8 de dez de 2015

O Brasil não merece mais isso...

• Dizem há um golpe. Golpe não seria contra o status quo do país? Por que tantos advogados no Palácio do Planalto? O crer ou não no Vice é temático ou marqueteiro? Dizer de retomada do crescimento dá a impressão que o país estava num crescendo, mas o que se vê para o Natal e ano Novo será, ou já é, um presentão. O brasileiro já passou por modificações em sua Economia, mas queiram ou não os entendidos basta ver preços nas lojas, números de desempregados, o custo do viver, graças as rotas traçadas pelo desgoverno. A quem querem enganar. Pelo Impeachment levar-se-ão às ruas embates e sabe-se lá como ficarão as coisas. Collor foi mais digno: renunciou. (AA) 
• Dilma defende que Congresso cancele recesso para julgar pedido de impeachment. 
• Dilma gastou R$ 18,4 bilhões com decretos ilegais.Leia
• Incitação. Veja

• Em carta, Temer acusa Dilma de mentir e sabotar o PMDB. Em tom de desabafo, vice aponta menosprezo do Planalto em relação a ele.
• Exclusivo: carta de Temer a Dilma. 
São Paulo, 07 de Dezembro de 2.015.
Senhora Presidente, 
"Verba volant, scripta manent"
Por isso lhe escrevo. Muito a propósito do intenso noticiário destes últimos dias e de tudo que me chega aos ouvidos das conversas no Palácio. Esta é uma carta pessoal. É um desabafo que já deveria ter feito há muito tempo.
Desde logo lhe digo que não é preciso alardear publicamente a necessidade da minha lealdade. Tenho-a revelado ao longo destes cinco anos. Lealdade institucional pautada pelo art. 79 da Constituição Federal. Sei quais são as funções do Vice. À minha natural discrição conectei aquela derivada daquele dispositivo constitucional.
Entretanto, sempre tive ciência da absoluta desconfiança da senhora e do seu entorno em relação a mim e ao PMDB. Desconfiança incompatível com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo. Basta ressaltar que na última convenção apenas 59,9% votaram pela aliança. E só o fizeram, ouso registrar, por que era eu o candidato à reeleição à Vice.
Tenho mantido a unidade do PMDB apoiando seu governo usando o prestígio político que tenho advindo da credibilidade e do respeito que granjeei no partido.
Isso tudo não gerou confiança em mim, Gera desconfiança e menosprezo do governo.
Vamos aos fatos. Exemplifico alguns deles.
1. Passei os quatro primeiros anos de governo como vice decorativo. A Senhora sabe disso. Perdi todo protagonismo político que tivera no passado e que poderia ter sido usado pelo governo. Só era chamado para resolver as votações do PMDB e as crises políticas.
2. Jamais eu ou o PMDB fomos chamados para discutir formulações econômicas ou políticas do país; éramos meros acessórios, secundários, subsidiários.
3. A senhora, no segundo mandato, à última hora, não renovou o Ministério da Aviação Civil onde o Moreira Franco fez belíssimo trabalho elogiado durante a Copa do Mundo. Sabia que ele era uma indicação minha. Quis, portanto, desvalorizar-me. Cheguei a registrar este fato no dia seguinte, ao telefone.
4. No episódio Eliseu Padilha, mais recente, ele deixou o Ministério em razão de muitas desfeitas, culminando com o que o governo fez a ele, Ministro, retirando sem nenhum aviso prévio, nome com perfil técnico que ele, Ministro da área, indicara para a ANAC. Alardeou-se a) que fora retaliação a mim; b) que ele saiu porque faz parte de uma suposta conspiração.
5. Quando a senhora fez um apelo para que eu assumisse a coordenação política, no momento em que o governo estava muito desprestigiado, atendi e fizemos, eu e o Padilha, aprovar o ajuste fiscal. Tema difícil porque dizia respeito aos trabalhadores e aos empresários.
Não titubeamos. Estava em jogo o país. Quando se aprovou o ajuste, nada mais do que fazíamos tinha sequencia no governo. Os acordos assumidos no Parlamento não foram cumpridos. Realizamos mais de 60 reuniões de líderes e bancadas ao longo do tempo solicitando apoio com a nossa credibilidade. Fomos obrigados a deixar aquela coordenação.
6. De qualquer forma, sou Presidente do PMDB e a senhora resolveu ignorar-me chamando o líder Picciani e seu pai para fazer um acordo sem nenhuma comunicação ao seu Vice e Presidente do Partido.
Os dois ministros, sabe a senhora, foram nomeados por ele. E a senhora não teve a menor preocupação em eliminar do governo o Deputado Edinho Araújo, deputado de São Paulo e a mim ligado.
7. Democrata que sou, converso, sim, senhora Presidente, com a oposição. Sempre o fiz, pelos 24 anos que passei no Parlamento. Aliás, a primeira medida provisória do ajuste foi aprovada graças aos 8 (oito) votos do DEM, 6 (seis) do PSB e 3 do PV, recordando que foi aprovado por apenas 22 votos. Sou criticado por isso, numa visão equivocada do nosso sistema. E não foi sem razão que em duas oportunidades ressaltei que deveríamos reunificar o país. O Palácio resolveu difundir e criticar.
8. Recordo, ainda, que a senhora, na posse, manteve reunião de duas horas com o Vice Presidente Joe Biden - com quem construí boa amizade - sem convidar-me o que gerou em seus assessores a pergunta: o que é que houve que numa reunião com o Vice Presidente dos Estados Unidos, o do Brasil não se faz presente? Antes, no episódio da espionagem americana, quando as conversar começaram a ser retomadas, a senhora mandava o Ministro da Justiça, para conversar com o Vice Presidente dos Estados Unidos. Tudo isso tem significado absoluta falta de confiança;
9. Mais recentemente, conversa nossa (das duas maiores autoridades do país) foi divulgada e de maneira inverídica sem nenhuma conexão com o teor da conversa.
10. Até o programa Uma Ponte para o Futuro, aplaudido pela sociedade, cujas propostas poderiam ser utilizadas para recuperar a economia e resgatar a confiança foi tido como manobra desleal.
11. PMDB tem ciência de que o governo busca promover a sua divisão, o que já tentou no passado, sem sucesso. A senhora sabe que, como Presidente do PMDB, devo manter cauteloso silencio com o objetivo de procurar o que sempre fiz: a unidade partidária.
Passados estes momentos críticos, tenho certeza de que o País terá tranquilidade para crescer e consolidar as conquistas sociais. Finalmente, sei que a senhora não tem confiança em mim e no PMDB, hoje, e não terá amanhã. Lamento, mas esta é a minha convicção.
Respeitosamente, 
L TEMER 
A Sua Excelência a Senhora Doutora DILMA ROUSSEFF DO. 
Presidente da República do Brasil 
Palácio do Planalto Brasília, D.F.  
(Jorge Bastos Moreno, O Globo) Fonte

• Resultado perverso da atual recessão econômica, inadimplência atinge 59 milhões de brasileiros. 
• País paralisado - O governo Dilma está paralisado há quase um ano por sua própria incompetência e pelo transbordamento do lamaçal da corrupção. Como consequência, os brasileiros - principalmente a população de baixa renda - amargam uma recessão econômica impiedosa. A proposta de afastamento da principal responsável por essa crise -a presidente Dilma Rousseff - cria um momento propício para a busca de consenso a respeito do que verdadeiramente importa: o que fazer para tirar o País do buraco. Não basta, por um lado, garantir que a presidente deve ficar onde está. Nem é suficiente, por outro, argumentar que ela precisa sair. O processo de impeachment decidirá, inelutavelmente, essa questão. (Estadão) 
• Cunha tenta adiar sua cassação e impeachment de Dilma. Oposição quer protelar desfecho para aumentar desgaste da presidente. 
• Alta de juros nos EUA terá impacto positivo, diz Levy. Para ministro da Fazenda, retomada da economia americana é boa notícia. 
• Mercado intensifica pessimismo sobre PIB do país . Analistas revisam para 3,5% expectativa de retração da economia em 2015. 
• Rio e SP anunciam medidas para combater zika e dengue. Capital carioca terá nova campanha contra mosquito da dengue; e São Paulo promete teste de zika para 2016 . Soldados do Exército esvaziam baldes de água em mutirão no Recife contra criadouros do Aedes aegypti, transmissor da dengue e do zika; Pernambuco enfrenta surto de microcefalia. 
• Microcefalia e pesquisa básica: Talvez o cérebro do bebê afetado pelo zika consiga recuperar o atraso. 
• Petróleo desaba, e preço médio de matérias-primas cai ao nível de 1999.
• Número de trabalhadores não remunerados cresce 18,6%. Segundo IBGE, 2,5 milhões de brasileiros trabalhavam de graça em 2014. 
• Revisão em hidrelétricas deve elevar conta de luz em 2016. Medida, que reflete perda de volume de água, deveria ter sido feita em 2014. 
• Samarco usou modelo mais barato e inseguro de barragem. Tipo construído em MG concentra 40% dos acidentes graves entre 1910 e 2010. 
• IPTU 2016: prefeitura do Rio mantém desconto de 7% para cota única. Pagamento à vista e 1ª parcela vencem a partir de 3 de fevereiro. 
• Governo parcela salários, mas TJ, MP e TCE aumentam despesas. Estudo mostra que o MP gastou R$ 81 milhões a mais que em 2014. No TJ, foram R$ 134 milhões a mais, e no TCE, R$ 7,2 milhões. 
• Mato Grosso estipula zerar desmate ilegal em 5 anos. Meta é mais ambiciosa que a do governo federal, que prevê fim em 2030. 

• Chavismo sofre sua maior derrota; oposição conquista poderes plenos no Legislativo venezuelano. Oposição conquista maioria qualificada na Venezuela. Coalizão MUD supera os três quintos do Legislativo. 
• Autores de ataque eram radicais e faziam tiro ao alvo. Diretor do FBI disse que casal que matou 14 na Califórnia fez plano extenso. 

Chegou a hora! Pensar+ - Através dos editoriais do Ponto Critico, os leitores já tomaram conhecimento da existência do pensar+. Este grupo, ao qual integro desde a sua fundação, em 2009, reúne hoje mais de 60 pensadores movidos por um grande propósito: levar à sociedade como um todo, constantes esclarecimentos sobre o cálculo econômico e a efetiva relação causa/efeito das decisões de governo, em todos os níveis.
Lógica de raciocínio - Todos os membros do pensar+ sabem, perfeitamente, que só o uso da lógica de raciocínio é capaz de produzir convencimentos e/ou esclarecimentos. Ou seja, quanto menos a ideologia se fizer presente nos estudos e conteúdos, maior será o grau de sucesso nas exposições.
Definições de Impeachment - Pois, obedecendo, ipsis litteris os preceitos da lógica de raciocínio o pensar+ concluiu que, para o PT, o Impeachment tem duas claras definições: 
1 - se a abertura do processo se der por crimes cometidos por governantes do PT, ainda que os mesmos constem claramente no texto da Constituição Federal, aí estamos diante de um golpe
2 - Já quando são os petistas que apoiam qualquer pedido de impedimento, independente da existência ou não de crime, aí estamos diante de um ato constitucional justo e procedente.
Na Constituição - Como a sociedade pensante e o próprio TCU (por unanimidade), concluíram que Dilma cometeu, sim, graves crimes de responsabilidade fiscal (entre outros), todos passivos de Impeachment como prevê a nossa Constituição, o pensar+, usando exclusivamente o princípio da lógica de raciocínio resolveu que deveria produzir um forte conteúdo com o propósito de esclarecer quem são os verdadeiros golpistas.
Para tanto, o pensar+, entregou ao pensador Percival Puggina a tarefa de produzir um vídeo cujo conteúdo seja capaz não só de esclarecer à sociedade sobre o Impeachment, mas também para convocar o povo brasileiro para que se faça presente nas ruas do país todo, no próximo domingo, 13/12./
Às ruas, pelo Impeachment - Com o título às ruas, pelo impeachment, Puggina expõe, claramente, os motivos para tanto. Portanto, se você faz parte dos 90% de brasileiros que querem um país melhor, assista e compartilhe, imediatamente tantas vezes quanto puder, o conteúdo do vídeo.
O problema é o PT - O problema do Brasil não é a Dilma (ela é um problema clínico), nem o Lula (que é um caso de polícia). O problema é o PT. É o PT dirigindo o MEC, fazendo currículos escolares, inchando o Estado, estabelecendo parcerias com o que há de repulsivo na cena internacional, patrocinando movimentos sociais violentos, e por aí vai. Deixemos de lado o supérfluo e ponhamos foco no principal, no partido inimigo do Brasil.
. O PT não fez o que fez no plano da corrupção por desvios de conduta, mas porque essa é a conduta. Eis o motivo pelo qual precisa ser mantido longe do poder. O impeachment é o justificado procedimento institucional e constitucional para fazê-lo. (Percival Puggina)  
Ação! - Vou repetir o que venho dizendo nos últimos meses à exaustão: a hora chegou! 
. Mais: a tarefa de ir às ruas e se manifestar pelo bem do país não pode ser terceirizada. Quanto mais o povo permanecer na zona de conforto, ou rezando para que tudo acabe bem, pior fica. A hora exige ação, ação e ação! Vamos nessa? 
Em tempo: - Quem estiver de acordo precisa compartilhar nas suas redes de relacionamento! (GSPires) 
Nenhuma herança é tão rica quanto a honestidade. (William Shakespeare)

Nenhum comentário: