25 de abr de 2015

Um país à mercê de crimes...

 photo _atudoaver.jpg
• Sete regiões entram em estado de alerta para dengue no Rio de Janeiro. 
• Dos 27 projetos que compõem o plano de legados das Olimpíadas 2016, 11% foram concluídos e 89% estão na fase de execução, não havendo nenhum em estágios de planejamento e licitação; o plano de obras foi apresentado em abril do ano passado e atualizado nesta sexta (24), em um evento em frente às obras do Museu do Amanhã, na Praça Mauá, no centro do Rio, com a participação do prefeito Eduardo Paes; são 14 projetos executados pela prefeitura, dez pelo governo estadual e três pelo governo federal. Autoridade Pública Olímpica (APO) informa que orçamento teve acréscimo nos valores de projetos de infraestrutura. 
• Taxa de juro do cheque especial é a maior desde 1995. Segundo Banco Central, taxa chega a 220,4% ao ano; no caso dos cartões de crédito, os juros alcançaram 345,8% ao ano. 
• Divulgação de balanço não resolve os problemas da Petrobras. Publicado seu balanço auditado nesta quarta-feira, 23, com cinco meses de atraso. A direção da estatal disse que os desvios custaram R$ 6,2 bilhões. O prejuízo líquido foi de R$ 21,6 bilhões em 2014. 
• Redução da conta de luz aumentou prejuízo da Petrobras em R$ 4,5 bilhões. 87% das perdas da estatal em 2014 foram de ativos da gestão Gabrielli. Ação do governo afetou caixa da Eletrobras, que ficou sem dinheiro para pagar à petroleira; valor equivale a 70% do gasto com pagamento de propinas. Justiça congela R$ 153 mi da Engevix e vice-presidente na Lava Jato. 
• Estados pressionam por redução de dívidas. RS anunciou que atrasará pagamento de débito com União; PR irá à Justiça. Haddad vai à Justiça para rever dívida de São Paulo com a União. Prefeito de São Paulo quer cumprimento de lei que muda cálculo de débito; ação corre na Justiça Federal, em Brasília e cria embaraço para Dilma. 
• Lula critica Lava Jato: nem pediram desculpas. O que não pode, é prender a Cunhada do Vaccari, achando que ela cometeu um crime, e no dia seguinte só soltar, sabe? Nem pediram desculpas, disse o ex-presidente Lula, em evento do Partido dos Trabalhadores, na noite de ontem; Lula também falou sobre como serão as próximas campanhas políticas, agora que o PT decidiu não mais receber doações de empresas; Vai ser mais difícil, mas quem sabe a gente não reconquista alguma coisa que a gente tinha perdido: o direito de andar com a cabeça erguida neste pais
• Aliás, dele falando, é bom ler em Aqui 
• O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou a interlocutores que Dilma Rousseff classificou como absurda a proposta da terceirização de trabalhadores nas atividades-fim de empresas, aprovada na quarta (22) pela Câmara; presidente fez o comentário por telefone a Renan logo após a aprovação; presidente do Senado tem dito que vai discutir criteriosamente o projeto de lei no Senado e nessa sexta-feira afirmou que o Senado não vai permitir pedaladas contra os direitos dos trabalhadores. 
• Dilma não deve ir à TV no 1º de Maio por temer panelaço. Integrantes do governo avaliam cancelar o tradicional pronunciamento. 
• Dilma leiloará mais três aeroportos e quatro rodovias. Pacote de infraestrutura prevê concessão de trecho da Norte-Sul. 
• As perdas de recursos da União com o esquema de propinas no CARF/Receita Federal, onde empresas e bancos pagaram propinas para ter multas e impostos reduzidos, já chegam a R$ 6 bilhões e podem alcançar R$ 19 bilhões, equivalentes às da Petrobras. Entretanto, a Operação Zelotes, que investiga o esquema do CARF, vem sendo esquecida pela mídia, pelo Congresso e pelos udenistas de plantão, critica a jornalista; A Polícia Federal e o Ministério Público Federal apuram fatos que podem configurar crimes de tráfico de influência, corrupção, advocacia administrativa, associação criminosa e lavagem de dinheiro. Por que eles merecem menos atenção que os crimes cometidos pelos investigados pela Lava Jato?. (Tereza Cruvinel) 
• Planalto quer irrigar BNDES com fundo do trabalhador. Valor ajudaria a financiar concessões sem necessidade de repasses do Tesouro. 
• Procons do país se unem contra os bloqueios de internet móvel e convocam consumidores a registrarem reclamações após o término da franquia mensal. O objetivo da mobilização é incentivar consumidores de todo o país a registrar reclamações no Procon de seu respectivo estado.

O Impeachment ganha corpo no Congresso.
. Assista ao caiu a ficha da oposição que dormia. O impedimento de Dilma começa enfim a tomar corpo. Ou o Brasil acaba com o PT, ou o PT arrasa com o Brasil. (AC)


Triângulo da morte
. O encantado balanço da Petrobrás desencantou, confirmando, agora em números, qual o primeiro e maior problema da principal companhia brasileira: a ingerência política. Foi ela, a ingerência política, que fechou o triângulo mortal da corrupção, do péssimo gerenciamento e do represamento artificial das tarifas. Deu no que deu. Essa conjunção maldita acabou com a saúde e com a imagem da Petrobrás no País e no mundo, mas o pior é que não foi uma exclusividade da Petrobrás, mas sim a marca dos anos do PT, particularmente dos anos Lula, nos órgãos públicos e nas estatais. Aparentemente, nada escapa.
. Foi por interesses políticos que o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a partir de sua posse, em janeiro de 2003, nomeou sindicalistas alinhados ao PT para a presidência da Petrobrás e para as diretoriais do Banco do Brasil, por exemplo, e fatiou os principais cargos da petroleira entre companheiros petistas e operadores dos partidos aliados. Só podia descambar para esse descalabro.
. O resultado mais gritante no balanço anunciado na noite de quarta-feira é o das perdas de R$ 6,2 bilhões por causa da corrupção e, apesar de nada módico, esse total é visto com muita desconfiança por especialistas. Há quem imagine que a sangria foi ainda maior. Se você nomeia um diretor para abastecer as contas do PT e bolsos de petistas, outro para rechear as contas do PMDB e carteiras de pemedebistas, um terceiro para engordar as contas do PP e o patrimônio de pepistas, deveria saber o que estava fazendo. Tudo isso se embolou com o velho cartel de empreiteiras e com os doleiros de sempre e a consequência é: corrupção.
. Mas há dois outros resultados irritantes no balanço apresentado pelo novo presidente da companhia, Aldemir Bendine. O segundo é o mau gerenciamento da empresa, o que não chega a ser surpreendente quando sindicalistas e apadrinhados se dão ao luxo de definir os investimentos da nossa Petrobrás para atender os interesses do Palácio do Planalto. É assim que surgem obras muito caras - e de potencial duvidoso - em Estados governados por amigos do rei. Sobressaem-se aí pomposas refinarias, agora abandonadas.
. O terceiro resultado é o efeito corrosivo do represamento político dos preços da gasolina para postos e consumidor. Lula segurou para não arranhar a sua já imensa popularidade. Deu tão certo que ele continuou segurando para se reeleger, para eleger Dilma da primeira vez, para reeleger Dilma em 2014. O efeito foi ótimo para eles e péssimo para a Petrobrás.
. Mais cedo ou mais tarde, essa conta chega para o consumidor/eleitor. E está chegando da forma mais perversa. Antes, o petróleo estava caro lá fora e a gasolina era barata aqui dentro. Agora, o petróleo está barato lá fora e a gasolina vai ficar mais cara aqui dentro. Senão, a conta não fecha, a credibilidade não volta, a nova Petrobrás anunciada em Nova York pelo ministro Joaquim Levy nunca vai aparecer.
. Até lá, a velha Petrobrás é o grande case dos dois governos Lula. Quem descrever todas as nomeações políticas, o gerenciamento político e a administração política de preços da Petrobrás vai conseguir contar como foram os anos do PT nas estatais brasileiras. Sem esquecer de contar o final da história: nas campanhas, o PT atribuiu aos adversários a intenção de privatizar a Petrobrás, mas é o próprio governo do PT que vai sair vendendo tudo o que puder da petroleira para diminuir o prejuízo. Vão ter de vender muito, porque a Petrobrás é a empresa mais endividada do mundo.
. Detalhe constrangedor: foi justamente a ministra de Minas e Energia, depois chefe da Casa Civil e presidente do Conselho de Administração da Petrobrás do pior e mais obscuro período da Petrobrás que acabou sendo eleita para suceder Lula - e ainda foi reeleita. Só para completar, a sua grande marca era a de… gerentona. (Eliane Cantanhêde, Estadão) 

Mistura explosiva. 
Balanço-desastre
. Finalmente, foi divulgado o atrasadíssimo balanço-desastre da Petrobras, referente ao já distante ano de 2014. Pelo fato de ser uma peça assinada por auditores externos é de se imaginar que a verificação das contas tenha sido feita com cuidado redobrado, o que nos leva a admitir também que a situação econômico/financeira da estatal corresponde à realidade exposta.
Mistura explosiva
. Sem entrar nos pormenores das rubricas das contas da Petrobras, o que mais chama a atenção no balanço de 2014 é a mistura explosiva de dois componentes que levaram a pobre estatal à lamentável situação em que se encontra:
Componentes
1 - a extraordinária incompetência gerencial, que já seria suficiente para mostrar, ao mundo todo, que no Brasil até empresa de petróleo pode ser um mau negócio; e,
2 - a impressionante e vergonhosa corrupção, que excede em todas as capacidade de entendimento que os seres humanos têm sobre fraudes. 
Prejuízo
. Do enorme prejuízo demonstrado, que totaliza R$ 21, 6 bilhões, vale destacar que só as safadezas que correspondem às investigações da Operação Lava Jato atingem R$ 6,194 bilhões.
. Com um detalhe: caso apareçam ainda novos desvios, ainda desconhecidos, esses valores serão contabilizados em 2015.
Baixa de patrimônio
. Ainda que os números referentes à corrupção tenham sido impressionantes, o maior impacto nas contas da Petrobras foi o tamanho da desvalorização dos ativos (patrimonial). Por conta de superfaturamento da Refinaria Abreu e Lima e do Complexo Comperj, a perda contabilizada foi de R$ 44, 636 bilhões. Pode?
Rebelião
. Pois, ainda que a revelação do balanço da Petrobras já se constitua em motivo suficiente para uma rebelião, fico imaginando o que acontecerá depois que forem deflagradas investigações nas demais estatais, principalmente no BNDES, Caixa Federal, Banco do Brasil e Eletrobrás. Até porque é impossível admitir que só a Petrobras tenha sido assaltada. 
Incompetência
. Para completar a análise da mistura explosiva vejam que a incompetência também contribuiu de forma decisiva para os maus resultados. Além das perdas resultantes de problemas no planejamento dos projetos, utilização de taxa de desconto com maior prêmio de risco, postergação da expectativa de entrada de caixa e menor crescimento econômico, o governo ainda impediu o necessário reajuste dos preços dos combustíveis, o que levou a um prejuízo substancial da Petrobras ao longo dos últimos anos. É dose, não? (GSPires) 

Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com frequência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar. (William Shakespeare)

Nenhum comentário: