29 de nov de 2015

Delação é fato, mas não satisfaz...

• Fuvest aplica hoje a primeira fase do vestibular 2016. Prova começa às 13h. São 90 questões. Mais de 142 mil disputam 9.568 vagas da USP e 120 na medicina da Santa Casa. Etapa final da Uerj tem 42 mil inscritos. Prova discursiva tem duração de 5 horas. 
• A que ponto chegamos. O país está paralisado, não tem governo e vai piorar ainda mais, com todas essas novas provas. Para numa futura direção, o que temos no balaio não acende nenhuma chama ou chance aos brasileiros. Parece que a mesmice continua, não muda o cenário e os possíveis não emprestam as cores esperadas. Afunda-se perigosamente. (AA) 
• Teto do INSS vai a R$ R$5.147,38. Aposentados que ganham acima do salário mínimo terão reajuste de 10,37% no ano que vem. Os 28,2 milhões de aposentados, pensionistas e segurados do INSS que recebem algum tipo de auxílio previdenciário em todo o país vão entrar o Ano Novo com benefícios reajustados. 
• Trabalhador doméstico: Termina amanhã prazo prorrogado para pagamento do eSocial. 
• Para brasileiros, corrupção é o maior problema do país. É a 1ª vez que corrupção aparece em 1º lugar. 2018: Aécio tem 31%, Lula, 22%, e Marina, 21%. Pela primeira vez, tema superou saúde e desemprego; Aécio lidera e quase metade do eleitorado (47%) rejeita Lula. Pesquisa divulgada nesta sábado pelo jornal Folha de S. Paulo mostra o senador tucano na frente, apesar de cair quatro pontos percentuais. Marina Silva e o ex-presidente Lula aparecem em empate técnico. Taxa de eleitores favoráveis à sua saída da Câmara é alta mesmo entre os simpatizantes do PMDB, diz o Datafolha: 81% dos brasileiros querem cassação de Cunha. Reprovação ao governo Dilma cai de 71% para 67%. Não havia variação maior que dois pontos neste indicador desde 2014. 
• Senador Ronaldo Caiado (DEM) diz que tem que parar o Brasil, todos devem renunciar e convocar novas eleições; numa entrevista rápida, disse que em face da situação caótica na qual o Brasil se encontra, todo os políticos, inclusive ele, devem entregar os cargos. Além disso, Caiado é da opinião que devem ser convocadas novas eleições já que do jeito que está não existe mais governo e as instituições não funcionam mais.
• Milhões de vezes não dar dinheiro para esse governo dilapidar! Governo fará plano B se a CPMF não for aprovada. Objetivo é cumprir em 2016 meta de economizar equivalente a 0,7% do PIB. 
• Caso Esteves levanta questão sobre o capitalismo brasileiro. Segundo o jornalista Fernando Gabeira, o sucesso de personagens como o banqueiro André Esteves, preso na semana passada, depende da associação criminosa com o governo. BC quer Esteves fora do controle do BTG Pactual: já teria, segundo fontes, imposto a necessidade da saída de Esteves do bloco de controle do BTG Pactual; banco estuda emitir títulos com garantia mais sólida para tentar conter onda de saques. 
• É isso aí. Quem entrará no Procon ou reclamar? Líder em SP, Russomano é condenado a prisão. Justiça Federal converteu a pena, no entanto, em prestação de serviços comunitários e pagamentos de cestas básicas; deputado federal e pré-candidato à prefeitura de São Paulo, Russomano, que lidera as pesquisas na capital, nomeou como funcionária de seu gabinete a gerente de sua produtora de vídeo. 
• Urgente: ministério da saúde confirma que Zika Vírus é causador da microcefalia em bebês. E poucos estão ligando para esse perigosíssimo surto de Zika Vírus, Dengue e Chikungunya que está tomando Brasil. Grávidas repetem exames por medo de microcefalia. Para epidemiologistas, tríplice epidemia pode se alastrar pelo país. Rio registra 11 casos de microcefalia em 2015. 
• Vítima de desastre, vilarejo se torna Museu da Lama' Bento Rodrigues está se sedimentando com o rejeito do minério de ferro. 
• Andrade Gutierrez vai pagar R$ 1 bi de multa na Lava Jato. Em busca de pena menor, empreiteira admite propina em obras. União, Minas Gerais e Espírito Santo vão processar Samarco e Vale em R$ 20 bi. Dinheiro vai custear despesas de recuperação dos danos e revitalização das áreas atingidas pela tragédia. 
• Intolerância religiosa: Entidades repudiam ataques a templos de religiões africanas. O manifesto veio depois que um terreiro de candomblé perto de Brasília foi incendiado. O Ministério Público e a Polícia Civil investigam o crime. 
• Delcídio contradiz versão de banqueiro sobre Cerveró. Em depoimento à PF senador confirmou diálogo que foi captado por gravação. 
• Itamaraty critica Venezuela após morte de político. Dilma pede garantias democráticas; Maduro diz que não haverá golpe militar
• Bumlai diz ter ganho R$ 2 milhões em sorteio. Empresário investiu mil reais no Pé Quente Bradesco, um título de capitalização que costuma atrair jogadores inveterados ou são empurrados por gerentes como condição para a liberação de empréstimos; é um investimento tão ruim que o comprador do título só consegue receber de volta o valor integral do que pagou se não tocar no dinheiro dentro de 24 meses e tem apenas a correção monetária; PF vê operação como atípica. 
• Corram, ratos! PT tenta derrubar quebra de sigilo telefônico do partido. Uma decisão do juiz Sérgio Moro em ação penal da Operação Lava Jato deverá expor algumas entranhas do Partido dos Trabalhadores. O juiz quebrou o sigilo telefônico do partido em São Paulo, incluindo linhas fixas e celulares, em ação penal na qual o réu é o tesoureiro João Vaccari Neto. A preocupação do PT é que o sigilo vai identificar todas as pessoas que fizeram ligação para o partido em São Paulo. Rui Falcão pediu essa semana que o juiz Moro suspenda a quebra do sigilo de um dos celulares que eram utilizados por Vaccari e o telefone-tronco do partido. O celular, justifica Falcão, não era utilizado apenas pelo tesoureiro João Vaccari Neto. A preocupação no partido é que vários outros dirigentes teriam utilizado o aparelho. Rui Falcão argumenta que a decisão de Sérgio Moro vai invadir a privacidade de centenas de pessoas e que isso caracterizará ofensa à Constituição. O juiz Moro, ao negar o pedido do PT, justificou que a quebra de dados das ligações não revela o conteúdo mesmo das comunicações, não representando, apesar das reclamações, intromissão profunda na esfera privada de pessoas ou do partido político. O juiz não vê motivos para rever sua decisão. Particularmente, não vislumbro com facilidade os prejuízos sofridos pelo Partido dos Trabalhadores pela desvelação do conteúdo dos registros de telefones que podem ter sido utilizados por João Vaccari Neto que era Secretário de Finanças do Partido, escreveu o juiz. (Hugo Marques, de Brasília) 
• Caixa inventa fraude de apenas 25% de licitação: A Caixa cancelou contrato da agência Borghi Lowe Propaganda, após a condenação do seu diretor Ricardo Hoffmann a 12 anos e 10 meses de prisão, na Lava Jato. A empresa foi acusada de fraudar a licitação que declarou vencedoras mais três agências - a Artplan, a Nova SB e Heads. As quatro dividiam a verba anual para publicidade da Caixa, de R$ 400 milhões. A Borghi detinha algo como 25% do contrato global. Conta outra: Virou piada no mercado a decisão da Caixa de considerar que houve fraude somente na parte da Borghi. Mas a licitação foi única. (Diário do Poder) 
• Perfil imparcial e técnico de ministro que prendeu Delcídio assusta Congresso. Avalista das investigações contra corrupção, o ministro Teori Zavascki, se firma como autor de decisões que quebram o elo de proteção a poderosos. Especialistas acham que ele agirá com o mesmo rigor nos casos dos outros 37 parlamentares. 
• Entidades repudiam ataques a templos de religiões africanas. O manifesto veio depois que um terreiro de candomblé perto de Brasília foi incendiado. O Ministério Público e a Polícia Civil investigam o crime. 
• O rotativo no cartão de crédito. O que acontece quando você faz o pagamento mínimo do cartão. Leia

• Em sua última etapa, Papa Francisco chega à República Centro-Africana, considerada perigosa por causa da instabilidade no país. 
• Presidente turco se diz triste pela derrubada de avião. Queríamos que não tivesse acontecido, mas aconteceu, disse Erdogan. Turquia vai entregar corpo de piloto russo morto a Moscou. 
• Conferência sobre clima oscila entre avanço e desânimo. Há mais compromisso, mas ainda é impossível fechar acordo com força de lei. 
• Boko Haram reivindica atentado que deixou 22 mortos na Nigéria. 
• Putin decreta sanções econômicas contra a Turquia.
 
O constrangimento de ver que o rei está nu. 
. Bravata? Certamente há muitas na conversa de um sujeito que quer convencer um acusador a tirar seu nome da lista da propina. Mas a gravação descortina tenebrosas transações e expõe a qualidade de nossos homens públicos de forma cruel e constrangedora.
. Paralisar as votações de projetos essenciais e quebrar a quase normalidade política conquistada pelo Planalto nas últimas semanas é muito ruim para o governo. A situação é tão grave, porém, que esse pode acabar sendo o menor dos estragos. Os desdobramentos das prisões do líder do Governo no Senado, Delcídio Amaral, e do banqueiro André Esteves, no dia seguinte à de José Carlos Bumlai, são potencialmente muito mais explosivos. Pegaram em cheio o governo e o PT, mas atingiram praticamente todo o establishment político.
. A degravação da conversa em que o senador Delcídio, Bernardo Cerveró e o advogado Edson Ribeiro teriam feito um acerto para evitar a delação premiada de Nestor Cerveró rendeu 50 estarrecedoras páginas. O que mais se destaca não é a tentativa de acordo que levou Delcídio e André Esteves à cadeia. O que salta aos olhos e ouvidos é a crueza - para usar um adjetivo ameno - das informações e comentários trocados sobre a Lava- Jato e os diversos personagens da República. É lama para tudo que é lado.
. Obviamente, nada do que se disse ali pode ser tomado como verdade sem provas. Há evidentes bravatas e mentiras, até porque quem faz esse tipo de trato não é santo. Mas tudo o que se menciona ali, descortinando algumas tenebrosas transações, terá que ser investigado.
. É o que deve fazer o Supremo Tribunal Federal, que deu sua resposta antecipada mandando prender Delcídio, Esteves, o advogado e o chefe de gabinete do Senador. Quando se ouve a gravação, entende-se a ira do STF. Delcídio afirma que é hora de centrar fogo no Supremo para tirar Cerveró da cadeia, informando os interlocutores que conversou com Teori (Zavascki) e (Dias) Toffoli, e que pediu a este para conversar com Gilmar (Mendes). Discutem quem poderia intermediar uma conversa com Mendes, e concluem que é Renan (Calheiros).
. O próprio líder do Governo disse que o faria também, observando que Gilmar oscila muito; uma hora está bem, outra hora está ruim. Acrescenta a informação de que o ministro já fora procurado pelo vice-presidente da República, Michel Temer, que, segundo ele, está muito preocupado com o Zelada - outro ex-diretor da Petrobras preso, que ocupou a área internacional depois de Cerveró e é apontado como indicação do PMDB.
. Igualmente embaraçosa é a menção do senador e seus interlocutores a suposto trecho da minuta da proposta de delação premiada de Cerveró, na qual ele teria escrito, sobre a compra de Pasadena: Dilma (Rousseff, então presidente do Conselho de Administração) sabia de tudo de Pasadena... Ela me cobrava diretamente. Contou também que a presidente da República continua despachando diretamente assuntos da Petrobras.
. Na conversa sobre a hipotética delação de Cerveró que Delcídio queria evitar comenta-se ainda uma curiosidade. Fernando Baiano - o primeiro a citar Delcídio - teria surrupiado o documento e antecipado sua própria delação ao constatar que o companheiro de cela anotava e enumerava o que pretendia dizer. Foi ctrl-c, ctrl-v, contou o advogado.
. No plano da fofoca, devem ter ardido as orelhas do advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, coincidentemente chamado ontem para defender André Esteves: Complicado e vaidoso, segundo o senador e seus interlocutores, que também discutiram teses para anular as delações da Lava Jato e roteiros de fuga para Cerveró tão logo recebesse habeas corpus. Entre eles, a idéia estapafúrdia de ir de barco para a Espanha, a partir da Venezuela.
. Nem a oposição escapou. Ex-tucano, Delcídio fez questão de mencionar um tal de Gregório (Marin Preciado), que seria sócio de Fernando Baiano e aparentado do colega José Serra, com quem havia almoçado. Entre personagens não identificados, como um tal de japonês bonzinho, são mencionados outros mais conhecidos, como o senador Romário e sua suposta conta na Suíça. Delcídio conta que Romário teria feito um acordo político com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, a quem se refere como seu ex-braço direito na CPI dos Correios.
. Bravatas? Certamente há muitas na conversa de um sujeito que queria convencer o filho e o advogado do acusador a tirar seu nome da lista dos que receberam propina na Lava-Jato. Mas o diálogo que se ouve nas gravações, na circunstância em que foi travado, vai muito além do embaraçoso. (Helena Chagas)

Nenhum comentário: