5 de mar de 2015

E vamos que vamos...

PEC da Bengala - Aprovada proposta pela Câmara dos Deputados, que prevê aumento de 70 para 75 anos a idade em que ministros de tribunais superiores são obrigados a se aposentar, garante a permanência no cargo dos ministros Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Teori Zavascki e Rosa Weber, nos próximos quatro anos do governo Dilma Rousseff.

Maquiando o cadáver - A ministra Carmen Lúcia, vice presidente do STF, faz um alerta: Ao abordar a avalanche de processos nos tribunais ela disse: Muitas vezes, especialmente na parte administrativa, eu acho que estou maquiando cadáver. Esse Estado brasileiro, como está estruturado e como a Constituição previu há 25 anos, não atende mais a sociedade. O que era esperança, na década de 1980, pode se transformar em frustração. A tendência de uma frustração, o risco social é se transformar em fúria. E, quando a fúria ganha as ruas, nenhuma ideia de Justiça prevalece.

Impeachment morreu - Se já era precipitada a defesa do impeachment a esta altura, sem que dados concretos respaldem a suspeita, agora com processo no STF, seria politicamente inviável que uma Câmara presidida por Eduardo Cunha recebesse um pedido de impedimento da presidente ou que o Senado presidido por Renan Calheiros desse prosseguimento ao processo, que seria presidido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, reconhece Merval Pereira.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) pediu providências do Ministério Público após a divulgação de um vídeo na internet pela Igreja Universal do Reino de Deus do Ceará; Jovens que fazem parte do projeto Gladiadores do Altar aparecem marchando, batem continência e gritam que estão prontos para a batalha durante um culto realizado em Fortaleza, uma conduta semelhante à dos militares; O Ministério Público e as autoridades já deveriam ter se manifestado, disse; Os soldados estão sendo treinados e formados para servir ao altar, e o propósito não está claro. O movimento começou em janeiro e chega ao Rio.
Calote à vista e a prazo 
1 - Os seis bancos que emprestaram quase R$ 12 bilhões à Sete Brasil, empresa criada para gerenciar a contratação de plataformas para exploração do pré-sal pela Petrobras, começam a se preocupar em como vão ajustar seus balanços para possíveis perdas. O empréstimo-ponte já está vencido e os bancos estão se vendo obrigados a rolar a dívida, pois mais da metade do valor emprestado à Sete não tem nenhuma garantia.
2 - Se Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú BBA, Santander e Standard Chartered exigirem o pagamento imediato, apenas R$ 4,5 bilhões têm garantias dadas pelo Fundo Garantidor da Construção Naval. A outra parte teria de ser tomada em ações da empresa, o que não é uma alternativa considerada pelos bancos, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo. Isso porque, além de alguns deles já serem sócios da companhia, a Sete está em sérias dificuldades financeiras.
A reação dos neo-arrependidos. 
Redes sociais - Pelo que se vê e lê nas redes sociais é crescente o interesse que grande parte da sociedade brasileira demonstra em querer participar de manifestações contra o governo Dilma e tudo que está acontecendo no nosso país.
Economia e corrupção - Se as dificuldades econômicas estão apenas começando, como revelam os mais diversos indicadores, uma imensa indignação, decorrente da revoltante e interminável corrupção que assola o país, está aumentando ainda mais o grau de revolta, fazendo com que milhões de brasileiros exijam a cabeça da presidente e de todos os petistas que estão ao seu redor. 
Eleitores de Dilma - O curioso nisso tudo é que poucos meses atrás um enorme contingente de brasileiros, que hoje se mostram revoltados, dava nota alta para o governo Dilma. Acreditando em promessas de que, com Dilma reeleita, além de não perder as mordomias e privilégios conquistados ainda passariam a desfrutar de mais vantagens, a maioria foi às urnas para reeleger Dilma-Neocomunista Petista e sua equipe.
Equipe essa, como passaram a perceber recentemente (com um lamentável e complicado atraso), é composta pelos maiores mentirosos, corruptos e incompetentes que a história jamais havia revelado.
Neo-arrependidos - Quero deixar bem claro que estou pra lá de convencido de que esses neo-arrependidos, movidos por forte interesse e/ou inocência pueril, imaginavam que estando ao lado de Dilma estariam protegidos do caos econômico que já está batendo às portas do nosso pobre Brasil. Assim, se recusaram a ouvir a previsão emitida pelos mais sensatos, que sempre foram considerados como pessimistas de plantão, pela própria Dilma.
Adorando o diabo - Pois, diante desta mudança brusca de comportamento, que se iguala ao sentimento manifestado por torcedores ao hostilizar os técnicos de futebol quando seu time só perde, grande parte dos eleitores de Dilma Neocomunista Petista, ao demonstrar um grande arrependimento, parece ter se dado conta de que ficou adorando o diabo ao longo dos últimos anos.
Cegueira - O que mais preocupa é que essa forte indignação não afastou a cegueira dos arrependidos. Basta ver as suas reivindicações: querem, cheios de entusiasmo, que esse governo, que não mais consegue manter as falsas vantagens, volte atrás e deixe tudo do jeito como estava. 
Eu quero o caos - Como se vê, ao defender o revoltante Mercantilismo e o Neosocialismo, não exigem mais mercado e zero de intervenções. Muito menos exigem as importantes reformas, que poderiam curar as doenças do país. Nada disso consta em nenhum dos pleitos. Ora, se for por aí, o melhor para o país é o aprofundamento do caos. Só ele ainda pode salvar o Brasil. Desta forma já me decidi - Eu quero o caos! (Gilberto Simões Pires) 

Narcotráfico oficial na Venezuela. Chefe de segurança da Venezuela deserta e denuncia narcotráfico chavista.
 photo _aasalazar01.jpg. Leamsy Salazar, ex-guarda-costas de Chávez e Diosdado Cabello. A fuga para os EUA do número 2 da segurança chavista proporcionou informação até então confidencial, porém racionalmente dedutível do noticiário, de certos segredos do regime filocomunista venezuelano.
. Até dezembro de 2014, Leamsy Salazar era o chefe de segurança de Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela. Esse órgão teoricamente deveria encarnar o Legislativo, mas na prática ecoava os solilóquios ditatoriais de Chávez como hoje ecoa os de Maduro.
. Mais do que presidente da referida Assembleia, Diosdado Cabello desempenha a função - na realidade mais importante - de número 2 do chavismo. O episódio foi objeto de matéria extensa no jornal ABC de Madri. 
. O fugitivo Salazar fora durante quase dez anos chefe de segurança e assistente pessoal de Hugo Chávez. E sempre pertenceu à Casa Militar, responsável pela guarda do presidente venezuelano.
. Ele é o militar da ativa mais graduado que já rompeu com o chavismo e denuncia formalmente nos EUA as práticas delitivas da cúpula socialista venezuelana.
 photo _asalazar.jpg. Salazar (destaque) disse ter visto e ouvido o presidente da Assembleia Nacional (na frente) ordenar a partida de lanchas carregadas com toneladas de cocaína Segundo a Procuradoria Federal do Distrito Sul de Nova York, Salazar denuncia que o presidente da Assembleia Nacional é o cabeça do cartel de los Soles, instrumento de capital importância do narcoestado criado por Chávez na Venezuela, o qual atua em sincronia com Cuba. 
. O cartel de los Soles leva esse nome devido ao símbolo do sol ostentado nos uniformes dos generais venezuelanos. Ele monopolizaria o tráfico de drogas na Venezuela e teria conexões com a guerrilha das FARC e carteis mexicanos. 
. Pela Venezuela transitam cinco toneladas de estupefacientes por semana. 90% da produção colombiana passa pela Venezuela. 
. Salazar disse ter visto e ouvido o presidente da Assembleia Nacional ordenar a partida de lanchas carregadas com toneladas de cocaína e indicou os locais aonde convergem muitos milhões de dólares em efetivo, obtidos com esse ilícito.
. Os dados estão incluídos na investigação levada a cabo pela Administração para o Controle das Drogas (DEA em inglês), dos EUA.
. Em 11 de dezembro de 2014, um caminhão com dez milhões de dólares em moeda viva foi apreendido no porto de Puerto Cabello, o maior do país. O carregamento havia sido enviado dos EUA como pagamento pela droga. 
. O presidente da Assembleia disse, sem apresentar nenhuma prova, que os feixes de notas se destinavam aos partidos de oposição. 
. Salazar também denunciou Tareck el Aissami, governador do estado de Aragua e relacionado com redes islâmicas, bem como o irmão de Diosdado, José David Cabello, ministro da Indústria e responsável pelas alfândegas. Este último seria o administrador das finanças do cartel de los Soles
. Salazar disse que a lavagem do dinheiro foi feita por Rafael Ramírez, então presidente da PDVSA e atual embaixador ante o Conselho de Segurança da ONU. Nicolás Maduro assumiu a liderança de um narcoestado socialista.
. As denúncias de Salazar confirmam dados fornecidos por Eladio Aponte, ex-chefe da Vara Penal do Tribunal Supremo de Venezuela, que fugiu em 2012 aos EUA e falou em delação premiada. 
. As referidas denúncias também corroboram a investigação das procuradorias federais de Nova Iorque e Miami sobre o general venezuelano Hugo Carvajal, chefe da Dirección de Inteligencia Militar. 
. Carvajal - aliás, el Pollo (o frango) - era tido como o grande operador do cartel de los Soles, mas os dados de Salazar colocam-no como instrumento de Diosdado Cabello. 
. Segundo Salazar, aviões da petroleira estatal PDVSA transportam droga até Havana, tendo os EUA como destino final, seguindo instruções do filho de Chávez e do filho de um ex-embaixador de Cuba em Caracas, Germán Sánchez Otero. 
. Sánchez Otero caiu em desgraça após roubar parte de um desses carregamentos. 
. Regime socialista e narcotráfico andam de mãos dadas e, infelizmente, rumo a crimes ideológicos piores. (Luis Dufaur)

Nenhum comentário: