31 de mar de 2017

O Brasil não sai dos Quintos do Ouro.

 photo acassaochapa_zps7a2vnie6.jpg • Desgoverno fluminense. Negociação política para socorro ao Estado torna-se ainda mais complicada com nova etapa de investigação.
• Ó dúvida! Ó céus! Única conselheira no TCE decidirá se investiga colegas presos no RJ. 
• Com inflação em queda, BC deve acelerar corte nos juros. Banco fala em intensificação moderada do ritmo de cortes da taxa Selic. 
• Meta fiscal depende de volta da economia. Retomada ajudaria governo a descongelar parte dos R$ 42 bi em gastos. 
• Governo central tem déficit de R$ 26,2 bilhões em fevereiro. Desempenho é o pior para o mês em toda a série histórica, que teve início em 1997. 
• Juro de consignado cai para servidores e pensionistas do INSS. Taxa baixará de 32% ao ano para 28,9%; novas taxas devem reduzir juros em até R$ 3,7 bi. 
• Nos últimos três meses, desemprego atinge 13,5 milhões e registra maior taxa em 5 anos. 
• Analistas não entendem a matemática. Governo cortou só 2 mil cargos e folha cresceu. Apesar de cortes, folha subiu de R$4,9 bilhões a R$5,6 bilhões. 
• Não será fácil superar problemas na cadeia da carne, diz Blairo. Com embargos, governo anunciou linha de crédito de R$ 1 bilhão para socorrer produtores.
Pagamento de leniência foi só o aperitivo, diz Bruno Dantas, ministro do TCU. Ressarcimento das empresas da Lava Jato pode chegar a dezenas de bilhões de reais. 
• Família Brofman vende apartamento no mesmo prédio de Sérgio Cabral. Rua Aristides Espíndola Aliás, a família Brofman vendeu um apartamento de 500 m² Rua Aristides Espíndola, no Leblon, no mesmo prédio de Sérgio Cabral. Este imóvel tinha sido alugado por um grupo de amigos do ex-governador e usado pela família de Cabral, inclusive para fazer exercícios físicos. (Ancelmo Gois) 
• Ele mora na Suíça. Juíza manda prender ex-delegado Protógenes Queiroz, ex-delegado da PF é acusado de crimes de violação de sigilo funcional e fraude processual.
 • Em ofício encaminhado à presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, pede que seja estendido o benefício dado à ex-primeira-dama do Estado do Rio de Janeiro, Adriana Ancelmo, a todas brasileiras em situação semelhante.
• O que interessa é o que o povo pensa Exa.; STJ promove desagravo à ministra Maria Thereza de Assis Moura. Criticam o que não sabem, o que não conhecem, diz Schietti. O ministro Rogerio Schietti Cruz defendeu enfaticamente a ministra Maria Thereza de Assis Moura. O ministro Rogerio Schietti Cruz, presidente da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), fez nesta quinta-feira (30) uma manifestação de desagravo diante das ofensas sofridas pela ministra Maria Thereza de Assis Moura em razão de sua decisão de determinar a transferência da ex-primeira dama do Rio de Janeiro, Adriana Ancelmo, para prisão domiciliar. As pessoas hoje criticam o que não sabem, o que não conhecem. E quando o fazem, fazem em tom absolutamente irracional, absolutamente imponderado, com o uso de expressões desrespeitosas que nenhuma pessoa, ainda mais a ministra Maria Thereza, mereceria, disse o ministro. Essa ofensa é uma ofensa a todos nós, acrescentou. 
• Tadinho! Cabral decidiu delatar para se vingar da Justiça. Opção por delatar se deve à revolta por derrotas na Justiça. 
• Não houve previdência e preparo. Ministério da Saúde quer diluir vacina para ampliar dose. Procura pela imunização contra febre amarela provocou redução de estoques. 
• Moro condena Eduardo Cunha a 15 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem e evasão de divisas no caso que envolve a compra do campo petrolífero de Benin, na África, pela Petrobras, em 2011. Cunha está preso desde 19 de outubro de 2016, o tempo que o peemedebista já passou na prisão será descontado da sentença.
• MPF ajuíza ação por improbidade administrativa contra o PP. Segundo a força-tarefa da Lava Jato, Partido Progressista recebeu recursos desviados da Petrobras; Procuradoria cobra a devolução de R$ 2,3 bi; Braskem rendeu mais R$ 50 milhões para o PP. Segundo o MPF, o segundo esquema diz respeito à renegociação do preço da nafta à Petrobras, que passou a comprá-la da Braskem com desconto de 8% sobre o preço internacional - isso gerou um prejuízo à estatal e propina a Paulo Roberto Costa, responsável pela negociação. 
• E se soltam assim para o povo! 351 aditivos estão autorizados em alimentos pela Anvisa. Ingredientes mantêm sabor e segurança, mas faltam estudos sobre riscos; Fernando Garcia Neto é reconduzido a cargo de diretor da Anvisa; Reajuste anual: Preços de remédios sobem até 4,76% a partir desta sexta. 
• PT deve quase 10 milhões de reais à Previdência. Petistas foram para cima do relator da PEC da Previdência, Arthur Maia, em razão de uma dívida de 150 mil reais com a Previdência que o deputado diz já ter resolvido referente a um posto de gasolina pertencente a ele no interior da Bahia. 
• Governador do Pará tem mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral. Simão Jatene (PSDB) e seu vice, Zequinha Marinho (PSC), foram condenados por abuso de poder econômico; ainda cabem recursos junto ao TSE. 
• Nomeado por Temer ao TSE nega vínculo com presidente. Admar Gonzaga defendeu campanha de Dilma e do peemedebista em 2010; Admar Gonzaga e Napoleão Nunes disputam uma corrida para saber quem terá o privilégio de interromper o julgamento do TSE com um pedido de vista; A pressa de Gilmar Mendes. Os advogados de Dilma Rousseff e Michel Temer reclamaram da pressa de Herman Benjamin, que deu dois dias de tempo para que eles apresentassem suas defesas. 
• Temer deve alterar pontos da terceirização via MP. Presidente sancionará projeto da Câmara, mas deve atender a base e dar mais salvaguardas a trabalhadores; O nó dos juros com a Previdência deixa a economia por um fio. Pela nova proposta, empresa não poderá demitir um funcionário e recontratá-lo como terceirizado. 
• Ministro do Planejamento diz que alta de impostos não está descartada. Segundo Dyogo Oliveira, aumento pode ser necessário se houver frustração das receitas ao longo do ano. 
• O desafio de uma Constituição. Texto de 1988 é hoje incapaz de fornecer marco jurídico, administrativo e político adequado ao desenvolvimento do País. 
• O caldeirão de Lula. Lula está animado com as pesquisas. O destaque de seu site é o levantamento do instituto Ipsos, segundo o qual ele é aprovado por 38% dos brasileiros. 
• O desespero dos eleitores é tão grande que até a candidatura de Luciano Huck acaba sendo levada a sério. 
• Michel Temer já ganhou. No Palácio do Planalto, segundo a coluna do Estadão, ninguém acredita que dará tempo de concluir o processo no TSE antes do fim do mandato dele, em dezembro de 2018.
Ex-carcará da política, Cunha virou um pardal.
Ao arrostar a primeira de uma série de condenações judiciais, Eduardo Cunha acentuou o seu drama. Com o poder estilhaçado, o ex-czar da Câmara já tinha perdido a vergonha na face, o recato, a infantaria parlamentar e a pose de vítima. Com uma sentença de 15 anos e 4 meses a pesar-lhe sobre os ombros, Cunha começa a perder também as esperanças de recuperar a sanidade mental. Ao chamar Sergio Moro de justiceiro político e apresentar-se como troféu do juiz da Lava Jato, Cunha aperta o nó da corda que traz no pescoço.
Cunha caiu do pedestal sozinho. Não precisou de ajuda de rivais. Eleito presidente da Câmara, prestou depoimento espontâneo numa CPI. Inquirido, atirou conta o próprio pé a mentira de que jamais teve contas no exterior. Pilhado com dinheiro escondido na Suíça, saiu-se com a piada do truste. Desmascarado, adotou a chantagem como tática política. Apressou o impeachment de Dilma sem se dar conta de que, depois dela, seria a bola da vez.
Antes de morrer, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, envernizou sua biografia ao empurrar Cunha para fora da poltrona de presidente da Câmara e do mandato parlamentar. Suspenso, o bicho-papão foi perdendo a capacidade de assustar. Virou um aliado tóxico. Após uma embromação de nove meses, os soldados de sua milícia parlamentar ajudaram a passar-lhe o mandato na lâmina.
Enviado a Curitiba, Cunha revelou-se capaz de tudo, menos de refletir. Diferentemente de personagens análogos, como o correligionário Renan Calheiros, Cunha age dez vezes antes de pensar. Mesmo trancafiado, anotou Sergio Moro na sentença, o réu tramou alguma espécie de intervenção indevida do ex-parceiro Michel Temer em seu socorro. Endereçou perguntas constrangedoras ao presidente, impregnadas de segundas intenções.
O comportamento de Cunha, escreveu o juiz, apenas revela que sequer a prisão preventiva foi suficiente para fazê-lo abandonar o modus operandi de extorsão, ameaça e chantagem. Indefeso, Cunha costuma ficar fora de si. E mostra com mais nitidez o oco que tem por dentro: Esse juiz não tem condição de julgar qualquer ação contra mim, pela sua parcialidade e motivação política, escreveu.
Com o vazio a subir-lhe à cabeça, Cunha anuncia: É óbvio que irei recorrer, e essa decisão não se manterá nos tribunais superiores, até porque contém nulidades insuperáveis. Alguém precisa avisar que será necessário levar à balança do TRF-4, sediado em Porto Alegre, algo mais consistente do que o lero-lero habitual.
Desnecessário lembrar que uma confirmação da sentença de Moro na segunda instância transformará a cadeia de Cunha de temporária em perene. Nos seus áureos tempos, Cunha gostava de se comparar com o carcará, aquele pássaro que pega, mata e come. Hoje, o personagem mais parece um pardal de si mesmo. Esforça-se para sujar a testa da estátua de bronze que imagina merecer. (Josias de Souza) 

O País do faz-de-conta...
 photo distinao_zpsntlsxpk8.jpg Diante dos absurdos que vemos acontecer todo dia ao nosso redor, fica mesmo muito difícil reverter aquela célebre máxima de que ...o Brasil não é um País sério....
O episódio desta semana, envolvendo a ex-primeira dama do Rio, sra. Adriana Anselmo, é mais um exemplo do faz-de-conta que reina por aqui...
A Justiça brasileira (sic!!!!) determinou que dita madame voltasse para casa pois ... não se pode privar crianças de 10 e 12 anos, da ausência de pai e mãe, ao mesmo tempo!.... Adicionalmente, impôs algumas condições que deveriam ser cumpridas para a efetivação dessa benesse: ...ausência total de telefone, celulares e TV, na moradia, bem como proibição de qualquer visita, com exceção de parentes até 3º. Grau... 
Parece brincadeira! Em um País onde até nas prisões de segurança máxima sobram celulares e todo um aparato de comunicação dos criminosos para onde quiserem, em um prédio de alto luxo, plantado em pleno Leblon, com apartamentos equipados de Wi-Fi`s de última geração, que podem captar sinal a quarteirões de distância, em uma passarela aberta para as mil e uma visitas devidamente garimpadas com a distinção de parente até 3º. grau, a poderosa e eficiente Polícia Federal Brasileira, depois de minuciosa inspeção, dá seu veredicto à Justiça, de que tudo está na mais perfeita ordem e a criminosa de ontem, pode voltar ao convívio de seus abandonados filhos!...
Sem falar das milhares de mulheres presas por todo esse imenso País e que continuam mofando em suas respectivas espeluncas, deixando para trás filhos de colo, de 1, 3, 5 anos, sem recursos e sem qualquer condição de suporte mínimo para sua criação, como pessoas e como seres humanos!....
Os filhos da sra. Adriana Anselmo, que deviam estar cercados de todo conforto e de toda assistência possível, segundo a nossa Justiça, são filhos mais necessitados de sua mãe, que os milhões de filhos brasileiros abandonados por aí!
É brincadeira! É faz-de-conta! É teatrinho promovido por nossas sérias Instituições...
Indignada com esse teatrinho, a sra. Ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, encaminhou ofício à presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, pedindo que seja estendido a todas as mães brasileiras em situação semelhante, o benefício dado à ex-primeira-dama do Estado do Rio de Janeiro: ...como ministra do Estado dos Direitos Humanos e principalmente, por ser cidadã brasileira, tenho o dever de recorrer a Vossa Excelência para que juntas adotemos medidas legais urgentes nesse sentido....
Mais um papel que vai para o lixo, enquanto, no Leblon, duas criancinhas abandonadas voltam aos braços da zelosa mãe, privados de se comunicarem com seus colegas, de recebê-los em sua casa, de verem televisão, de fazer seus deveres com a ajuda da Internet...
Esse é o Brasil, o País do futuro, onde, certamente, o sol não brilha para todos!... (Márcio Dayrell Batitucci) 

Fora da corrupção não há salvação.
Cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Rio, mais o presidente da Assembleia Legislativa, reúnem-se ao ex-governador Sérgio Cabral e a antigos auxiliares para responder por toda sorte crimes de corrupção. Inclua-se na lista o governador Pezão e se terá a receita de um Estado em decomposição. Sobrará o quê, dessa quadrilha empenhada em enriquecer às custas de um povo entregue à própria sorte?
O Rio já foi a capital do Brasil. Hoje transformou-se em centro do crime organizado. Do tráfico de drogas aos assaltos, sequestros e ao desvio de verbas públicas de toda espécie, não sobrou nada. Para cada canto que o cidadão se vire, escorre lama.
Tem saída? Provavelmente, não. Daqui, só para pior. A corrupção estendeu-se por todos os setores e atividades públicas. Os encarregados de zelar pela ordem entregam-se à desordem. Receber propinas tornou-se regra fundamental de comportamento social.
Claro que existem exceções, do Ministério Público à Polícia Federal, mas o enfraquecimento das elites conduziu à rendição das massas, breve a se transformar em rebelião. Qualquer um que se disponha a protestar diante da roubalheira indiscriminada receberá o repúdio dos que servem como exemplo às avessas. Fora da corrupção não há salvação. (Carlos Chagas) 
Existe só uma maneira de se evitar as críticas: não fazer nada, não dizer nada, e não ser nada. (Aristóteles)

Nenhum comentário: