10 de ago de 2016

Uma medalha não mostra o país...

 photo os pesos_zpshukhpafl.jpg • Dilma Rousseff acaba de virar ré no processo de impeachment. Por 59 votos favoráveis e 21 contrários, o plenário do Senado acaba de aprovar o parecer de Antônio Anastasia, permitindo que presidente afastada seja julgada por crime de responsabilidade. Renan Calheiros estava no plenário, mas não votou.
• Impeachment: Planalto estima votação folgada a favor do processo. Equipe do presidente interino Michel Temer estima que terá 60 votos. Vantagem daria tranquilidade para o governo e fortaleceria o peemedebista junto ao Legislativo; Defensores de Dilma conseguem ganhar tempo em sessão do impeachment. Primeiras três horas da sessão de pronúncia do impeachment foram dedicadas às questões de ordem apresentadas por aliados da presidente afastada Dilma Rousseff. 
• Difícil estancar. Lava Jato denuncia 15 por propinas em obras de órgão da Petrobras. 
• Justiça libera manifestações políticas na Olimpíada. Liminar foi proferida pelo juiz federal substituto João Augusto Carneiro Araújo, da 12ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Em caso de descumprimento, será aplicada uma multa de R$ 10 mil para cada ato de repressão a protesto pacífico. 
• Comissão da Câmara aprova PEC que limita gasto público. Parecer do relator foi aprovado por 33 votos a 18. Sessão foi marcada por protestos contra a medida, que limita os gastos públicos federais por 20 anos. 
• Aneel suspende pagamento de dívida de R$ 8,7 bilhões da Eletrobrás. Empresa teria se apropriado indevidamente desses valores ao gerir a Reserva Global de Reversão; 
• Pesquisa mostra situação de vulnerabilidade de estudantes LGBT em escolas brasileiras. Metodologia inédita aplicada no estudo da Secretaria de Educação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais aponta que 73% de estudantes LGBT’s já sofreram agressões verbais em escolas do país. 
• Incidência de sífilis e HIV é até 13 vezes maior em usuários de crack. 
• PT tem o menor número de candidatos em 20 anos. Até o momento, partido soma 1.135 candidatos à prefeito em todo o Brasil, uma redução de 35% em relação à eleição de 2012, quando 1.759 participaram da disputa. 
• Um ônibus oficial dos Jogos Olímpicos Rio-2016 que fazia o trajeto entre a Arena da Juventude, em Deodoro, e o Parque Olímpico da Barra foi alvo de tiros de baixo calibre enquanto passava pelo bairro de Curicica, na Zona Oeste do Rio, por volta das 19h45 desta terça-feira. Duas janelas foram atingidas e os estilhaços atingiram e feriram dois jornalistas. Jornalistas, sendo quatro brasileiros e oito estrangeiros, voltavam para o centro de mídia, depois dos jogos de basquete. 
• Planalto articula e votação da cassação de Eduardo Cunha para setembro. 
• Com voto decisivo de Gilmar Mendes, STF absolve Russomanno da acusação de peculato. Decisão permite que o candidato concorra à Prefeitura de São Paulo. Ele foi acusado de realizar pagamentos à gerente de sua produtora com dinheiro desviado da Câmara, entre 1997 e 2001; Bar de Russomanno é fechado após dívida de R$ 2 milhões em aluguéis atrasados. Nenhum pagamento foi realizado durante os três anos de funcionamento. Deputado Celso Russomanno, líder na corrida eleitoral pela Prefeitura de São Paulo, era o sócio-administrador do lugar e detinha parte majoritária das ações. 

• Papa Francisco nomeia uma mulher como diretora de comunicação do Vaticano. Paloma García é a primeira mulher a ocupar função executiva na cúpula da Sala de Imprensa, como porta-voz do papa. 
• ONU alerta que cerca de dois milhões de sírios estão sem água e energia no país. 

Um partido à deriva.
Ganha o PT a medalha de ouro na disputa pelas aspirações frustradas e os objetivos invertidos. Dilma Rousseff sobe as escadas do cadafalso e em poucos dias estará decapitada. O Lula procura salvar-se do precipício e Rui Falcão obrigou-se a vender a mansão que possuía. José Dirceu conforma-se em envelhecer na prisão, Jacques Wagner sumiu. Os ex-tesoureiros do partido lamentam as condenações que os privaram da liberdade e antigos dirigentes buscam o anonimato. Até as convenções municipais para a escolha de candidatos a prefeito não se realizaram, ou transcorreram em segredo. Suas bancadas no Congresso desistiram de tentar salvar o mandato de Madame, mas nem cogitam da reconstrução, lançando tênues esperanças apenas na sucessão de 2018, caso o Lula decida disputar o retorno.
A campanha pelas eleições municipais não começou, o melhor que os companheiros pretendem é ser esquecidos. Se elegerem um único prefeito de capital, no caso de Rio Branco, no Acre, dar-se-ão por satisfeitos.
O partido que um dia aspirou mudar o Brasil recolheu-se e nem planos faz para sua renovação. Omite-se a juventude, indiferente à necessidade de deitar ao mar a carga que sobrou da tempestade.
Dirão os companheiros otimistas que a mesma pasmaceira tomou conta dos outros partidos, mas o percentual de desânimo do PT supera os demais. Também, bem feito... (Carlos Chagas) 

Enquanto Cuba multiplica controles e exigências, médicos cubanos deixam o Brasil.
Médicos cubanos retornaram a Cuba por exigência de seu governo, deixando abertas 1.200 vagas no programa Mais Médicos e causando graves transtornos à medicina pública brasileira, escreveu El País.
O contingente de 1.200 médicos representa pouco mais de 10% das 11.400 vagas de cubanos no referido programa, que conta com 18.200 profissionais. 
A causa da saída dos cubanos foi por não terem sido aprovados no curso de especialização em saúde da família, feito em parceria com universidades locais, afirmou o Ministério da Saúde. 
Acontece que os médicos aprovados receberiam uma bolsa de 10.000 reais, mas ficariam apenas com 2.700, sendo o restante do dinheiro repassado ao governo de Cuba, numa clara exploração trabalhista. 
Cuba está enviando novos candidatos para preencher pelo menos a metade das vagas abertas. Num acúmulo de exigências, a ditadura comunista de Raul Castro ainda reclamou um reajuste no valor da bolsa para enviar novos profissionais. 
O caso complicou ainda mais quando o governo castrista decidiu que não renovará a permanência dos médicos que completarem três anos no programa, o que começa a acontecer neste mês de agosto. 
Dilma Rousseff havia editado uma Medida Provisória estendendo por mais três anos a autorização para que os cubanos pudessem exercer a profissão sem a Revalida, uma prova de validação do diploma obtido no exterior.
O plano petista não estimulou os profissionais brasileiros a irem para lugares mais pobres, deixando vagas abertas para entrada dos cubanos e o financiamento sub-reptício da ditadura comunista dos irmãos Castro. (Luis Dufaur, escritor e jornalista)

Nenhum comentário: