15 de abr de 2014

Não nos envergonhem mais !!!

Polícia escancara e encara (des)governo do Brasil ptralha.
O mundo inteiro já sabe que Brasil é o país da ilegalidade e desordem!
Policiais Federais realizam manifestação relembrando colegas que se suicidaram e perguntam ao (des)governo PTralha & Cia o que é que há para ser comemorado nos 70 anos de existência da Polícia Federal?
Denunciam que só há operações espetaculares e nada sério por parte do governo e que os policiais estão abandonados, vítimas de assédio moral, pressão psicológica e sem equipamentos, desmoralizados porque prendem bandidos que são imediatamente soltos pelo poder judiciário, pelas leis imorais vigentes no Brasil atual.

André Vargas puxou a faca, e os petistas graúdos saíram correndo.
Quem tem Vargas tem medo!
Na mira: Padilha, Gleisi e Bernardo
.

  photo _andrevargas.jpg 
André Vargas:
ele agora faz ameaças nem tão veladas a companheiros.
Quer ficar no partido;
julga ter moral compatível com a legenda.
Como discordar? 
Afirmei aqui na sexta-feira que o deputado André Vargas (PT-PR) andou dizendo coisas desagradáveis a seus companheiros. Não aceita ser enxotado do partido e promete reagir. Pelo visto, o PT entendeu o recado. A disposição de puni-lo até com a expulsão se transformou numa comissão para ouvir os seus motivos.
Segundo reportagem de Daniel Pereira e Robson Bonin na VEJA desta semana, os primeiros, digamos, ameaçados por Vargas são Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde, que vai concorrer ao governo de São Paulo, pelo PT; a senadora Gleisi Hoffmann, que deve disputar o governo do Paraná pelo partido, e seu marido, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.
Vargas estaria insinuando a companheiros que Paulo Bernardo é beneficiário de propinoduto da Petrobras e que seria intermediário de contratos entre o grupo Schahin, que costuma aparecer em escândalos petistas, e a estatal. O ministro teria recebido uma corretagem por isso, devidamente repassada ao Beto, que é como Vargas chama o doleiro Alberto Youssef.
Schahin? Lembram-se de Marcos Valério, o operador do mensalão petista? Em depoimento à Polícia Federal, ele afirmou que a construtora simulou no passado uma prestação de serviços para a Petrobras para arrumar dinheiro para os petistas comprarem o silêncio de um empresário que ameaçava envolver Lula e outros membros da cúpula do partido na morte de Celso Daniel.
As insinuações vão além. A senadora Gleisi e seu marido não gostariam ainda de ver expostas as suas relações com a Agência Heads Propaganda do Paraná. Seria, na expressão atribuída a Vargas, um esquema deles.
Bem, no governo Dilma, a Heads se tornou líder no recebimento de verbas da propaganda oficial. A ascensão foi tão espetacular que chamou a atenção do Tribunal de Contas da União, que decidiu apurar se há algo de errado. Todo mundo, evidentemente, nega tudo. Só uma coisa é inegável: até agora, Vargas não demonstra disposição de ir para o cadafalso em silêncio.
Sem saída
O chato para o petismo é que não há saída virtuosa para essa história. Leiam a reportagem de VEJA, que foi a Indaiatuba conhecer a Labogen, que, acreditem, no papel, pertence a um frentista chamado Esdra Ferreira. Também no papel, ele tem um sócio, o autônomo Leonardo Meirelles. Os dois já admitiram para a polícia que, de início, a Labogen era mesmo uma empresa de papel. Mas muito bem-sucedida, claro!!! Sem produzir um comprimido ou um supositório, faturou R$ 79 milhões entre agosto e novembro de 2010. Um portento!
Com a influência de Vargas, os técnicos do Ministério da Saúde, comandado por Padilha, foram vistoriar os equipamentos da Labogen para saber se esta estava apta a fazer a parceria com a gigante EMS e com o Laboratório da Marinha. Equipamentos??? Esdra, o frentista, contou à polícia: o maquinário era sucata comprada em cemitério de peças, revestida de alumínio, para dar a aparência de  novas. Mesmo assim, a parceria ganhou um sinal verde. Leiam reportagem na edição desta semana.
Vargas, como está dito, puxou a faca. E os petistas tremeram. Mais um pouco, ele também vai virar guerreiro, herói do povo brasileiro.
Parece que tanto empenho em tentar impedir a CPI da Petrobras vai um pouco além da questão política, não é mesmo? (Reinaldo Azevedo) 
ooo0ooo
Andando por Paris
Esse vídeo é o início do filme Meia-noite em Paris de Woody Allen. Um passeio pela Cidade Luz que, mesmo na chuva, é de uma beleza ímpar.
A música é de um compositor de jazz, negro, nascido em New Orleans, de nome Sidney Bechet que depois de passar por Chicago e New York se radicou em Paris.
Nome da música de fundo: Si tu vois ma mère de sua autoria. Para os amantes do jazz ..sensacional!

Nenhum comentário: