24 de jul de 2015

Kepler-452b, rota de fuga...

• Dólar e juros disparam com nova meta fiscal; Bolsa perde 0,4% ao ano. Dólar fechou o dia em R$ 3,29, maior nível em quatro meses. Nova meta fiscal admite até déficit nas contas deste ano. Governo estende para 2016 e 2017 a redução do superavit primário previsto. 
• Lava Jato: MPF quer condenação de Cerveró e de mais três acusados; Justiça dá novo prazo para presidente da Odebrecht explicar mensagens; presidente da Andrade Gutierrez pede liberdade ao STJ. • Desemprego sobe a 6,9% nas metrópoles, maior taxa em junho em 5 anos. 
• TCU pede que Congresso priorize contas de ex-presidentes. Governo admite pedaladas fiscais ao TCU. Ministros do TCU consideram o tom da defesa de Dilma beligerante. Dilma entregou documento com defesa sobre as contas de 2014 nesta quarta-feira (22) à corte de contas. Nele, deve alegar que governos federais e estaduais já recorreram às pedaladas fiscais. O relator do processo, Augusto Nardes, anunciou que encaminhará a defesa da Dilma para a análise técnica do TCU e que pedirá avaliação do tema com urgência
• Governo federal tenta conter reação negativa após recuo no ajuste fiscal. Planalto quer evitar que ganhe força tese de que ministro saiu derrotado na definição da meta. 
• Dilma sinaliza interesse em se encontrar com Lula e FHC. Planalto expressa apoio a aproximação do ex-presidente petista com tucano FHC; em reação à pressão política no Congresso, presidente Dilma Rousseff quer reunir os 27 governadores na próxima quinta-feira para selar um pacto de governabilidade diante da crise econômica; ela deve pedir ajuda dos governadores para mobilizar suas bancadas de deputados e senadores a aprovar a reforma do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); em entrevista ao 247, o governador do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB) disse estar solidário à presidente Dilma, porque o país e os estados, e consequentemente os municípios, estão sendo penalizados com o clima de terror que está sendo instalado no Brasil; outro aliado, Luiz Pezão, do Rio de Janeiro (PMDB), afirmou que a crise põe divergências políticas de lado; nos últimos dias, governadores do Nordeste também reforçaram em carta defesa de Dilma; Raimundo Colombo (PSD), de Santa Catarina, também fez duras críticas ao comportamento da Câmara e do Senado: o que o Congresso brasileiro está fazendo com a sociedade é um estupro; segundo ele, o Parlamento age com insensibilidade ao aprovar leis para piorar mais o cenário
• Lula e FHC: para tratar crise e conter impeachment, ex-presidente autorizou amigos a procurar antecessor e falou com Serra; O que se vê hoje no Brasil é uma disputa política movida especialmente por interesses ilegítimos, sem discussão qualificada, sem racionalidade e sem qualquer preocupação real com o futuro; neste contexto, demarcado por uma crise econômica e política, denúncias de corrupção e tentativas de golpe contra a democracia, ele sugere que não seria mau um encontro entre os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso; Ambos têm defeitos e não agradam totalmente nem à esquerda nem à direita, mas têm legitimidade e lideram dois partidos importantes nesse momento, o PT e o PSDB. A partir desse encontro, normal em sociedades democráticas, talvez seja possível dar alguns passos para melhorar o debate e encontrar saídas, ressaltou Hélio Doyle. 
• PF: gráfica ligada ao PT movimentou R$ 67 milhões em cinco anos. Relatório da PF revela que, em uma das operações, o Sindicato dos Bancários depositou quase R$ 18 milhões para empresa entre 2007 e 2015. 
• Justiça rejeita novo habeas corpus preventivo a José Dirceu. A defesa do ex-ministro afirma que tudo leva a crer que Dirceu está prestes a ser preso na Operação Lava Jato. O ex-ministro cumpre prisão em regime aberto por ter sido condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão. 
• Extradição de Pizzolato é adiada para dezembro. Mensaleiro terá de comparecer a tribunal na Itália para responder sobre passaporte falso usado durante fuga. 
• Odebrecht e Andrade Gutierrez entram na mira do MP português por contratos que somam R$ 3,2 bilhões. Segundo jornal português, órgão apura favorecimento no governo do ex-primeiro-ministro José Sócrates. 
• EUA buscam parceria com Quênia para combater grupos radicais. 
• Eleições nos EUA: Donald Trump ameaça se candidatar sem partido e arrebata debate. Trump insiste na construção de muro na fronteira mexicana. Candidatura mostra poder universal da antipolítica. 
• Turquia bombardeia alvos do grupo Estado Islâmico na Síria. Governo turco também prendeu mais de 250 pessoas em operação nacional contra o terrorismo; país foi alvo de atentado que deixou 32 mortos na última segunda-feira. 
• Homem de 58 anos abriu fogo contra espectadores do cinema Grand 16 Theather de Lafayette, em Louisiana (EUA), na noite desta quinta-feira (23), durante uma sessão; duas pessoas morreram no ataque , incluindo o autor dos disparos, sete ficaram feridas, três delas em estado crítico.

As manifestações de 16 de agosto decidirão a data do enterro do mandato natimorto.
. Vítima de corrupção generalizada, falência dos truques econômicos, insuficiência mental e raquitismo administrativo, o segundo mandato de Dilma morreu nos trabalhos de parto. E a hora do enterro chegou, acaba de avisar a pesquisa divulgada pela Confederação Nacional dos Transportes. Como constata o comentário de 1 minuto para o site de VEJA, os donos do picadeiro foram demitidos pela platéia farta de mágicas baratas.
. Lula é derrotado em todas as simulações da sucessão presidencial. Se o segundo turno da eleição fosse antecipado para julho de 2015, o sinuelo sem rebanho perderia para Aécio Neves, Geraldo Alckmin ou José Serra. O índice de popularidade da afilhada é menor que a taxa de inflação. Oito em cada dez brasileiros acham desastroso o desempenho de Dilma. Mais de 60% querem que a supergerente de araque seja forçada a abandonar o emprego.
. Mais de 70% qualificam o governo de ruim ou péssimo. Metade dos entrevistados teme perder o emprego. Mais de 60% conhecem alguém incorporado à procissão dos 12 mil demitidos por dia. Para 76%, o custo de vida vai subir e a renda mensal continuará caindo. Quase 85% afirmam que Dilma está despreparada para lidar com a crise econômica. Sete em cada dez brasileiros responsabilizam o padrinho e a afilhada pela roubalheira do Petrolão.
. Se o horizonte desenhado pelos brasileiros tem todos os matizes de cinza, se os otimistas delirantes logo caberão numa missa negra do PT, o que falta para a consumação do sepultamento? Falta apenas que a imensidão de descontentes se transfira das pesquisas para as ruas. E sem prazo para voltar para casa. As dimensões da crise requerem pressa e pressão constante. Neste momento, um ato de protesto por trimestre é quase nada. Há um cadáver a enterrar urgentemente.
. No dia 16 de agosto, a imensa maioria de indignados precisa exigir o imediato encerramento do velório que há meses adia a ressurreição da esperança. É o povo quem forja o próprio destino. É perda de tempo ficar à espera de homens providenciais. Os políticos acabarão fazendo o que for ditado pelo coro da multidão. Sempre foi assim. E assim sempre será. (Augusto Nunes) 

A lógica da apropriação.  
Impostos - Em quase todos os países do mundo, como é sabido, os impostos incidem sobre Propriedade, Consumo e Renda. No Brasil, por incrível que possa parecer, o governo vai mais além: tributa também a Produção. Mesmo que o produto ou serviço encalhe, ou seja, não venha a ser consumido. Que tal? 
Repasse para folha - Também é sabido (ou deveria), que a maior parte de tudo que o Brasil (União/Estado/Município) arrecada vai parar nos bolsos dos servidores públicos, tanto ativos quanto inativos, em forma de salários e proventos. Independente da (má) qualidade dos serviços (educação, saúde e segurança) que o setor público presta à sociedade como um todo. 
Apropriação - Ora, como o governo não produz coisa alguma, ou seja, não faz produto, mas se apropria dele através da carga tributária imposta à iniciativa privada, a coisa funciona da seguinte maneira: os salários e proventos que o governo paga aos servidores, que provem dos impostos sobre Propriedade, Renda, Consumo e Produção, são trocados por mercadorias e serviços produzidos pela iniciativa privada, no mercado. Simples assim. 
Forma evidente - Isto significa, para que fique bem claro, que automóveis, casas, roupas, calçados, gravatas, educação privada, planos de saúde, etc., adquiridos por servidores públicos, saem dos impostos pagos por quem faz os produtos. É como se o produtor/proprietário entregasse, fisicamente, ao governo, uma parte do que produz. Este, por sua vez, repassaria tais produtos aos seus servidores.
Punição - O detalhe mais crucial é que cada vez mais o governo se obriga a exigir mais produtos para poder entregar aos funcionários públicos, que não param de exigir aumentos salariais. Como é mau administrador, quando percebe que a arrecadação é insuficiente, o governo pune os produtores e consumidores com mais impostos. Pode? 
Direitos e deveres - Agora o lado mais dramático: a taxa de desemprego, que sobe assustadoramente no país, não atinge o Setor Público, cujos funcionários gozam de absoluta estabilidade. Para que continuem empregados do governo, e ganhando muito, a iniciativa privada é obrigada a despedir quem realmente produz. Que tal?
. Tudo porque a Constituição Cidadã impõe direitos para quem é servidor público e deveres para a sociedade que deve sustentá-los. Uau!
Meta? Que meta? - A meta de superávit primário ensaiada pelo governo mudou: de 1,1% do PIB já passou para 0,15% do PIB, com aumento da previsão de gastos em 11,4 bilhões de reais este ano. O incrível é que o ministro Levy não sabia que a previsão anterior era absurdamente falsa. Pode? O cara é ministro da Fazenda, gente. 
Desemprego aumentando - A taxa de desemprego subiu para 6,9% em junho. Em termos dessazonalizados, a taxa subiu pelo sexto mês consecutivo e alcançou 6,5% (de 6,3% em maio), o maior patamar desde agosto de 2010. (GSPires) 
De todas as coisas que estão entrando em extinção, a que mais me preocupa é o caráter. (Jufras Menhal)

Nenhum comentário: