29 de out de 2016

Dito: sou, mas quem não é!...

 photo 171_zpswtfbhjyf.jpg• Rio prevê aumentar tributos e contribuição previdenciária de servidor. Governador admitiu que o Estado precisa se enquadrar, uma vez que a dívida estadual ultrapassou o limite. 
• Rombo levou à rejeição da desaposentação, diz Fux. Segundo o ministro, decisão da Corte evitou um déficit de R$ 300 bilhões nas contas públicas. 
• Operação Uruguai: Lava Jato investiga se é de Lula mansão no balneário de Punta del Este. Esquema no Uruguai seria semelhante ao do sítio de Atibaia; Revista IstoÉ revela que a Operação Lava Jato investiga se mansão em Punta Del Este pertence ao ex-presidente petista. Esquema seria semelhante ao do tríplex no Guarujá e ao do sítio em Atibaia. Seu filho caçula, depois de implicado por delatores da Odebrecht, já arrumou um emprego no país vizinho. 
• MPF denuncia Palocci e outros 14 por corrupção e lavagem de dinheiro. MPF acusa ex-ministro de Lula e Dilma também por lavagem; Antonio Palocci era interlocutor de Odebrecht com governo; Lava Jato quer que Palocci e Odebrecht devolvam R$ 505 milhões à Petrobras.
• O serviço público de Brasília parou ontem (28), Dia do Servidor, e só volta ao batente na quinta (3). Uma beleza. Coisa de País rico, que não precisa trabalhar para superar dificuldades. No Judiciário, o Supremo Tribunal Federal, o Superior Tribunal de Justiça, o Tribunal Superior do Trabalho e o Conselho Nacional de Justiça o feriadão começa neste sábado (29) e só acaba na quarta (2), Dia de Finados.
• Odebrecht movimentou US$ 211 milhões na Suíça. País diz que empreiteira usou recursos para pagar propinas para ex-diretores da Petrobrás e políticos. 
• Disputa está aberta em ao menos 11 capitais. Pesquisas mostram empate em cinco cidades e diferença de até dez pontos em outras seis; Defesa do voto nulo ganha força às vésperas do 2º turno. Partidos fora da disputa defendem que seus eleitores não optem por ninguém. 
• Justiça abre investigação contra deputado Zeca Dirceu (PT-PR). Ministro Teori Zavascki, do STF, autorizou abertura de inquérito; filho de José Dirceu é suspeito de ter praticado crime de lavagem de dinheiro. 
• Agnelo Queiroz, ex-governador do Distrito Federal fica inelegível por oito anos. 
• Conta de luz subirá em novembro com bandeira amarela. Falta de chuvas, principalmente no Norte e Nordeste, faz voltar taxa extra; Rio-16 deve mais de R$ 22 milhões em contas de luz. Entidade que organizou eventos tem dívida com fornecedora de energia local. Em novembro, contas de luz terão acréscimo de R$ 1,5 a cada 100 kWh. 
• PT ataca STF por cortar ponto de grevistas, mas Lula fez o mesmo e PT silenciou. Pelegada agora ataca STF por mandar cortar ponto de grevistas. 
• 160 pessoas são mortas por dia no País, diz fórum. Nº de 58,3 mil casos em 2015 é considerado preocupante, mas caiu 1,2% em relação a 2014. 
• Enem em perigo: Prazo do MEC para desocupação de escolas termina segunda. 
• O senador Randolfe Rodrigues (REDE-AM) está pedindo ajuda ao ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso para elaborar o relatório que pede o fim do foro privilegiado que deverá entrar em pauta no próximo dia 9. 
• O preço da greve: STF acerta ao impor um custo ao funcionário que interrompe serviço público; Congresso ainda deve uma regulamentação sobre o tema. 
• Individualmente, Alckmin é o maior vencedor da eleição municipal. Já Lula e o PT erraram muito, e as consequências apareceram no resultado da eleição: uma ruína só. 
• Direita e esquerda disputam escolas no Paraná. Militantes do MBL e grupos ligados às ocupações passaram a disputar colégios no braço na última semana; Alunos fazem gesto de resistência em escola estadual de Curitiba; movimento ocupou 850 das 2.100 unidades no Paraná em protesto contra a reforma do ensino médio.
Aqui é como tirar água de um barquinho furado, diz Lewandowski. Para ex-presidente do STF, análise dos casos da Operação Lava Jato está dentro do prazo previsto; Cármen Lúcia quer colegiado de juízes para decisões polêmicas. 
• Reforma da Previdência pode taxar todos os aposentados. Hoje, só contribuem servidores públicos com benefícios acima do teto do INSS. 
• A Justiça não vê: A Igreja Universal do Reino de Deus assinou um documento em que se compromete a doar à Prefeitura de São Paulo um terreno avaliado em R$ 38 milhões, no intuito de evitar o fechamento do Templo de Salomão, localizado no Brás, centro de São Paulo. O terreno doado fica no Belenzinho (zona leste) e será usado para construção de 700 moradias populares; De acordo com a Folha de S. Paulo, o templo foi inaugurado em 2014, mas só com um alvará para eventos, que deve ser renovado a cada seis meses, com o atual tendo seu vencimento neste mês. O espaço, que cogitado para fechamento e demolição, ostenta 74 mil m² de área construída, o que seria 3,2 vezes mais que a Basílica de Aparecida; A escritura com a promessa de doação foi firmada em cartório no último dia 17 por um bispo da Universal e representantes da gestão Fernando Haddad (PT). A Universal informou que tem até 180 dias para doar o imóvel e em troca receberá o habite-se, que significa obter um documento definitivo de funcionamento do templo. 

• Ida de Maduro agrava tensão em reunião na Colômbia. Presença do presidente em meio a críticas não era esperada em Cartagena; Maduro celebra fiasco de greve geral convocada por oposição: vitória popular. Oposição nega que greve geral tenha fracassado. Convocação acontece após presidente cancelar recolhimento de assinaturas para referendo. 
• Em reduto latino, Hillary supera el Trump. Na Califórnia, democrata deve vencer opositor com ampla vantagem; Hillary tenta limitar problema sobre e-mail na etapa final da campanha. Às vésperas de eleição, FBI reabre inquérito contra Hillary Clinton. 
• ONU diz que EI usa reféns como escudo em Mossul. Mulheres e crianças são usados por facção terrorista na cidade iraquiana. Milícias xiitas lançam ofensiva para isolar Mossul. 

Crivella fez uma pose melhor do que a de Freixo.
Freixo e Crivella, os dois Marcelos que disputam o voto dos cariocas, fizeram pose da primeira frase até as considerações finais do último debate. Das duas encenações, a de Crivella talvez tenha sido mais eficiente. De tanto se esforçar para expor o lobo que enxerga atrás do semblante do seu rival, Freixo ficou parecendo um bispo exorcista da Universal. Foi como se estendesse um tapete vermelho para Crivella desfilar seu figurino de vítima, que costuma dar mais votos.
Depois de fugir de três sabatinas ao longo da semana, Crivella foi ao último debate ensaiado para mostrar que o diabo pintado pelo adversário não é tão feio quanto parece. Freixo recordou a frase do rival sobre a obediência que as mulheres devem aos homens. Crivella realçou seu casamento de mais de 30 anos. E falou sobre as creches que pretende construir em parceria com a iniciativa privada.
Freixo provocou Crivella, bispo licenciado da Universal, a dizer qual é o projeto político da igreja do seu tio Edir Macedo. Ao responder, o favorito nas pesquisas saltou a casca de banana e foi caminhar noutra calçada: discorreu sobre a falta de saneamento, transporte de má qualidade e a falta de exames nos hospitais dos fundões da Zona Oeste do Rio, onde tem muitos votos.
O candidato do PSOL voltou à carga: Sua igreja tem projeto de poder. Quase todos os deputados são bispos., afirmou ele. Você desconsidera outras religiões, disse que católicos eram demoníacos, acrescentou. Crivella exagerou na desconversa: Não existe projeto de poder de igreja nenhuma. E deu meia-volta, olhos fixos na câmera: Você não quer saber de religião, quer saber de emprego.
E assim foi durante todo debate. Um apertando. Outro se esgueirando. Em desvantagem nas pesquisas, Freixo tentou capturar o telespectador que cogita desperdiçar o voto. Pesquisa Datafolha divulgada há três dias contabilizava em 27% os eleitores que chegam à beira da urna sem se definir por nenhum dos dois candidatos. O diabo é que o grosso desse eleitorado (19%) diz estar decidido a votar em branco ou anular o voto. É gente que tem ojeriza também a Freixo.
De resto, ao empurrar Crivella para o gueto religioso, Freixo não fez senão consolidar votos que vêm assegurando a folgada liderança do seu adversário. Entre os fiéis de igrejas pentecostais, como a Universal, amealha 91% dos votos. Entre os não pentecostais, 86%. No total, os evangélicos somam 33% dos eleitores.
A certa altura do debate, Crivella perguntou a Freixo qual é a sua proposta para cuidar dos animais do Rio e Janeiro. Depois de ouvir uma das poucas respostas em que seu antagonista não o espetou, Crivella ironizou: Olha só, quando o Freixo trata de propostas, ele fica encantador. Falou tudo que tem que ser feito no Rio de Janeiro. Foi tão brilhante, sem ofensas.' E Freixo: Agora, você vem com essa voz mansa, cordial, mas você não é quem quer aparentar no debate. Sua campanha nesse segundo turno foi suja.
Freixo considera-se o melhor candidato que ele já conheceu. Mas não se deu conta de que, numa disputa eleitoral renhida com a do Rio, costuma vencer a melhor encenação, não o melhor candidato. (Josias de Souza) 

A criminalidade e a nossa prisão mental.
Foi divulgado que, em 2015, 58.383 pessoas foram vítimas de homicídio no Brasil. Ou seja, 160 pessoas por dia. Ou seja, sete pessoas por hora.
Comparado com o ano anterior, houve uma queda de 1,2%. É estatisticamente irrelevante para se contrapor ao fato de que continuamos a ser um país feroz.
A nossa ferocidade encontra livre vazão por falta de Estado. Temos Estado demais onde deveríamos ter menos e pouco Estado onde deveríamos ter mais. Caberia ao Estado prevenir, investigar e punir. No lugar disso, há leniência, inépcia e impunidade.
Até quando?
As receitas pontuais para conter a criminalidade são conhecidas, mas teimamos em ignorar a essencial: a reforma do Estado brasileiro.
É preciso diminuí-lo para termos menos Lulas e Renans.
É preciso diminuí-lo para termos mais foco e eficiência.
É preciso diminuí-lo para agigantá-lo.
Enquanto vivermos nesta prisão mental construída pelo nacional-populismo, os bandidos permanecerão livres e matando. (Mario Sabino) 

Como estimular o comparecimento.
As abstenções, os votos nulos e os votos em branco poderão superar as preferências dadas aos vencedores e aos derrotados nas eleições de prefeito nos municípios que amanhã estarão votando no segundo turno. Trata-se de um perigoso sinal. De um vexame, é claro, mas acima e além do desinteresse de parte dos cidadãos incumbidos de zelar pelo próprio futuro, de um libelo contra o voto obrigatório. Também, de um alerta para 2018. Caso o número de ausências supere o de eleitores, melhor seria encontrar novos mecanismos de aferição da vontade popular.
Pelas projeções ainda insuficientes para as eleições de presidente da República, parece que candidatos aos montes se apresentarão. E se mais da metade do eleitorado recusar-se a comparecer? A ridícula multa de 3 reais para quem faltar não pesará na equação. Pelo contrário, será um incentivo a que o eleitor fique em casa.
A rejeição ao processo dito democrático corre por conta da qualidade dos eleitos. Ou da falta dela.
Agora que mais uma vez se cogita da reforma política, seria oportuna a busca de alternativas. Que tal criar obrigações adicionais para os candidatos? Ou estabelecer filtros para a seleção de quantos pretendam submeter-se ao voto popular? Considerar inelegíveis para sempre quantos não tenham conquistado um certo número de votos nas eleições anteriores? Proibir reeleições em todos os níveis após o cumprimento de um único mandato?
Renovando os candidatos, quem sabe não se oxigenaria o eleitorado a ponto dele voltar a participar maciçamente do processo eleitoral? (Carlos Chagas) 
A estupidez coloca-se na primeira fila para ser vista; a inteligência coloca-se na retaguarda para ver. (Bertrand Russell)

Nenhum comentário: