26 de out de 2015

Haja braços pra embalar este país.

 photo _atrabalhodemae.jpg • Zelotes: PF faz buscas na casa do filho de Lula. A Polícia Federal realizou buscas, nesta manhã, na casa de Fábio Luis Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Lula, na nova fase da Operação Zelotes; nesta etapa, foram presos o lobista Alexandre Paes dos Santos e o consultor José Ricardo Silva, conselheiro do Carf, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais; operação conta com o apoio de 100 agentes federais para dar cumprimento a 33 mandados judiciais nos Estados de São Paulo, Piauí, Maranhão e Distrito Federal. 
• Enem 2015 teve abstenção de 25,5% dos inscritos. Nas redes, Enem 2015 é chamado de feminista. Com uma questão com texto da francesa Simone de Beauvoir na prova de ciências humanas e a redação com o tema A persistência da violência contra a mulher, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2015 foi criticado; como apoio, candidatos tinham quatro conteúdos: um deles era um cartaz de uma campanha contra o feminicídio; também havia um gráfico com dados sobre o tipo de violência cometida contra mulheres; uma reportagem que abordava o impacto da Lei da Maria da Penha e dados estatísticos do Mapa da Violência. 
• Pedaladas bancaram grandes empresas e produtores rurais. Dados contrariam versão do PT de que manobras pagaram benefícios sociais. 
• Deputado federal e ex-governador de Pernambuco Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) afirma não ver elementos para impeachment, mas diz que a presidente Dilma Rousseff perdeu as condições de governabilidade: Ela não tem condição nenhuma [de governar], o país está mergulhado num mar de corrupção e ela, no mundo da lua; quanto a Eduardo Cunha, a quem chama de psicopata e acusa de jogar dos dois lados, afirma que o presidente da Câmara não tem legitimidade para conduzir um processo de impeachment, por ter sido denunciado sob acusação de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras. 
• Receita perde mais do que uma CPMF com paralisações. Fisco deve deixar de arrecadar R$ 36 bi, segundo associação de auditores. 
• Relatório da Procuradoria Pública Federal de Berna sobre Eduardo Cunha cita um suposto lobista do PMDB na Diretoria Internacional da Petrobrás, João Augusto Henriques, atribui corrupção passiva e lavagem de dinheiro ao presidente da Câmara e diz que ele recebeu produtos criminosos
• Bumlai é novo alvo da Polícia Federal. Agentes reuniram indícios indicando que o empresário José Carlos Bumlai tenha atuado como um facilitador na captação de recursos de origem ilícita destinados ao financiamento do PT; suspeitas foram ampliadas por depoimentos prestados em delação; ele foi acusado pelo lobista Fernando Baiano como beneficiário de um pagamento de R$ 2 milhões que teria como destino uma das noras do ex-presidente Lula
• Cunha deve encaminhar representação contra ele nesta semana. Pelo Código de Ética da Câmara, o presidente da Casa tem um prazo de três sessões ordinárias para enviar ao Conselho de Ética as representações por quebra de decoro parlamentar; o PSOL e a Rede pediram cassação do mandato de Cunha, argumentando que ele mentiu em depoimento à CPI da Petrobras, em março, quando disse que não tinha contas no exterior, confirmadas pela Procuradoria-Geral da República. 
• Melhorou para pior. Apesar do pessimismo, a bolsa brasileira voltou a ser destino predileto de investidores estrangeiros: US$ 4,2 bilhões nos primeiros 20 dias de outubro. É a famosa especulação seletiva, quando estrangeiros compram na baixa, e caso não dê certo, as perdas são irrisórias. 
• Na Odebrecht, querem ver Marcelo pelas costas. Exatos 130 dias após sua prisão, até parece que ainda não caiu a ficha de Marcelo Odebrecht: ele age como se estivesse em sua sala, fazendo dos advogados portadores de instruções e recados, muitos recados, a maioria ríspidos, dirigidos a diretores e assessores dessa gigante da construção que atua em 21 países. E continua garantindo que todas as acusações são falsas. Ele não sabe, mas perdeu poder. Ordens de Marcelo enviadas da prisão não são seguidas, a menos que referendadas pelo pai, Emílio Odebrecht, muito estimado na empresa. 
• Governadores do Rio de Janeiro, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Amazonas e Paraná recorreram a manobras para fechar as contas de 2014, a exemplo do governo federal, deixando gastos para o ano seguinte; nenhum deles, no entanto, foi reprovado nos Tribunais de Contas estaduais. 
• Bolsa Família me tornou um pop star. Deputado Ricardo Barros (PP-PR) disse que passou a ser reconhecido na rua e a conceder dezenas de entrevistas por dia depois de propor, na semana passada, um corte de 35% nos recursos destinados ao programa vitrine dos governos do PT; ele foi criticado pelo líder da bancada do PT no Senado, Humberto Costa (PE), que o chamou de Robin Hood do avesso, que quer tirar dos pobres e dar aos empresários
• A confiança do consumidor brasileiro caiu 0,8% em outubro quando em comparação com o mês anterior, o que representa uma renovação da mínima histórica pela quarta vez consecutiva; medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) chegou a 75,7 pontos, contra 76,3 pontos em setembro.

• Apuração indica segundo turno presidencial na Argentina. Kirchnerista Daniel Scioli e opositor Mauricio Macri irão decidir eleição. Prefeito de Buenos Aires surpreende e vai a 2° turno na Argentina. Com 96,8 por cento das urnas apuradas, Scioli, governador de Buenos Aires, venceu com uma pequena margem o primeiro turno das eleições presidenciais na Argentina, com 36,8 por cento contra 34,3 por cento do seu principal rival, o prefeito de Buenos Aires e ex-presidente do popular clube de futebol Boca Juniors, Mauricio Macri; com o resultado, a Argentina terá no dia 22 de novembro o primeiro segundo turno de sua história. 
• Sínodo dos bispos aprova documento sobre a família. O sínodo de bispos sobre a família votou com ampla maioria um documento final com 94 parágrafos, que propõe a integração na Igreja dos divorciados que voltarem a se casar, após a análise de caso a caso.

China Visto através de um Drone. Clique

Reaparece o fantasma de Celso Daniel. 
. O título do vídeo, PT e LULA envolvidos em Assassinatos - completo, que faz ressurgir o fantasma do ex-prefeito Celso Daniel, já é motivo mais que suficiente para Lula e o PT, citados no título, exigirem a remoção da peça que, no entanto, permanece em exibição no Youtube. Exigirem não apenas a remoção, mas também o enquadramento do autor do vídeo; mas como ninguém se mexe nesse sentido, a pergunta que aparece é inevitável: por que Lula e PT não tomam essa providência de exigir a retirada do vídeo comprometedor? Não havendo resposta alguma, as cogitações surgem: se uma coisa está mal explicada, é melhor deixar quieto e esperar que o tempo se encarregue de levar o caso para o esquecimento.
. Todavia, o fantasma do ex-prefeito, vira e mexe, reaparece, como agora no vídeo que está lá no Youtube, e, a cada dia, mais assistido: 72.000 internautas já o assistiram. Afinal, quase junto com o Celso Daniel, morreram 11 nesse caso, e uma quantidade dessa de mortes mal explicadas, em que todos tinham ligação com o sequestro e a morte do Celso, não pode simplesmente cair no esquecimento. Isso terá que ser descoberto.
. Para refrescar a memória, segue, abaixo, tomando por base o que mostra o vídeo, o resumo do caso. No vídeo, o mesmo é tratado com riqueza de detalhes nos seus 29 minutos de duração. Vejamos então o resumo:  
1. O PT, no seu vício de desviar grana de qualquer jeito para financiar as suas campanhas eleitorais, tinha um esquema desse tipo em Santo André (ABC paulista), em que extorquia empresários do transporte urbano, e essa extorsão era do conhecimento do ex-prefeito petista Celso Daniel. O amigo dele, o Sombra, era quem percorria as empresas de ônibus para pegar o que eles chamavam de caixinha.
2. Gilberto Carvalho, que, na época, trabalhava como assessor do Celso Daniel, informou ao Celso que boa parte da grana arrecadada pelo Sombra estava sendo subtraída, o que punha o tal Sombra em situação de suspeito. Gilberto Carvalho, segundo depoimento do próprio, era quem levava a José Dirceu a grana arrecadada junto aos empresários.
3. Celso Daniel, ao tomar conhecimento desses desvios, decidiu que adotaria providências para pegar os que estavam envolvidos nessa roubalheira, mas não chegou sequer a começar a agir, porque foi assassinado em circunstâncias muito mal explicadas, a começar pelas estranhas coincidências: 11 pessoas que estavam envolvidas com o sequestro morreram em sequência, e, quase logo em seguida, Gilberto e Dirceu subiram na escala da quadrilha. Gilberto e Dirceu assumiram postos importantes no governo Lula.
.Resta agora a você tirar as suas conclusões, assistindo ao vídeo. (AC)
A parceria entre a presidente e jornalistas estatizados confirma: demonstrações de sabujice explícita requerem mais coragem do que atos de bravura em combate.
. Sobretudo com câmeras e gravadores por perto, certas demonstrações de vassalagem exigem mais coragem do que atos de bravura em combate - desses que rendem condecorações capazes de matar a família de orgulho e matar de inveja a vizinhança. A brasileiríssima tribo dos jornalistas a favor é imbatível nessa ousada forma de pusilanimidade. Se bajulação temerária fosse uma modalidade olímpica, os craques da imprensa fariam bonito nos Jogos do Rio.
. O vídeo que exibe trechos das entrevistas concedidas por Dilma Rousseff na Suécia e na Finlândia avisa que a turma está em ótima forma. Decididos a abater a pauladas quem sugere o atalho do impeachment para encurtar a passagem pelo Planalto da pior governante da história, os soldados da desinformação confirmaram que expor publicamente a alma subalterna não é para qualquer poltrão. Só não teme o espetáculo da sabujice quem tem coração valente.
. No dia 18 de outubro, um domingo, Dilma chegou para a conversa em Estocolmo compreensivelmente tensa. Acuado pela Operação Lava Jato, atarantado com a crise econômica ainda em seu começo, abandonado por aliados que fogem do naufrágio nas urnas, desprovido de programas ou ideias, o poste que Lula instalou no coração do poder tem um único projeto claramente definido: manter o emprego.
. Vai começar a sessão de tortura, parece murmurar a crispação do rosto, sublinhada pelas sobrancelhas arqueadas e pelos lábios irrequietos. O que vai começar é a vassalagem, corrige já na primeira pergunta um entrevistador estatizado. Ele não aparece na tela. Ouve-se apenas a voz de apresentador de desfile de escolas no 7 de Setembro formulando a questão inverossímil: O caso do Eduardo Cunha repercutiu no mundo inteiro, foi notícia de jornais do mundo inteiro. Isso não causa um certo constrangimento ao governo brasileiro, embora seja o Poder Legislativo, como a senhora disse? 
. Quer dizer que no resto do planeta não se publicou sequer uma vírgula sobre a maior roubalheira ocorrida desde o Dia da Criação? Quer dizer que em todos os países só se fala em Eduardo Cunha? Até Dilma se mostra espantada com a novidade formidável: o correntista suíço ocupa tanto espaço no noticiário em língua estrangeira sobre o Brasil que não sobram míseros cantos de página para tratar do monumental esquema corrupto que esvaziou os cofres da estatal indefesa.
. Com cara de quem achara aquilo bom demais para ser verdade, a entrevistada explica que a extraordinária notoriedade internacional do presidente da Câmara não lhe causa constrangimento. Seria estranho se causasse… ele não integra o meu governo. Pausa. Três ou quatro entrevistadores falam ao mesmo tempo. Ah, eu lamento que seja um brasileiro, se é isso que você está perguntando, prossegue Dilma.
. Outro entrevistador endossa os patrióticos receios do companheiro de profissão e de luta: A senhora acha ruim para a imagem do país? Quer dizer que o que deixa o Brasil mal no retrato não é o assombroso desempenho no campeonato mundial da corrupção institucionalizada, nem a vertiginosa ascensão no ranking planetário da incompetência administrativa, mas sim o parlamentar que engordou contas secretas com negociatas das quais participou por integrar a base alugada do governo Lula? Haja cinismo.
. Olha, eu não diria…eu… eu acho que se distingue perfeitamente, no mundo, o país de qualquer um de seus integrantes, segue em frente a sopa de letras servida pelo neurônio solitário. Nenhum país pode ser julgado por isso ou por aquilo, nem o Brasil, nem a Suécia, nem os Estados Unidos, desanda a Mãe do Petrolão antes de encerrar o palavrório: Eu lamento que aconteça com um brasileiro, um cidadão brasileiro. Cunha rebateu de bico no dia seguinte: Eu lamento que seja com o governo brasileiro o maior escândalo de corrupção do mundo.
. Na terça, em Helsinque, Dilma avisou que não iria responder a Eduardo Cunha antes de responder a Eduardo Cunha. O meu governo não está envolvido em nenhum escândalo de corrupção, delira no fim do vídeo a faxineira que vive cercada de lixo. Não é o meu governo que está sendo acusado atualmente. Como é que é?, teria berrado um jornalista independente se comitivas presidenciais reservassem alguma vaga a essa espécie em extinção. Como pode uma presidente da República tratar a verdade com tamanha selvageria?
. Nenhum dos presentes ousou assombrar-se com a desfaçatez da viajante. Nenhum se atreveu a balbuciar a obviedade evocada por Eduardo Cunha na quarta-feira: Eu não sabia que a Petrobras não faz parte do governo. O silêncio dos rapazes da imprensa confirmou que ali só havia gente sem medo de ser servil. Eles jamais perguntam o que os chefões não gostariam de ouvir. O que deveria ser uma entrevista coletiva sempre é reduzido a um chá de senhoras que permite a presença de jornalistas domesticados.
. Dispostos a tudo para não melindrar o equilibrista que transformou pedidos de impeachment em instrumentos de sobrevivência política, os líderes da oposição oficial dispensaram-se de lembrar que, se os envolvidos no Petrolão interpretassem a si próprios num filme sobre a bandalheira sem precedentes, Eduardo Cunha apareceria nos créditos bem abaixo da dupla de astros formada por Lula e Dilma. Seu nome disputaria espaço com a multidão de coadjuvantes.
. Nesse pelotão intermediário se acotovelam um ex-presidente da República, ministros e ex-ministros de Estado, senadores, deputados federais, governadores, empreiteiros, ex-diretores da Petrobras, pajés dos partidos no poder, parentes de Lula, amigos de Lula, agregados de Lula, doleiros de alta patente, despachantes de propinas milionárias, consultores especializados em maracutaias, secretárias espertas, amantes gulosas, esposas ressentidas e, claro, tesoureiros do PT. E José Dirceu, naturalmente. Os oposicionistas incapazes de opor-se estarão espremidos no bloco de figurantes.
. O Brasil tem a espécie de governo com que sonha qualquer oposição. A sorte do bando no poder é lidar com partidos de oposição com os quais todo governo sonha. (Augusto Nunes)

Nenhum comentário: