11 de jun de 2015

Quem delega poderes, vai chupar pirulito....

• Inflação acumula alta de 8,47% em 12 meses, segundo o IBGE. 
• De graça, nada. Pedágios ficarão mais caros, alerta secretário no Rio. Pacote de concessões de rodovias criará empregos no Estado. 
• Plano de resgate da Sete Brasil vai ter mais US$ 4 bilhões. Dinheiro virá de credores, de estaleiros e de bancos; BNDES ficará fora. 
• Do jeitinho deles a Reforma Política para o Executivo e Legislativo. Câmara aprova todos os mandatos de 5 anos para todos os cargos e mantém voto obrigatório; a Reforma ainda passará por novas votações. Câmara rejeita todas as eleições no mesmo ano. Na transição, alguns políticos terão mandatos menores e outros, maiores. 
• Maioria do STF decide pela liberação de biografias não autorizadas. Supremo considera inconstitucional proibir publicação de obras sem aval. 
• Pacote logístico. Novo plano federal de investimentos traz avanços, mas ainda é tímido diante das necessidades do país. 
• A conta não fecha. Planalto não consegue quitar a fatura com a base governista e coloca em risco o ajuste fiscal. 
• O péssimo desempenho da economia brasileira. Empregos e rendimentos reais estão contraindo, enquanto sobem as taxas de juros e a inflação. 
• CNJ aprova cota para negros no Judiciário. Resolução garante reserva mínima de 20% das vagas para negros nos concursos para servidores e juízes. 
• Congresso vai votar maioridade penal de 16 anos. Se aprovada, proposta teria que passar ainda pelos plenários da Câmara e do Senado. 
• MEC vai às redes sociais buscar fraudes no Enem. Monitoramento visa a identificação de candidatos que declararam carência indevidamente. 
• Empreiteira da Lava-Jato repassou R$ 4,53 milhões a empresas de Lula. É a primeira vez que negócios de Lula com a empreiteira Camargo Corrêa aparecem nos autos da Lava Jato. 
• Cautela argentina em acordo com UE divide governo brasileiro. Governo Kirchner resiste liberar entrada de produtos industrializados; Dilma tem pressa em avançar negociação, mas ministros têm visões discordantes. Crise entre EUA e Venezuela emperra declaração conjunta em Bruxelas. Dilma busca novos negócios e saídas para crise em Bruxelas. •
 Alta de homicídios preocupa NY; jornais pedem volta do pare e reviste. Geralmente citada como exemplo no combate ao crime, a cidade de Nova York enfrenta um recente aumento nos índices de violência. Segundo dados da polícia, nos primeiros cinco meses deste ano houve aumento de 20% no número de homicídios em comparação ao mesmo período de 2014. Até maio, foram registradas 135 mortes, 98 delas por arma de fogo. O número de incidentes envolvendo disparo de armas de fogo está em alta pelo segundo ano consecutivo, o que não ocorria desde a década de 1990. Até maio, foram 439 tiroteios (aumento de 9%), com um total de 510 pessoas atingidas. 
• Forças da Paz da ONU exploram sexualmente mulheres e crianças no Haiti. Relatório da ONU revela que soldados usavam sexo como moeda de troca para fornecer alimentos e remédios a mulheres e meninas no Haiti. 
 • Prêmio Nobel renuncia a cargo em universidade britânica após comentários sexistas. Bioquímico Tim Hunt disse que mulheres no laboratório atrapalham pesquisa científica.
Prudência republicana, previdência monárquica. 
. Dois turistas em país de governo monárquico aguardaram e aplaudiram de pé, junto com um público seleto, a entrada da rainha e uma convidada de honra, ambas em trajes de gala. Quando todos se sentaram, um perguntou ao outro:
- Qual das duas é a rainha?
- A da direita, você não percebeu?
- Não percebi nada especial. Você pode me explicar?
- A da esquerda olhou se a cadeira estava no lugar, antes de sentar; e a rainha se sentou sem preocupação com a cadeira.
- Mas não entendo onde está a importância disso.
- A rainha educa bem seus servidores, e sabia que a cadeira estava lá.
. Outro cenário. Em 1908, a atriz francesa Sarah Bernhardt fez uma tournée pela América do Sul. Na capital de um país que anos antes degringolara da monarquia para a república, representava no palco uma peça em que devia saltar do alto de um muro para o chão. Mas esqueceu que aquela era uma república sul-americana, saltou... e o colchão não estava onde deveria estar. Com a perna fraturada, a apresentação da peça e a tournée foram interrompidas. Sarah compreendeu muito tarde essa nova realidade, mas daí em diante recusou até o atendimento de médicos do Rio de Janeiro.
. Na primeira cena, quando a convidada conferiu se havia segurança para mudar de posição, demonstrou prudência - virtude que nos leva a avaliar as condições e os riscos atuais, próximos. A previdência tem alcance mais longo, é muito praticada nas famílias e nos governos monárquicos. Demonstrou-a a rainha, preparando servidores para os movimentos da cerimônia. À atriz faltou prudência, pois os servidores eram desconhecidos. Sua perna teve de ser amputada sete anos depois.
. Acredito que a imprevidência dos governos republicanos, com sua visão de curto alcance, seja a principal desvantagem em relação ao governo monárquico. Voltado para empreendimentos de longo alcance e objetivos duradouros, o monarca beneficia a população por muitos séculos, mesmo se a intenção original é beneficiar a própria família. É tão grande a interpenetração do interesse público com o interesse privado, que não se distingue onde termina um e onde começa o outro.
. Os governos monárquicos são de índole familiar, estruturados ao longo das gerações, daí terem muito melhores condições para implantar projetos de longa duração. Começam a executá-los, mas muitas vezes não os concluem, legando aos descendentes essa tarefa e os seus benefícios. Nas atividades humanas, nada é perfeito, portanto está bem longe da minha intenção atribuir só virtudes a uma forma de governo e só erros a outras. Mas o fato concreto é que a monarquia sempre aproveitou a experiência do passado para dar rumo definido e coerente ao futuro. Uma realidade histórica amplamente reconhecida, sintetizada neste aforismo: O monarca pensa na próxima geração; o presidente, na próxima eleição.
. Algo semelhante existe na vida dos animais irracionais. As atividades de curto prazo - republicanas, digamos - são voltadas principalmente para alimentação e autodefesa: seguem o trajeto mais adequado para agarrar a presa; memorizam o caminho entre dois pontos conhecidos, etc. Exercem também atividades de longo prazo, geralmente destinadas à perpetuação da espécie: armazenam os alimentos necessários para o próximo inverno; conhecem o rumo e o momento adequado para migrar a outro continente; constroem os ninhos onde cuidarão dos filhotes; mantêm a colmeia, com sua rainha e um batalhão de operários eficientes. Não se trata de prudência ou previdência, virtudes racionais impossíveis nos animais irracionais. São instintos, e eles nunca discutem suas obrigações, simplesmente fazem o que precisa ser feito. Não precisam que um ditador esquerdista os obrigue a isso.
. O imediatismo republicano causa muitos males, muita dispersão de recursos, gastos muito além das possibilidades. Ignora assim a previdência, que as famílias ensinam na vida diária e os governos monárquicos sabem aplicar. Tudo indica, no entanto, estar fora de cogitação restaurar a monarquia, com seus grandiosos projetos de longo alcance, daí eu ter pensado em promover uma reciclagem dos políticos republicanos. Como? Exigindo deles um estágio bem prolongado (pelo período de um mandato, no mínimo) no reino animal, a fim de aprender coisas de longo prazo, esquecer imediatismos e paliativos, adaptar os gastos ao dinheiro disponível.
. Não proponho nenhum absurdo, afinal já existe a Biônica para estudar os seres vivos e aplicar esses conhecimentos na eletrônica e na engenharia. Faríamos o mesmo com o estudo da vida animal, in loco e ao vivo. O objetivo seria implantar na cabeça de políticos republicanos (dentro delas - esqueça os cabelos) as ideias que conduzem a projetos importantes, de longo prazo e de grande alcance. Daríamos a essa espécie de evolução reversa o nome Darwínica, uma homenagem cheia de insinuações.
. Minha primeira impressão era que esse convívio com outros animais ampliaria o descortino republicano... exceto se os outros animais estivessem com a ideia fixa e imediatista da próxima refeição. Mas o que me levou a desistir do projeto foi uma consideração de ordem prática: Imagine se os outros animais resolvem aprender os maus costumes desse pessoal, ao invés de aplicar ou ensinar o que sabem fazer. (Jacinto Flecha) 
O ladrão passa por homem de bem quando o roubo o enriquece. (Thomas Fuller)

Nenhum comentário: