21 de jul de 2015

Trançando fatos...

• Ex-executivos da Camargo Corrêa são condenados a 15 anos de prisão. 
• Com redução da velocidade, prefeito petista de São Paulo vai parar o trânsito. 
• Lava Jato: investigação rastreia provas contra Cunha em contas secretas. Juiz Sérgio Moro anexou extratos bancários com movimentações de contas secretas aos autos da ação penal em que Cunha é citado pelo delator Julio Camargo. Documentação foi enviada para a análise de autoridades suíças. 
• Telegramas diplomáticos provam lobby de Lula no exterior. Segundo os documentos, Lula atuou em favor da empresa em países como Portugal, Cuba e Zimbábue, valendo-se do BNDES como instituição financiadora. Lula e Odebrecht negam. Jornal O Globo obteve os documentos por meio da Lei de Acesso à Informação. Instituto Lula diz que jornal mente e omite informações sobre lobby. Entidade transcreve e-mails trocados com a reportagem de O Globo para demonstrar que jornal teria omitido e mentido sobre atuação internacional de Lula em favor da Odebrecht. Matéria se baseou em telegramas diplomáticos para atacar ex-presidente, diz instituto. 
• Lula é desmascarado nas mentiras. Aqui 
• Cunha libera 11 ofícios de impeachment . Deputado Jair Bolsonaro e outros dez cidadãos assinam os requerimentos de impedimento presidencial de Dilma, e Eduardo Cunha os aciona para que atualizem os documentos. Com os ofícios, presidente da Câmara cumpre promessas de retaliação no dia de seu rompimento com o governo.
• O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse nesta segunda-feira que os Estados Unidos não têm a intenção neste momento de alterar seu contrato de concessão existente em relação à sua base naval na Baía de Guantánamo, em Cuba; Kerry saudou o novo começo das relações entre Estados Unidos e Cuba, mas disse que a normalização completa será um processo longo e complexo. 
• Seis projetos que devem revolucionar a forma como vemos o espaço. Agência Europeia e Nasa têm planos de enviar sondas para o Sol, as luas de Júpiter e até para redirecionar asteroides.


Mais uma da Sete Brasil!..... 
. Diante desta nova revelação, envolvendo a Sete Brasil, as perguntas que todos nós participantes da Petros, fazemos aos srs. Conselheiros indicados pelo CDPP são as seguintes: 
...Essas propinas explicitamente confessadas pelo Presidente da Sete Brasil, saíram dos recursos de nossa Petros...?
. ...A Direção da Petros, com a complacência dos Conselheiros indicados pelo CDPP vai continuar injetando nossos recursos na Sete Brasil...? 
. Como todos sabem, os srs. Conselheiros indicados pelo CDPP, em suas palestras pelo Brasil afora, em seus artigos e em suas brilhantes exposições feitas na CPI da Petrobrás, defendem intransigentemente as aplicações feitas pela Direção da Petros, por interesses exclusivos do Governo PTista-sindical, nessa canoa furada que se chama Sete Brasil!
. E, então : podem nos esclarecer sobre essas duas questões?
. Ou, mais uma vez, não têm o que nos responder? (Márcio Dayrell Batitucci)

Em carta, ex-presidente da Sete Brasil admite ter recebido propina. 
. Numa carta enviada em março à direção da Sete Brasil, o ex-presidente da empresa João Carlos Ferraz admite pela primeira vez que recebeu US$ 1.985.834,55 em propina dos estaleiros que trabalham para a companhia na construção de sondas de exploração do pré-sal. 
. Ferraz afirma ter aceito as gratificações num momento de fraqueza, em que era pressionado por colegas. Ele não esclarece quem pagou nem quem o pressionou. Diz que não pegou nada além do que declarou e pede um número de conta bancária para devolver o dinheiro. 
. A Sete foi criada pela Petrobras para administrar as sondas do pré-sal. Além da própria estatal, tem como sócios um grupo de bancos e fundos de pensão estatais.
. Até a confissão de Ferraz, apenas o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, um dos delatores da Operação Lava Jato, tinha falado em propinas na Sete Brasil. 
. A carta do executivo foi enviada à equipe interna da Sete que auditou a companhia depois de Barusco ter revelado à Justiça que o esquema de corrupção na Petrobras foi replicado na Sete. 
. A empresa estima que as propinas somaram US$ 224 milhões. Segundo depoimento de Barusco, dois terços foram para o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. O restante foi dividido com gente da Sete e da Petrobras, como o ex-diretor Renato Duque. 
. No mês passado, a Sete abriu um processo contra Ferraz que corre em segredo de Justiça. A empresa pede que seu ex-presidente devolva R$ 22,2 milhões, valor que inclui os recursos desviados, sua indenização pela rescisão contratual e os bônus pagos por desempenho no período em que comandou a companhia. 
. Há cerca de duas semanas, Ferraz tentou um acordo com a Sete para pôr fim ao processo. Propôs devolver menos da metade do que é cobrado, mas os acionistas da companhia não aceitaram. 
. Em sua carta, o executivo assume ter recebido propina entre maio e dezembro de 2013. Afirma que, fora esse episódio, não haveria mais nada que pudesse macular suas demais atividades na empresa, realizadas com zelo e competência
. Para mostrar boa-fé, como ressalta na carta, Ferraz se comprometeu a dar uma procuração para que a Sete checasse a inexistência de outros valores depositados no exterior a partir de sua posse como diretor da empresa
Conta na Suíça
. Primeiro presidente da Sete Brasil, Ferraz ficou no cargo de dezembro de 2010 até maio de 2014. Ele e Pedro Barusco, ex-diretor de operações da companhia, eram colegas na Petrobras e foram indicados pela estatal para a diretoria da Sete, que estava sendo montada. 
. Ferraz deixou a Sete porque parte dos acionistas não estava contente com seu desempenho. Saiu levando indenização de R$ 11,5 milhões, mas tentara receber quase o dobro. 
. No fim de 2014, em acordo de delação, Barusco afirmou que ele, Ferraz e o também ex-diretor da Sete Eduardo Musa tinham combinado o pagamento de propina com os estaleiros EAS, Brasfels, Jurong, Enseada e Rio Grande. 
. Disse também que os três tinham conta Suíça, onde o dinheiro era depositado. De acordo com Barusco, os estaleiros contratados pela Sete pagariam de 0,9% a 1% do valor de construção de cada sonda, em troca dos contratos. 
. Barusco recebeu 0,1% a mais dos estaleiros Jurong e Brasfels sem que os parceiros soubessem porque, segundo seu depoimento à Justiça, achava injusta a distribuição diante do fato de ter sido um dos principais responsáveis pelo projeto
. Ao todo seriam feitas 28 sondas, orçadas em US$ 22 bilhões. Depois de prontas elas seriam alugadas à Petrobras. O envolvimento da Sete com a Lava Jato acabou comprometendo a empresa, que hoje está paralisada em processo de reestruturação. 
Raio-X Sete Brasil
A Empresa - Foi criada em dezembro de 2010 para construir 28 sondas de perfuração que serão alugadas à Petrobras para exploração do pré-sal.
Principais sócios - BTG Pactual, Bradesco, Santander, fundos de pensão estatais, FI-FGTS e Petrobras . 
Lava Jato - Em delação, Pedro Barusco, ex-executivo da Petrobras e da Sete, afirmou que ele, outros diretores das empresas e o ex-tesoureiro do PT João Vacari Neto receberam dinheiro dos estaleiros contratados para fazer as sondas.
Estaleiros - Já contratou Jurong, Brasfels, Enseada, Rio Grande e Atlântico Sul.
Confissão - O ex-presidente da Sete João Carlos Ferraz admitiu ter recebido quase US$ 2 milhões de estaleiros que trabalham para a empresa e propôs devolver o dinheiro.
Situação - A ligação com a Lava Jato impediu a empresa de receber um financiamento de US$ 9 bilhões do BNDES. Em junho, sócios e credores da Sete chegaram a um acordo para injetar dinheiro na empresa. (David Friedlander, Julio Wiziack, SP) 

O PT celebra a crise. 
Todas as fichas - Pelas pífias atitudes que o governo petista propõe, diante desta fantástica bagunça econômica que simplesmente está destruindo diversas atividades do país, chega-se a uma triste conclusão de que os petistas apostaram todas as suas fichas nesta crise, onde o retorno, ou recompensa tem sido altamente promissor. 
Caminho do caos - A dedicação petista, sob o comando de Lula e Dilma, foi absolutamente cuidadosa e certeira: desde que foram eleitos seguiram à risca o audacioso plano, desenvolvido no laboratório do Foro de São Paulo, que está conduzindo o país ao inevitável caminho do caos. 
Três pilares - O plano, pra lá de maquiavélico, fez com que muita gente (ingênua) acreditasse, piamente, que a vontade dos petistas era de fazer do Brasil um país admirado, feliz e confiante. Infelizmente, só alguns poucos tinham a clara noção de que o programa petista se baseava em três grandes pilares: mentira, corrupção e populismo.
Estado da arte - É importante que todos saibam que a obra desenvolvida pelos petistas ainda não chegou ao Estado da Arte. Para que possa ser considerada uma verdadeira obra-prima, a presidente Dilma ainda precisa dar algumas pinceladas com tintas comunistas, como manda o Vade-Mécum Bolivariano. 
Caminho livre - Para chegar ao Estado da Arte, o PT ainda conta, e muito, com a farta ignorância e incrível tolerância do povo brasileiro, que aceita (ainda que reclame um pouco) sempre pagar todas as contas (injustas) que o governo lhe apresenta. Assim, o caminho para o crescimento da crise está livre, pois a eficiência nos gastos e as contrapartidas jamais são cobradas. Pode?
Focada e comprometida - Portanto, àqueles que insistem em dizer que a economia está afundando e que o social está piorando precisam entender, definitivamente, que o governo Dilma está focado. Como está decididamente comprometida com o caos, demonstrando rara competência, o caminho melhor para o país afundar de vez é este aí. (GSPires) 
Existem duas coisas igualmente terríveis: uma faca nas mãos de um louco e uma grande inteligência na cabeça de um malvado. (Voltaire)

Nenhum comentário: