26 de mar de 2017

Febre antiética assola o país. Vacina já.

 photo ogrito_zpsamwcraxb.jpg • Uma nova organização religiosa surge a cada hora no Brasil. Cadastradas como pessoa jurídica, organizações não pagam Imposto de Renda, IPTU, ISS e IPVA. (OGlobo) 
• Fica para 2018. TSE não deve concluir caso Dilma ainda este ano. Caso contra a chapa, no TSE, não deve ser concluído este ano. 
• Dilma pede julgamento conjunto com Temer no TSE. Em alegações finais em ação contra a chapa Dilma-Temer, defesa da ex-presidente atacou Aécio e rechaçou ligação com Marcelo Odebrecht. 
• Conta do TCU vai mostrar rombo de R$ 150 bilhões na Previdência. Governo vai usar dados para reforçar lobby por mudanças nas regras. 
• Lista fechada para proteger investigados é tiro no pé, dizem especialistas. Para cientistas políticos ouvidos pelo G1, incluir em lista alvos da Lava Jato pode tirar votos das legendas. Segundo eles, modelo vai reduzir o custo da eleição. 
• Odebrecht cometia fraude no exterior para pagar propina. Contratos fictícios eram usados para gerar verba, dizem delatores. 
• Andrade Gutierrez foi pega ao ficar pelada na rua, diz presidente. Para Ricardo Sena, empreiteira errou ao não perceber que o Brasil mudara. 
• Com a desistência de Lula, ré por corrupção, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) é cotada para presidir o PT nacionalmente. Ela reluta, afinal é ré por corrupção. Mas, no PT, quem não é? 
• Alguma coisa está errada e bico calado! Relatório aponta visitas a Cabral fora de horário permitido. Marco Antonio Cabral visitou o pai mais de 30 vezes. 
• Alta de tributos deve cobrir mais de 40% de rombo. Ideia é acabar com desoneração da folha, retirar isenções e aumentar PIS/Cofins. 
• Governo Temer estuda alta de tributos para fechar as contas; reforma deve buscar divisão mais justa do financiamento do Estado. 
• Acordo dá novo fôlego para Abilio Diniz na BRF. No posto desde 2013, empresário seguirá no comando do conselho. 
• Nova Previdência beneficia os pobres, dizem economistas. Para membros da equipe do governo Temer, reforma é imprescindível. 

• Em 2 meses, Trump já coleciona fracassos. Retirada do projeto que substituiria Obamacare é o principal fiasco; Após fracasso, Trump diz que Obamacare vai explodir. Após fracassar no Congresso, presidente promete uma nova superlei para regular sistema de saúde. 
• Tiroteio em casa noturna deixa um morto e 14 feridos nos EUA. Polícia de Cincinnati fala em cenário caótico
Milhares de britânicos vão às ruas e protestam contra o Brexit. Segundo o grupo Unidos pela Europa, milhares de pessoas se encontraram em frente ao Palácio de Westminster para pedir um novo referendo. 
• Radicalização interna é desafio para governos europeus. Metade dos extremistas do Reino Unido nasceu no país, estima relatório. 
• China retoma compra de carne de frigoríficos brasileiros. Planalto divulgou lista com 13 países que reviram as restrições a importação. 

Gilmar age como concessionário do apocalipse e Janot, como um Cerbero.
O ministro Gilmar Mendes e o procurador Rodrigo Janot meteram-se num desqualificado bate-boca.
Gilmar age como concessionário do apocalipse e Janot, como um Cerbero na defesa dos vazamentos de sua corporação. O Conselho Nacional de Justiça deveria condenar os dois a assistir ao vídeo da sabatina do juiz Neil Gorsuch, indicado para a Corte Suprema dos Estados Unidos.
Ele dominou a cena e as questões do direito que interessavam aos senadores. Deu uma aula de elegância e fica o registro: Gorsuch é mais conservador que Gilmar e mais severo que Janot. (Elio Gaspari)
A imprensa e as fábricas de salsicha.
O espetáculo de realismo mágico nas palavras de um juiz começou na sexta-feira (17), com a maior operação da história da Polícia Federal.
A PF investigou durante dois anos esquema de propinas envolvendo 32 empresas que pagavam fiscais do governo federal para liberar carnes adulteradas ou estragadas.
Os principais frigoríficos do país estavam entre os investigados. A carne adulterada chegara na merenda escolar. Haveria produtos com substâncias potencialmente cancerígenas. Não era bem assim.
Esse foi o tema mais comentado pelos leitores, que criticaram o trabalho da imprensa e da polícia.
Dizia o texto da edição de sábado: Ao longo de dois anos de apuração, a PF afirma ter encontrado em gôndolas de supermercados carnes adulteradas, com prazo de validade vencido e maquiadas com produtos proibidos por lei.
Um leitor cobrou: Por que os jornais não questionaram essa demora da polícia em divulgar assunto de extrema importância, em vez de punir e evitar que população consumisse carne com problemas?
A Folha publicou o que a polícia divulgou, sem questionar, sem duvidar, sem consultar especialistas que pudessem ajudar na avaliação dos fatos. Não investiu em linha própria de investigação nem saiu a campo atrás de evidências.
Na segunda (20), o jornal embarcou também acriticamente nas vozes das empresas e do governo. Passou a ser crítico à operação policial, com a demonstração de relatos inapropriados, generalizações descabidas e provas técnicas parciais ou incompletas. O estrago para o setor já estava feito. O leitor, perdido, ficou sem saber em quem acreditar.
O editor de Mercado, Ricardo Balthazar, admitiu que o tom da cobertura foi ajustado durante o fim de semana, à medida que a avalanche de informações da polícia pôde ser avaliada com mais cuidado.
Lembrou que, na segunda-feira, primeira reportagem mais crítica da Folha informou que nos dois anos de investigação somente um dos frigoríficos teve seus produtos submetidos a análise técnica pela polícia, demonstrando de forma objetiva as fragilidades do trabalho policial.
De modo geral, tanto quanto a investigação sobre a carne, fraca acabou sendo a cobertura da Folha.
Veio à tona antiga associação: assim como a salsicha, se o leitor soubesse como os jornais são feitos, também não os consumiria? (Paula Cesarino Costa, jornalista) 

Fechem suas portas, protejam seus pertences - Adriana Ancelmo foi solta pela ministra Maria Thereza, do Superior Tribunal de Justiça. A mulher e cúmplice do ladrão-mór que saqueou os cofres do Estado do Rio Janeiro, Sérgio Cabral Filho, está de volta às ruas para usufruir os frutos do gigantesco roubo. Com uma mordomia dessa o crime compensa, não é com pinça. Esse escriba de vocês tem uma máxima que diz: É ladrão quem rouba um pão dá desfalque quem rouba um milhão. O ex-governador do Rio saqueou 1 bilhão. Adriana Ancelmo participou diretamente da ladroagem e está solta. Para cuidar de seus filhos tem avó e outros parentes. Consequentemente... (Mirson Murad) 

 photo umsindicato_zps5wsgxgr6.jpgA ideologia do privilégio e das benesses...
Está mesmo comprovado: ideologias, crenças, valores e bandeiras voltados para os interesses dos trabalhadores e sempre defendidos com radicalismo pelos sindicalistas deste País, não passam de uma balela e de um jogo de cena sem o menor sentido ou credibilidade.
Na realidade, a única ideologia que jamais abandonou nossos sindicalistas, é a ideologia dos privilégios pessoais, do dinheiro fácil que enche as burras de todo sindicato à custa dos trabalhadores, e outras benesses que só servem aos dirigentes que se perpetuam no poder dessas entidades! Vimos isso sobejamente nesses anos da gestão PTista, quando os sindicalistas mudaram de lado e se tornaram altos dirigentes das Empresas Estatais e Fundações...
As Reformas da Previdência e Trabalhista, execradas pelos sindicalistas em seu eterno jogo de cena, agora terão o aval desses mesmos dirigentes sindicais, por uma razão muito simples: tornaram-se uma moeda de troca por uma Lei ou Regulamentação que lhes assegure eternamente a famosa e bilionária contribuição sindical, aquele dinheiro que é tirado na marra do trabalhador brasileiro...
Ideologias, crenças, valores, que se danem: o importante mesmo é garantir anualmente os bilhões da contribuição sindical, que irão manter a bolha de privilégios desses dirigentes sindicais!.... 
E não se fala mais nisso!... (Márcio Dayrell Batitucci)
ooo0ooo

Por volta de contribuição, centrais sindicais oferecem oposição menor a reforma.
Centrais sindicais ofereceram ao presidente Michel Temer a abertura de negociações para apoiar as reformas da Previdência e trabalhista em troca de ajuda do governo para retomar a cobrança da contribuição assistencial -taxa paga por trabalhadores para financiar a atividade dos sindicatos.
Dirigentes da Força Sindical, comandada pelo deputado Paulinho da Força (SD-SP), se reuniram na terça (21) com Temer e com o ministro Ronaldo Nogueira (Trabalho) para apresentar a proposta. 
Os sindicalistas pediram que o presidente edite uma medida provisória ou apoie a aprovação no Congresso de um projeto que regulamente a cobrança da contribuição.
Em troca, as centrais aceitariam reduzir suas resistências às propostas de Temer para alterar regras previdenciárias e trabalhistas.
A contribuição assistencial é descontada pelos sindicatos dos trabalhadores da categoria que representam, mesmo dos não filiados. Em fevereiro, o STF proibiu a cobrança da taxa de trabalhadores não sindicalizados. 
O valor da contribuição é decidido por cada entidade em assembleias e convenções coletivas e usado para financiar as atividades sindicais. Além dessa taxa, as entidades cobram a contribuição sindical, que é obrigatória e equivale a um dia de trabalho. 
Centrais, sindicatos, federações e confederações arrecadaram R$ 3,5 bilhões com a contribuição sindical em 2016. Estimam que a taxa assistencial, cobrada à parte, representa até 80% do orçamento de algumas entidades. 
A Força diz ter o apoio da União Geral dos Trabalhadores (UGT), da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST) e da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) para as negociações. As quatro entidades representam 37% dos trabalhadores do país.
Se não houver a legalização da contribuição, os sindicatos fecham, disse o secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves. 
Temer deve voltar a discutir o assunto com auxiliares nos próximos dias. O ministro do Trabalho disse ao presidente que o acordo com as centrais seria um passo importante para reduzir manifestações contra as reformas.
A Força convocou protestos e paralisações para 28 de abril, mas indicou ao Planalto que está disposta a suspender os atos caso haja acordo. 
Auxiliares de Temer tratam a aproximação com cautela. Acreditam que o apoio das centrais aos dois projetos é inalcançável e que, ao ajudar na retomada da cobrança da taxa assistencial, o Planalto ajudaria a financiar opositores das reformas. 
No cofre das centrais.
R$ 3,5 bilhões: arrecadação em 2016 com a contribuição sindical. (Bruno Boghossian e Paulo Gama) 

Haters 1: Mendes presidenciável gera fúria em esquerdas e xucros.
O esquerdista Janio de Freitas, em sua coluna deste domingo, repete parte das acusações que a direita fascistoide faz ao ministro. Como explicar tanto ódio.
Alguns indivíduos têm a ventura de ser odiados pelas esquerdas e também pela direita fascistoide, oportunista, xucra. O ministro Gilmar Mendes, membro do STF e presidente do TSE, é um deles. Eu mesmo, não posso ignorar, sou outro.
Há mais gente que desperta esse duplo rancor, é claro!, mas não vou ficar aqui nominando porque passará a impressão de que integramos um movimento. E não! A única característica que nos une é a diversidade de opiniões. O pensamento em grupo está para a moral e a política como a formação de quadrilha está para o Código Penal.
Em sua coluna deste domingo, Janio de Freitas solta os cachorros contra Mendes. Repete acusações que têm sido publicadas por páginas de extrema direita.
Segundo Janio, o ministro tem batalhado pela admissão do caixa 2, o por fora nas eleições; prega a anulação dos inquéritos e processos que tiveram vazamentos; apoia a anistia aos doadores e recebedores do por fora; e propagandeia a volta das doações eleitorais de empresas.
Vamos ver:
- desafio Janio a explicar o que quer dizer batalhar pela admissão do caixa 2. Como a coisa poderia ser feita? Com qual medida? Com qual ação?
- desafio Janio a demonstrar como se daria a tal anistia ao caixa 2 de doadores e recebedores. Se a prática for tipificada como crime no Código Penal, a lei não poderá retroagir para punir. Quem o impede é a Constituição. Aliás, neste domingo, movimentos de direita e de extrema direita vão às ruas também contra a anistia. Não há um só de seus líderes que conseguisse explicar como é que se operaria esse milagre.
- desafio Janio a demonstrar que Gilmar Mendes prega a anulação dos inquéritos e processos que tiveram vazamentos. Infelizmente, é mentira! O ministro se referia, e com razão, a vazamentos de investigações sigilosas comprovadamente provocados pela acusação.
- desafio Janio a demonstrar que o ministro propagandeia a volta das doações eleitorais de empresas. Ele era contra a proibição.
Ah, sim: segundo o jornalista, Gilmar é de direita, embora ele, Janio, compartilhe com a extrema direita a opinião sobre Gilmar… Será que, quando a gente renuncia de vez à lógica, sobrevém uma boa sensação?
Mas qual é o problema dessa gente?
Mas qual é o problema dessa gente? Por que esses caras não podem admitir um juiz que é, de fato, independente? Por que não suportam um jornalista que é dono de suas opiniões? No caso das esquerdas, a raiz profunda é mesmo ideológica - o que não quer dizer que seja boa. No caso dos fascistoides, bem, aí se trata de pessoas que não são donas de suas opiniões porque elas próprias, as opinantes, têm donos. E estes podem se zangar.
Bastaria fazer um levantamento sobre os votos de Mendes, e se constataria que, no mais das vezes, concordou com o Ministério Público Federal. E Janio, a exemplo do petismo, o tem como adversário também por isso. Nas vezes em que o ministro se insurgiu, foi para apontar exageros, incorreções, ilegalidades - a exemplo do vazamento coletivo em off praticado por procuradores.
Ou, então, para lembrar o óbvio: o Ministério Público não poderá, em sua denúncia, acusar o crime de caixa dois - essa lei ainda não foi criada. Terá de apelar a outras tipificações: corrupção, lavagem, peculato. E, por óbvio, com o ônus da prova. Assim como há doações legais, e isto resta claro, que correspondem a pagamento de propina, pode haver caixa dois sem a evidência da dita-cuja.
Mendes presidente
Jânio se desarvora e já aponta um Gilmar Mendes candidato à Presidência. É uma tolice que, consta, páginas da extrema direita também alardeiam, com igual sinal de desaprovação.
Não! O ministro não é candidato a nada - ou quase (já chego lá). Se Janio quer especular sobre candidaturas, deveria se aproximar mais de Carmen Lúcia e de Rodrigo Janot…
Fui eu que lancei, meio de pilhéria, no programa Os Pingos nos Is e neste blog, Mendes para a Presidência. E deixei claro: na hipótese de o TSE cassar a chapa Dilma-Temer e de o Congresso ter de eleger presidente e vice pela via indireta, ele é um bom nome.
Sim, eu estava apenas me divertindo com uma conjectura. Mas agora é a sério e é pra valer: se o TSE fizer a bobagem de tirar Michel Temer da Presidência, que Gilmar Mendes se apresente para o que será uma missão irrecusável.
Esquerdistas e fascistoides ficariam indignados.
Que bom! (Reinaldo Azevedo) 
Para bom entendedor, meia palavra basta.

Nenhum comentário: