último.
. É um fenômeno, sem dúvida - ninguém se lembra de algum outro caso de presidente, governo e partido que tenham entrado em decadência instantânea após ganhar uma reeleição. Mas também não se trata de nenhum enigma. Está tudo dando errado, agora, porque tudo foi feito em favor do erro nos quatro últimos anos de governo. Na verdade, nada deu certo desde que Dilma assumiu a Presidência em janeiro de 2011; alguém é capaz de citar três coisas realmente boas, ou duas - vá lá, uma só -, que possam ser claramente atribuídas à atual gerência do Brasil?
. Esteve sempre muito claro, e foi dito diversas vezes, que durante esse tempo todo o governo praticamente não parou de gerir o país com desejos em vez de realidades, recusou-se a aceitar fatos econômicos elementares e transformou superstições ideológicas em política de Estado. Abandonou áreas inteiras da administração pública a aglomerados de esquerda que se imaginam capazes de acabar, no curtíssimo prazo, com o capitalismo neste país. Desde o primeiro dia foi preguiçoso para pensar, hostil à troca de ideias e amador na execução de suas obrigações. Com o século 21 já em sua segunda década, pensa como se vivesse em 1950. Não ouve ninguém. Não tem culpa de nada.
. A desordem diária que o Brasil vive hoje, na política, na economia e nos atos do governo, é o resultado inevitável dessa marcha rumo à insensatez. A presidente e seu entorno, ao que parece, não estão percebendo o que acontece no mundo das realidades - e isso, obviamente, não prenuncia nada de bom para o outono, ou para o inverno, ou para qualquer estação que venha adiante. Dilma nem sequer admite que possa haver alguma coisa realmente errada com seu governo; no máximo, e com muita hesitação, sugere que talvez tenha havido algum engano quanto à dosagem das medidas tomadas ao longo de seu governo.
. Não está vendo nem a árvore nem a floresta. Como esperar uma mudança firme de rumo, capaz de devolver ao governo a capacidade de governar, se a presidente não consegue ver onde está, muito menos para onde está indo? Não há, por enquanto, nenhuma resposta à disposição do público em geral. (J. R. Guzzo) 

O computador de Arquimedes: lição para a ufania da modernidade. Aqui

Coluna do Aposentado. 
Promotoria
. Não acreditamos! Soubemos, informalmente, que estão querendo reduzir ou extinguir a Promotoria de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa. Vamos nos mobilizar para que essa pretensão não seja concluída. Lamentamos que ação dessa natureza venha a ser concretizada, sem que os órgãos representativos do segmento sejam consultados.
Envelhecimento
. Dois eventos de suma importância aconteceram no Brasil e, particularmente, a região amazônica os sediou, colocando a capital paraense à disposição de profissionais de diversas partes do mundo na troca de experiências sobre o processo do envelhecimento. Foram os Congressos promovidos pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). Os assuntos e questões discutidos foram absorvidos de forma a gerar conhecimentos e, com certeza, modicar ações que trarão e favorecerão a qualidade de vida não só da pessoa idosa, mas, também, da criança, do adolescente e do adulto. É mais um alerta às nossas autoridades para que o nosso país não fique à margem nas previdências que devem ser tomadas, principalmente na área educacional.
Programa
. A propósito do assunto envelhecimento, destacamos o programa Ensina-me a viver que estreou na Rede Globo, recentemente, ouvindo personagens da área artística de grande influência na vida cotidiana do cidadão. A experiência dos atores que manifestaram suas opiniões foram recebidas com muito bom grado, mostrando-se que a realidade brasileira tem que ser, prioritariamente, tratada pela importância que as pessoas idosas representam na sociedade. O Brasil não deve se descuidar em promover ações de enfrentamento para atender a grande demanda que se apresenta com o célere crescimento da população idosa, amplamente divulgado em pesquisas proporcionadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
Superávit
. Os aposentados e pensionistas e os segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), vibram quando recebem a notícia de superávit na Previdência Social. É caso mais recente divulgado pelo Ministério: O setor urbano registra o sétimo superávit do ano. Esse resultado aconteceu no exercício de 2014, publicado pela Ascom/MPS, informando-nos que o saldo entre arrecadação e despesa de benefícios do setor urbano foi de R$1,9 bilhão. A arrecadação registrou R$26,3 bilhões, com aumento de 2,2% em relação ao mesmo período de 2013. Informações como estas é que esperamos em relação à nossa conta Seguridade Social, que sempre apresentou saldos superavitários nas análises anuais relatados pela Anfip e Fundação Anfip.
Reivindicações
. As reivindicações dos aposentados e pensionistas não podem ficar esquecidas ou colocadas à margem. Os poderes Legislativo e Executivo já tiveram o tempo suficiente para analisá-las. São propostas que não prejudicam em nada o Sistema Previdenciário, incluindo-se a disponibilidade de recursos financeiros contabilizados na nossa conta Seguridade Social. Postergar como vem acontecendo na Câmara dos Deputados é menosprezar a causar prejuízos a esse grande e importante contingente de pessoas idosas que construíram e fortaleceram a Previdência Social. Portanto, torna-se exigência a aprovação dos Projetos de Lei nº4434/2008, 3299/2008 e PEC - 555/2006. Prorrogar essa decisão é punir de forma massacrante quem não merece.
Saldo
. Vamos novamente repetir o que já dissemos anteriormente, a fim de que os deputados federais, responsáveis pela aprovação dos Projetos de Lei que reivindicam a correção dos malfeitos contra aposentados e pensionistas, desde 1991, vinte e quatro anos, portanto, que o saldo superavitário da conta Seguridade Social no período de 2000 a 2013, acumula um montante excepcional no valor de R$744,8 bilhões. Espera-se que contabilizados os valores do exercício passado (2014), alcançaremos oitocentos bilhões de reais, somente de superávit, o suficiente para que os reajustes dos benefícios da Previdência Social sejam efetivados com percentual igual a todos os segurados do Regime Geral de Previdência Social (RGPS).
Petrobrás
. Os aposentados e pensionistas, egressos da Petróleo Brasileiro S/A - Petrobrás, tem plena consciência de dever cumprido, participando ativamente da construção de uma empresa que tornou-se o orgulho e o patrimônio do povo brasileiro. Por isso aguardam que os resultados das apurações e investigações promovidas pela Polícia Federal na operação lava-jato, Comissão Parlamentar de Inquérito e Poder Judiciário, sejam finalizadas com a punição rigorosa de todos os envolvidos nas falcatruas praticadas nestes últimos anos, incluindo-se os que permitiram o avanço indecoroso aos cofres da empresa, beneficiando-se da forma ímproba. O resgate da performance desse parque petrolífero tem que ser prioritário para assegurar os investimentos necessários à nossa economia.
Punição
. Chega de punição para aposentados e pensionistas que percebem acima do salário mínimo. Os procedimentos adotados até então não podem persistir. Promove-se a discriminação permitindo-se uma política inadequada para quem contribuiu e fortaleceu o Sistema Previdenciário Brasileiro. Como diz o Sr. Paulo Regis de Souza, vice-presidente da Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social (Anasps), a sonegação e a evasão fiscal são monumentais e escandalosas. A recuperação de crédito é desmoralizante. Não chega a 1% da dívida. Daí perguntarmos aos dirigentes previdenciários: quem merece ser punido? Os devedores da Previdência Social ou os que cumpriram com as suas obrigações e deveres para com o Estado? (Emídio Rebelo Filho, Presidente da Diretoria Executiva - FAAPPA) 

Geralmente a solução do governo para um problema é tão ruim quanto o próprio problema. (Milton Friedman)

Nenhum comentário: