30 de jun de 2015

Até quando Brasil ou tudo a ver...

 photo _00_4.jpg
• A impressão de que os EUA não sabem - Meio ambiente deve ser a principal pauta na reunião entre Dilma e Obama. Países podem firmar acordo para a redução de gases do efeito estufa, como foi feito entre EUA e China. Desmatamento da Amazônia deve entrar na pauta. 
• Ex-presidente do STF diz que Dilma está sujeita a crime de responsabilidade. Joaquim Barbosa critica Dilma por atacar bom funcionamento da justiça. 
• Equipe econômica enganou Dilma com falsos números; equipe acusada de esconder informações dela, revela assessor do Planalto. 
• Ministro Teori prorroga investigação sobre políticos na lava jato por mais dois meses. 
• Impostômetro atinge marca de R$ 1 trilhão em 2015. Ferramenta leva em consideração os tributos federais, estaduais e municipais pagos desde o primeiro dia do ano. 
• Mangabeira Unger: o estrategista da presidente Dilma. De volta ao cargo que ocupou sob Lula, o professor Roberto Mangabeira Unger vê seu papel no governo como o de um mero conselheiro, mas seu mandato começou com polêmicas. 
Se você falar com nove de dez economistas, estamos muito mais perto do caminho da Grécia do que do caminho da China disse Eduardo Cunha, presidente da Câmara, sobre a crise econômica do país. 
• Dois na gangorra - Criador e criatura vêm ocupando as páginas dos jornais e os analistas de plantão acham que, tanto Lula quanto Dilma, têm uma certeza - e um grande receio de que isso aconteça: se um cair, leva o outro. O ex-presidente dispara contra ela, seu governo e contra o PT; a Chefe do Governo parece viver em outro mundo, elogia a mandioca e a bola feita de folhas de bananeira e não se manifesta nem mesmo quando uma delação premiada como a de Ricardo Pessoa, da UTC, atinge ministro próximos. Manda que eles tratem de se defender: Dilma nunca soube de nada como Lula já usou do mesmo recurso tantas outras vezes. 
• Não, não, não... Marco Polo Del Nero decide que Dunga permaneça no comando da seleção e as eliminatórias para a Copa do Mundo 2018 começam em outubro próximo e irão até novembro de 2017, em clima de guerra, por conta de uma série de problemas registrados em partidas da Copa América.

Sem Espanto. 
Favas contadas - É importante que se diga, com todas as letras e sons, que a situação econômica da falida Grécia não pode nem deve ser entendida como algo que ocorreu neste final de semana. O que realmente deixou os mercados mundo afora mais espantados foi o anúncio feito pelo primeiro-ministro grego, o caloteiro assumido, Alexis Tsipras.
Plebiscito - Como que querendo lavar as mãos, Tsipras resolveu entregar aos cidadãos gregos para que, em forma de plebiscito, tomem a decisão oficial, do anúncio do enorme calote, atitude que, diga-se passagem, sempre esteve nas suas pretensões, não só aos países da União Europeia mas também ao Banco Central Europeu e ao FMI, que embarcaram na falsa ideia de que a Grécia acabaria aceitando o programa de austeridade fiscal. 
Risco - Ora, quem acompanha o comportamento das economias dos países ocidentais sabe, perfeitamente, que a Grécia sempre esteve longe de oferecer condições mínimas para poder participar da Zona do Euro. Portanto, quando o BCE foi devidamente autorizado pelos países da UE a efetuar a troca definitiva da moeda dracma por euro, certamente sabia do tamanho do risco (ou da encrenca) que estava se metendo. 
Decisão já conhecida - O mercado só reagiu da forma como estamos vendo, através dos índices das bolsas de valores, porque sabe, perfeitamente, qual será a decisão do povo grego nas urnas. Comprovadamente adversos aos programas de austeridade, a maioria do povo grego, além de exigir o calote, também querem novos financiamentos que garantam a continuidade da absurda gastança pública. Pode? 
Lá e cá - Aliás, se o governo Dilma-Petista resolvesse anunciar um Plebiscito idêntico aqui no nosso pobre Brasil, não tenho dúvida alguma de que o povo brasileiro iria às urnas em massa para se dizer amplamente favorável a um calote, tanto da dívida interna quanto externa. 
E os pagadores de impostos? - Mesmo saudando a bela iniciativa que dá mais poder aos reais direitos dos consumidores, o que me deixa intrigado é que não há aplicativos idênticos para proteger os pagadores de impostos, que precisam ser protegidos dos maus serviços (ou inexistentes serviços) prestados pelos governos Federal, Estaduais e Municipais . Qual a razão para punir, exclusivamente, os concessionários de serviços? 
Devotos - Pelo que li na revista Veja desta semana, o tamanho da pesada encrenca em que o PT está metido só não é mais complicada porque Lula e Dilma estão sendo protegidos pela Corte Suprema. Aliás, pelas decisões que a maioria dos ministros do STF, temos a impressão de que são devotos do PT. 
Liberdade de expressão??? - A presidente Dilma vive dizendo que é a favor da Liberdade de Expressão. No entanto, só porque a Veja divulgou extensa matéria documental obtida junto à Polícia Federal, a presidente Dilma declarou guerra à revista. Pode? (GSPires) 
Monstros não nascem, tornam-se.

Nenhum comentário: