13 de out de 2010

Meditação

A Meditação é o desabrochar do entendimento

. Ela atua prontamente e nega o lento e gradual processo de acumulação. Sempre inadiável, a compreensão só existe no presente e sua fulminante e avassaladora ação é motivo de temor consciente ou inconsciente.
. A compreensão pode alterar o curso de nossa vida, nossa maneira de pensar e agir. Agradável ou não, ela põe em risco todas as nossas relações, mas, em sua falta, persiste o sofrimento. Este só pode cessar através do autoconhecimento, da clara percepção de todo pensamento e sentimento, de cada manifestação do consciente e do inconsciente.
. A meditação esta na revelação da consciência e daquele movimento inexprimível que transcende o pensamento e o sentimento. O especialista é incapaz de conceber o todo; vive para a sua especialidade, ocupação mesquinha do cérebro condicionado para ser religioso ou técnico.
. O talento e a aptidão do homem tendem a fortalecer o egocentrismo e sua ação é sempre fragmentada e conflitante. A capacidade humana só tem significado quando a mente atinge a compreensão global da vida. Caso contrário, a eficiência, um dos subprodutos da aptidão individual, torna seu portador implacável e indiferente à totalidade da vida.
. O orgulho, a arrogância, e a inveja, decorrentes da eficiência em determinada função, nos levam à competição, à desordem, à discórdia e à infelicidade. A plena compreensão da vida traz um novo significado à atividade humana. . Reduzir a vida ao nível estreito e fragmentado da luta pelo pão, pelos prazeres do sexo, da riqueza, da ambição, é fomentar o desespero e o interminável sofrimento.
. O cérebro opera na área especializada do fragmento, nas atividades egocêntricas, dentro do estreito limite do tempo. Por ser um fragmento e incapaz de ver o todo da vida, por hábil e refinado que seja, o cérebro desenvolve uma ação limitada, parcial. É a mente que contém o cérebro e não ao contrário, e só ela poderá compreender o todo. A capacidade de ver o todo deriva do ato de negar. Este não é o oposto do pensar positivo visto que todo oposto contém o seu contrário.
. Portanto, o ato de negar não admite oposto. Ao negar, o cérebro torna-se apto a perceber o todo e cessa de interferir, com suas condenações e resistências no curso da vida. Deve ser espontânea a imobilidade do cérebro, pois qualquer espécie de esforço concorre para destruí-lo através da imitação e do conformismo.
. Do estado de negação surge a passiva imobilidade do cérebro, capaz de perceber o todo; nesse estado, de pura percepção, não existe o observador ou aquele que experimenta; só existe o ver.
. Então, a mente está desperta, livre da contradição e do conflito, gerados pela divisão entre o pensador e o pensamento. Existe apenas luz e claridade. (Do livro Diário de Krishnamurti_tradução: Alexandre Trifler_Editora Cultrix)

Começa no primeiro minuto deste domingo o horário de verão. Moradores dos 11 estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, incluindo o Distrito Federal, terão de adiantar seus relógios em uma hora. A medida vale até 20 de fevereiro e não atinge os estados do Norte e do Nordeste.

Nenhum comentário: