12 de set de 2017

Nós foi...

denuncia45
• Senado faz consulta pública sobre revogação do estatuto do desarmamento.
• Janot pede que STJ abra inquérito de investigação contra Pezão. 
• PF aponta crime de corrupção de Temer e ministros. Inquérito sobre quadrilhão do PMDB atinge presidente, Moreira Franco e Padilha, além de Cunha, Funaro, Geddel e Henrique Alves. 
• Miller atuou pela J&F quando ainda estava no MPF, indica Janot. 
• Juiz suspende homologação do acordo de leniência da J&F. 
• Irmã de indicado para o Cade trabalha para Ciro Nogueira. 
• Gilmar Mendes se diz convencido de que foi gravado por Joesley. 
• Lula é denunciado pela 3ª vez em setembro por corrupção passiva na Operação Zelotes. Segundo procuradores, petista aceitou promessa de receber recursos ilegais 
• Joesley diz que fez contrato fictício com sócio de Cardozo. Banca emitia cerca de R$ 80 mil por mês e parte iria para ex-ministro do PT. 
• COI admite que sedes de Jogos podem ter sido compradas. Quando houver provas, vamos agir disse comunicado, sem citar Nuzman. 
• Irmão de Geddel dizia não gostar de usar cartões, só dinheiro. 
• Apesar do desgaste, Supremo deve manter Rodrigo Janot à frente do caso JBS. 
• Bolsa bate recorde histórico e fecha a 74.319 pontos. 
Não vejo censura, diz dirigente do MBL sobre fim de exposição no RS. 

• ONU aprova um novo pacote de sanções contra a Coreia do Norte. Pena por teste nuclear recai sobre exportações de têxteis e importação de gás 
• Harvey, Irma e José. A ocorrência de três furacões simultâneos deixa rastro de destruição no Caribe e EUA. 
 Furacão passa para depressão tropical em seu avanço pelo sudeste dos EUA. 

• Pelo link abaixo, entra-se direto no vídeo. Petralhas que ainda alimentam esperança de voltarem à boa vida da remuneração da vadiagem, alegando que se trata de montagem. Só esquecerem de um detalhe: ninguém faz montagem, incluindo tosse na gravação, e tampouco, fazem coisa muito longa e tão perfeita. Só se ouve a voz de Lula por causa de alguma falha no grampo que gravou apenas o canal de saída. clique
Será essa gravação verdadeira? Acessem o link abaixo e ouçam um vídeo (áudio) vazado do Lula falando com falcão, onde ele deixa claro que que já deveriam ter matado o Palocci, na cadeia. Role até chegar na foto Lula e Rui Falcão. 

Uma CPI sob suspeita.
Desde o escândalo do mensalão, as comissões parlamentares de inquérito têm perdido força e prestígio no Congresso. A marcha para a irrelevância deve ganhar um novo capítulo nesta terça-feira, com a abertura da CPI da JBS.
No discurso, a comissão foi criada para investigar os negócios suspeitos do frigorífico. Na prática, seus idealizadores querem usá-la para retaliar os delatores da empresa e intimidar procuradores da Lava Jato.
As intenções da turma estão claras desde o início. O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) começou a coletar as assinaturas dias depois de Joesley Batista entregar as gravações com o presidente Michel Temer.
Escolhido para presidir a CPI, o tucano não tem se esforçado nem para simular independência. No último sábado, enquanto a maioria dos políticos passava o feriadão longe de Brasília, ele foi recebido em beija-mão no Palácio do Jaburu.
O governo ainda pretende instalar outro aliado no cargo de relator. Nesta segunda, o mais cotado era o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), líder da tropa de choque de Temer e amigo dileto de Eduardo Cunha.
Ninguém discorda que a JBS precisa ser investigada. O dono do grupo corrompeu dezenas de políticos, confessou crimes em série e ainda tentou tapear o Supremo Tribunal Federal, como mostraram as fitas liberadas na semana passada.
O problema é saber se essa CPI tem chance de levar a tarefa a sério. Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), tudo indica que não.
O Planalto quer usar a CPI para intimidar o Ministério Público. Nos últimos anos, a maioria das CPIs tem se dividido entre o circo e o achaque. Acho que desta vez teremos circo, achaque e intimidação, prevê.
A CPI parecia natimorta até a semana passada, mas foi ressuscitada pela barbeiragem da Procuradoria no caso JBS. As novas denúncias contra dirigentes do PMDB e do PT forjaram a aliança que faltava para o início dos trabalhos. (Bernardo Mello Franco) 

Guerra Fria prossegue em Cuba com doenças esquisitas;
Os EUA pediram ao governo cubano licença para a saída de dois de seus diplomáticos, atingidos em 2016 por estranha doença, noticiou a mídia mundial.
Vários funcionários da embaixada manifestaram uma inexplicável perda auditiva. O Canadá também confirmou que alguns de seus diplomatas na ilha haviam sofrido um ataque acústico similar, acrescentou Clarín
Após uma investigação de meses, os EUA concluíram que os diplomatas foram atacados por meio de uma avançada arma sonora que funciona fora de alcance audível e está instalada perto de suas residências. 
Segundo Ottawa, pelo menos um de seus diplomatas em Cuba foi tratado num hospital com sintomas pouco comuns ligados à audição. Também seus familiares foram atingidos. 
The Washington Post, citando o Departamento de Estado, informou que pelo menos 16 americanos trabalhando para a embaixada EUA em Cuba sofreram dito mal de perda de audição enquanto serviam em Havana
Este tipo de ataque não é coisa nova, pois era comum no tempo da União Soviética. Mas caiu como um balde d’água fria sobre a crença ingênua de que a Guerra Fria morreu. 
Como nos tempos soviéticos, o governo cubano reagiu em termos que transparecem suspeitas de insinceridade: Cuba jamais permitiu nem permitirá que seu território seja utilizado para qualquer ação contra funcionários diplomáticos acreditados ou seus familiares, sem exceção.
A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, informou que dois diplomatas cubanos foram expulsos dos EUA após os incidentes que causaram vários sintomas físicos a funcionários da embaixada americana em Havana, divulgou a Folha de S.Paulo
Um funcionário disse sob o anonimato à Associated Press que membros do regime cubano teriam colocado aparelhos sonoros que produzem sons inaudíveis nas casas de cinco funcionários da embaixada com a intenção de ensudercê-los.
Segundo The Washington Post, esse tipo de assédio a diplomatas em Cuba é comum desde que o presidente Barack Obama reabriu a embaixada dos EUA. 
O Departamento de Estado lembrou que é obrigação do governo cubano proteger nossos diplomatas em virtude da Convenção de Viena.
É difícil fazer uma declaração de tamanha ingenuidade e inocuidade em relação a um governo comunista que em nada modificou seus estilos ditatoriais e expansionistas.
O reatamento diplomático com Cuba, promovido pelo ex-presidente Obama e pelo Papa Francisco I em 2015, está dando sinais de um danoso fracasso para o Ocidente. 
Ele só serviu para reforçar um regime que caía de podre, mas que continua agressivo e provocador.
Quem saiu beneficiado foi o presidente Trump, que qualifica os papeis assinados por Obama de mau tratado. Porém, até o momento não saiu da retórica e não explicou o que pretende fazer.
No Vaticano, um silêncio pelo menos cúmplice preside as movimentações da diplomacia mais sagaz do mundo. E, infelizmente, também uma das mais comprometidas com a revolução comunista na América Latina. (Luis Dufaur, escritor, jornalista) 
Porta-voz Heather Nauert fornece detalhes em entrevista no Departamento de Estado (Reuters)

Nenhum comentário: