29 de ago de 2013

Erros, escândalos, incompetências, de quem.....

 photo _aapelar_zpsf3591937.jpg
• Panes em trens, metrôs, ônibus, apagões... será que existem explicações ou são meras coincidências ao longos dos anos? 

• A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, anunciou, na manhã desta quinta-feira (29), que o novo valor do salário mínimo deverá ser de R$ 722,90. O texto deve ser votado pela Câmara e pelo Senado, até o fim do ano, para que o reajuste possa valer a partir de 1º de janeiro de 2014. 

• IBGE: Brasil já tem mais de 201 milhões de habitantes. 

Líder da oposição: Apagão foi herança de Dilma 
Dilma foi ministra de resultados negativos e deficientes. Hoje coloca e mantém em cargos de direção pessoas que ela sabe que não têm competência para gerenciar o sistema elétrico nacional. Esse novo apagão é resultado da falta de planejamento, de obras não cumpridas e da substituição de bons técnicos por companheiros do PT. Falta competência e qualidade para quem administra o sistema elétrico nacional, e quem está pagando caro é a população; deputado Antônio Imbassahy (PSDB) foi presidente da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. 

• TSE não abre precedente para Rede, de Marina Silva. 

Um acinte de anos 
• Dahas Zarur é afastado do cargo de provedor da Santa Casa suspeito de fraudes de imóveis e casos de vendas criminosas de sepulturas no Rio. Contas bancárias e bloqueios de imóveis foram promovidas. 

• Para fugir da Justiça brasileira, Ricardo Teixeira solicita residência no principado de Andorra. País da vergonhosa impunidade 

1) Grito da mídia no caso Donadon pode solapar democracia. Jornais amanheceram indignados com o fato de um presidiário, Natan Donadon, ter conseguido preservar seu mandato parlamentar; para o Correio Braziliense, ele é Sua Excelência, o presidiário; no Globo, o deputado preso por roubo; Veja aponta ultraje; no entanto, uma resposta como o fim do voto secreto seria ainda pior para a democracia, tornando parlamentares reféns do berro e da pressão dos meios de comunicação. 

2) Ao comentar a decisão da Câmara de manter o mandato do deputado Natan Donadon, condenado pelo STF, presidente do Senado disse que a sociedade não tolera mais esse tipo de situação; A sociedade muda e nós precisamos mudar. Essa situação da prisão com o exercício do mandato não dá mais. Tanto é que vamos votar a PEC 18, que a partir da condenação torna o mandato extinto, disse. 

3) Preso há dois meses e condenado pelo STF, Donadon tem mandato mantido pela Câmara. Em votação secreta, 233 deputados votaram a favor de sua cassação, 131 contra e houve 41 abstenções. Para cassá-lo, eram necessários 257 votos, o que representa a metade do total de deputados mais um voto. Após a decisão, o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves, determinou o afastamento de Donadon de suas funções e a convocação do suplente, que será Amir Lando (PMDB-RO). 

Caiado anuncia gabinete da deserção para cubanos 
• Líder democrata lança o Movimento Mais Médicos Livre, com assessoria jurídica para que médicos da ilha dos Castro possam requerer asilo político e depois trazerem suas famílias para o Brasil; Caiado, que também é médico, alega ter informações de que o governo da ilha caribenha repassa apenas 100 dólares para cada colega cubano e que, em programa semelhante na Venezuela, profissionais fugiram em massa para os EUA. 

Dilma reforça o estoque de covardia palaciana e trabalha nos bastidores pela extradição de Molina 

• Jogo rasteiro – O Palácio do Planalto trabalha nos bastidores para, a mando de Dilma Vana Rousseff, devolver Roger Pinto Molina ao governo boliviano, atendendo a um pedido do presidente cocalero Evo Morales. A manobra começou a ser esculpida tão logo Molina colocou os pés em território brasileiro, na madrugada do último domingo (25), depois de uma fuga em carro diplomático brasileiro que durou 22 horas. 

 A declaração do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, sobre a necessidade de Roger Molina ingressar com novo pedido de asilo, deixa evidente a intenção do governo brasileiro, que utiliza a ideologia como referência de sua política externa. Como Morales é parceiro de esquerda da presidente Dilma, a situação do senador boliviano não será das mais fáceis de agora em diante. Até porque, um pedido de asilo político deverá ser protocolado no Ministério da Justiça, que é escandalosamente dominado pelo PT. 

• Se o governo brasileiro negar asilo político a Roger Pinto Molina, ficará caracterizada a má fé de Dilma Rousseff e seus mais próximos assessores, que no caso do terrorista italiano Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua em seu país, trabalharam para que a extradição não acontecesse. 

• Na esteira da fuga de Molina, que foi comandada pelo diplomata Eduardo Saboia, já afastado de suas funções, Dilma disse que o Brasil tem por tradição não ingerir em assuntos de outras nações, mas isso só ocorre quanto interessa ao Planalto e ao Partido dos Trabalhadores. Para ilustrar tal situação basta ressuscitar o caso do golpista hondurenho Manuel Zelaya, que transformou a embaixada brasileira em Tegucigalpa num misto de SPA com refúgio, de onde fez, inclusive, comícios políticos. Na ocasião, o então presidente Lula atuou fortemente nos bastidores para que Zelaya, ejetado do cargo, voltasse ao poder. 

• Outra prova inconteste da ingerência do governo petista em assuntos de outros países foi a decisão da presidente Dilma de trabalhar pela suspensão do Paraguai como membro do Mercosul, bloco econômico que foi transformado em quintal da esquerda chicaneira que vem destruindo a América Latina. A atuação de Dilma contra o Paraguai se deveu ao impeachment sofrido pelo então presidente Fernando Lugo.




• Apreensão e ansiedade em Damasco. Enquanto potências ocidentais discutem um possível ataque à Síria, países vizinhos temem uma nova crise na região. Ação na Síria pode afetar recuperação econômica global. Obama ainda está indeciso sobre ataque. EUA e britânicos dão passo atrás sobre ação na Síria. Investigação sobre possível ataque químico na Síria deve terminar na sexta-feira. Resistências internas e externas enfrentadas por países esfriam expectativa de ação militar neste fim de semana. Possível ataque à Síria gera temor de caos regional em Israel.



• ONU reagiu a crime no Congo, diz general brasileiro General Carlos Alberto dos Santos Cruz. Comandante das tropas de paz afirma que ataque de rebeldes a civis muda dinâmica de missão da ONU no país. Dezenas morrem em combates entre forças da ONU e rebeldes no Congo.

Nenhum comentário: