12 de nov de 2015

Qual a sua alcunha?...

• Dilma em Minas. Só agora? 
• Taxistas, Uber, Caminhoneiros, revolta e cobranças nas estradas e ruas do país. No contrapor o espetáculo na Câmara ontem estava D+. 
• O que se esconde por trás disso? O Sombra sabe! A Câmara nesta quarta (11) aprovou o projeto de lei que cria um regime especial de regularização de recursos mantidos no exterior sem conhecimento do Fisco, fixando um tributo único para sua legalização perante a Receita Federal; a medida é direcionada aos recursos obtidos de forma lícita; ao repatriar o recurso, será cobrado 15% de multa mais 15% de imposto de renda; o projeto é do governo e faz parte do ajuste fiscal para aumentar a arrecadação. 
• A dívida ativa da União está por volta de R$ 1,3 trilhão. No meio disso, estão grandes empresas que devem até mais de R$ 1 bilhão. Ou seja: se o governo corresse atrás desses recursos, para valer, e recuperasse 10% seria mais do que a CPMF. 
• Papéis contradizem versão de Cunha sobre conta suíça. Disse que não movimentou os recursos depositados pelo lobista João Augusto Henriques, em suas contas na Suíça; no entanto, extratos bancários revelam que o dinheiro foi movimentado duas vezes no ano passado; esta é a segunda história contada por Cunha que cai em menos de uma semana; antes, o filho do ex-deputado Fernando Diniz, já falecido, disse não ter ordenado qualquer pagamento para o presidente da Câmara; embora os argumentos de Cunha sejam frágeis, ontem ele obteve apoio de 230 parlamentares. 
• Juiz autoriza quebra de sigilos bancário e fiscal de ex-ministro Mantega. Operação Zelotes apura se houve influência em nomeações ao Carf. 
• Meirelles diz que assumiria Fazenda se tivesse autonomia. Indicação de Lula, ex-presidente do BC afirma que ainda não recebeu convite. 
• Moradores participaram de missa de sétimo dia em homenagem às vítimas da tragédia em Mariana (MG); Ibama aplicará multas milionárias a mineradora por danos ambientais. 
• Petrobras propõe reajuste de 9,53% nos salários e benefícios dos empregados. A proposta para o Acordo Coletivo de Trabalho 2015 mantém ainda os demais benefícios e vantagens que fazem parte do atual acordo; em nota, a estatal diz que a proposta é definitiva e traduz o empenho máximo da empresa para atender às reivindicações dos empregados e seus representantes
• A classe política encontrou uma maneira segura de meter a mão do dinheiro público sem o risco de encarar operações policiais, CPIs ou juízes desassombrados. O Fundo Partidário, com dinheiro do Tesouro Nacional, já distribuiu somente este ano R$ 676 milhões aos partidos. O butim não terminou: até o fim do ano serão mais R$ 135,2 milhões - e terão embolsado R$ 811 milhões em um ano que não houve eleição. 
 photo brabismo.jpg• Governo deixa Petrobras à beira do abismo.
. O tempo passa, o governo não mexe no seu irrealista ‘modelo’ de partilha e a Petrobras, sem crédito e sem caixa, continua próxima ao precipício. Leia
• Emergência por casos de microcefalia em Pernambuco. O diretor do Departamento de Vigilância Epidemológica do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, disse que o ministério está acompanhando a situação desde o dia 22 de outubro, quando foi notificada pela secretaria de saúde do estado e dos municípios. Ele informou que uma equipe de resposta rápida às emergências em saúde pública está em campo, fazendo investigações epidemiológicas. 
• Resultado de exame em suspeito de ebola no Rio deve ser sair nesta quinta-feira. Voltando da Guiné, chegou à Fiocruz vindo de BH. 

• Sobrinhos de primeira-dama da Venezuela são presos e levados aos EUA. Dois sobrinhos da primeira-dama da Venezuela foram presos e levados para os Estados Unidos para enfrentar acusações de tráfico de drogas; a notícia pode manchar a imagem de Maduro antes da eleição. 
• Forças curdas iniciam ofensiva para retomar cidade controlada pelo EI. Combatentes avançam em vários eixos. 

Uns gritam “Fora, Dilma!”; outros gritam “Fora, Cunha!” Ora, os decentes podem e devem gritar “Fora, Dilma e Cunha!” 
. PSDB fez muito bem em romper com o presidente da Câmara; a política não tem o pudor dos santos, mas tem de ter o limite dos justos.
. O PSDB rompeu politicamente com Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Fez muito bem! À diferença do que avaliam alguns analistas, incluindo gente que respeito, não acho que o partido se comportou mal na relação com o presidente da Câmara. Ou que fez uma aposta errada. Ou ainda que levou longe demais a tolerância com um deputado enrolado. Sim, a questão é ética, a questão é moral e, sendo essas duas coisas, é política, o que comporta zonas de ambiguidade que não podem se confundir com concessão à bandalheira - não quando se é sério. E não acho que o PSDB tenha feito isso.
. Vamos lá. Ambiguidade não faltou também ao PT nesses últimos tempos na sua relação com o presidente da Câmara, não é mesmo? Aliás, ela continua. Lula chega a Brasília para tentar selar um pacto com o deputado, enquanto as franjas da legenda vão às ruas gritar Fora, Cunha, a exemplo do que farão, de novo, nesta quinta em São Paulo. Durante um bom tempo, ainda que se avolumassem as suspeitas contra o parlamentar, o jogo de bastidores consistia em deixar Cunha de lado, para que o PT fizesse a festa, ou tentar atraí-lo para a possibilidade do impeachment.
. E assim era não por causa da biografia de Cunha - e o que dela se conhecia até então. Mas porque ele era e ele é ainda o presidente da Câmara. E o foi, reitero, com virtudes explícitas. Quando Cunha for cassado - e acho que ele será, nesse mandato ou num eventual próximo -, à sua saída, eu o aplaudirei por ter ajudado a enterrar a reforma política aloprada do PT e por ter contribuído para impedir a bolivarianização do Supremo.
. Se a política, no entanto, dispensa o pudor dos santos - porque santo ninguém é -, não pode dispensar os limites dos justos e do estado de direito. Cunha não pode mais continuar a presidir a Câmara com o que já se sabe sobre ele. As suas explicações para as contas que ele agora admite esbarram no ridículo. Perdem em qualidade para a malfadada Operação Uruguai (pesquisem a respeito), por meio da qual Fernando Collor tentou explicar um dinheiro sem explicação.
. A Operação Zaire-Carne Enlatada de Cunha conferiu ares de bufonaria ao que já não parecia nem era sério. Ficou tudo muito ruim. Reportagem da Folha desta quinta evidencia ser falsa a versão que ele apresentou, segundo a qual nunca havia movimentado dinheiro depositado em uma de suas contas na Suíça por um lobista investigado na Operação Lava Jato. Extratos enviados à Procuradoria-Geral da República mostram que os recursos foram movimentados duas vezes no ano passado. Uma parte foi aplicada em ações da Petrobras e o restante foi transferido para uma conta de uma empresa de Cingapura que tem o próprio Cunha como beneficiário.
. Não dá! Não é possível presidir a Câmara assim. Claro, enquanto continuar no cargo, caberá a ele acatar ou não uma denúncia contra a presidente da República. Isso é prerrogativa institucional, não pessoal. Ocorre que ele não pode mais estar naquela cadeira É simples assim.
. Mais: resta evidente que o jogo do deputado, até ontem, era acenar com possibilidades para governistas e oposicionistas no intuito de barrar a denúncia contra ele por quebra de decoro ainda no Conselho de Ética. Paulinho da Força (SDD-SP), seu lugar-tenente, ficava fazendo acenos à oposição; Cunha, ele mesmo, conversava com Jaques Wagner e, por intermédio deste, com Lula.
. Eventualmente livre, então, do processo no Conselho de Ética ao menos, ele decidiria a favor de um lado ou de outro. Não vou cair na armadilha petralha de indagar se, com essa biografia, ele pode ou não aceitar uma denúncia, Ora, isso me obrigaria a perguntar se Dilma pode continuar com as prerrogativas de presidente da República. Enquanto preservarem seus cargos, são titulares das responsabilidades a eles inerentes.
. Mas as responsabilidades de partidos de oposição vão além do fica ou sai, Dilma. Cunha fez do acata não acata a denúncia a sua tábua de salvação, especialmente depois que passou a ser gerenciado por Lula, sabe-se lá com quais promessas. Mas o horizonte de quem pode governar o país depois das Sete Pragas do lulo-petismo transcendem a permanência ou não de Dilma no poder.
. Até porque é maltratar a realidade achar que uma eventual recusa de Cunha, agora, encerra a questão e garante a Dilma o mandato até 2018. Eu já escrevi aqui e reitero: comprar o povo brasileiro vai ser bem mais difícil do que conquistar o apoio de parlamentares com um cargo ou outro. Ademais, outras denúncias podem ser apresentadas à Câmara. E nunca se sabe o que vem por aí.
. Com o que já se sabe sobre Cunha e, dadas as suas justificativas, não restou ao PSDB alternativa. De resto, o deputado, que já tem tantas explicações a dar, não pode confundir a sua biografia com a do país, não é mesmo? Não é correto lhe conceder a licença para tratar uma denúncia contra Dilma apenas segundo o seu interesse pessoal.
. Caminhar até determinado ponto com Cunha era só matéria de responsabilidade. À medida que ele conseguiu piorar o que já era ruim, matéria de responsabilidade passou a ser romper as relações políticas com ele.
. Sim, sim… Rodrigo Janot, procurador-geral da República, executou nesse caso a grande arte. Ao levar o presidente da Câmara para o centro do petrolão e ao manter longe do furação o Executivo, o que é piada, fez o jogo do establishment com habilidades de fino estrategista. O que eu lamento é que o tenha feito aproveitando dados da real biografia de Cunha, não os eventualmente retirados de um livro de ficção.
. Alguns podem gritar de um lado: Fora, Dilma!.
. Outros podem gritar do outro: Fora, Cunha!.
. Que mal há em que os decentes gritem Fora, Dilma! Fora, Cunha!? (Reinaldo Azevedo)

Ditadura venezuelana avança a cegas, ensanguentada, hilariante e fanática. 
. O presidente Maduro adotou um pomposo projeto chamado de Nova fase econômica, cuja retórica é bem conhecida no Brasil e na Argentina e cujos resultados são igualmente invisíveis.
. Sem ter o que exibir, em 31.10.15, Maduro acusou os EUA de estar provocando miniterremotos que destroem a crosta terrestre por meio do fracking que contamina os afluentes de água interiores; todas poluídas com químicos, noticiou G1.
. Ele adotou o linguajar ambientalista radical sem saber direito do que estava falando. Ele rememorou discurso digno do esquecimento da presidente brasileira em Palmas, no Tocantins: nós nos transformamos em homosapiens ou mulheres sapiens, eu não tenho condições de participar de uma corrida de toras, ou a incompreensível frase se ele pular uma janela, pode pular atrás, porque pode ter a certeza que ele achou alguma coisa absolutamente fantástica, segundo O Estado de Minas
. O ditador comuno-populista venezuelano tem pelo menos um objetivo candente imediato: passar pelas eleições de dezembro, seja como for. E precisa de comida para tranquilizar a irritação popular. Brasil e Argentina pelo menos estão prometendo.
. O único produto venezuelano que cresceu foi o imobilismo econômico, reforçado por um enrijecimento político. 
. As perspectivas das eleições legislativas do dia 6 de dezembro, nas quais a oposição é dada como favorita pelas enquetes, só serviram para um recrudescimento da repressão aos opositores e uma crescente suspeita de mais falcatruas eleitorais em preparação.
. Neste contexto não é difícil acreditar que a Venezuela tenha galgado a deplorável posição de quarto país mais violento do mundo, segundo organismos da ONU.
. Caracas já foi uma cidade alegre e distendida. Hoje, até nos distritos mais ricos, a vida conclui às 22 horas, segundo narra reportagem do O Estado de S. Paulo, (26.8.2015).
. Permanecer nas ruas além desse horário é uma aventura perigosa. A Venezuela é um dos países mais violentos do planeta, com 55,4 mortes por armas de fogo por cada 100 mil habitantes, segundo a Organização Mundial da Saúde - OMS. 
. Na mesma lutuosa listagem, o Brasil ocupa a 18º posição, com 21,9 mortes por cada 100 mil habitantes. Para a ONU, os números venezuelanos são próprios de violência endêmica, fenômeno de causas variadas e difícil de combater.
. O governo tenta desarmar a população, mas não tem conseguido. Os cidadãos temem ficar à mercê dos bandos que espalham o terror e que, de modo suspeito, não são combatidos pelo governo como deveriam.
. O socialismo do século XXI procura divisas desesperadamente. Ele perdoou 2,5 bilhões de dólares à Jamaica e 1,5 bilhão à República Dominicana em troca do pagamento das dívidas desses países em dinheiro vivo à vista.
. Também aceitou um abatimento de 38% das dívidas da companhia uruguaia do petróleo Ancap, sob a condição de ela pagar logo o restante; empenhou uma parte de suas reservas em ouro (1,5 bilhão de dólares); vendeu refinarias; recortou importações e deixou de pagar bilhões aos fornecedores estrangeiros de produtos importados.
. O salve-se quem puder”define o eixo da política econômica do modelo de ruptura com o capitalismo.
. A produção de petróleo cai assustadoramente e, para pior dos males, Caracas deve pagar a Pequim dívidas contraídas em petróleo por volumes que já não produz mais.
. Maduro está afrouxando a corda no pescoço dos venezuelanos visando as eleições de dezembro. As medidas são mínimas, mas para quem está enforcado de morte implicam em mais alguns momentos de sobrevida.
. Mas, ele não tem com o que pagar esse truque eleitoral. O arroxo que virá será então muito pior.
. Então, o que fará? (Luis Dufaur)

Nenhum comentário: