17 de fev de 2016

Andanças nas ondas gravitacionais...

• Dólar opera em baixa, mas continua acima de R$ 4. 
• PIB do Brasil terá 2º pior desempenho do mundo em 2016. Contração esperada é de 3,5%; só a Venezuela deve ter resultado pio; Mercado interno sentirá queda de 5,3% do PIB neste ano. Cálculo mostra sensação térmica pior que recessão pela 1ª vez desde 2003; Varejo cai 4,3% e registra o pior resultado desde 2001. Inflação e aperto no crédito causam 1ª retração do comércio desde 2003. 
• Grupos pró e contra Lula entram em confronto em SP. Clima é tenso e mulher foi atingida por pedra na cabeça. 
• Depoimento de Lula é suspenso; Decisão suspende depoimento de ex-presidente sobre tríplex. Petista e a mulher seriam ouvidos pelo Ministério Público de SP nesta quarta; Decisão de conselho do MP suspendeu fala sobre situação de tríplex em SP. Promotor quer recorrer e diz que conselho do MP foi induzido ao erro. Sem depoimento, caravana de deputados do PT vai ao Instituto Lula. Antena perto de sítio foi um presente da Oi para Lula. Amigo de petista articulou instalação próxima a imóvel, alvo da Lava Jato. Bumlai deve dizer que Marisa Letícia pediu reforma em sítio. 
• PT repete mensalão para culpar Silvinho Pereira. Estratégia é tentar culpar Silvinho Pereira para blindar Lula. O PT e o Planalto concluíram que serve ao público interno, mas é inútil na Justiça a alegação de que as denúncias contra o ex-presidente Lula são da oposição inconformada com a derrota. As acusações podem levar à condenação, por isso se debruçam no detalhamento da estratégia de defesa idêntica ao mensalão: apontar o culpado de sempre, ex-secretário-geral do PT Sílvio Pereira, Silvinho Land Rover, como responsável exclusivo pela gatunagem do partido na Petrobras; Juristas com acesso ao processo da Lava Jato alertaram o PT para a delação devastadora do lobista Fernando Moura comprometendo Lula; Lula é citado em delações do petrolão e responde a suspeita de corrupção passiva nos casos do tríplex e do sítio em Atibaia (SP); O PT tenta fazer Silvinho Land Rover assumir a culpa sozinho, mas ele sabe que, não sendo primário, pode mofar na cadeia; Se Silvio Pereira não topar o risco, por pressão de familiares, o Planalto e o PT continuarão procurando culpados voluntários para blindar Lula (Cláudio Humberto) 
• PT-MG tem contas rejeitadas por caixa 2; parte foi para campanha de Dilma, diz TER. O TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais) rejeitou as contas do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores de Minas Gerais e do Comitê Financeiro Único do PT relativas às eleições de 2014, quando Fernando Pimentel (PT) foi eleito governador do Estado, e apontou indícios de caixa dois em repasses feitos à campanha da presidente Dilma Rousseff. 
• Castro é exonerado da Saúde para votar em aliado na Câmara. Após deixar temporariamente Saúde, Castro ainda não reassumiu como deputado. 
• H1N1 voltou! Surto de dengue se repete em cidades do interior paulista. Municípios com epidemia em 2015 voltam a registrar notificações expressivas. OMS lança plano de US$ 56 mi para combater epidemia de zika. No Rio, longe da ação militar, favelas sofrem com infestação de Aedes aegypti. Doença agrava abandono de mulheres no Nordeste. Mães de bebês com microcefalia são obrigadas a criá-los sozinhas; desamparo choca profissionais; Ipen e USP retomam projeto de uso de radiação para combater o Aedes. Projeto estava parado havia três anos por falta de financiamento. 
• Sem convicção, PT recorre a evasivas para abordar as dificuldades de Lula e as de Dilma. 
• Cunha retalia e é agressivo, afirma Janot ao Supremo. Procurador pede que tribunal aceite denúncia contra presidente da Câmara. 
• Justiça quebra sigilo bancário de Fernando Capez. Tucano é investigado por envolvimento em suposta fraude na merenda. 

• Atentado do Estado Islâmico mata 17 no Iêmen. Suicida atacou campo militar na cidade portuária de Áden. 
• Justiça argentina processa sete kirchneristas. Desde que Macri assumiu, alto escalão do governo Cristina entrou na mira. 
• Banda que tocava na hora dos atentados volta a Paris. Eagles of Death Metal fazem show, três meses após massacre no Bataclan.

Fuga de depoimento carboniza imagem de Lula.
A pretexto de socorrer Lula, o deputado federal petista Paulo Teixeira (SP) obteve a suspensão do depoimento que o ex-presidente e sua mulher Marisa Letícia prestariam nesta quarta-feira ao Ministério Público de São Paulo sobre o célebre tríplex do Guarujá. Juridicamente, foi um feito. Politicamente, um desastre.
Lula sempre foi visto pelos devotos que o seguem como um mito. Ao fugir dos questionamentos do promotor Cassio Conserino, a quem acusa de perseguição, portou-se como alguém que descobriu que também está sujeito à condição humana. Potencializou, de resto, a impressão de que não dispõe de uma defesa consistente.
Na fase em que ainda tocava trombone sob o telhado de vidro, Lula se comportava como um homem que lambe o dedo depois de enfiá-lo num favo de mel. Visitou o tríplex ciceroneado por Léo Pinheiro, o dono da OAS. E foge das abelhas desde que o imóvel foi pendurado nas manchetes com elevador privativo, cozinha de luxo e aparência de escândalo.
Lula costumava cavalgar sua autoconfiança com desenvoltura desconcertante. Abalroado por investigações em série, seu desembaraço deu lugar a um silêncio que diz muito sobre sua dificuldade de colocar em pé defesas consistentes. O velho chavão - eu não sabia- perdeu a serventia. E o silêncio não é o melhor substituto. Quanto mais Lula demora a se explicar, mais carbonizada fica sua imagem. (Josias de Souza) 

A anestesia na saliva.
Em algum momento da semana, 2016 deve ter começado. Tempo de lembrar que o governo não só está em decomposição, mas enfrenta um desafio, com alguns contornos desconhecidos, que seria temível mesmo para um presidente popular: o zika vírus.
Dilma foi à TV falar exclusivamente dele, na esperança de construir uma unidade nacional e escapar da pressão que os escândalos potencializaram. Por enquanto, o mosquito não nos une, porque mesmo na luta contra ele falta credibilidade. Como achar que Dilma está à altura do momento, se ela ainda se dedica a achar um ministro da Saúde no PMDB? Uma proposta séria, de início, mandaria o PMDB às favas e apresentaria ao País um ministro independente de partidos para, simultaneamente, tocar nossa combalida estrutura de saúde, prepará-la para a epidemia e articular apoio internacional, pois dele também vamos precisar.
Pelo menos, Dilma conseguiu mandar o antiamericanismo às favas e discutir com Obama um esforço conjunto para produzir a vacina contra o zika. Mais célere, o presidente dos EUA já pediu uma verba de US$ 1,8 bilhão, parte para a pesquisa, parte para socorrer os países mais atingidos, como é o caso do Brasil.
Ela pedalou na folga de carnaval e certamente se divertiu com a imprensa voltada para temas mais amenos - quem beijou quem nos camarotes, essa festa maravilhosa, etc. Mas a realidade está comendo por baixo.
Passei o carnaval visitando algumas das 55 cidades do Ceará onde não houve carnaval por causa da crise, do zika e da seca. Algumas, como Acopiara, apenas por causa da seca, pois não há água parada nem água correndo para o Aedes aegypti se reproduzir com facilidade. Em Ribeirão Preto (SP) só num dia foram atendidas 450 pessoas com sintomas de dengue ou zika.
Do lado da ciência, as notícias são preocupantes: o zika pode ser transmitido pela urina ou saliva, constataram os pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz; o zika pode se propagar cinco vezes mais rápido que a dengue, afirma outra pesquisa.
Uma revista estrangeira disse que os brasileiros festejam diante do abismo. Diante do abismo estamos todos, mas nem todos dançaram no carnaval.
No mundo do marketing, as coisas resolvem-se com um discurso na TV. 
Dizem os pesquisadores que o Aedes transmite o zika pela saliva e que ela contém ainda substâncias anestésicas: a picada é indolor. Discursos podem ser a saliva que esconde a dor da picada. Mas não nos protegem do vírus.
Não desejo que o mosquito derrube Dilma, muito menos que a segure. 
Sinto falta de uma unidade nacional e, ao mesmo tempo, não vejo no governo capacidade para conduzi-la. O desafio é tão grande que talvez o País tenha de produzir essa unidade fora do governo, a partir de um núcleo de cientistas, comunicadores, enfim, de todos os que possam contribuir para combater o vírus.
O presidente do Quênia disse que não mandaria os atletas para a Olimpíada enquanto o Brasil não mostrar que pode deter o avanço da doença. Quanto ao Quênia, é irretocável sua afirmação. Quanto ao Brasil, é preciso esclarecer que o zika não é um problema só do País, mas também do mundo interligado como nunca pela globalização. O vírus possivelmente chegou aqui numa regata que envolveu atletas da Polinésia. No intenso intercâmbio moderno, ele já apareceu nos EUA, na Itália e a suspeita é de que, originalmente, tenha partido de Uganda para a Polinésia Francesa. A própria ONU, ao declarar emergência internacional, colocou o problema na sua real dimensão.
Precisamos do mundo. E o mundo também precisa de nós. Além do esforço da vacina, um campo que merece ajuda internacional é o da coleta e processamento das informações. Já temos uma dívida com a história da descoberta do vírus zika e da sua relação com a microcefalia. O New York Times contou parte dessa história: as reações e a perplexidade dos médicos ao observaram um crescimento espantoso de bebês com o problema. Mas não é na história que reside a urgência, e sim no conhecimento das várias pesquisas, dos relatos de cada cidade. Como ter acesso aos dados, como acompanhar a evolução de todas as crianças atingidas? Claro que a palavra decisiva virá da ciência. Mas a tecnologia da informação pode ser um auxiliar valioso dos próprios cientistas.
Se não é possível unidade com um governo mistificador, em alguns casos será preciso dialogar, sem que isso represente qualquer atenuante para os crimes de corrupção. Quando os chineses disseram que os anos interessantes equivaliam aos anos terríveis, pontuados de tragédias, ainda não conheciam o PT. Todos os que se dedicam a nos chamar de velhos, reacionários, vendidos ou alugados deveriam dedicar uma parte do seu tempo a examinar os anos interessantes que nos propiciaram. 
E, se houver tempo, contemplar o interessante de sua própria situação: acuados pela polícia, rejeitados pela maioria da população, no auge de uma grave crise econômica, um mosquito pousa na sua mesa e, com ele, uma epidemia que preocupa a humanidade.
Não quero nem ver o estado em que vão sair dessa. A ideia de chamar o marqueteiro é só um reflexo condicionado daqueles generais que acham que a próxima batalha é igual à anterior. Se as coisas evoluem da forma sinistra que parecem tomar, o governo poderá ter saudade da oposição e achar que os tucanos são rapazes até bem-intencionados.
Os casos da doença de Guillain- Barré em portadores do vírus zika, no Rio, são preocupantes. Os médicos não estão preparados para o diagnóstico. Uma paciente viajou por três cidades para encontrar um leito de hospital em Petrópolis. Assim mesmo, a subsecretaria de Saúde disse aos familiares que reclamavam da demora no atendimento: Vai catar coquinho. Vocês vieram de Magé.
Um das sugestões do romance de Camus é a solidariedade na peste. Ela precisa acontecer entre as pessoas, sem o governo, apesar do governo e até contra o governo. Os tempos do nunca antes neste país são tempos interessantes na acepção chinesa. 
Em bom português, são lamentáveis. (Fernando Gabeira) 

A mansão dos Marinho e o Agente no Panamá.
Os provocadores da direita que vêm a este blog perguntar o que tem a ver a mansão dos Marinho com a Lava Jato iriam sumir, se tivessem vergonha na cara.
E o mesmo se aplicaria, se tivessem a mesma nas faces, aos policiais e procuradores do Dr. Sérgio Moro.
O que tem a ver?
Tudo.
Firme-se para não cair da cadeira: a dona da mansão dos Marinho, a controladora da Agropecuária Veine, a Blainville, dividia sala no Panamá com a empresa de picaretagem de Paulo Roberto Costa, operador supremo o petrolão.
No relatório paralelo do PDSB (e PPS/DEM) é dito que Paulo Roberto Costa montou a Sunset Global Services Ltd. Corp, no Panamá, para - transcrição literal - comprar uma casa em Mangaratiba, no Rio. A casa valia R$ 3,2 milhões. À época da Operação, a Polícia Federal ainda não sabia se a negociação tinha sido realizada.
O que fizeram os Marinho, com a diferença de que a casa não era em Mangaratiba, coisa de pobre, mas em Paraty, numa praia que virou particular?
Constituíram um empresa no Panamá, como Costa, para comprar e fazer a sua mansão praiana, como Costa.
A Bainville International Inc foi aberta com os mesmos US$ 10 mil com que Costa abriu a sua laranjaria no Panamá.
Pelo mesmo escritório de laranjeiros, o de Icaza, Gonzalez - Ruiz & Aleman.
Com o mesmo endereço, na fábrica de laranjas usada por Costa: Calle Aquilino de La Guardia, número 8, Panamá City.
Abriu-se uma empresa aqui no dia 12 de março de 2004. Abriu-se uma lá, no Panamá, no dia 23 de março.
A empresa panamenha, no dia 13 de abril, constitui Jorge Luiz Lamenza seu procurador no Brasil.
No dia 28 de abril depois de registrar uma tradução juramentada e certidões diversas, a Blainville, através de Lamenza, compra 90% da empresa brasileira que viria a ser dona da mansão Marinho. Os 10% restantes eram de uma senhora no prosaico Grajaú carioca.
Lá, no Panamá, a empresa tem sede na sala que viria a ser a mesma da Global, de Paulo Roberto Costa.
Todos os documentos reproduzidos na imagem são de certidões tiradas no Registro Notarial do Panamá e na Junta Comercial de São Paulo.
Diria o Ronnie Von: a mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim.
Um é falcatrua. O outro é…não vem ao caso.
Imaginem se o sitio do Lula fosse de uma empresa no Panamá, sócia de sala do Paulo Roberto Costa?
Pois o sítio dos Marinho é.
E não acontece nada. (Fernando Brito, Tijolaço) 

América do Sul pode derrotar a fome no mundo.
No ano 2020, a Argentina poderá estar alimentando 600 milhões de pessoas no mundo, segundo o Ministério de Agricultura do país vizinho, noticiou Clarín de Buenos Aires. 
Esse patamar está ao alcance das mãos se incorporadas as novas tecnologias existentes. Atualmente, embora com uso limitado dessas tecnologias, a Argentina é o país que produz mais alimentos per capita no mundo.
Inúmeras inovações nas comunicações estão à disposição do produtor, como imagens satelitais, sensores e modelos que predizem eventos climáticos ou permitem adiantar safras, sensores eletrônicos para os grãos e software para estocagem, etc.
Os problemas do agronegócio argentino são análogos aos do brasileiro. Entre eles a hostilidade e o descaso de anos de governo populista peronista bolivariano, que flagelou os produtores agropecuários.
A Argentina perde 16 milhões de toneladas de alimento por ano, ou 12,5% da produção alimentar nacional, por abandono da infraestrutura.
Segundo o Conselho Latino-americano de Proteína Animal (Colapa), a Argentina produz anualmente mais de 17 milhões de toneladas de proteína animal, o maior produtor do continente e um dos máximos do mundo, apesar de a pecuária ter sido hostilizada ideologicamente por governos populistas.
Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador e México produzem 82% do total continental de proteína animal. A liderança desses países será decisiva nos anos vindouros, quando por volta de 2050 a população mundial poderá atingir 9 bilhões de pessoas, demandando mais 200 milhões de toneladas extras.
Porém, nossos países têm potencial para romper o ciclo da pobreza e da insegurança alimentar mundial, segundo a FAO, acrescentou o Clarín.
A verdadeira esperança dos famintos do mundo reside no colossal potencial agrícola da América do Sul.
Porém, não faltam os autoproclamados defensores e arautos dos pobres, que dos ministérios, púlpitos, cátedras universitárias e redações pregam contra os produtores rurais, a propriedade privada e a livre iniciativa, que, se deixados em liberdade, com certeza afastariam o espectro da fome dos mais necessitados da terra. (Luis Dufaur)

Nenhum comentário: