26 de jun de 2013

O povo anda e não perde o rumo...

 photo _ahfdilma_zpsf0b385ab.jpg
O Brasil dormiu como se fosse Alemanha, Itália, Espanha, Portugal em termos de estabilidade institucional e amanheceu parecido com a Bolívia ou a Venezuela. Isso não é razoável. Não é razoável ficar flertando com uma doutrina constitucional bolivariana. Nós temos outras inspirações.   (Ministro Gilmar Mendes, STF) 

Nas costas da Nação 
No turbilhão dos Perdidos no Espaço Dilma, Lula e PT não desistem do referendo para nova constituinte, e afirma fará reforma política via mensagem ao Congresso - um título, manchete e a sempre teimosia de quem nada sabe em governar e como sempre, serviu aos governadores e prefeitos, sem consultas, o seu prato feito, sob forma de PAC to

Há um cheiro nauseabundo no ar, no que se viu na Câmara, acuados parlamentares se largaram da base e até Renan pra escapar criou pauta e cancelou recesso. 

Inimaginável os que estavam nas galerias cooptados ($$ $$) e sentadinhos como anjos assistindo a votação de ontem na Câmara. Derrubaram a PEC 37 e até o repasse de R$ 43 mi para Copa. 

O medo das ruas, a paura da falta de votos e pretensões políticas(?) num futuro, aflige e os faz remar nas ondas do agrado ao povaréu. Esperam os das antigas catacumbas que o povo das ruas vai amainar. 

Dilma falou o que nem ela entendeu. Corre a boca pequena que ela se irritou quando falaram da redução de ministérios. E o tempo, quem há de? 

Disse Joaquim Barbosa, do STF, Não falei para a presidente, mas sou inteiramente favorável, acho que seria medida adequada à nossa realidade, adotar a possibilidade do recall. O que é o recall? A pessoa é eleita, claramente identificada como eleita, havendo a possibilidade de o mandato ser revogado por quem a elegeu, ou seja, os próprios eleitores. Medida como essa tem o efeito muito claro de criar uma identificação entre o eleito e eleitorado, impor ao eleito responsabilidade para com quem o elegeu. (Isso) falta ao sistema político brasileiro, especialmente na representação dos órgãos legislativos

Por enquanto os aquinhoados são os vândalos e bandidos. 

Assim como os 39 ou 40 ministérios, há um 4º Poder: O povo! 

Plebiscito a meu ver é jogar nas costas do povo a continuidade preceituada na Constituição de 88 que pouco ou quase nada foi cumprida. Continuarão as marchas ou nos indagaremos plebiscitariamente que país é esse.



Para espantar Proposta do PT prevê taxação de patrimônio acima de R$ 13 milhões. Leia


Lucidez e maturidade da população da Rocinha onde moradores não querem teleférico, querem saneamento, saúde e educação. Depois de tentar um toma-lá-dá-cá com a presidente Dilma, exigindo o apoio dela ao seu candidato Pezão, governador Sergio Cabral mal consegue ter pesadelos; moradores da Rocinha, afinal, fazem barulhenta vigília em torno de seu apartamento na elegante Zona Sul, exigindo mais saúde e educação para o alto do morro; na Zona Norte, Bope transforma a Favela da Maré em praça de guerra e mata 12; comunidade fica sem luz por 36 horas; 6,5 mil crianças têm aulas suspensas; reforma bilionária do Maracanã, ainda por terminar, colocou Cabral no centro dos questionamentos sobre gastos excessivos com estádios para a Copa do Mundo; com políticas sociais, de segurança e de obras desse naipe, quanto valem mesmo as cartas jogadas por Cabral? 

STF determina prisão de deputado Natan Donadon (PMDB-RO) depois de julgar recursos da defesa; procurador-geral da República aproveita a deixa para cobrar igual medida para condenados na Ação Penal 470; a diferença é que recursos dos réus do chamado mensalão ainda não foram julgados, mas para Roberto Gurgel isso parece ser um mero detalhe; cadeia já, manifesta ele, como se estivesse nas ruas. 

A Revolta do Vintém
 photo _aarevoltadovintem_zpsd50478cb.jpg E a história se repete... 
Vocês já leram sobre a revolta do vintém? 
A Revolta do Vintém foi um protesto ocorrido entre 28 de dezembro de 1879 e 04 de janeiro de 1880, nas ruas do Rio de Janeiro, capital do império brasileiro, contra a cobrança de vinte réis, ou seja, um vintém, nas passagens dos bondes. 
Quase 5 mil manifestantes se posicionaram em frente ao campo de São Cristóvão, para exigir a diminuição da taxa cobrada pelo transporte público. 
Os revoltosos foram contidos pelas autoridades policiais e permaneceram a espera de uma resposta do jornalista republicano Lopes Trovão, um dos principais lideres do protesto. 
O imperador prometeu negociar, a fim de resolver a disputa, mas Trovão rejeitou o seu pedido e convocou a população, através do jornal Gazeta da Noite, a reagir contra a medida imperial. 
Aos gritos de Fora o vintém a população iniciou o movimento de rebelião. 
Desgastado, o ministério caiu, tendo o novo ministério revogado o tributo. 
Menos de 10 anos depois, o Império caiu e o Brasil se tornou uma Republica. 
E pensar que toda essa mudança no país começou com um aumento no transporte público... o aumento de um vintém nas passagens dos bondes. Não é interessante? (De Mirtzi, Cidadania Planetária) 

Senado votará corrupção como crime hediondo Em busca de soluções que respondam às demandas apresentadas nas manifestações populares dos últimos 12 dias, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), apresentou ao plenário da Casa propostas para diversas áreas. Segundo o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), os senadores devem votar ainda nesta quarta-feira o projeto que aumenta as penas para crimes de corrupção, as novas regras de divisão dos recursos do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e a proposta que destina recursos dos royalties do petróleo à saúde e à educação; os projetos fazem parte de uma pauta sugerida por Renan na terça-feira, em resposta às manifestações populares 

Dízimo, você sabe o que é? 
Como se trafica dentre os evangélicos e os que sofrem e creem.


SP e Rio querem acabar com a máfia do transporte
Está em curso na Câmara dos Vereadores das duas capitais a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a relação entre as empresas de ônibus e o poder municipal; autores das propostas falam em caixa-preta quando se referem às planilhas de custos das companhias, conhecidas por serem grandes doadoras em campanhas políticas; gastos não são revelados, apesar de o transporte ser uma concessão pública, e a qualidade do serviço, reivindicado em protestos em todo o País, continua péssimo A incoerência impera

A presidente em seu discurso citou o combate a corrupção. Mas, não vi até hoje um só pronunciamento dela contra a posse na Câmara Federal de seus correligionários petistas e da base aliada já condenados por corrupção. Nunca se pronunciou contra a nomeação de João Paulo Cunha e Genoíno, do seu partido, e condenados por corrupção, à Comissão de Constituição e Justiça, um verdadeiro e inexplicável caso. Nunca se afastou de Zé Dirceu e de outros corruptos, pelo contrário, se aliou até a alguns então adversários como Paulo Maluf, hoje a apoiando. Por isso não acredito nas palavras da presidente em seu pronunciamento à nação. A incoerência em suas palavras impera.Gostaria de vê-la combatendo arduamente os corruptos e exigindo a limpeza de seu partido e de aliados. Isso ela não fez e não fará ...então... (Roberto Freitas, DF)


Centrais sindicais apoiam plebiscito e farão proposta. 
E alguém esperava alguma coisa delas para o povo, que nada vê nesses anos todos em compactuação?

Nenhum comentário: