23 de abr de 2015

Desde 1500 índios querem “apito”...

• Petrobras perde R$ 6,2 bilhões com corrupção. Com meses de atraso, petrolífera divulga balanço que revela prejuízo de R$ 21,6 bilhões em 2014. Trata-se do primeiro resultado anual negativo desde 1991. Petrobras não vai pagar dividendos a acionistas neste ano. Objetivo é preservar caixa da estatal, que teve prejuízo de R$ 22 bi em 2014. 
• Justiça Federal condena Paulo Roberto e Youssef. Ex-diretor da Petrobras, doleiro e outros seis são condenados por organização criminosa e lavagem de dinheiro por desvios nas obras da Refinaria de Abreu e Lima. Moro nega perdão judicial. Oito são declarados culpados por participar de esquema de corrupção. 
• Câmara aprova terceirização de atividade-fim. Por meio de emenda aprovada em plenário, deputados também aprovaram redução da quarentena que o ex-empregado de uma empresa deve cumprir para que possa oferecer serviços como pessoa jurídica. Texto segue para o Senado, que deve tentar restringir o alcance da proposta. 
• Renan diz que Dilma errou ao não vetar proposta que triplica fundo partidário. O presidente do Senado defendeu ainda mudanças no Projeto de Lei que regulamenta a terceirização. 
• Publicitário preso na Lava Jato fará acordo de delação premiada. Ricardo Hoffmann é acusado de desviar R$ 3 mi para André Vargas. 
• Petista defende que Dilma edite medida para cortar fundo partidário. A lei foi sancionada pela Presidência da República. Portanto, essa mesma Presidência da República pode, de imediato, emitir uma medida provisória alterando esse artigo da lei, diz o senador Walter Pinheiro. 
• A balança comercial registrou déficit de US$ 240 milhões na terceira semana de abril, resultado de US$ 3,745 bilhões em exportações e de US$ 3,985 bilhões em importações. No acumulado do mês, a média diária das exportações apresenta queda de 25,7% ante abril de 2014. 
• Pelo mesmo conceito, a média diária das importações registra recuo de 22,8%. Com isso, a balança comercial de abril apresenta déficit parcial de US$ 108 milhões, levando o déficit acumulado no ano para US$ 5,665 bilhões. 
• Confiança - Enquanto o Brasil padece pela falta de confiança, na Alemanha acontece o inverso: o índice ZEW de confiança do empresariado em relação à situação corrente avançou de 55,1 pontos em março para 70,2 em abril. O resultado se mostrou acima do esperado pelo mercado, que esperava alta mais modesta, para 56,5 pontos. 
• Doações das empreiteiras da Lava Jato cresceram cinco vezes desde 2002. Contribuições declaradas por empreiteiras investigadas saltaram de R$ 87 milhões para R$ 438 milhões em 2014. Nas últimas quatro eleições gerais, elas doaram pelo menos R$ 1,1 bilhão a campanhas eleitorais. 
• ONU alerta que 30 mil podem morrer no Mediterrâneo em 2015. O número de mortos no Mediterrâneo neste ano já chegou à marca de 1,7 mil pessoas. 
• Verbas destinadas aos partidos cresceu 490% em 20 anos. O aumento no orçamento deste ano é o maior já registrado: a verba para as legendas cresceu 171,1%. Entre 1996 e 2014, esse aumento foi de 117,8%. 
• Quem pode aguentar isto, calado? Leia 

Apologia a bandidagem. 
. Tiradentes deve estar se contorcendo em seu patíbulo de honradez e de sacrifício da própria vida, ao presenciar a última dessa turma de PTistas-sindicalistas apóstatas! 
. O Sr. Fernando Pimentel, aquele que fazia consultorias de mentirinha na FIEMG, enquanto ocupava cargo público, resolver jogar no lixo a Medalha da Inconfidência, concedendo-a a um conhecido criminoso e desqualificado, o Sr. Stedile.
. Só mesmo o PT apóstata-sindical poderia fazer esse tipo de provocação ao País! Fico imaginando o sentimento de frustração e de decepção dos demais homenageados, que foram ali pensando estarem sendo realmente distinguidos por algo de relevância e que viram ao seu lado, um criminoso da pior espécie receber a mesma honraria!
. São os valores e as crenças que foram introduzidos no País, por esse bando de desqualificados! (Márcio Dayrell Batitucci) 
000o000 
Governador PeTralha, faz apologia a bandidagem.  Aqui
. Ao condecorar Pedro Stédile com a Ordem Maior do Estado de Minas Gerais, o Governador Petralha, desrespeita inclusive àqueles que o elegeram e ao Mártir Tiradentes.
. Stédile é um invasor de terras, um baderneiro contumaz, sempre acobertado pelo Governo Federal que lhe dá guarida.
. O Governador Petralha com esse gesto esdruxulo, desafia o bom senso; que pode provocar uma reação nada agradável... 
. É o jeito provocativo do PT, governar.
. Depois não se queixe! Ou será que ele já fez isso de caso pensado? (J. Melo) 

Economia brasileira: de mal a pior. 
Certeza - Antes mesmo do encerramento do mês de abril (estamos apenas no 4º mês do ano), já existe uma clara e indiscutível certeza: o PIB brasileiro será negativo em 2015. O que ainda não se sabe é o tamanho do recuo.
Desempenho negativo - Quem acompanha as pesquisas feitas, semanalmente, pelo Boletim Focus, do Banco Central, já percebeu que, desde o primeiro dia deste ano a projeção que o mercado financeiro faz, quanto ao desempenho do PIB para 2015, mostra, a cada edição, um percentual negativo. Mais: sempre superior ao da semana anterior. 
Focus e CNI - Vale lembrar que nesta semana, mais precisamente na última segunda-feira, 20, por exemplo, o Boletim Focus informou que o mercado projeta uma queda de 1,01% para o PIB em 2015, enquanto que a CNI - Confederação Nacional da Indústria- projeta queda de 1,2% .
Queda de 3% - Pois, da mesma forma com que vários institutos participam desse verdadeiro concurso de palpites e especulações sobre o comportamento da atividade econômica do país, faço aqui também a minha projeção: a queda do nosso PIB deverá ser na ordem de 3% para 2015. Com margem de erro de 0,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.
Setor industrial - Explico: neste ano, nem o Setor Agrícola conseguirá salvar a pátria da nossa pobre economia. Vejam que a CNI, depois de projetar, recentemente, uma alta de 1% de crescimento do Setor Industrial para 2015, resolveu rever a sua projeção: agora crê numa queda de 3,4%. Ou seja, aquilo que já ia mal deve ficar ainda pior. 
Setor comércio e serviços - O Setor Comércio e Serviços, que tem segurando as pontas do PIB nesses últimos anos, graças, principalmente, a uma oferta descomunal de crédito acompanhada de uma taxa de câmbio baixa, o que levou muita gente ao consumo, já está enfrentando dificuldades notórias. O que nos leva a projetar também para esse Setor, números negativos para 2015 (e seguintes). 
Setor público - Deve ser levado em conta que o Setor Público, que nada produz mas se apropria, de forma escandalosa, de tudo que é produzido no país, não está nem aí para o aperto. Ao contrário: a presidente Dilma, sancionou o Orçamento da União, para 2015, sem vetar a emenda adicionada no Congresso Nacional que aumenta o valor destinado ao Fundo Partidário de R$ 289 milhões para R$ 867,5 milhões. Pode?
. Ora, por essa e por muitas outras que o governo já fez e continuará fazendo, não é difícil projetar que o comportamento da nossa cada dia mais pobre economia só tende a piorar. Só não percebe quem cobre os olhos para não ver, e os ouvidos para não escutar o que a voz rouca das ruas tem a dizer... (GSPires) 

Um STF para o PT chamar de seu. 
. Você está preocupado com a indicação do advogado e professor Luiz Edson Fachin para o STF? Provavelmente sim, afinal é mais um nome cuja vida está ligada ao Partido dos Trabalhadores e às suas extensões no MST e na CUT. Nada mais é necessário ser dito para se conhecer inclinações, gratidões e reconhecimentos do novo ministro.
. Seu futuro colega e também petista Luís Roberto Barroso, durante a sabatina simbólica a que o Senado submete os indicados para a Corte, afirmou que o julgamento do Mensalão fora um ponto fora da curva. Tão logo sentou-se entre seus pares, cuidou de dar votos necessários para que o julgamento caísse dentro curva. Graças a isso, os réus que agiram na esfera política já estão, todos, desfrutando dos ares da liberdade. Agora, se desenha no Supremo uma nova curva, com outros pontos, que passam por ele, Barroso, pelo novato Fachin, e mais os veteranos Lewandowski, Toffoli, Teori e Weber.
. Em breve você verá que tudo que é sólido e encardido se desmancha no ar das dúvidas sem sequer deixar marcas na toalha branca das formalidades. Pergunto: o ministro Toffoli não manifestou interesse (foi a palavra usada por ele) em integrar a 2ª Turma, ou seja, o grupo de ministros. Interessante Sua Excelência.
. Mas não creia, leitor, que o dito acima seja o mais alarmante no horizonte do STF. Nossos constituintes de 1988, ao definirem o modo de provimento das vagas naquela corte, não imaginavam o que estava por vir, ou seja, a ascensão ao poder de um partido com o perfil do PT, que chegou para ficar, sem planos para sair, e disposto a se tornar permanentemente hegemônico. Numa situação realmente democrática, com rodízio dos partidos no poder, com eleições limpas e confiáveis, sem compra explícita de votos pelo governo, os membros do STF seriam, teoricamente, indicados por presidentes da República de distintas tendências, estabelecendo-se, assim, um justo pluralismo na composição do poder.
. Na situação atual, caso a presidente venha, para desgraça nacional, cumprir todo o presente mandato, ela indicará mais quatro ministros para nossa Suprema Corte. Já há muito advogado petista, por aí, colhendo apoio entre a companheirada. As consequências dessa distorção excedem, em muito, a mais óbvia: os réus da Lava Jato serão julgados, dentro de alguns anos, por um grupo de amigos, parceiros de ideais, compreensivos à necessidade de que os meios sirvam aos elevados fins da causa petista e aos sagrados ideais de hegemonia do Foro de São Paulo. Não, o mal se prolonga muito além de uma mera ação penal. Sua repercussão é bem mais ampla.
. Suponha, leitor, que, como é meu desejo, em 2018, na mais remota das hipóteses, o Brasil tome juízo e eleja um governo e um parlamento de maioria liberal e/ou conservadora. Esse governo e esse Congresso serão eficazmente confrontados, não pela oposição política parlamentar minoritária, mas pela unanimidade do STF, transformado em corte judicial petista! Um Supremo 100% assim, valendo-se da elasticidade com que já vêm sendo interpretados os princípios constitucionais, poderá esterilizar toda e qualquer iniciativa governamental ou legislativa que desagrade ideologicamente os companheiros instalados nas suas 11 cadeiras. Que necessidade tem de assentos no parlamento, para fazer oposição, quem compôs, dentro de casa, como que em reunião de diretório, um STF a que pode chamar de seu? (Percival Puggina, membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor)

Nenhum comentário: