20 de jun de 2010

Jeito de ser

Lendo o texto "10 Dicas de relações humanas", ao qual reproduzo a seguir, de meu querido amigo Christiano Wide, publicado em seu blog 4everything - não deixem de navegar e lembrando de minha reflexão de ontem à noite, sobre nossa forma de ser em relação às outras pessoas, percebi que não foi coincidência, mas um pedido para escrever.
1. Fale com as pessoas. Nada é tão agradável e animada quanto uma palavra de saudação, particularmente hoje em dia quando precisamos mais de "sorrisos amáveis".
2. Sorria para as pessoas. Lembre-se que acionamos 42 músculos para franzir a testa e somente 14 para sorrir.
3. Chame as pessoas pelo nome. A música mais suave para muitos ainda é ouvir o seu próprio nome.
4. Seja amigo e prestativo. Se você quiser ter amigos, seja amigo.
5. Seja cordial. Fale e aja com toda sinceridade: tudo o que você fizer, faça-o com todo o prazer.
6. Interesse-se sinceramente pelos outros. Lembre-se de que você sabe o que sabe, porém você não sabe o que outros sabem. Seja sinceramente interessado pelos outros.
7. Seja generoso em elogiar, cauteloso em criticar. Os líderes elogiam. Sabem encorajar, dar confiança, e elevar os outros.
8. Saiba considerar os sentimentos dos outros. Existem três lados numa controvérsia: o seu, o do outro, e o lado de quem está certo.
9. Preocupe-se com a opinião dos outros. Três comportamentos de um verdadeiro líder: ouça, aprenda e saiba elogiar.
10. Procure apresentar um excelente serviço. O que realmente vale em nossa vida é aquilo que fazemos para os outros.
A questão de sermos verdadeiros para com as pessoas e torná-las todas importantes na forma como lidamos com elas é como você gostaria de ser tratada, bem a verdade.
Incrível, mas há uma carência extrema delas ainda, na própria área de recursos humanos, que tanto fala no assunto. Afirmo isso baseada em minha própria experiência.
Fiquei por três vezes em minha vida, no lado de lá, ou seja, das pessoas desempregadas.
Nestas minhas caminhadas em busca de uma realização profissional, de um novo trabalho que me fizesse feliz e onde eu pudesse contribuir e aprender com os objetivos da empresa pude constatar na pele a indiferença da grande maioria das pessoas que trabalham nos recrutamento e seleções de pessoal das empresas e agências de emprego. Posso dizer que uma relação de 90% de indiferença para 10% de respeito. Esta relação muda significativamente, quando há o interesse em você, ou seja, quando você se torna necessário para eles.
Desde a primeira vez, vi o quanto importante é termos noção de nós mesmos, de nos conhecermos, de sabermos de nossa importância e entendermos o importante papel dos outros neste processo.
Estas paradas da vida são vistas como períodos negativos, mas na verdade nos valem para reflexões e aprendizados. Você aprende muito de você mesmo, como se porta diante de sentimentos como orgulho, humildade, prepotência, dignidade, rejeição, dentre outros. Você, com todo seu conhecimento e estudo, não é mais do que ninguém, está ali ao lado, na mesma fila daquela pessoa que pôde estudar apenas o ensino básico, que também está à procura de um trabalho, contudo mais simples, mas não menos importante. Você sente na pele o significado de não ser necessário, não ser útil, entende que não trabalhar é não se sentir digno.
Com tudo isso para administrar em você mesmo, ainda tem mais o reflexo da atitude das outras pessoas em você e no ambiente. A falta de sorrisos, de cordialidade, de orientações, justificativas e retornos é constante e continua até os dias de hoje, infelizmente.
Assim, a partir da minha primeira experiência e nas empresas que trabalhei desde então, onde também era responsável pelo RH, procurei melhorar este processo. Todos os currículos recebidos por e-mails, correio ou de qualquer outra forma deveriam ter um retorno com informações básicas sobre oportunidades e tempo de arquivo no banco de dados. Para todos os que viessem na empresa à procura de um trabalho, que fossem recebidos dignamente, orientados e acompanhados, respeitando seu momento de dificuldade. Mesmo sem vagas, que fosse conversado com cada um, já como um primeiro filtro, mas também para ouvi-los.
Quando possível, que fosse passada alguma recomendação sobre entrevistas, caso algum destes não correspondesse ao mínimo necessário (vestuário, forma de se comportar, etc.).
Afinal, muitos destes, pessoas simples e humildes, nunca tiveram a oportunidade de aprenderem algo a respeito, principalmente os jovens. O retorno para todos aqueles que participassem de uma entrevista e que não foram selecionados era fundamental. Neste momento, sempre reforçando os pontos fortes da pessoa e, para alguns pontos fracos percebidos, que fosse salientado com sugestões para melhorar (um curso de vendas, por exemplo, para aprimorar técnicas de apresentação ou então, continuar com os estudos, etc.).
Sempre justificando que isto seria importante para selecioná-lo em outra oportunidade futura.
Bem, isto fez diferença. As pessoas elogiaram estas empresas, como um diferencial muito positivo. Contribui para algo melhor e tive a ajuda de outros da equipe, que entenderam o valor das novas atitudes.
Mas as pessoas se alternam nas empresas e os processos deixam de acontecer, quando isto não parece ser importante para elas. Talvez por isto, ainda continua tão carente de dignidade os processos de recrutamento e seleção, na maioria das empresas.
E você em que lado está atualmente?
Se estiver à procura de um novo trabalho, olhe como um fato positivo para reflexão. Aproveite a fase para conhecer mais a si mesmo, para despertar sua espiritualidade, caso não tenha acontecido ainda, que ajudará muito na compreensão do processo. Aproveite para perceber o que não gostaria para você, para poder melhorar nos processos para com os outros, quando tiveres oportunidade. Aproveite para ser uma pessoa melhor, a distribuir mais sorrisos e cordialidade para com as pessoas e ambientes em dificuldade. Brilhe um pouco mais para refletir luz nos espaços por onde andar. Pratique as dez dicas acima.
Se estiver trabalhando, certifique-se de fazer o melhor e com alegria. Não deixe de procurar conhecer-se mais e mais ou então, de despertar ou dar continuidade à sua espiritualidade.
Distribua também sorrisos e cordialidade para com as pessoas e ambientes. Brilhe mais ainda para refletir luz nos espaços por onde você andar, mas principalmente, por onde andam outras pessoas, muitas delas em dificuldade.
Percebeu que em ambos os lados se trabalha, mesmo que em um deles, em parte do trabalho, se recebe remuneração? Em ambos os lados existe um importante trabalho a ser exercido: o trabalho de contribuir com atitudes para o bem de si mesmo e da humanidade. Isto acontece quando se está exercitando ser uma pessoa melhor.
Então, fica a pergunta: qual trabalho terá mais avaliado quando deixar esta vida? (Inês Maria Arrosi)
"No fim, tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas que o vento não conseguiu levar: um estribilho antigo, um carinho no momento preciso, o folhear de um livro de poemas, o cheiro que tinha um dia o próprio vento". (Mário Quintana)

Nenhum comentário: