29 de mai de 2015

Tanto para ficar como está...

• Economia brasileira recua 0,2% no 1º tri e cai 1,6% na comparação anual, diz IBGE. Investimento completa 7 trimestres de queda. Resultado do PIB foi puxado pelo setor de serviços, que recuou 0,7% no período. 
• Pedido de CPI da CBF é lido no Plenário do Senado; Romário denuncia ratos. Romário conseguiu 50 assinaturas de apoio para investigar contratos da entidades com empresas de marketing esportivo e produtores de competições. Cúpula da CBF está na mira do baixinho
• Deputados protocolam CPI da Máfia do Futebol na Câmara. A investigação terá 15 membros e pelo menos 120 dias de investigação, prorrogáveis por igual período. O intuito da CPI é apurar indícios dos crimes de formação de quadrilha, suborno, fraude contratual cometidos tanto por membros da CBF, quanto da FIFA. 
• Investigação e CPI fizeram Del Nero deixar Congresso da Fifa. Por retornar ao Brasil, presidente da CBF não vai votar na eleição da entidade. Investigação da Fifa dá força a 3 iniciativas que prometem mudar futebol brasileiro. Prisão de cartolas pelo FBI provocou inquérito da PF, criou nova CPI sobre futebol e pode dar rigidez a MP sobre financiamento de clubes que tramita no Congresso. Escolha de presidente da Fifa põe Europa contra Ásia, África e Caribe. O rival de Blatter e suas chances na eleição da Fifa (BBBrasil) 
• EUA indicam que Marin dividiu propina com Del Nero e Teixeira. Documentos da Justiça dos EUA sugerem que cartolas receberam R$ 2 mi.
• Governo fixa em R$ 8,9 bilhões limite para despesas de custeio no Executivo. A portaria prevê que os cortes atingirão empenhos para diárias e passagens, locação de imóveis, fornecimento de alimentação, fretes e transporte de encomenda, serviços de consultoria, dentre outras despesas. 
• Para preservar Lava Jato, PF escapa de cortes. Diante de eventuais acusações sobre enfraquecimento da corporação em meio à Operação Lava Jato, Ministério da Justiça livra órgão de ajuste fiscal. 
• Partidos vão ao STF contra financiamento privado de campanha. Mandado de segurança será impetrado nesta sexta-feira por PT, PPS, Psol, PSB, Pros e PCdoB. Siglas argumentam que houve vício de procedimento. 
• Financiamento eleitoral por empresas é inconstitucional, diz associação de juízes. Para os magistrados, a medida promoverá o desequilíbrio nas eleições ao direcionar as doações privadas aos partidos políticos, como também tornará o processo eleitoral ainda menos transparente. 
 • Ausência de acordo adia conclusão da reforma política. Indefinição sobre tempo de mandatos empurra votações para junho. 
 • Caixa segura balanço por exigências de auditores e do BC. Reguladores querem que banco reconheça risco maior de crédito. 
 • Câmara limita tempo de TV e financiamento a nanicos. Pela PEC aprovada pela Casa, agora siglas precisam ter pelo menos um deputado ou senador eleito para conseguirem tempo de TV e acesso ao fundo partidário. 
• Plenário mantém coligação nas eleições para deputados e vereadores. Câmara rejeita destaque do PSDB que pretendia acabar com a coligação eleitoral nos cargos para o Legislativo. 
• Senado aprova parlashopping e MP que eleva imposto sobre importados. Medida integra o pacote de ajuste fiscal do governo, para o qual, além de aumentar a arrecadação, a iniciativa protegerá a indústria nacional. Senadores mantiveram emenda para construção de shopping e novo anexo na Câmara. 
Só falta construir motel no Congresso, diz Jader Barbalho. Senador peemedebista e vários de seus colegas reclamaram de Eduardo Cunha e seus aliados, que patrocinaram a ideia de construção de um shopping na Câmara. Contrabando foi enxertado na terceira medida provisória do ajuste fiscal. 

Assista sentado para não cair para trás .... é inacreditável! 
 . O que está acontecendo com as instituições brasileiras?!? 
. O que, afinal, a corja petista pretende, abrindo a entrada dessa gente no solo brasileiro, sem necessidade da consulta prévia para a concessão de visto? (AC) 
Acredite se quiser! Os da irmandade islâmica vão nessa toada, logo, logo.

Como Lula escapou do Mensalão.
. Aí, quando você pergunta ao petista intelectozero, que diz que esta notícia é mentira, o porque de Lula não acionar a revista por dano moral, calúnia, difamação, ele fica com cara de paisagem./ A maior prova contra um acusado é a sua imobilidade ante a acusação. (AC) Leia

Brasil nada competitivo. 
IMD - Ainda que o mundialmente renomado IMD Institute for Management Development, localizado em Lausanne, Suíça, tenha sido criado em 1989, só a partir de 1996 o Brasil passou a integrar a lista dos atuais 61 países analisados sob a ótica da Competitividade Mundial.
Anuário de competitividade mundial - Desde então, de forma pioneira, o Centro de Competitividade Mundial, que passou a se dedicar ao avanço do conhecimento sobre a competitividade mundial, passou a publicar, anualmente, o já conhecido World Competitiveness Yearbook (Anuário de Competitividade Mundial), no qual constam os dados mais recentes e relevantes sobre o desempenho dos países analisados e suas consequências políticas. 
Um dos menos competitivos do mundo - Pois, sem representar surpresa para aqueles que conhecem a incompetência dos governos Lula/Dilma petistas, no relatório anual, divulgado dois dias atrás, o IMD, que diga-se de passagem não nutre qualquer sentimento raivoso com relação ao nosso país, consta que o Brasil é um dos países menos competitivos do mundo. Duro, não?
Fim da fila - Aliás, para ser bem claro, este (os dados correspondem ao ano de 2014) é o quinto ano consecutivo que o Brasil perde posições no ranking das economias mais competitivas do mundo. Entre as 61 nações analisadas já estamos em 56º lugar em termos de eficiência para fazer negócios. Atenção: é a pior classificação desde 1996, ano em que foi incluído no World Competitiveness Yearbook. Que tal? 
Queda livre - Vale lembrar que de 2012 para 2013, o Brasil já havia caído do 46º para o 51º lugar. E na comparação entre o ano passado e 2011, o Brasil já havia recuado duas posições no ranking. 
Gerenciamento de competências - É importante salientar que o relatório (IMD World Competitiveness Yearbook), analisa o gerenciamento das competências de cada país na busca por mais prosperidade. Como bem informa o documento, A competitividade de uma economia não pode ser reduzida apenas a PIB e produtividade; cada país ou empresa também tem que lidar com dimensões políticas, sociais e culturais.
. Ou seja, Cada nação tem que criar um ambiente que tenha a estrutura, as instituições e as políticas mais eficientes para encorajar a competitividade dos negócios.
Deixamos de fazer reformas - Em suma, o relatório diz que o Brasil, desde 1997, também foi um dos que mais perderam posições desde que o ranking global de competitividade, incluindo países desenvolvidos e emergentes. Naquele ano o nosso país ocupava a 34º colocação entre 46 países.
. Entre as nações que mais ganharam posições (cinco ou mais) no ranking, estão China, Alemanha, Coreia do Sul, México, Polônia, Suécia, Suíça, Israel e Taiwan./ Além do Brasil, Argentina, Grécia, Hungria, Portugal, África do Sul, entre outros, registraram as maiores quedas.
. Com firmeza igual a que tenho dito e repetido nos meus editoriais, o próprio diretor do Centro de Competitividade do IMD, Stéphane Garelli, disse: - O Brasil deixou de fazer reformas importantes que, se postas em prática, poderiam aumentar a competitividade do país frente a outras nações do globo. Além disso, o país possui uma economia mais baseada no consumo do que na produção. Como resultado, deixou de priorizar investimentos em setores em que poderia ser se tornar competitivo. (GSPires) 

Caixa de pandora.
. No meu refúgio deste 18° andar, o maior conforto é a falta deliberada de televisão. Aqui se lê, se conversa, se estuda, se pensa, e nada disso é interrompido ou prejudicado pela caixa de Pandora.
. O leitor ainda se lembra da caixa de Pandora? Muitos certamente já a terão esquecido, pois um dos efeitos da televisão é que hoje as pessoas não se lembram mais das coisas. Das importantes, é claro, pois a própria TV se incumbe de evitar que esqueçam as baboseiras e imundícies.
. Apenas um rápido esclarecimento, para podermos prosseguir. Na mitologia grega, Pandora abriu a caixa onde Zeus havia guardado todos os males, e assim eles se espalharam pela Terra.
. Sendo a TV o equivalente moderno - não mitológico, mas bem real - daquela caixa funesta, isso já bastaria para eu mantê-la longe de mim. Mas o principal motivo é ainda mais profundo: ela degenera nas pessoas a capacidade de pensar, deduzir, comparar, encadear logicamente o pensamento, memorizar, conversar.
. Muito teórico isso aí? Vamos então aos exemplos práticos.
. No meu refúgio, como já disse, não entrou a babá eletrônica. Quando preciso refrescar a cabeça, após algum trabalho mental especialmente árduo, às vezes recorro à janela. Muito mais interessante, a perder de vista.
. Mas parece que eu continuo teórico, pois grande número de pessoas consideram a janela apenas um pedaço de vidro encaixado num furo retangular da parede, sem a utilidade específica de olhar para fora. Ou para o alto, de acordo com o título poético Janelas para o infinito. A constatação que faço é de fundo estatístico: Sempre que olho pela janela, não vejo ninguém olhando pela janela. E são várias centenas delas, nos caixotões de concreto armado ao meu redor.
. Nessa distração de olhar pela janela (que não significa bisbilhotice), observei em janelas vizinhas um fenômeno interessante. Em certas horas, através de muitas delas se nota um pisca-pisca bem rápido, de luzes que mudam de cor, mais intensas ou menos, numa sucessão aleatória. Na primeira vez que notei isso, pensei por instantes que houvesse lá dentro uma festa, no estilo que julgo ser o das discotecas. Mas logo constatei que em todas se repetia o mesmo ritmo e o mesmo padrão de pisca-pisca. Não precisei pensar muito para concluir que por trás de cada janela, numa sala em penumbra, uma TV exibia o mesmo filme, propaganda, novela, ou seja lá o que for. E o pisca-pisca multicolorido provinha dos cortes que se sucedem, nas mudanças de cena ou em tomadas dentro da mesma cena. E os intervalos são cada vez mais rápidos, segundo me consta.
. Não o imagino, caro leitor, perdendo seu tempo diante da pandorinha, mas entenderá as consequências de bombardeios como o desta propaganda:
. Um bonitão pilotando uma moto. [corte] O bonitão surfando numa onda. [corte] O bonitão jogando futsal. [corte] O bonitão em voo de asa delta. [corte] O bonitão escalando um pico. [corte] O bonitão sorridente entre bonitonas sorridentes, bebendo o refrigerante Tô-em-todas. [corte] Musiquinha: Tô-em-todas é legal! [corte].
. Tudo isso em quinze segundos (afinal, tempo é dinheiro). E a mesma coisa se repete em noticiários, filmes, entrevistas, esportes, shows. Nesse bombardeio contínuo, a atenção é bruscamente desviada de um assunto para outro, de uma imagem para outra, de um ângulo para outro na mesma cena, sem conexão lógica e não deixando tempo para pensar, analisar, comparar, concluir. Ao fim de duas horas disso em programas de diversos tipos, o quadro será extremamente negativo:
• Não lembro onde se deu um fato ou outro;
• Não sei que importância tem cada fato;
• Não comentei com ninguém os vários assuntos apresentados;
• Não sei para que me serve ter visto aquilo tudo;
• Não sou capaz de narrar com lógica o que foi mostrado;
• Não relacionei nenhum comentário ou fato com outros;
• Não avaliei nem julguei nada do que vi.
. Qual o resultado no longo prazo? Ninguém precisa ser muito perspicaz para perceber que a burrificação é consequência inevitável dessa metralhadora visual e mental. Lógica, coerência, precisão, continuidade, deduções, conclusões - cada um desses elementos é necessário para enriquecer a inteligência, a cultura, a civilização. Mas não espere nada disso quando entra em cena a TV pandorizadora.
. Nunca me arrependi da decisão de manter muito longe da minha residência a caixa maldita. E é o que recomendo a cada um dos meus leitores. (Jacinto Flecha)

Nenhum comentário: