22 de set de 2010

Pais e filhos...

Instigador texto mais abaixo, recebido do Colégio onde estudam os netos

Photobucket A "inversão de valores" que está acontecendo na relação com nossos filhos, de algum modo, reflete a mesma inversão de valores - em todos os segmentos - que está acontecendo, hoje, em nossa Sociedade.
Photobucket Valores, ética, pilares morais, respeito e tantas outras coisas que norteavam nossos passos, estão sendo jogados no lixo, pelos atuais donos do Poder, sendo substituídos, por esperteza, simulação, mentira, falta de limites, uso da coisa pública em benefício próprio, impunidade, condescendência com o lado negro, parceria com o inaceitável!
Photobucket À nível pessoal e familiar estamos perdidos e confusos! À nível social e coletivo, já estamos trucidados e sepultados!
Photobucket Quantas gerações serão necessárias para que sejam recuperados os valores positivos e desejáveis de nossa sociedade? (Márcio Dayrell Batitucci)

PhotobucketSomos a Primeira Geração de pais que obedecem à seus filhos ?

photobucket Somos as primeiras gerações de pais a não repetir com os filhos os erros de nossos pais. E com o esforço de abolir os abusos do passado, somo os pais mais dedicados e compreensivos, mas, por outro lado, os mais inseguros da História!
photobucket O grave é que estamos lidando com crianças mais espertas, ousadas e poderosas, do que nunca.
photobucket Parece que em nossa tentativa de sermos os pais mais certinhos, somos os primeiros que temem seus filhos. Os últimos que cresceram sob o manto dos pais e os primeiros sob o jugo dos filhos.
photobucket E o que é pior: os últimos que respeitaram os pais e os primeiros que aceitam que os filhos lhes faltem com o respeito.
photobucket À medida que o permissível substitui o autoritarismo, os termos das relações familiares mudaram de forma radical, para o bem e para o mal.
photobucket Com efeito, antes se consideravam bons pais, aqueles cujos filhos se comportavam bem, obedeciam às suas ordens e os tratavam com o devido respeito. E bons filhos, as crianças que eram formais e veneravam seus pais.
photobucket Mas à medida que as fronteiras hierárquicas entre nós e nossos filhos desvaneceram, hoje, os bons pais são aqueles que conseguem que seus filhos os amem, e, ainda que pouco, os respeitem. E são os filhos que, agora, esperam respeito de seus pais, pretendendo de tal maneira que respeitem as suas idéias, seus gostos, suas preferências e sua forma de agir e viver. E, além disso, os patrocinem no que necessitarem para tal fim!
photobucket Quer dizer, os papéis se inverteram e, agora, são os pais que têm de agradar a seus filhos para ganhá-los e, não, o inverso, como no passado... Isso explica o esforço que fazem hoje tantos pais e mães para serem os melhores amigos e tudo dar à seus filhos. Dizem que os extremos se atraem...
photobucket Se o autoritarismo do passado encheu os filhos de medo de seus pais, o presente os preenche de medo e menosprezo, ao nos ver perdidos como eles.
photobucket Os filhos precisam perceber que, durante a infância, estamos à frente de suas vidas, como líderes capazes de sujeitá-los quando não os podemos conter e de guiá-los enquanto não sabem para onde vão. Se o autoritarismo suplanta, a permissividade sufoca!
photobucket Apenas uma atitude firme e respeitosa lhes permitirá confiar em nossa idoneidade para governar sua vida enquanto forem menores, porque vamos à frente liderando-os e, não, atrás, carregando-os e rendidos à sua vontade.
photobucket Temos de observar que ser firme é completamente diferente de ser autoritário ou estúpido. Quando repreendemos uma criança, temos de fazê-lo com serenidade, sem descontrole emocional. E não se deve jamais dizer à uma criança: Você é um menino insuportável!... Isso pode ficar gravado no subconsciente da criança e causar problemas futuros...
photobucket Deve-se dizer: Você é um menino muito bom e inteligente, mas está fazendo uma coisa errada, que eu não vou permitir! Fazer isso é errado por tais razões (explicar porque uma atitude está errada é extremamente importante, pois a criança tem um senso de justiça enorme. Mesmo que na hora ela faça má-criação, saberá, no íntimo, que você tem razão!). Tem de ficar claro que o motivo do castigo foi a atitude da criança, não o que ela é!
photobucket É assim que evitaremos o afogamento das novas gerações no descontrole e tédio no qual está afundando uma sociedade que parece ir à deriva, sem parâmetros, nem destino!
photobucket Os limites abrigam o indivíduo, com amor ilimitado e profundo respeito!
(Adaptação do texto de Mônica Monastério_Madrid_Espanha)

Nenhum comentário: