19 de mai de 2016

Sofreguidão brasileira...

• STF notifica Dilma e pede explicações sobre golpe. Presidente afastada terá 10 dias para se pronunciar. Autores da ação avaliam que declarações são sérias e gravosas e atentam contra Câmara, Senado e STF. Deputados pedem que Dilma responda quais atos compõe o golpe anunciado por ela. 
• Rombo nas contas públicas pode chegar a R$ 150 bilhões. Equipe econômica de Temer estima que o déficit primário de 2016 esteja R$ 30 bi acima dos R$ 120 bilhões contabilizados inicialmente. Uma das saídas pode ser o aumento da gasolina e do diesel, ou a CPMF. 
• Lava Jato: Moro condena Dirceu a 23 anos e três meses de cadeia por corrupção passiva, recebimento de vantagem indevida e lavagem de dinheiro. O ex-ministro da Casa Civil do governo Lula está preso desde agosto de 2015. Ele é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo a força-tarefa da PF e o MPF, Dirceu ocupava papel de destaque no esquema. 
• Lula e Dilma Rousseff quebraram a Eletrobras. A Eletrobras foi suspensa da Bolsa de Nova York porque os auditores da KPMG se recusaram a aprovar suas contas. Por um único motivo: a Eletrobras ignorou o prejuízo causado pela roubalheira revelada pela Lava Jato. O assalto à Eletrobras foi tão selvagem quanto o assalto à Petrobras. Só em Belo Monte PT e PMDB levaram 150 milhões de reais em propinas. Esse é o legado de Lula e Dilma Rousseff: eles devastaram o Brasil. 
• A cultura como moeda de troca. Renan Calheiros recomendou que Michel Temer reativasse o ministério da Cultura. É uma idiotice. Os militantes do PT que ocuparam o prédio da Funarte escreveram em seu manifesto: Lamentamos o fim do MinC, mas em especial não reconhecemos a legitimidade deste governo golpista e não usamos o MinC como moeda de troca para nossa democracia. A cultura é um mero pretexto usado pelo aparelho petista para atacar os adversários do partido. O MinC é só isso: um instrumento de propaganda. Renan Calheiros e o PT continuam juntos. Vamos ver se Michel Temer vai cair nessa cilada. 
• Marcelo Calero ocupará Secretaria Nacional de Cultura. Atualmente na Secretaria de Cultura do Rio, assume na próxima semana e defende o diálogo como forma de construção de acordos entre setores políticos divergentes. 
• Pastor investigado na Lava Jato que recebeu passaporte diplomático é aliado de Temer. Samuel Ferreira foi um dos escolhidos pelo presidente interino para abençoar sua posse no Planalto. Na igreja dele, peemedebista disse entregar a Cunha as tarefas mais difíceis. Temer também foi a aniversários do religioso.
• Câmara:
1. Escolha do líder do governo agrava crise na Câmara. Aliado de Eduardo Cunha, André Moura foi nomeado por Michel Temer e atropelou convite feito antes a Rodrigo Maia, do DEM. Deputado foi acusado de encomendar assassinato, entre outras denúncias; 
2. Impasse na Câmara deve durar até cassação de Cunha. Líderes não têm mecanismo para declarar vago o cargo ocupado pelo presidente interino, Waldir Maranhão. Questão deve desaguar no STF e atrapalhar aprovação de medidas de interesse do governo Temer. Caso Cunha se arrastará até junho; 3. Novo líder do governo é suspeito de tentativa de homicídio. Barrado pela Ficha Limpa em 2014;
André Moura é réu em três ações penais no Supremo Tribunal Federal por desvio de recursos públicos. Um inquérito apura participação dele em atentado contra um ex-aliado que virou seu inimigo político;  
4. Líderes querem Maranhão só como figura decorativa. Presidente interino assume compromisso de só participar de sessões não deliberativas e de atuar como representante da Casa em solenidades públicas. Mas DEM, PSDB e PPS não aceitam proposta e exigem sua saída imediata do cargo;  
5. PGR pede execução imediata da pena de Alberto Fraga. Deputado federal é acusado de porte ilegal de arma. Ele foi condenado em segunda instância a pagar multa e a quatro anos de prisão, que foram convertidos em serviços comunitários; 
6. STF condena deputado a dois anos de reclusão por peculato. Parlamentar com mais acusações criminais no Supremo atualmente, Roberto Góes (PDT-AP) responde a 13 inquéritos e ações penais. Pena será convertida em prestação de serviços;  
7. Rodrigo Maia recusa convite para líder do governo no Congresso. Depois de convidado, Maia foi descartado pelo Planalto e decidiu não aceitar outro cargo oferecido pelo presidente interino Michel Temer. O governo está batendo cabeça, disse um deputado do DEM; 
8. Comissão do Orçamento será comandada por denunciado por corrupção. Quatro inquéritos foram abertos no STF contra o deputado Arthur Lira, aliado de Eduardo Cunha, para investigar crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e formação de quadrilha. Em dois casos, PGR pede que ele vire réu por causa da Lava Jato. 
• Pernambuco libera concurso da PM para transexuais. Pressionada pelo Ministério Público, secretaria elimina de edital item que previa a eliminação de candidatos transexuais e aceita incluir critérios específicos de avaliação física para grupo.

Cultura e outros detalhes no terremoto...
Parece que estamos vivendo em um planeta onde a irracionalidade e o surrealismo se constituem como o valor máximo que comanda seus habitantes! O País virou um campo de batalha, de norte a sul! Não pelo terremoto, pela destruição e pela falência que se abateram sobre ele e que estamos agora conhecendo com mais precisão, mas pelo detalhe do rebaixamento do Ministério da Cultura, para uma Secretaria do Ministério da Educação!
É realmente de estarrecer: o barco está afundando, as contas públicas passaram dos maquiados 20 bilhões de superávit do governo DIImáh, para os concretos 150 bilhões de déficit! Não temos dinheiro para nada, nossas Empresas Estatais estão quebradas e não geram mais riquezas nem trabalho, desempregados passam dos 11 milhões, os aposentados dos Estados já não recebem mais seus Benefícios, a aposentadoria do INSS está seriamente ameaçada! E, apesar dessas questões substanciais que afetam diretamente a população brasileira, principalmente a mais necessitada, os brasileiros decidiram que sua principal pauta de discussão e de inconformismo é o rebaixamento do Ministério da Cultura, a ausência de mulheres e de negros no primeiro escalão e outras questões secundárias para um Estado que está prestes a sucumbir!
Está aí uma amostra do aparelhamento de nossa cultura, sem falar das concessões seletivas da Lei Rouanet, somente para aqueles que apoiavam o governo PTista-sindical!... 

Despedida dos servidores do MC, lotados em Brasília!...
Querem contestar, querem berrar, querem sair às ruas contra esse governo provisório, então façam isso pelos motivos realmente graves que já começam a pipocar, não por esse detalhe de Ministério da Cultura e outros do gênero! Protestem contra o discurso de um desses Ministros que quer diminuir o SUS, ou do outro que quis engessar a escolha do Procurador Geral da República, ou do outro que quer reduzir a construção de moradias do Minha Casa, Minha Vida, etc.... 
Nossa cegueira ideológica acidental não nos deixa ver, exatamente nesse mesmo cenário de um Estado quebrado como o nosso, o que está acontecendo, p. ex., na Venezuela, onde a falta de tudo, inclusive de energia, obriga os gestores a dispensar os servidores por dois ou três dias na semana, por absoluta falta de condições mínimas para a realização de suas tarefas!
Se não forem tomadas medidas urgentes e eficazes, estaremos caminhando a passos largos para viramos uma segunda Venezuela. E nós, brasileiros, não somos capazes de, nesse momento, focarmos naquilo que é essencial e exigirmos desse governo provisório, ações e decisões substantivas e o banimento de qualquer gasto dispensável e secundário, como as mordomias que inundam toda a máquina estatal e suas Empresas!... Ficamos interrompendo vias e estradas porque o Ministério da Cultura virou Secretaria, ou porque não existem mulheres e negros no primeiro escalão!
Efetivamente, nós brasileiros, temos de crescer muito ainda! Nossa maturidade e nossos critérios de avaliação da vida que nos cerca, talvez ainda precisem passar por momentos dolorosos e até de convulsão! Só assim, iremos dar o justo valor ao que é essencial e substantivo, principalmente nos momentos de crise e de escassez!... (Márcio Dayrell Batitucci) 

ooooo 
Vai Trabalhar Vagabundo!... 
Michel Temer já estaria avaliando voltar atrás na questão do Ministério da Cultura, e também estaria pensando num jeito de reparar o erro de não ter mulheres e negros em seu ministério mais enxuto. Tudo isso é muito lamentável por si só, mas há um fator ainda mais espantoso, que suga as esperanças dos brasileiros decentes: mostra o poder de influência da esquerda na cultura e na imprensa, o que se traduz em capacidade de escolher ou influenciar as pautas do país.
O Brasil quebrou. Está falido. Temos 11 milhões de desempregados, uma inflação perto de 10% ao ano ainda, e uma queda da atividade que pode chegar a 8% em dois anos somados. As contas públicas estão destruídas, a dívida da União Federal e dos estados parece impagável. A violência campeia e ceifa a vida de 60 mil todo ano, assim como os acidentes matam outros 50 mil. Os valores morais foram destroçados, a educação é de péssimo nível e a saúde pública, um caos.
Diante desse quadro africano, eis que a pauta dos jornais é a ausência de mulheres e negros no ministério ou o fim do Ministério da Cultura! É tudo muito absurdo, chocante. Essa elite da esquerda caviar vive numa bolha, não tem sensibilidade, não enxerga o povo. Quem liga para mulheres ou negros no ministério? De verdade? Não é o povão. Dilma era mulher, tinha várias mulheres em torno, e negros nos infindáveis ministérios inúteis. E daí? Que bem isso fez ao país? Em que isso melhorou a vida de Maria e José, que perdem três horas por dia no trânsito caótico e correm o risco de perder seus empregos?
O Brasil é tocado mediante a pauta de um Gregorio Duvivier da vida, um filhinho de papai que não tem a mais vaga ideia do que importa para a população verdadeira. Somos pautados por Wagner Moura e companhia. Começo a crer que a esquerda tem um ponto, pelos motivos errados: a culpa é da Globo mesmo! Ou melhor: dos artistas e jornalistas que controlam a empresa e suas pautas. O poder dessa gente é desproporcional ao que eles representam do país.
Por que estamos falando de mulheres no ministério ou da Lei Rouanet acabar se precisamos salvar um país todo que está afundando? Por que perdemos tanto tempo falando de cosmética se o Titanic bateu num iceberg e já tem água para todo lado? Por que as feministas, o movimento negro e os artistas engajados, tudo da elite, conseguem impor dessa forma os assuntos mais importantes que serão tratados pelos jornais e, por tabela, pelas redes sociais?
Temos um país para resgatar, reconstruir. E ele foi destruído, caso não lembrem, por uma mulher com outras mulheres e também negros, sob o aplauso de muitos desses artistas. Não foi pelo fato de ser mulher, tampouco por ter ministros negros, que toda essa desgraça aconteceu. Isso é o óbvio. Mas como podem ignorar isso para focar, de repente, na falta de mulheres e negros nos ministérios, ou na cultura, quando estamos diante de uma catástrofe iminente? Quantos não defenderam a responsável pela tragédia por ser mulher?
O Brasil cansa. E cansa muito. Tem um elefante na sala, quebrando todos os cristais, detonando tudo, e as pessoas estão debatendo se as taças quebradas são verde-azuladas ou azul-esverdeadas. É bizarro! Essa esquerda caviar não tem compaixão, não dá a mínima para os mais pobres. Só pensam em seus privilégios, em suas mamatas. Vivem dentro de suas bolhas, ignorando as verdadeiras pautas da população, especialmente a mais carente.
Enquanto aceitarmos a imposição da pauta por essa patota organizada e insensível, não teremos chances de avançar. Dane-se a quantidade de mulheres nos ministérios, Miriam Leitão! Pro inferno com os artistas que só pensam nas tetas estatais para financiar a cultura, leia-se um monte de porcaria por aí. Não é isso que importa para o Brasil hoje. O país tem que, primeiro, evitar o caos, depois, iniciar um processo lento e doloroso de reconstrução. E vocês vão mesmo focar no sexo dos anjos?
PS: Essa elite que controla as pautas é minúscula, mas muito poderosa. Fala em nome de coletivos, mas representa uma quantidade pequena de gente. Duvida? 
ooo 
Vejam o que o ator Sandro Rocha, de Tropa de Elite, publicou em sua pagina de Facebook:
Sobre o fim do Ministério da Cultura: 
Como Artista posso falar: Já foi tarde!!
Só serviu para contribuir com inúmeras mamatas de 6 ou 7!!
Para se conseguir aprovar um projeto ou se conhece alguém ou tem que pagar propina-!! Eu mesmo desisti várias vezes!!
Uma ilusão!!
Uma farsa!!
Não vai fazer falta e vai ajudar a economizar para o Brasil!!
Quem está gritando é quem comia desta fonte!!
Acabou!! Quer ganhar dinheiro?
Vai trabalhar vagabundo!! 
Pois é: vai trabalhar vagabundo! Ou pelo menos deixe quem trabalha em paz, para que possamos iniciar a reconstrução do país que foi destruído pelos petistas com o apoio desses artistas. (Rodrigo Constantino)

Ser homem não é categoria de pensamento.
Ser mulher não é categoria de pensamento.
Ser branco não é categoria de pensamento.
Ser negro não é categoria de pensamento.
Ser gay não é categoria de pensamento.
Ser heterossexual não é categoria de pensamento.
Notem que, por enquanto, falo em tese apenas. Nenhuma dessas condições garante competência a quem quer que seja. 
Uma política estúpida implementada por um negro será tão estúpida quanto uma política estúpida implementada por um branco. 
O dinheiro público desperdiçado por um homem infelicita os pobres do mesmo modo que o dinheiro desperdiçado por uma mulher.
A estupidez não tem cor.
A estupidez não tem sexo.
A estupidez não tem preferência sexual.
As ditaduras mais sangrentas da Terra hoje são comandadas por negros. Que infelicitam a vida de outros negros. 
A cúpula nazista estava lotada de homossexuais. 
Ernst Röhm, um gay assumido, comandou a SA, a tropa de assalto nazista. 
Acabou sendo eliminado pelos próprios parceiros de ideologia, tão inconvenientes, brutais e contraproducentes eram seus métodos.
Mas agora quero pensar a questão na realidade aplicada. 
Dilma é branca e mulher. 
E conduziu o país à falência, à maior crise de sua história.
Seu ministério refletia, em tese, a suposta diversidade do Brasil. E olhem a areia em que estamos. 
Todo pensamento tem consequências e implicações. 
Os que pretendem dizer que o ministério Temer é ruim porque nele não há mulheres e negros teriam de admitir, então, que o Brasil só foi à breca porque foi governado por uma mulher, com o auxílio de negros e de outras mulheres.
Um raciocínio como esse seria aceitável? Não! Um raciocínio como esse seria apenas um lixo moral, como lixo moral é a gritaria promovida agora por feministas, racialistas e intelectuais. São uns farsantes: antes de cada um exibir essa condição, todos eles são, na verdade, petistas de carteirinha.
O melhor chefe de estado de governo hoje do mundo é uma mulher: chama-se Angela Merkel, chanceler da Alemanha. 
Ela não pensa como homem. Ela não pensa como mulher. 
Ela pensa como governante da Alemanha, a maior economia da Europa e uma das maiores do mundo.
Eu não estou interessado em saber o que as pessoas têm entre as pernas quando em pauta estão assuntos de estado. 
Ou qual é a cor de sua pele. Eu estou interessando em saber o que elas têm dentro da cachola.
Com os miolos que tem, Merkel faz o governo que faz.
Com os miolos que tem, Dilma fez o governo que fez. (Reinaldo Azevedo) 

Nas cavernas da miséria venezuelana.
Há meses e de modo rotineiro, a família de Álida González tem que ficar sem almoço. É a inflação, a escassez crônica de alimentos... a lista das desgraças cresce e se repete dia após dia no maravilhoso mundo do socialismo do século XXI tão ao gosto do lulopetismo.
Álida é dona de casa, tem 65 anos e precisa alimentar quatro familiares. Ela só consegue cortando as proteínas, como as carnes de frango e de porco, e aumentado o consumo de carboidratos, com um desequilíbrio sensível na constituição física de sua família, escreve La Nación de Buenos Aires.
Comemos menos, conta ela. A situação está tão apertada, que com o mesmo com que antes eu comprava para o café da manha, o almoço e o jantar, hoje só dá para um café da manha incompleto, contou ela em sua modesta casinha no bairro de Petare, em Caracas.
O presidente Maduro fica apegado ferrenhamente ao socialismo e ainda pretende defender a democracia em perigo no Brasil.
As redes públicas de distribuição de alimentos subsidiados claudicam. Entre agosto e setembro de 2015, três das principais universidades do país constataram que 87% dos venezuelanos não tinham entradas suficientes para compara os alimentos habituais.
Maduro ordenou aumentar em 30% o salário salário mínimo integral, que inclui bolsa para comida, enquanto a cesta alimentar para uma família média custava 100 salários mínimos.
As fibras não existem, o consumo de frutas e hortaliças é escasso. O ovo e o feijão desapareceram da mesa dos mais necessitados. É uma dieta de sobrevivência, disse Marianella Herrera, da Fundación Bengoa, instituição nutricional sem finalidade de lucro.
Mas o governo sustenta que quando Chávez chegou ao poder o consumo de calorias cresceu 37%, garantindo três refeições diárias para 95% da população e erradicando a desnutrição.
Já não comemos nem o básico para ter saúde, disse a dona de casa Nancy Morales, 40, enquanto fazia fila num mercado estatal num bairro popular de Caracas.
Inquérito da empresa privada Datanálisis registrou que 82% dos produtos alimentares faltavam em Caracas.
Segundo a farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk e a escola venezuelana de gerência IESA, quase dois milhões de venezuelanos sofrem diabetes. Os níveis de saúde também se degradam por causa dos sintomas de angustia gerados pela crise económica, a criminalidade e as constantes interrupções dos serviços básicos, especialmente água e energia elétrica.
Gloria Fernández contou ao jornal Clarin que na sua cidade, San Cristóbal, capital do estado de Táchira, o racionamento de energia, água e comida é ainda pior que em Caracas. 
Não avisam que vão cortar nem as quatro horas diárias nem quando. E cortam das 6 da manhã até meia-noite. É uma loteria
Os moradores do interior precisam ir a Caracas para recorrer aos ministérios ou órgãos públicos. Mas Maduro decretou que por falta de energia nos órgãos públicos só se trabalhará dois dias por semana, aumentando o calvário dos venezuelanos que vivem no interior.
A filha de Gloria Fernández, de 9 anos fazem as tarefas escolares à luz de vela. E as escolas, por economia, têm que fechar às sextas-feiras.
A Polar, a maior empresa venezuelana de alimentos, está a ponto de fechar porque o governo não lhe permite adquirir moeda estrangeira para importar insumos. A Polar anunciou a interrupção da produção de cerveja - a mais consumida do país - por falta de matérias-primas.
Supermercados e shoppings abrem às 12 horas e fecham às 18. Lojas e restaurante apelam para as velas. 
Segundo os sindicatos industriais, a capacidade manufatureira caiu mais de 50%. A maioria das empresas e lojas comerciais já fechou. Os desempregados só têm como último recurso a economia informal. 
Os centros hospitalares também restringiram os atendimentos por falta de eletricidade, mas os critérios são extremamente confusos porque a empresa elétrica nacional corta sem aviso prévio. Os consultórios médicos marcam atendimento sem data nem hora.
A prima de Tibisay Urdaneta é cabeleireira, mas tem restringido o uso de secador de cabelo. Utiliza truques com ar natural, mas o resultado não é igual. 
A esperança é o referendo revogatório que, nas condições atuais, tiraria Maduro do cargo. Uma espécie de impeachment eleitoral.
Mas Maduro já externou sua vontade de impedir esse referendo, apesar de o Exército ter anunciado que não executará ordens do presidente nesse sentido. (Luis Dufaur, escritor, jornalista, conferencista de política internacional)

Nenhum comentário: