25 de mai de 2015

Fatos e diversões...

• Inscrições para o Enem começam hoje. Prazo será aberto às 10h. Taxa é de R$ 63. Prazo será aberto às 10h. Taxa é de R$ 63. 
• Explosão: estado de saúde de alemão ainda é grave. 
• Temer cobrará do Planalto adesão do PT ao ajuste fiscal. Com receio de derrota do governo no Senado, vice pede encontro com Dilma. 
• Reequilíbrio das contas. Com prazo apertado, Senado retoma votação de MPs do ajuste fiscal. Medidas precisam ser aprovadas até o dia 1º. 
• TJ mantém liminar que proíbe corte da internet móvel em São Paulo. Justiça de MG proíbe corte no Estado. Justiça do Rio suspende liminar. 
• Governo finaliza plano para frear demissões. Proposta defendida por sindicatos prevê cortes em jornada e nos salários. 
• Monsanto deve melhorar comunicação, afirma presidente. Rodrigo Santos diz que não houve transparência em relação aos transgênicos. 
• Dilma viaja ao México nesta segunda-feira para visita de estado. Viagem tem como objetivo ampliar relações comerciais entre os dois países. Dilma será, pela 1ª vez, recebida no país com honras de chefe de estado. No México, Dilma buscará alianças para reavivar economia. Linha de produção de montadoras no México e no Brasil. Em meio a recessão e crise com Congresso, presidente tenta ampliar exportações ao México e atrair investimentos. 
• Oficial da marinha é intimado a depor na PF. Pedir golpe militar nas redes sociais pode dar até quatro anos de prisão. Levantar cartazes e publicar mensagens nas redes sociais que incitem a intervenção militar pode levar a até quatro anos de prisão. Líder de protestos que pedem a volta da ditadura, o capitão da reserva da Marinha, Sergio Luiz Zorowich, foi intimado a prestar depoimento à Polícia Federal de Santos (SP) sobre o conteúdo que publica em sua página no Facebook, onde defende o regime de exceção. Ele será ouvido amanhã pelos policiais. 

Redução de jornada e salário pode ser mais uma obra do petismo! Parabéns, companheiros!
. O governo estuda, informam Natuza Nery e Cláudia Rolli, na Folha de hoje, propor a redução da jornada de trabalho em 30% e de salários em 15% como forma de conter o desemprego e não afetar a arrecadação. A alternativa conta o apoio das maiores centrais sindicais do país.
. A demissão, obviamente, leva à perda de arrecadação. O mesmo acontece quando as empresas recorrem ao layoff, que é a suspensão do contrato por cinco meses - nesse caso, os trabalhadores passam a receber o seguro-desemprego. O governo veria aí também uma saída para se reaproximar dos sindicatos. É… Dos sindicatos, até pode ser. Já dos trabalhadores…
. A crise já está batendo forte no emprego, e se sabe que está só no começo. Há quem vislumbre uma taxa de desemprego perto de 12% no auge do aperto. O mercado de trabalho teve o pior abril em 23 anos. Um dos pilares do, vá lá, modelo petista era o consumo. Já ruiu. O outro era o emprego…
. Vamos ver. Não basta só negociar com as centrais, não é? É preciso ver se as empresas aceitam. Em tese, a diferença entre redução da jornada (30%) e de salário (15%) seria compensada pela redução de outros custos… Mas só em tese. No período de vigência do acordo, as empresas certamente ficariam proibidas de demitir. É preciso ver se uma camisa de força como essa é compatível com um momento de crise. Não parece.
. Mas digamos que se consiga um acordo em escala nacional. Talvez um terceiro pilar do sucesso do petismo tenha sido a frequência com que categorias profissionais negociaram reajustes acima da inflação. É possível que os trabalhadores tenham memória de tempos em que o salário crescia abaixo da taxa inflacionária, o que é perda real de ganho, claro! Mas certamente não se lembram de ver parte do seu salário nominal ser amputada, ainda que eles possam ficar em casa um ou dois dias de papo pro ar ou passem a trabalhar duas horas e meia a menos por dia.
. Se isso acontecer, será, sem dúvida, mais uma experiência que o Partido dos Trabalhadores proporcionará aos… trabalhadores. É melhor do que o desemprego? Certamente! Mas é bom? Ah, não é mesmo. Sem contar que um corte de 15% no rendimento dos assalariados não é, assim, um estímulo bom para a economia, né? Colabora para a chamada espiral para baixo e acabará afetando diretamente os setores de comércio e serviços.
. Que obra, hein, Dilma? Huuummm… Compatível com quem demonstrou alguma compreensão com os sacrifícios humanos nas civilizações pré-colombianas… (Reinaldo Azevedo) 
A confiança do ingênuo é a arma mais útil do mentiroso. (Stephen King)

Nenhum comentário: