4 de abr de 2016

Ônibus queimados e mortes. Paradóxo...

• As acusações contra Dilma e sua defesa na comissão de impeachment. Nesta segunda-feira, acaba prazo para a presidente apresentar seus argumentos; Cardozo fará sua defesa. Dilma usará Bolsa Família contra o impeachment. Estratégia do Planalto será dizer que não houve crime e programas sociais foram preservados.
• Crime de responsabilidade: Governo esconde pedaladas, mas deputados querem invalidar decreto de sigilo. Decreto tornou secretos os dados, mas oposição promete reagir. O governo Dilma terá de abrir os dados das pedaladas secretas, com taxas devidas à Caixa Econômica Federal referentes à execução de programas sociais, como o Bolsa Família, em que o banco precisa ser pago pelo governo por conta dos serviços prestados. A oposição anunciou que nesta segunda-feira (4) irá protocolar requerimentos de informação para ter acesso aos dados das pedaladas, tornados secretos por decreto, pelo governo. 
• O abandono do governo dentro do mais alto escalão do Judiciário vai além da perspectiva sobre o impeachment. Ministros do Supremo Tribunal Federal, tidos como simpáticos à gestão da presidente Dilma Rousseff, têm começado a questionar a petista em conversas de bastidores. Até o fim do ano passado, o STF parecia ao Planalto um palco mais amistoso do que o Congresso, mas o panorama mudou nos últimos dias com o agravamento da crise. 
• Dilma continua falando em golpe, mas aumento de 12,5% no preço dos remédios golpeia o brasileiro.
• Pago pelo estado, diretor da SuperVia recebia três vezes mais que o governador. A planilha de custos de mão de obra do teleférico do Complexo do Alemão - assinada por Luiz de Souza, diretor da SuperVia - revela quanto o estado pagou à concessionária do grupo Odebrecht TransPor, em dezembro de 2014, pelo trabalho mensal do próprio diretor: R$ 58.774,28. O total é quase três vezes maior do que o atual salário do governador licenciado do Rio, Luiz Fernando Pezão, que recebe por mês R$ 19.681,33. 
Revista conta que a nervosa Dilma é medicada com remédio tarja preta. IstoÉ revela que Dilma toma remédio contra esquizofrenia. 
• Pela 4ª vez seguida, mercado baixa estimativa de inflação. Expectativa de recuo do PIB piora para 3,73%. 
• 7 partidos têm políticos com offshores: PDT, PMDB, PP, PSB, PSD, PSDB e PTB. 
• Já são 100 mil boquinhas: Governo Dilma distribui 99.995 cargos comissionados a aliados. 
• Seleção para 8 mil empregos nos Jogos do Rio terá início amanhã. Salários vão de R$ 1 mil a R$ 6 mil. 
• Empréstimos para obras da Linha 4 do metrô custarão R$ 12 bilhões. 
• Eduardo Paes inaugura trecho central da Orla da Baía da Guanabara. 
• Analistas veem recuo maior do PIB, inflação menor e queda dos juros. 
• Se afastada, Dilma pode ficar no Alvorada, mas deixa o Planalto. 
• Setor público absorve 72% do crédito do país em 2015. Com juro maior, governo e estatais sugam verba que poderia irrigar empresas. 
• Apesar de alta do mercado, na economia real, as condições se degradam de forma acelerada. 
• Contra impeachment, Lula avança sobre baixo clero na Câmara. Nessa estratégia, petista prioriza reuniões com parlamentares do Norte e NE. 
• Documentos revelam esquema global de ocultação de recursos em paraísos fiscais. Investigação batizada de Panama Papers aponta a existência de 107 offshores ligadas a investigados pela Lava Jato. A divulgação dos Panama Papers já está misturando alhos e bugalhos. Abrir uma offshore, por si só não é ilegal. O problema é ocultar patrimônio e lavar dinheiro por meio de uma offshore. 
• Em resposta a editorial, Dilma diz que não renunciará. Presidente reagiu à defesa feita pela Folha de que ela abra mão do cargo. 
• Investigação descobre novas contas secretas da Odebrecht. Papéis sobre firmas estavam em escritório famoso por ajudar a lavar dinheiro. 
• Mesmo demitindo mais de 30 mil pessoas, a maior parte terceirizados, Petrobras é o maior cabide entre as petroleiras mundiais. Mesmo demitindo, Petrobras é a petroleira que mais emprega.
• Pré-sal faz Petrobras reinjetar mais gás natural no subsolo. Volume devolvido a reservatórios foi equivalente ao importado da Bolívia. 
• Empreiteira bancou regalias a presos, diz testemunha. Podóloga diz que foi paga pela Andrade Gutierrez para atender Duque e outros. 
• Cunha vai votar no impeachment e rito terá arapucas. Adversário do governo, ele romperá tradição de neutralidade de cargo. 
• PMDB dirá que partilha de cargos é o mensalão da Dilma. Estratégia prevê a formulação de críticas públicas à articulação da petista. 
• Escalada da dívida pública deve seguir até eleições de 2018. Poupança necessária para deter endividamento público aumentou muito. 
• Estrangeiros adotam crianças rejeitadas por aqui. Brasileiros não costumam adotar crianças negras com mais de oito anos. 

• Atentados suicidas deixam mortos no Iraque. Pelo menos 10 pessoas morreram e 40 ficaram feridas.
Estado Islâmico deixa rastro de desconfiança e sectarismo. Após EI deixar cidade atacada, população se divide e medo de espiões persiste. Liderança do Estado Islâmico diz que facção está em crise. Ahmed Derwish, liderança do Estado Islâmico, afirma que houve baixas na facção radical devido a cortes em salários. 
• Plataforma de Ted Cruz está à direita de Donald Trump. Para especialistas, Trump ladra mais alto, mas Cruz morde mais. 
• Venezuela matou cidadãos de forma arbitrária, diz ONG. Relatório abrange operações iniciadas em 2015 que deixaram 245 mortos. 
• Deportação de migrantes da Grécia para Turquia tem início.
• Keiko, filha de Fujimori distancia-se do pai e diz que não dará golpe no Peru. 

Madame não merece ficar onde está.
Certos estadistas, historiadores, santos e generais, entre tantas categorias que se destacam na vida em sociedade, conseguem desfazer através do humor, um monte de ilusões e até de enganações apresentadas como definitivas. Estamos numa situação igual a tantos milhares de outras. A presidente Dilma Rousseff reelegeu-se em outubro passado, anda mal de popularidade, mas está faltando um raio de luz capaz de mostrar sua verdadeira face. Algum fato novo em condições de tirar o Brasil da contra-mão. De expor que se não deu certo até agora, pior vai ficar. Acima e além das sequelas e querelas que envolvem a incertezas do impeachment, porque o país necessita de novos rumos. A História é inexorável.
Leônidas, à frente de trezentos espartanos, foi ameaçado por Xerxes, imperador da Pérsia, para que se rendesse, pois chefiava tantos soldados que se disparassem suas flechas a um só tempo, cobririam a luz do sol. Veio a resposta: melhor, combateremos à sombra. Os gregos venceram a batalha...
Herói da batalha de Queronéia, Alexandre aproximava-se para tornar-se senhor do mundo e, de passagem por Atenas, quis conhecer o mais sábio dos gregos. Diante de Diógenes, que morava num barril, vestido de andrajos, indagou o que poderia fazer por ele, dando-lhe tesouros, palácios e riqueza sem limites. Resposta: Majestade, não me tireis aquilo que não me podeis dar. Alexandre encontrava-se de pé, na porta da miserável moradia, entre o sábio e a luz do sol...
O rei Hierão, da Sicília, dera a um escultor de Siracusa certa porção de ouro para a construção de uma coroa. Quando o trabalho foi entregue, pesava tanto quanto o ouro, mas surgiram dúvidas: não teria o ourives substituído parte do ouro por prata? Durante várias semanas Arquimedes quebrou a cabeça, mas ao entrar numa banheira, notou que a água transbordava na razão da profundidade da imersão de seu corpo, e que seu corpo fazia menos pressão para baixo quanto mais fundo submergia. Concluiu que um corpo flutuante perde menos peso em proporção ao volume de água que desloca. Um teste com a coroa submersa revelou a quantidade de prata que fora empregada e quanto ouro fora roubado...
Voltaire, precursor da Revolução, foi enviado à Bastilha pelo Regente da França. Arrependido, o monarca mandou soltá-lo e ainda concedeu-lhe vultosa pensão. Em carta a Felipe, Voltaire agradeceu os cuidados para sua alimentação mas acrescentou que de agora em diante, de sua habitação, cuidaria ele mesmo...
Tancredo Neves, então governador, recebeu a informação de que havia na bancada mineira mais deputados favoráveis à formação do Estado do Triângulo do que defensores da integridade de Minas. Mandou perguntar onde estava a lista dos separatistas, avisando todos os seus partidários para assiná-la. Até hoje, Minas é uma só...
Aparício Torelli, futuro Barão de Itararé, era estudante de Medicina, mas não ligava para os estudos. Diante de vetusta banca examinadora, não conseguia responder uma única pergunta. Foi agredido por um mestre que, diante do silêncio do aluno, dirigiu-se a um contínuo e ordenou: seu José, traga-nos um monte de capim! Resposta do Aporelli: e para mim, um cafezinho...
 Milhares de exemplos podem ser pinçados na História para provar que as coisas frequentemente não são o que parecem. E que Madame, com todo o respeito, não merece ficar por muito tempo onde está... 
Estado unitário em vez de federativo?
Unem-se as quadrilhas, ainda que se dediquem a repetir os mesmos crimes. Quem é flagrado no petrolão foi condenado no mensalão. Quem recebeu propina para votar com o governo no Congresso também abriu contas no exterior. São os mesmos, chamem-se Silvinho, Bunlai, Ronan ou Valério. Questiona-se apenas quando começou: se após a primeira eleição do Lula ou antes, quando o PT conquistou sua primeira prefeitura no interior de São Paulo. A metástese não parou, basta digitar o nome de empreiteiras, diretórios municipais ou bancos empenhados no trato com a coisa pública, sem esquecer obras onde companheiros e afins se dedicam a exaltar as excelências do modo petista de governar.
Adianta tirar quem se encontre puxando a fila, no caso, através do impeachment da presidente Dilma? Nem de longe, pois Madame é apenas um símbolo. Junto com ela situam-se legiões de grandes e pequenos participantes de um dos maiores escândalos da República, iniciados empalmaram o poder.
Claro que tem gente honesta no PT, ou até que muitos tidos como ladrões não chegaram a roubar, ou roubaram muito pouco. Fazer o quê, diante dessa desmoralização completa da atividade política? Falam em separar o joio do trigo, mas separando o trigo do joio talvez não sobrem grãos suficientes para assar um pãozinho francês.
Solução, mesmo, não se encontrará na identificação ou sequer na punição dos responsáveis pela roubalheira. Outros virão, mais ágeis e espertos do que os supostamente punidos. Sendo assim, haverá que buscar saídas diversas, começando pela demolição das estruturas legais que permitiram o assentamento de tamanho descalabro. Para começar, a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte destinada a redesenhar o regime. Em vez de Estado Federativo, um Estado Unitário. Claro que composto através de eleições diretas e livres, mas forte o bastante para levar a todo o território nacional a presença inflexível da autoridade pública.
Não se tenha a ilusão de imaginar um paraíso a partir desse simples começo, mas sem ele não se chegará a lugar algum. Vale iniciar partindo dessa premissa. O diabo é se dela resultar o PT como força maior... (Carlos Chagas) 

O corrupto é mais barato.
Desconfiança generalizada - Diante dos intermináveis casos de corrupção que estão vindo à tona a cada momento neste nosso pobre país, envolvendo políticos, empresários e diversos agentes das mais variadas organizações públicas e privadas, o que mais cresce na nossa sociedade é a desconfiança. Isto, por consequência, dificulta que o povo venha a acreditar que possa existir, de fato, alguém sério e competente para o desempenho das funções públicas.
Feliz da vida - Face à este triste cenário, considerando também que é monumental o baixo nível de escolaridade do nosso povo, o que impõe séria dificuldade para desenvolver o discernimento, a maioria dos eleitores fica feliz da vida quando tem a sorte de escolher alguém honesto para representá-lo nas funções públicas.
Virtude - Por óbvio, o melhor de tudo seria se os escolhidos fossem probos e capazes. Entretanto, o simples fato de alguém ser e/ou parecer honesto, não significa que também é competente. O que, por si só já torna a tarefa de escolha, por parte do eleitor bem mais complicada. Principalmente, porque honestidade, no nosso país passou a ser uma virtude e não uma essencial obrigação.
Indecentes e incompetentes - Portanto, no frigir dos ovos o quadro que tem se apresentado à frente dos eleitores, a cada eleição, exige um cuidado acima do necessário para um povo que tem baixa capacidade de discernimento. Aliás, as últimas eleições, pelo que se pode concluir, revelam que o prejuízo para o povo brasileiro tem sido duplo, pois a maioria dos políticos, além de indecentes são extremamente incompetentes
Prejuízo menor - Levando em conta este quadro dantesco, a título de colaboração dou aqui um conselho a esses eleitores que vivem em estado de enorme frustração: por mais que devam votar em candidatos -honestos e competentes-, se estiverem diante de um dilema (hipotético) no qual a escolha deva recair apenas entre um corrupto e um incapaz, não pestanejem: votem no corrupto. O prejuízo para o país, com toda certeza, será bem menor.
Diferença brutal - À primeira vista este meu conselho pode soar como algo absurdo e inconsequente. Mas, analisando com mais cuidado verão que não é bem assim. Vejam, por exemplo, que de tudo que foi roubado, ou descoberto, até o presente momento, por mais que seja revoltante, os tamanhos das falcatruas são insignificantes diante dos rombos provocados pela incompetência dos nossos representantes.
Conta salgada - Como estamos em ano eleitoral e é humanamente impossível educar os eleitores para que analisem cuidadosamente os candidatos que vão se apresentar, vale a dica. Caso encontrem algum corrupto de sua confiança, do tipo que ao menos seja competente nas coisas que faz e projeta, não perca tempo. Vote nele. Não dê, em hipótese alguma, a chance para um incompetente, pois a conta será muito mais salgada. (GSPires)

Nenhum comentário: