5 de nov de 2016

Faça algo, ocupe alguma coisa, escola.

 photo amarca_zps1msqojjr.jpg • Renunciem! Sair do poder seria uma grande solução! Em crise, governo do Rio corta cargos, secretarias e programas sociais. Medidas anunciadas nesta sexta têm como objetivo gerar receita de R$ 27,9 bilhões em 2017 e 2018; Pezão anuncia medidas para economizar R$ 13,3 bilhões em 2017; O pacote de duras medidas anunciado pelo Rio causou reação imediata da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, também registra a imprensa escrita hoje. O recado dado aos servidores vale para os industriais: acabou a farra, parceiros; os movimentos sindicais no Rio de Janeiro prometem articulação na próxima semana contra o arrocho carioca; Funcionários do Rio irão à Justiça contra desconto. Governador anunciou que contribuição previdenciária será de 30% dos salários. 
• Escândalo: Cabral e Pezão venderam aposentadoria dos pensionistas na bolsa dos EUA. Leia
• Rombo na previdência: Governo pretende que homens e mulheres se aposentem com a mesma idade. Homens e mulheres vão trabalhar até os 65, para se aposentar. 
• Fachin (STF) convoca audiência pública para debater bloqueios judiciais do WhatsApp. 
• Nova repatriação terá imposto e multa de 17,5%. Além da taxação, proposta para nova fase do programa deve incluir parentes de políticos. 
• Candidatos do Enem 2016 devem estar atentos aos horários da prova. Locais de prova abrem portões às 12h e fecham às 13h no horário de Brasília; diferença advinda do horário de verão pede atenção especial em 18 estados; MEC anuncia que pode adiar Enem para mais estudantes. Segundo a pasta, coordenadores locais do exame estão orientados a cancelar a aplicação das provas nos dias 5 e 6 caso haja alguma situação de risco 240 mil farão Enem em nova data. Candidatos com prova marcada nos colégios ocupados só farão exame dias 3 e 4 de dezembro; Enem vai ser aplicado em três datas diferentes. Prova ocorre neste fim de semana, em 3 e 4 de dezembro (afetados por ocupações) e 13 e 14 (presos). 
• Aplicativo de táxis quer lançar tuk-tuk no Rio; custará 50% a menos do que os amarelinhos. 
• Roseana Sarney vira ré na Justiça do Maranhão e mais 10. Ex-governadora é acusada de conceder benefícios fiscais ilícitos a empresas; rombo gerado pelo esquema é de aproximadamente R$ 410 milhões, diz MP. 
• Operação Lava Jato: Procuradores reafirmam acusações contra Lula em documento ao CNMP. Força-tarefa rebate críticas ao anúncio da denúncia contra Lula. 
• PF deflagra operação contra tráfico internacional. Polícia estima que grupo tenha movimentado mais de R$ 1 bi; foram bloqueadas 80 contas de traficantes. 
• Ex-ministro Henrique Alves é acusado de esconder R$3 milhões ilegais. Já na mira da Lava Jato, Henrique Alves tentou esconder dinheiro. 
• Ministros e governadores estão entre investigados na farra das passagens
• Janete foi de carro até o Uruguai, acompanhada de seguranças e assessores. As despesas com deslocamento são custeadas pela cota a que ela tem direito como ex-presidente. 
• Ministra Cármen Lúcia desistiu de participar de encontro nacional de juízes estaduais organizado pela AMB, num resort de luxo em Porto Seguro, com direito a show de artista. O evento é patrocinado, dentre outras pela Veracel Celulose, empresa com longo passivo judicial. Carminha nem deveria ter agendado sua participação. E os senhores magistrados deveriam acabar com esse tipo de evento, normalmente patrocinado por empresas públicas ou por companhias privadas com interesses em processos. 
• Em 2018 Lula sancionou uma lei que obriga as centrais, confederações, federações e sindicatos a prestarem contas para receberem verbas públicas. Só que isso não aconteceu e a centrais não estão prestando essas contas ao Tribunal de Contas da União - TCU - e mesmo assim continuam com suas verbas garantidas. País rico é outra coisa. 
• Na bancada de senadores do PMDB, somente 3 se salvam. Dos 19 senadores do PMDB, 16 podem virar réus em ação penal. 
• A Odebrecht está prestes a assinar a venda de sua participação de 55% na concessionária Gasoduto Sul Peruano. 
• Escolas invadidas: Alckmin critica ocupações: Você tira o direito de quem quer estudar
• Onze capitais brasileiras ultrapassaram o limite de gastos com pessoal previso na LRF -- mais de 60% da receita corrente líquida --, informou o Tesouro Nacional. 
• Após 1 ano Samarco recebe nova multa, de R$ 500 mil por dia, até adoção de precauções. 
• Rock in Rio 2017 será no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca. Local é 2 vezes maior que o anterior, diz organização.

•  Estudo calcula prejuízo com matança de elefantes. Ecoturismo perde US$ 25 mi por ano com caça ilegal de animais na África. 
• Turquia diz ter atingido 71 alvos do Estado Islâmico na Síria. 5 combatentes morreram, diz o exército. Outros 8 foram mortos pela coalizão. 
• Coreia do Sul se diz preparada para atacar vizinhos do norte. 
• O iemenita que perdeu 27 pessoas de sua família em um bombardeio aéreo. Mais de quatro mil indivíduos já morreram desde o início da guerra no Iêmen, em 2015; casa de Abdullah al-Ibbi foi atingida por volta da meia-noite. 
• Bombas atingem comboio de pessoas em estrada no Iraque e matam 18, diz polícia. 
• Nº de americanos que já votou é maior que em outras eleições. Faltam poucos dias para o momento decisivo da eleição. 

Três ministros do Segundo Reinado.
O primeiro movimento é óbvio: aparecer em todas as oportunidades, manifestar-se sobre todos os assuntos, dar palpite sobre cada tema ou acontecimento. O segundo é uma consequência: deixar claro seu desinteresse em tirar proveito de suas opiniões, sempre a título de colaboração, especialmente se tiver sido professor, pairando acima do conjunto ávido de receber concordâncias.
Terceiro: mais do que tudo, negar até o último minuto ilações a respeito de suas verdadeiras intenções, mas acertando sempre nas críticas e no chamamento às necessárias correções. Jamais dizer-se candidato, alegando até mesmo a idade e o dever já cumprido, em se tratando de ex-presidentes.
Por último: valer-se, sem exagerar, das lembranças e artigos favoráveis de antigos colaboradores e fiéis seguidores, mesmo deixando claro não estar concorrendo, apesar de dispor de soluções para as questões mais agudas à vista de todos.
Esse, sem tirar nem pôr, é o roteiro da candidatura de Fernando Henrique Cardoso, aquele que é, dando a impressão de nunca ter sido. Milimetricamente, peça por peça, o sociólogo cumpre as diversas etapas que o farão ser lançado como denominador comum em meio ao canibalismo de tucanos como Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra. Quando tais ingênuos perceberem, terão sido engolidos pelo ex-presidente, até felizes por evitar derrotas isoladas e imediatas, esperançosos em disputar os futuros mandatos. 
Traduzindo: FHC é candidato mesmo, aproveitando-se da vitória do PSDB nas recentes eleições municipais. Os três pretendentes fracassados poderão até ocupar três ministérios no Segundo Reinado. (Carlos Chagas) 

Anistia para o caixa dois é insustentável e inútil.
Às voltas com a redação final do seu relatório sobre as dez medidas de combate à corrupção sugeridas pelos procuradores da Lava Jato, o deputado Onyx Lorenzoni reuniu-se com Deltan Dellagnol, coordenador da força-tarefa de Curitiba. O encontro ocorreu na última quinta-feira. Puseram-se de acordo em relação ao grosso do texto que será apresentado até quarta-feira à comissão que trata do tema na Câmara. Ao repassar o item de número 8, que trata da criminalização do caixa dois, Onyx e Deltan avaliaram que será inócua eventual tentativa de enganchar na proposta uma emenda sobre a anistia do caixa dois praticado no passado.
Não creio que alguém terá coragem de assumir uma emenda como essa no plenário da Câmara, disse Onyx ao blog. Até porque a anistia para o caixa dois seria insustentável politicamente e inútil do ponto de vista penal. É insustentável porque uma autoanistia, além de ter a repulsa da sociedade, será contestada e facilmente derrubada por uma entidade como a OAB no Supremo Tribunal Federal.
É inútil porque, nos casos em que a verba ilícita foi usada para fins partidários e eleitorais, a Lava Jato não deixará de processar ninguém quando houver provas. É muito clara a tipificação de crimes como lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro. Não há anistia que livre ninguém disso.
Os deputados tentaram aprovar uma anistia para o caixa dois em setembro, na calada da noite. Mas a iniciativa ganhou o noticiário e provocou forte reação. Acuado, o grupo suprapartidário que idealizou a manobra saiu de fininho. A proposta foi retirada de pauta sem que sua paternidade fosse conhecida. O tema voltou a fervilhar nos porões de Brasília depois que o acordo de delação premiada da cúpula da Odebrecht ganhou ares de fato consumado.
A colaboração da maior empreiteira do país com a Operação Lava Jato levará à berlinda mais de uma centena de parlamentares, ministros, governadores e até o presidente Michel Temer, a quem se atribui a requisição de uma odebrechtiana de R$ 10 milhões para a campanha de 2014. (Josias de Souza) 
Raramente conhecemos alguém de bom senso, além daqueles que concordam conosco. (La Rochefoucauld)

Nenhum comentário: