6 de nov de 2013

Cambeta, o país caminha pra onde?...

Goste-se ou não do FHC, poucos políticos exemplificam, como ele, no Brasil contemporâneo, a máxima de Millor Fernandes sobre os recursos intelectuais que cada um pode ter:  O Livre Pensar É Só Pensar... 

"Sem complacência Temos assistido ultimamente ao encolhimento do Estado diante da fúria de vândalos, aos quais aderem agora facções do crime organizado. 

As notícias da semana que terminou não foram auspiciosas, nem no plano internacional nem no local. Uma decisão da Corte Suprema da Argentina, sob forte pressão do governo, sancionou uma lei que regula a concessão de meios de comunicação. Em tese, nada de extraordinário haveria em fazê-lo. No caso, entretanto, trata-se de medida tomada especificamente contra o grupo que controla o jornal El Clarín, ferrenho adversário do kirchnerismo. Cerceou um grupo de comunicação opositor ao governo sob pretexto de assegurar pluralidade nas normas de concessão. Há, contudo, tratamento privilegiado para o Estado e para as empresas amigas do governo.

Da Venezuela, vem-nos uma patuscada incrível: as cidades do país apareceram cobertas de cartazes contra a trilogia do mal, ou seja, os principais líderes opositores, aos quais se debitam as falências do governo! Seria por causa deles que há desabastecimento, falta de energia e crise de divisas, além da inflação. Tudo para incitar ódio popular aos adversários políticos do governo, apresentando-os como inimigos do povo.

O lamentável é que os governos democráticos da região assistem a tudo isso como se fosse normal e como se as eleições majoritárias, ainda que com acusações de fraudes, fossem suficientes para dar o passaporte democrático a regimes que são coveiros das liberdades.

No Brasil, também há sinais preocupantes. Às manifestações espontâneas de junho se têm seguido demonstrações de violência, desconectadas dos anseios populares, que paralisam a vida de milhões de pessoas nas grandes cidades. A estas se somam às vezes atos violentos da própria polícia. Com isso, deixa-se de ressaltar que nem toda ação coercitiva da polícia ultrapassa as regras da democracia. Pelo contrário, se nas democracias não houver autoridade legítima que coíba os abusos, estes minam a crença do povo na eficácia do regime e preparam o terreno para aventuras demagógicas de tipo autoritário.

Temos assistido ao encolhimento do Estado diante da fúria de vândalos, aos quais aderem agora facções do crime organizado. Por isso, é de lamentar que o secretário-geral da Presidência se lamurie pedindo mais diálogo com os black blocs, como se eles ecoassem as reivindicações populares. Não: eles expressam explosões de violência anárquica desconectadas de valores democráticos, uma espécie de magma de direita, ao estilo dos movimentos que existiram no passado no Japão e na Alemanha pós-nazista.

Esses atos vandálicos dão vazão de modo irracional ao mal-estar que se encontra disseminado, principalmente nas grandes cidades, como produto da insensatez da ocupação do espaço urbano com pouca ou nenhuma infraestrutura e baixa qualidade de vida para uma aglomeração de pessoas em rápido crescimento. O acesso caótico aos transportes, o abastecimento de água deficiente e a rede de serviços (educação, saúde e segurança) insuficiente não atendem às crescentes demandas da população. Sem mencionar que a corrupção escancarada irrita o povo. Não é de estranhar que, conectados aos meios de comunicação, que tudo informam, os cidadãos queiram dispor de serviços de países avançados ou de padrão Fifa, como dizem. Sendo assim, mesmo que a situação de emprego e salário não seja ruim, a qualidade de vida é insatisfatória. Quando, ainda por cima, a propaganda do governo apresenta um mundo de conto da Carochinha, e o cotidiano é outro, muito mais pesado, explicam-se as manifestações, mas não se justificam os vandalismos.

Menos ainda quando o crime organizado se aproveita desse clima para esparramar terror e coagir as autoridades a não fazer o que deve ser feito. Estas precisam assumir suas responsabilidades e atuar construtivamente. É necessário dialogar com as manifestações espontâneas, conectadas pela internet, e dar respostas às questões de fundo que dão motivos aos protestos. A percepção de onde o calo aperta pode sair do diálogo, mas as soluções dependem da seriedade, da competência técnica, do apoio político e da visão dos agentes públicos.

Os governos petistas puseram em marcha uma estratégia de alto rendimento econômico e político imediato, mas com pernas curtas e efeitos colaterais negativos a prazo mais longo. O futuro chegou, na esteira da falta de investimento em infraestrutura, do estímulo à compra de carros, do incentivo ao consumo de gasolina, em detrimento do etanol, e do gasto das famílias via crédito fácil, empurrado pela Caixa Econômica Federal. Os reflexos aparecem nas grandes cidades pelo país afora: congestionamentos, transporte público deficiente, aumento do nível de poluição atmosférica etc.

De repente caiu a ficha do governo: tudo pela infraestrutura, na base da improvisação e da irresponsabilidade fiscal. Primeiro, o governo federal subtraiu receitas de estados e municípios para cobrir de incentivos a produção e compra de carros. Depois, em vista do caos urbano e da proximidade das eleições, afagou governadores e prefeitos, permitindo-lhes a contratação de novos empréstimos, sobretudo para gastos em infraestrutura. A mão que os afaga é a mesma que apedreja a Lei de Responsabilidade Fiscal, ferida gravemente pela destruição de uma de suas cláusulas pétreas: a vedação ao refinanciamento de dívidas dentro do setor público. Mais uma medida, esta especialmente funesta, que alegra o presente e compromete o futuro.

Não haverá solução isolada e pontual para os problemas que o país atravessa e as grandes cidades sentem mais do que quaisquer outras. Os problemas estão interconectados, assim como as manifestações e demandas. Não basta melhor infraestrutura se o crime organizado continua a campear, nem ter mais hospitais e escolas se a qualidade da Saúde e da Educação não melhora. As soluções terão de ser iluminadas por uma visão nova do que queremos para o Brasil. Precisamos propor um futuro não apenas materialmente mais rico, mas mais decente e de melhor qualidade humana. Quem sabe assim possamos devolver aos jovens e a todos nós causas dignas de serem aceitas, que sirvam como antídoto aos impulsos vândalos e à complacência com eles. (Fernando Henrique Cardoso)


Balelas: Mantega aponta superávit de R$ 73 Bilhões. É pouco? Ministro da Fazenda, Guido Mantega, dá sua resposta aos que apontam um suposto caos fiscal no País; segundo ele, governo terá resultado próximo ao projetado; cada mês será melhor que o seguinte no resultado fiscal, novembro deverá ser melhor do que outubro e dezembro melhor ainda, diz ele; sobre a crítica à política de desonerações tributárias, ele afirma que ela se traduzirá em empresas mais competitivas, que irão faturar mais

Isabel, a Segunda - Dilma propõe cota racial de 20% no setor público. 

Haja paciência com o Senhor Paes! SuperVia: Trem para e passageiros sofrem pelo terceiro dia seguido. 

O troco: Após revelação brasileira, diplomatas dos EUA dizem que todos espionam.


No mundo do faz de conta ele fala: Te convido a votar num bom candidato, que sou eu, diz Maluf após condenação. 

Não há como refutar: Após caso dos beagles, Instituto Royal fecha as portas. 

Carlos Lessa dispara duras críticas contra Dilma: Em artigo no Valor, economista e ex-presidente do BNDES chama presidente de fraca e mentirosa ao declarar reação ao leilão de Libra como uma absurda xenofobia; segundo ele, a Petrobras subsidia gasolina importada, o que prejudica seu lucro e abre caminho para o discurso entreguista. 

Vergonha: Governo age e consegue derrubar CPI da Copa. Proposta do senador Mário Couto, do PSDB, precisava de 27 assinaturas, mas articulação da base aliada fez com que nove senadores retirassem apoio; Comissão é vista pelo Planalto como estratégia da oposição para provocar manifestações e tumultos durante o Mundial da Fifa de 2014; requerimento sequer apresentava fato determinado, como exige o regimento, apenas citava suspeitas de irregularidades nas federações de futebol; Dane-se o Senado. Os senadores não querem? Danem-se os senadores, revoltou-se Couto. 

Homem que agrediu secretário provoca: - Um tapa no rosto é pouco...

Nenhum comentário: