2 de out de 2015

Corta, corta, corta...

• Unidade Prisional da PM vai ser fechada após agressão a juíza. Nunca chamei nenhum policial preso de bandido, diz juíza agredida no BEP. Leia mais
• Ativistas protestam contra extinção e redução de linhas de ônibus no Rio. 
• Bancários recusam proposta, e greve deve começar na terça. A greve está confirmada em pelo menos 13 Estados e 8 capitais. Os funcionários dos bancos públicos repudiaram a falta de propostas das instituições para suas reivindicações. 
• RJ já tem em 2015 mais mortos por policiais do que em todo o ano de 2013. 
• Dólar opera quase estável, acima de R$ 4. 
• Vem aí o novo Código de Defesa do Consumidor. O Senado aprovou dois projetos que atualizam o Código de Defesa do Consumidor. A nova versão do documento combate fraudes na internet e o excesso de mensagens indesejadas nas caixas de e-mail. Para entrar em vigor, os projetos ainda precisam passar pela Câmara dos Deputados e pelo poder executivo. 
• Ministério Público abre ação de improbidade contra Renan Calheiros. Procuradoria da República no Distrito Federal diz que Renan ignora desde outubro de 2013 pedidos de informação sobre irregularidades no quadro de pessoal do Senado. Pedido de condenação é encaminhado a Janot. 
• Produção industrial tem queda de 1,2% em agosto. Trata-se do pior resultado para o mês desde 2011, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira; na comparação com agosto de 2014, a produção caiu 9,0%, pior resultado da série para os meses de agosto nessa base de comparação. 
• Presidente da CBF, Del Nero, tem cargo remunerado em comitê da Copa e salário supera R$ 100 mil por mês. 
• Documentos indicam que MP editada por Lula foi comprada por lobby. De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, filho do ex-presidente, o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, se beneficiou com R$ 2,4 milhões do esquema. 
• Em entrevista ao SBT, ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso reconhece que, com o déficit público brutal, a saída da crise deve passar pelo aumento de tributos: Imposto ninguém quer, ninguém gosta. Todo mundo prefere não pagar imposto. Mas vai ser necessário. A dificuldade agora é que as pessoas não estão acreditando que mesmo dando imposto vai dar certo, diz; sobre o governo, ele avalia que a reforma ministerial poderá dar sobrevida a presidente Dilma Rousseff e que impopularidade não é motivo para impeachment; mas ressalta que o PT abusou do poder e Lula virou político tradicional - embora defenda a diplomacia comercial presidencial feita no governo do sucessor: É normal que os presidentes defendam os interesses das empresas do seu país
• Câmara barrou cópia de inquérito contra Cunha para CPI dos Fundos de Pensão. Investigação que apura lucros indevidos de R$ 900 mil do presidente da Câmara com o fundo de pensão de servidores da companhia de água e esgoto do Rio tramita de forma sigilosa e deputados querem explicações de Cunha sobre conta na Suíça. Autoridades suíças congelam quase US$ 5 milhões em nome de Cunha e familiares. Grupo de 15 parlamentares de cinco partidos protocolam pedido de esclarecimento e acesso à investigação.
• Governo proíbe que Executivo deva para bancos por mais de 5 dias. Segundo o decreto 8.535 assinado pela presidente Dilma Rousseff e publicado no Diário Oficial da União, fica vedado aos órgãos e entidades do Poder Executivo firmar contrato de prestação de serviços com instituições financeiras, no interesse da execução de políticas públicas, que contenha cláusula permitindo a ocorrência de insuficiência de recursos por período superior a cinco dias úteis; medida parece ser uma resposta ao problema das chamadas pedaladas fiscais
• Senadores tentam evitar retrocesso nas doações. Fátima Bezerra (PT-RN) e um grupo de senadores favoráveis ao fim do financiamento empresarial de campanha, entre eles, Roberto Requião (PMDB), reuniram-se com os coordenadores do Movimento pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas para traçar estratégias contra a aprovação do projeto que restaura as doações privadas de campanhas; Nossa luta não terminou. Querem ressuscitar a tese do financiamento empresarial, com a aprovação da PEC 113, mas nós, senadores progressistas, e a sociedade civil estamos atentos. Não vamos deixar que isso aconteça, destacou Fátima. 
• Mensagens de dono da UTC ligam doações de campanha de Dilma à Petrobras. Conteúdo interceptado pela PF indica que Ricardo Pessoa pediu para um dos executivos do grupo procurar o chefe do gabinete do ministro Edinho Silva, Manoel Araújo Sobrinho, para combinar pagamento de valores acertados. 
Lula nem esperou 2018 e já voltou ao poder. O dilmista Aloizio Mercadante sai da estratégica Casa Civil e ganha a Educação como prêmio de consolação, enquanto o lulista Jaques Wagner sai da Defesa para a Casa Civil, como o mandachuva da articulação política; destaca, no entanto, que Lula já não está mais acima do bem e do mal, como sempre esteve, nem mais tão por cima da carne seca assim, como estava ao descer a rampa do Planalto. (Eliane Cantanhêde) 
• Atirador mata ao menos dez e fere sete em universidade nos EUA. O tiroteio ocorreu na faculdade Umpqua Community College, localizada em Roseburg, cidade a 180 quilômetros da cidade de Portland. Obama pede ao Congresso reforço contra porte de armas. Universidade faz vigília após tiroteio que matou 10 nos EUA. 
• Israel critica acordo nuclear firmado pelos Estados Unidos e outras potências mundiais com o Irã. 
• Ataques russos na Síria vão agravar conflito, alerta coligação internacional. 
• Rússia bombardeia cidade de Raqqa, reduto do Estado Islâmico na Síria. Aviões russos atacam posições do EI perto da cidade síria de Palmira e diz que bombardeios durarão 3 ou 4 meses
• Atentados no Nordeste da Nigéria deixam pelo menos 14 mortos. 
• Em Assembleia Geral da ONU, Coreia do Norte pede tratado de paz. 

Dilma: guerra na hora errada, no lugar errado, contra um inimigo errado
. Raras vezes se tem visto reforma ministerial tão pífia como a que vai se completando. Dos ministros que entram, não se tinha notícia, senão que integravam o baixo clero da Câmara dos Deputados. Dos que estão sendo remanejados, pouco ou nada deixaram nas posições iniciais, fora a saraivada de críticas desencadeada sobre Aloísio Mercadante pelos próprios companheiros. Se era para a presidente Dilma neutralizar os temores do impeachment desenvolvidos pela turma do Eduardo Cunha, precipitou-se. Tivesse esperado alguns dias e estaria assistindo o desmonte do presidente da Câmara, a partir do terremoto com epicentro na Suiça. E o óbvio enfraquecimento da proposta de sua defenestração.
. Se o objetivo da reforma era para enfrentar a crise econômica, trocou o seis pelo meia dúzia. Tanto os novos ministros, quanto os que trocaram de lugar, carecem de competência para liderar agendas positivas capazes de afastar a sombra das profundezas econômicas. Como vão fazer aquilo que Joaquim Levy não fez até agora?
. O PMDB ganhou o jogo sem jogar. Perto de Eduardo Cunha ser expulso de campo, seu time saído do banco de reservas levanta a taça, na medida em que mais se aproveitará das benesses do poder. O vácuo agora deixado e ampliado por Dilma favorecerá Michel Temer, feliz com a frustração do PT por não ter resistido um pouco mais. Até o Lula estará arrependido por haver aconselhado a sucessora a salvar a Presidência entregando os ministérios. Salvo inusitados ou fatos novos, a presidência já estava salva e muitos ministérios, perdidos. 
. Circula em Brasília a versão de que Dilma se afastará do trivial do governo para dedicar-se a altas questões, como a Política Externa e a Defesa, quer dizer, à arte de enxugar gelo e ensacar fumaça. Fica, no entanto, a dúvida: quem comandará o time? Jacques Wagner? Ricardo Berzoini? Ou o Lula? O problema é que, assim como os demais companheiros, ele já começa o segundo tempo perdendo de goleada.
. Em suma, para o PT e para a presidente, uma guerra travada na hora errada, no lugar errado, contra um inimigo errado. Satisfeitos estão os tucanos, que do ninho privilegiado assistem a derrota adversária sem disparar um tiro. Coisa que acirra os ânimos e afia os bicos, pois entrou uma penosa a mais na disputa: além de Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra, Álvaro Dias está no páreo. (Carlos Chagas) 

O documento dos dinossauros.  
Dinossauros - Na segunda-feira, 28/09, a Fundação Perseu Abramo, que abriga os economistas dinossauros, em conjunto com outras organizações de esquerda lançou um documento contendo pesadas críticas à política econômica adotada no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.
Unanimidade - Na coletiva que concederam à imprensa, os líderes (economistas) da Fundação Perseu Abramo foram unânimes ao dizer que houve diagnóstico equivocado da situação econômica do país. E, de forma categórica, deixaram bem claro que são contra ao atual ajuste fiscal. 
Iniciativas golpistas - Pasmem: os mais de cem especialistas que participaram do estudo estão muito convencidos de que as dificuldades econômicas do nosso pobre país surgiram a partir da implantação das medidas de cortes de gastos e de investimentos no primeiro semestre do ano. Pode? 
. Mais: mostrando preocupante insanidade mental, os autores disseram que as ações de ajuste fiscal adotadas pelo governo federal amplificam a crise política e estimulam iniciativas antidemocráticas e golpistas. Uau!
Chame o ladrão - Ontem, quando me preparava para dizer o quanto estão equivocados os detratores da nossa economia, que continuam acreditando que a salvação do país está na forte intervenção do governo e no aumento infinito dos gastos públicos, me deparei com o excelente artigo com o título chame o ladrão, escrito pelo economista Alexandre Schwartsman, publicado na Folha de ontem.
Pedindo bis - Lá pela metade do texto, Schwartsman diz, com muita lucidez: - A verdade que os punguistas econômicos querem esquecer é que as políticas que defenderam então, e que agora pedem de volta, colocaram o país numa situação insustentável.
. Sua manutenção poderia até adiar o encontro com a realidade por mais um ano ou dois, mas apenas à custa do aprofundamento das distorções que se acumularam nos últimos anos: inflação mais alta, dívida em crescimento e déficits externos ainda maiores.
Recomendam o caos - Mais: - O que eles hoje recomendam é exatamente o que nos trouxe à situação lastimável em que estamos. Confesso que, apesar disso, meu lado cruel adoraria tê-los de volta no comando da política econômica. Seria péssimo para o país, mas divertidíssimo vê-los chamando o ladrão quando o caos se instalasse de vez.
Vai entender... - Como se vê, a doença dos retardados dinossauros não tem cura. Vão morrer acreditando que o progresso depende de um ideário (Matriz Econômica) tentado em vários países, cujos resultados foram terríveis. Vai entender... (GSPires)
As pessoas são como músicas. Algumas falam a verdade e outras só fazem barulho.

Nenhum comentário: