24 de nov de 2015

Um Brasil de ondas cai cai...

• País enfrenta tríplice epidemia, diz pesquisador. Dengue, chikungunya e zika são causadas pelo Aedes; casos de microcefalia podem chegar a 2 mil. 
• Rio 2016: Esquema de segurança será intensificado contra o terrorismo. Todo cuidado é pouco, diz ministro sobre Rio-2016. Brasil está em alerta para a realização da Olimpíada, no Rio; França ofereceu cooperação contra terrorismo. 
• Brasil dá vexame com o descaso ao terrorismo: A presidente Dilma deixou líderes mundiais perplexos, ao declarar na Turquia, durante a reunião do G20, que o Brasil está longe do foco do terrorismo. Sua afirmação, três dias após o ataque a Paris, precipitou a visita do ministro francês Laurent Fabius a Brasília em pleno domingo. O chanceler socialista foi embora atônito com sinais de desinteresse de Dilma pelo tema, a menos de um ano das Olimpíadas 2016 no Rio; Irresponsáveis: O Brasil promete investir R$ 930 milhões em segurança, para os Jogos Olímpicos. Em 2004, a Grécia investiu seis vezes mais: R$ 5,7 bilhões; Loroteiros: Com o terror em Paris, o governo do Brasil admitiu gastar 15% a mais, em segurança. Mas, até agora, gastou apenas 10% do total prometido; Terrorista herói: Além de não investir em segurança, o governo - que abriga o terrorista italiano Cesare Battisti - resiste a uma legislação contra terrorismo; Só sob ameaça: Após embromar durante anos, somente sob ameaça de sanções internacionais Dilma encaminhou ao Congresso um projeto antiterror. (Diário do Poder)  
• Conselho de Ética pretende votar processo contra Cunha até 1º de dezembro. Cunha prepara recurso à CCJ para não perder mandato. Presidente da Câmara se prepara para apresentar recurso à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania caso o Conselho de Ética recomende a cassação de seu mandato. Processo contra Cunha deve avançar, admitem aliados. Relatório preliminar do caso deve ser lido nesta terça no Conselho de Ética. Mãe do relator de processo contra Cunha fez, em 2012, B.O. contra o filho. 
• Indústria de bens de capital recua 23,6%, afirma IBGE. Produção nas fábricas brasileiras de máquinas e equipamentos está no nível mais baixo desde 2006. 
• STF: Pedro Corrêa cumprirá pena em regime fechado. Ministro Luís Roberto Barroso atendeu ao pedido de Janot para que ex-deputado passe a cumprir pena em regime fechado, por voltar a cometer crimes após condenação. O ex-parlamentar foi um dos condenados do mensalão. 
• Secretário que bateu na ex-mulher tem apoio do PMDB-RJ. Para líderes, adversários usam caso para prejudicar pré-candidato a prefeito. 
 • Gilmar Mendes defende auditoria em voto eletrônico. Ministro do Supremo quer que TSE evite que surjam lendas urbanas
• Dilma veta lixões e Proálcool de lei que elimina licitação para infraestrutura. Ao todo, a presidente vetou cinco artigos que não tinham qualquer relação com o texto original da MP 678, atendendo a determinação do STF, que barrou a inclusão de emendas estranhas à versão original da medida provisória. 
• Barragem que se rompeu em MG também tinha lama da Vale. Maior mineradora do país utilizava área para despejar rejeitos de suas atividades. Mesmo com boias de contenção, lama atinge vegetação na foz do Rio Doce. As boias, instaladas pela Samarco, são tradicionalmente usadas na contenção de vazamentos de óleo, por isso, não se tinha certeza da efetividade da estratégia. Lama chega ao mar no Espírito Santo e prefeitura de Linhares interdita praias. Placas ao longo das praias informam que a água está imprópria para o banho. 
• Responsável por Parque da Chapada Diamantina suspeita de incêndios criminosos. O fogo já consumiu entre 15 mil e 30 mil hectares, segundo a Secretaria de Meio Ambiente da Bahia. 
• A Mulher Que Sabe Demais. Leia e ouça
• Dilma é contra posição de Macri sobre Venezuela. Governo brasileiro sinaliza que não vai apoiar proposta do novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, de pedir a suspensão do país de Nicolas Maduro do Mercosul; para Dilma Rousseff, os sócios do bloco precisam trabalhar juntos para torná-lo mais robusto e espera que Macri deixe seus próprios interesses de lado para privilegiar o que é melhor para a união aduaneira; logo após sua vitória nas urnas, o sucessor de Cristina Kirchner disse que solicitará na próxima cúpula que seja aplicada a cláusula democrática contra a Venezuela pela perseguição aos opositores e à liberdade de expressão. Para Fiesp, Macri está muito afinado com empresariado brasileiro. 
• Derrotado, Alckmin não tem saída a não ser recuar. Estudantes ocupam mais de 100 escolas em protesto contra reforma. O Tribunal de Justiça indeferiu liminar para reintegração de posse das escolas ocupadas. 
• A crise vai balançar as árvores de Natal e empobrecer as mesas de fim de ano, segundo as pesquisas de intenção de consumo recém-divulgadas por associações patronais do varejo. Desemprego, inflação e crédito muito caro diminuem o poder de compra das famílias - efeito já indicado pelos números do comércio até setembro, com volume de vendas 3,3% inferior ao de um ano antes, sem contar veículos e material de construção. 
• Selic: Mercado espera sinalização do BC sobre alta de juros em 2016. Copom deve manter taxa na 4ª, mas expectativa é que dê pistas sobre aumento no ano que vem. • Eis o que revela a pesquisa Focus divulgada hoje (23):
1 - a projeção para o IPCA ao final de 2015 elevou-se para 10,33%, de 10,04%, enquanto a projeção para o final de 2016 avançou pela décima sexta semana consecutiva, para 6,64% (de 6,50%). 
2 - a estimativa para a taxa de câmbio permaneceu em R$ 3,95/US$ ao final de 2015 e em R$ 4,20/US$ ao final de 2016. 
3 - A projeção para a taxa de crescimento do PIB em 2015 recuou para -3,15% (de -3,10%), enquanto para 2016 ficou em -2,01%. 
4 - a estimativa para a taxa Selic manteve-se em 14,25% ao final de 2015 e subiu de 13,25% para 13,75% ao final de 2016. 
• O fraco desempenho do setor de serviços também confirma o retraimento dos consumidores. Num cenário de muita insegurança, o bom senso manda controlar o orçamento, liquidar dívidas e evitar novos financiamentos. Todos os dados mostram mais uma vez a falência - ou o esgotamento, segundo os menos críticos - da política de crescimento seguida nos três primeiros mandatos petistas. (Editorial do Estadão) 
• Polícia Federal prende pecuarista José Carlos Bumlai amigo de Lula na 21ª fase da Lava Jato. Bumlai, que iria depor na CPI do BNDES nesta 3ª, foi detido em Brasília; empresário é suspeito de atuar como lobista da Sete Brasil, investigado por suspeita de fraude em contratação de navio-sonda pela Petrobrás.
• Unesco: Brasil é reprovado no quesito igualdade de gênero nas escolas. Apesar de representarem a maior parte da população, mulheres ainda são minoria em salas de aula no ensino básico. Panorama se repete em todo o mundo: apenas 62 países alcançaram a igualdade de gênero no acesso à educação. Mergulhamos na história do gênero e na política das bicicletas enquanto falta quimioterapia no SUS. O Brasil é mesmo um país ridículo. (Luiz Felipe Pondé, filósofo) 
• Youssef negocia delação e abrigo nos EUA. Segundo a colunista Sonia Racy, o doleiro Alberto Youssef estaria em negociação de acordo com a justiça americana para ele e sua família; Cabe ao governo americano nos procurar e trazer uma proposta concreta. Se entendermos que isso é viável, seguimos em frente. Houve conversas sobre o assunto, mas elas não progrediram, confirmou o advogado do delator da Lava Jato, Antonio Augusto Basto. 
• Desembargador corrupto é condenado a prisão em regime fechado. Além da perda do cargo, o desembargador corrupto cumprirá 6 anos em regime fechado. Leia
• A Teimosia Vermelha. O desenho é nítido. Com poucas diferenças, estamos vivendo uma cópia do que aconteceu em 1964. (AC)
• Tudo o que ele diz é verdade. E é dito de uma maneira interessante, com ilustrações magnificas, mas bem megalomaníaca. Ele só esqueceu que: Europa é onde nasceu a inquisição; Europa criou as Cruzadas; Europa é onde nasceu o fascismo e suas consequências; Europa colonizou, e explorou, meio mundo, tanto na África, na Ásia, nas Américas; Europa foi o palco de duas grandes Guerras Mundiais; Europa foi o berço do racismo, e da perseguição religiosa; Europa foi escravocrata na época dos nobres. Pagavam a seus escravos, mas somente o suficiente para poderem continuar sendo escravos. Mas, Europa, apesar de tudo isso, é extremamente cativante, charmosa e bela. Que Deus salve a Europa, berço da civilização do Ocidente. Europa não é Lampedusa nem Bruxela.
• Fabricantes de Viagra e Botox fecham fusão de US$ 160 bi. Negócio entre Pfizer e Allergan forma gigante avaliada em US$ 322 bi. 
• Nova Argentina: Vitória de Mauricio Macri sinaliza fim de ciclo histórico, mas ele terá muitas dificuldades pela frente. Macri usará o Mercosul para pressionar a Venezuela. Posição de presidente eleito da Argentina pode causar atrito com Brasília. Mudanças liberais para salvar a Argentina não serão imediatas. Dilma e Macri: Eleito ensaia aliança com brasileira, mesmo que a contragosto. 
• Os altos e baixos do kirchnerismo, que deixa o poder na Argentina. Aqui 
• Turquia derruba avião militar russo. Abate teria sido executado com jatos turcos F-16 depois de os pilotos terem ignorado avisos quanto à violação do espaço aéreo; o chefe do Governo turco Ahmet Davutoglu já orientou seu ministro dos Negócios Estrangeiros para discutir o assunto com os responsáveis da OTAN, da ONU e de países que possam ser afetados no contexto do conflito na fronteira síria. 
• Cameron pede aval ao Parlamento para atacar EI na Síria. Britânico fez o anúncio em Paris durante homenagem às vítimas de ataque. 
• Polícia acha cinturão com explosivos perto de Paris. Objeto, que não tinha detonador, foi encontrado por gari em uma lixeira. 

Um jogo de barganhas.
Prevista para hoje mas sujeita a adiamento, a reunião do Conselho de Ética da Câmara poderá abrir a primeira estação do calvário de Eduardo Cunha ou, contrariando o Novo Testamento, levar Pôncio Pilatos a absolver Jesus. Entre dúvidas e mudança das tendências e das sentenças, o Conselho encontra-se rachado. Poderá haver empate na decisão dos conselheiros, entre abrir processo contra Eduardo Cunha ou arquivar o parecer do relator, Fausto Pinato, favorável ao julgamento do presidente da Câmara por ofensa ao decoro parlamentar.
No final da semana e hoje montes de contas foram e estão sendo feitas e desfeitas a respeito da decisão preliminar dos integrantes do Conselho. Dez a dez, contando com a ausência de uns poucos? Onze a onze? Vitória dos favoráveis à condenação de Cunha ou arquivamento da acusação dele haver mentido a respeito de suas contas no exterior?
De qualquer forma, não se trata de esperar uma sentença definitiva, já que o mérito só será apreciado depois, muito provavelmente ano que vem, dado o recesso parlamentar a ser iniciado a 17 de dezembro.
Vale tudo nesse entrevero inicial, desde a defesa antecipada do presidente da Câmara, já circulando, até contestações regimentais referentes à primeira reunião do Conselho de Ética, realizada semana passada, hoje contestada pelo deputado fluminense.
A pedra de toque dessa decisão, vale repetir, se não for adiada, repousa na representação do PT. O palácio do Planalto trabalha para que os companheiros com assento no Conselho votem em favor de Cunha, arquivando o processo. Se não puderem, por razões de consciência, que pelo menos faltem, permanecendo em seus estados.
Em suma, a impressão é de desenrolar-se um leilão, daqueles do quem dá mais. Eduardo Cunha dispõe de uma carta na manga, o deferimento do pedido de impeachment contra Dilma, que ainda não despachou. Nem contra nem a favor, por enquanto, ele poderá retribuir a gentileza de Madame, se ela mobilizar o PT para salvá-lo do processo. Ou dar andamento à acusação de que ela quebrou a Lei de Responsabilidade Fiscal.
O país está diante da opção de duas ações correrem paralelas, claro que apenas no ano que vem, ameaçando os mandatos de Dilma e de Cunha. Ou de nenhuma ação tramitar contra ambos. Nos dois casos, do que menos se cuida é do mérito das acusações, ou seja, se houve culpa ou inocência na ação da presidente da República e do presidente da Câmara.
Um jogo de barganhas e de interesses escusos, de parte a parte. Retrato óbvio de que o dia seguinte, no Brasil, sempre poderá ficar um pouquinho pior do que a véspera... (Carlos Chagas) 

A primeira martelada.  
Operação desmonte - Com a importante vitória de Mauricio Macri, na eleição presidencial da Argentina, confirmada na noite de ontem, o povo do nosso vizinho país deu início à operação desmonte do muro bolivariano, construído pelos membros comunistas do Foro de São Paulo.
Primeira martelada - Ainda que a construção do Muro Bolivariano se estenda por, no mínimo, doze países latinos, como: Argentina - Cristina Kirchner (Partido Justicialista); Bolívia - Evo Morales (Movimento para o Socialismo); Brasil - Dilma Rousseff (Partido dos Trabalhadores); Chile - Michelle Bachelet (Partido Socialista do Chile); Cuba - Raúl Castro (Partido Comunista de Cuba); Dominica - Roosevelt Skerrit (Partido Trabalhista da Dominica); República Dominicana - Danilo Medina (Partido de Libertação Dominicana); Equador - Rafael Correa (Alianza País); El Salvador - Salvador Sánchez Cerén (Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional); Nicarágua - Daniel Ortega (Frente Sandinista de Libertação Nacional); Peru - Ollanta Humala (Partido Nacionalista Peruano); Uruguai - Tabaré Vázquez (Frente Ampla); Venezuela - Nicolás Maduro (Partido Socialista Unido da Venezuela), coube aos eleitores argentinos, ao eleger Macri, a primeira martelada. Parabéns!
Matriz bolivariana - Confesso que não conheço o novo presidente da Argentina, mas só o fato de não ser Bolivariano já é uma grande coisa. Entretanto, caso Macri tome as decisões que prometeu ao longo de sua campanha, a Argentina será o primeiro a dar por encerrada a matriz bolivariana, que vem condenando ao fracasso os países latinos que seguem a Cartilha imposta pelo Foro de São Paulo.
Bons ventos - Espero que esses ventos de maior liberdade, que estão soprando na Argentina desde ontem, tornem a paisagem econômica portenha mais promissora. Mais: caso positivo, que sejam soprados com grande intensidade e barulho para o nosso lado, a ponto de acordar, de uma vez por todas, o pobre povo brasileiro. 
Ano novo - Pois, enquanto os argentinos tem muito para vibrar e festejar um Ano Novo cheio de esperanças, por elegerem Macri presidente, nós brasileiros, com Dilma, Lula & Cia, só temos a lamentar. Até porque, se 2015 foi péssimo para a economia, o próximo ano já anuncia que será muito pior.
Declaração do Pezão - Mudando de assunto, só para que tenham uma ideia do tamanho da cabeça oca dos nossos governantes, vejam a declaração do governador do RJ, Luiz Fernando Pezão, em entrevista que concedeu ao jornal O Globo de ontem: - Minhas despesas são fixas, mas a minha receita é incerteza.
Reformas - Como se vê, Pezão, a exemplo dos demais governadores com quem tem se reunido, só tem olhos, mãos e pés voltados para o aumento da receita. Pezão, infelizmente, não foi capaz de pronunciar uma só palavra no sentido de propor reformas que levem a uma diminuição das tais despesas fixas.
. De novo: a hora é de propor, com absoluto rigor, medidas que consigam ajustar todas as despesas de acordo com a disponibilidade do caixa. Isto, lamentavelmente, não aconteceu. (GSPires)
Não há nada impossível, pois os sonhos de ontem são as esperanças de hoje e podem se converter em realidade no amanhã!

Nenhum comentário: