7 de jun de 2010

Indignar-se, por que não!

Pioneira há mais de três décadas Clara Brandão criou um composto alimentar que revolucionou a nutrição infantil.
A cena foi comovente.
O vice-presidente José Alencar preparava-se para plantar uma árvore em Brasília quando foi abordado por uma nissei de 65 anos e 1,60 m de altura.
Era manhã da quinta-feira, 6. A mulher começou a mostrar fotografias de crianças esqueléticas, brasileiros com silhueta de etíopes, mas que tinham sido recuperadas com uma farinha barata e acessível, batizada de "multimistura".
Alencar marejou os olhos.
Pobre na infância no interior de Minas, o vice não conseguiu soltar uma palavra sequer.
Apenas deu um longo e apertado abraço naquela mulher, a pediatra Clara Takaki Brandão. Foi ela quem criou a multimistura, composto de farelos de arroz e trigo, folha de mandioca e sementes de abóbora e gergelim.
Foi esta fórmula que, nas últimas três décadas, revolucionou o trabalho da Pastoral da Criança, reduzindo as taxas de mortalidade infantil no País e ajudando o Brasil a cumprir as Metas do Milênio.
E o que a pediatra foi pedir ao vice-presidente?
Que não deixasse o governo tirar a multimistura da merenda das crianças.
Mais do que isso, ela pediu que o composto fosse adotado oficialmente pelo governo.
Clara já tinha feito o mesmo pedido ao ministro da Saúde, José Gomes Temporão - mas ele optou pelos compostos das multinacionais, bem mais caros.
- "O Temporão disse que não é obrigado a adotar a multimistura", lamenta Clara .
Há duas semanas a energia elétrica da sala de Clara dentro do prédio do Ministério da Saúde foi cortada. Hoje, ela trabalha no escuro.
- "Já me avisaram que agora eu estou clandestina dentro do governo", ironiza a pediatra. Mas ela nem sempre viveu na escuridão. Prova disso é que, na semana passada, o governo comemorou a redução de 13% nos óbitos de crianças entre os anos de 1999 e 2004 - período em que a multimistura tinha se propagado para todo o País.
Desde 1973, quando chegou à fórmula do composto, Clara já levou sua multimistura para quase todos os municípios brasileiros, com a ajuda da Pastoral da Criança, reduto do PT.
Os compostos da multimistura têm até 20 vezes mais ferro e vitaminas C e B1 em relação à comida que se distribui nas merendas escolares de municípios que optaram por comprar produtos industrializados.
Sem contar a economia: Fica até 121% mais caro dar o lanche de marca, compara Clara.
Quando ela começou a distribuir a multimistura em Santarém, no Pará, 70% das crianças estavam subnutridas e os agricultores da região usavam o farelo de arroz como adubo para as plantas e como comida para engordar porco.
Em 1984, o Unicef constatou aumento de 220% no padrão de crescimento dos subnutridos.
Dessa época, Clara guarda o diário de Joice, uma garotinha de dois anos e três meses que não sorria, não andava, não falava. Com a multimistura, um mês depois Joice começou a sorrir e a bater palmas.
Hoje, a multimistura é adotada por 15 países. No Brasil só se transformou em política pública em Tocantins.
Clara acredita que enfrenta adversários poderosos. (alguém tem alguma dúvida???)
Segundo ela, no governo, a multimistura começou a ser excluída da merenda escolar para abrir espaço para o Mucilon, da Nestlé, e a farinha láctea, cujo mercado é dividido entre a Nestlé e a Procter & Gamble
"É uma política genocida substituir a multimistura pela comida industrializada", ataca a pediatra.
A antiga Coordenadora Nacional da Pastoral da Criança, a saudosa Zilda Arns, reconheceu que a multimistura foi importante para diminuir os índices de desnutrição infantil.
"A multimistura ajudou muito", diz. "Mas só ela não é capaz de dizimar a anemia; também se deve dar importância ao aleitamento materno."
"Isto É" procurou as autoridades do Ministério da Saúde ao longo de toda a semana, mas nenhuma delas quis se pronunciar. "O multimistura é um programa que não existe mais", limitou-se a informar a assessoria de imprensa.
Multimistura => Site
Gente, é preciso que todos tomem conhecimento desse absurdo... Já estamos carecas de saber, muito bem, porque acontece...
Ô paísinho de gente safada e gananciosa!!!... É por essas e outras que esse País de Políticos de M.... chamado Brasil Nuuuunca vai sair de onde está, na maior M...... se não tomarmos providências (entenda quem for inteligente)... Entretanto, a esperança é a última que morre... Vamos ver!)
Vamos valorizar nosso voto, pessoal: vamos eleger, de 2010 em diante, apenas gente que tem ideal e patriotismo e tenha algo a acrescentar, seja no Município, no Estado ou na União (Congresso Nacional)! Só depende da nossa vontade! Aí, Classe Média: vamos nessa! Somos nós que estamos com a corda no pescoço há décadas, somos espoliados a cada (des)governo e que pagamos em dia nossos impostos e consumimos produtos nacionais, fazendo esse país ir pra frente, via sua indústria e comércio, agricultura e pecuária! Temos a força! Pra frente, turma!...
Vote certo em gente honesta e dê uma banana para os malandros, velhacos e espertalhões, velhas raposas no galinheiro... A União faz a Força!

Um comentário:

Bete disse...

Ola Armando
Indignar-se sim. Conheço o poder da multimistura e a melhoria na vida de tantos pequeninos.
Tive a honra de conhecer a Clara, veio algumas vezes ao Amapá ( articulação realizada pelo Órgao em que eu trabalhava),
Um absurdo o não reconhecimento de seu trabalho. Certamente por parte daqueles que não necessitam desse alimento, o que não acontece com grande parte da população infantil, desnutrida e faminta
Abraços