23 de ago de 2016

Eleições municipais, teste de astúcia povo...

 photo maratonapolitica_zpsskyrw4hn.jpg • Reforço na segurança. Forças Armadas vão permanecer no Rio até a eleição municipal. Na Paralimpíada, o efetivo será o mesmo dos Jogos Olímpicos: 23 mil militares vão reforçar a segurança da cidade. 
• Privatização da Cedae, do Rio, deve ser analisada em setembro. Empresa de saneamento estará na pauta da primeira reunião do programa de concessões. 
• Mais de mil alunos e professores de escolas públicas e particulares espalhadas pelo Brasil participaram neste fim de semana da final da 8ª ONHB (Olimpíada Nacional em História do Brasil), realizada na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). A região Nordeste foi a que teve o melhor desempenho do país. 
• 3 em cada 10 planos de saúde não pagam nem 1% da dívida com SUS. De 1.551 operadoras com cobranças desde 2001, 444 não pagaram nem 1%.
• Aeroporto internacional do Galeão, no Rio, bate recorde de número de passageiros com volta de atletas da Rio-2016 e de turistas a seus países; público, contudo, não reclamou de espera. 
• Pressionado pelo STF, Janot suspende pré-delação da OAS. Ministros sugerem que vazamento de citação a Toffoli foi feito por procuradores. 
• Temer tenta suspender reajuste e barrar aumento no STF. Objetivo é aprovar limite de gastos e deixar discussão de salários para depois. 
• Força Sindical é condenada a devolver verba. TCU cobra R$ 1,6 mi de recurso repassado a projeto para desempregados. 
• Preço da energia sobe em contratos futuros e anima geradoras. Com expectativa de recuperação da economia, empresas já trabalham com valores mais altos. 
Epidemia de câncer? Alto índice de agricultores doentes no RS põe agrotóxicos em xeque. Uso de substâncias é apontado como responsável por alta incidência no RS, Estado com as maiores taxas de mortalidade da doença no país; associação de fabricantes diz que risco depende do manuseio. 
• Roraima: governo familiar. Suely Campos nomeou 19 parentes e engordou a renda familiar. 
• Ação de Dilma por votos abre crise com aliados do PC do B. Presidente pediu que PT fechasse alianças que contemplassem senadores. 
• Repulsa chega a 68,7% no DF. Brasilienses têm horror a Dilma, mas nem por isso aprovam Temer. 

• FBI descobre 15 mil documentos de Hillary ligados à polêmica dos e-mails. Juiz determina investigação para e-mails de Hillary vazados. 
• Mais de 26 mil menores que estavam desacompanhados foram detidos na fronteira dos Estados Unidos nos primeiros seis meses de 2016, a maioria deles provenientes da Guatemala, El Salvador e Honduras, segundo denúncia feita nesta terça-feira pela Unicef. 
• O exército nigeriano anunciou nesta terça-feira que o chefe do Boko Haram, Abubakar Shekau, ficou gravemente ferido em um bombardeio em seu reduto no nordeste da Nigéria, enquanto vários comandantes do grupo islamita perderam a vida. 
• Combate das forças turcas a posições do Estado islâmico na Síria aumenta após atentado que matou 54 pessoas no último sábado. Ancara retaliou com ataques a milícias curdas e posições dos jihadistas. A Turquia intensificou nesta terça-feira (23/08) os bombardeios a posições da organização extremista  (EI) na fronteira do país com a Síria, em resposta a ataques lançados contra seu território. 
• Maduro dá 48 horas para defensores de referendo deixarem o governo. País sem democracia, diz chefe da OEA. 
• Cristina Kirchner ocultou US$ 492 mi em transferências, afirma jornalista. 
• Sarkozy se lança para voltar à Presidência da França. Ex-presidente anuncia que disputará prévias inéditas em seu partido. 
• Mercosul busca gambiarra ante impasse no bloco. Países se reúnem para convencer Uruguai a aceitar presidência compartilhada. 

Ela seria o próprio dilúvio.
São poucos os que acreditam, mesmo no PT, na possibilidade de uma reviravolta na sorte da já considerada ex-presidente Dima Rousseff. Está condenada. Tem uma semana para mudar o voto de seis senadores, dos 59 que já se manifestaram pelo seu impeachment. Missão quase impossível, apesar de viável na teoria.
Enquanto agora faltam dez dias ou um pouco mais, especula-se com a hipótese de Madame ser reconduzida ao poder. Seria o que de pior pudesse acontecer ao Brasil. Começa que ficaria sem vice-presidente, pois Michel Temer renunciaria. O atual ministério estaria demitido, por inteiro. No Congresso pareceria fora de propósito formar maioria, ainda que fosse grande o contingente de adesistas dispostos a dar o dito pelo não dito.
Na economia, os ínfimos resultados obtidos por Henrique Meirelles dariam lugar à maior das crises já verificadas na República. O número de desempregados se multiplicaria, assim como a falência atingiria a maior parte das empresas nacionais.
A maior dúvida, porém, diria respeito à mesma Dilma. Teria ela condições de governar uma nação nesse caso posta em frangalhos? Em que forças se basearia, já desligada do PT e sem um partido, sequer, que não a tivesse repudiado? Onde buscaria apoio, sequer para encontrar auxiliares dispostos a acompanhá-la? Trata-se de um imperativo categórico reconhecer o malogro de um governo novamente chefiado por ela. Nem poderia repetir o vaticínio de Luís XV, aquele do depois de mim o dilúvio, pelo reconhecimento de que ela seria o próprio dilúvio.
Por tais motivos, afasta-se a visão do caos... (Carlos Chagas) 

A Revolução do Banheiro.
A grande revolução a ser feita no Brasil é a Revolução do Banheiro. Se os seus sentidos estão anestesiados, basta ir ao site do Instituto Trata Brasil, para verificar que o saneamento básico no país é uma catástrofe de proporções indianas:
- Mais de 35 milhões de brasileiros não têm acesso a água tratada;
- Mais de 100 milhões de brasileiros não têm as suas casas ligadas a redes de esgoto;
- Apenas 40% dos esgotos nacionais são tratados (no Norte, esse número cai para 14%; no Nordeste, para 29%).
Quanto tempo demoraria para universalizar o saneamento básico no Brasil: de vinte a trinta anos. Dinheiro? Quinhentos bilhões de reais. Parece muito, mas para conquistar 19 medalhas na Olimpíada do Cocô gastamos três bilhões. Se começássemos a fazer a coisa certa já -- e não começamos --, quase todas as pessoas da minha geração terão morrido antes que o cocô desapareça dos rios e praias urbanos. Para não falar do lixo industrial que aumenta exponencialmente a toxicidade do nosso excrementão fluvial e marítimo.
A Olimpíada do Cocô revelou ao mundo essa porcaria e, no entanto, é impressionante como continuamos a fingir que não é conosco. Quando velejadores se jogaram na Baía de Guanabara, para comemorar a conquista de medalha, apresentadores de TV entraram em êxtase, como se a imprudência dos atletas anulasse as análises de laboratório. O mesmo ocorreu com remadores na Lagoa Rodrigo de Freitas. A negação do cocô não é exclusividade carioca. É nacional. No Rio, contudo, é maravilhosa.
Em Paris, um dos lugares mais visitados pelas crianças são os Égouts. Você desce alguns degraus ao lado do Sena, perto da Torre Eiffel, e chega a um museu subterrâneo que mostra a evolução do saneamento básico na cidade. O cheirinho de Brasil iá iá faz parte da decoração. No século XIX, quando eram bem menos extensos e mais fedorentos, os esgotos de Paris compuseram o cenário de Os Miseráveis. Miseravelmente, as metrópoles brasileiras não contam nem mesmo com esgotos da época de Victor Hugo para ambientar um romance.
Precisamos fazer a Revolução do Banheiro para salvar os nossos rios, o nosso mar, a nossa gente e, quem sabe, produzir um Victor Hugo com um século e meio de atraso. (Mario Sabino) 

Efeito olimpíadas 2016.
Razões de sobra
Faltando poucos dias para o encerramento de agosto, por tudo que se viu até agora, notadamente durante os Jogos Olímpicos, há razões de sobra para afirmar que o Brasil viveu um período muito promissor, com grande expectativa de que teremos um futuro melhor. 
Impeachment
Entretanto, para entrar para a história como o melhor agosto de todos os tempos, que marcará, de fato, a efetiva recuperação da autoestima do povo (que pensa e trabalha) ainda falta o mais importante: o Impeachment da criminosa Dilma Rousseff, que deve acontecer (rezo por isto) até o dia 31. 
Planejamento e execução
Por tudo que aconteceu nesta magnífica Olimpíada, desde a espetacular cerimônia de abertura até o fantástico show de encerramento, ficou evidente que o sucesso de qualquer evento se dá por força de um bom planejamento acompanhado de uma excelente execução. Foi o que aconteceu ao longo desses últimos 16 dias. 
Quadro de medalhas
Até no quadro de medalhas, que identifica a importância que o país dá aos esportes olímpicos, o Brasil foi razoavelmente bem. Mostra que em algumas modalidades somos efetivamente competitivos, o que é muito bom e promissor.
Mensagem
Como daqui para frente o assunto que deverá dominar as manchetes da mídia dizem respeito ao impeachment da criminosa Dilma Rousseff, encerro o meu comentário sobre os Jogos do Rio 2016 com a seguinte mensagem: Se o brasileiro é competente para fazer festas, certamente tem as mesmas condições para fazer as reformas que o país exige para poder prosperar. Depende, apenas, de vontade. (GSPires) 
Gostaria que você soubesse que existe dentro de si. Uma força capaz de mudar sua vida. Basta que lute e aguarde um novo amanhecer. (Margaret Thatcher)

Nenhum comentário: