14 de fev de 2015

Calor, água, carnaval, Rio sai em campo…

 photo k2ftgj.gif
• Senador Roberto Requião (PMDB-PR) colocou o dedo na ferida da crise paranaense, onde o tucano Beto Richa pretendia tomar dinheiro da previdência dos servidores para pagar salários; Hoje, o governo que quebrou o Estado, que aumentou em mais de 400% o valor das despesas com cargos comissionados, os famosos aspones, quer meter a mão no fundo de previdência e transformar o fundo em instrumento para pagar funcionários públicos. É um roubo. É como se o governo assaltasse um banco no qual os funcionários públicos depositaram a poupança que garantiria o seu futuro, criticou Requião sobre o pacotaço do tucano Beto Richa; medida gerou onda de manifestações no Estado, onde 30 mil servidores estão em greve e todos os serviços públicos paralisados.
• Lula sugere a Dilma buscar apoio de governadores - Após série de derrotas no Congresso, ex-presidente Lula sugeriu que a presidente Dilma Rousseff convoque uma reunião com os chefes dos Executivos estaduais e municipais para envolvê-los no debate das questões econômicas e, assim, garantir apoio às medidas de ajuste anunciadas pelo ministro Joaquim Levy; o pacote tem sido criticado até por lideranças do PT.
• Justiça hipoteca sede da Petrobras para garantir pagamento de dívida - Refinaria cobra quase R$ 1 bi de indenização. Petrobras vai recorrer. Decisão da juíza Kátia Torres, interina da 25ª Vara Cível do Rio de Janeiro foi tomada como garantia de pagamento de uma dívida de R$ 935 milhões com a Refinaria Manguinhos por danos materiais; A Petrobras, tão logo intimada, vai recorrer. Portanto, não se pode falar em dívida, muito menos na possibilidade de calote, explicou por meio de nota. (Bruno Domingos, Reuters) 

Ligações perigosas: Bendine e Val Marchiori. 
. Este é o Brasil da era petista: não passamos uma semana sem a descoberta de mais uma cachorrada qualquer da quadrilha ou de seus amiguinhos, e sempre tendo grana alta como combustível. A de agora é de amargar e está ligada a indicação da presidanta Dilma, determinando o presidente do BB, Aldemir Bendine, para assumir a presidência da Petrobrás. Aí, começam a aparecer aquelas coincidências estranhas, como a de Bendine ter se hospedado no mesmo hotel onde estava esperta Val. Fosse uma vez apenas, até que ainda passava... Mas... duas vezes? Caraca!!! Me engana, que eu gosto. Esses dois encontros casuais foram descobertos depois que veio à tona o empréstimo de 2 milhões e setecentos e noventa mil autorizados pelo Bendido (Ops!) Bendine à loiraça. Ora! E daí? Que mal em um banco emprestar grana grossa a alguém. Nenhum, desde que a beneficiada esteja com o nome limpo na praça, o que não é o caso da Val (Veja a ficha corrida da moça após a matéria abaixo). (AC) Fonte: Aqui


Ministério Público investiga empréstimo ilegal do Banco do Brasil à Val Marchiori, quando Aldemir Bendine era presidente.
. Mal assumiu a presidência da Petrobras, às voltas com um escândalo bilionário com requintes de corrupção, o executivo Aldemir Bendine já se depara com uma denúncia que ele terá de esclarecer. Trata-se do empréstimo de R$ 2,79 milhões, concedido pelo Banco do Brasil à empresa da socialite Val Marchiori, em 2013, quando Bendine era o presidente.
. Nesta sexta-feira (6), o Ministério Público Federal (MPF) pediu a abertura de um inquérito sobre a operação financeira, que é considerada irregular. Isso porque a subcelebridade tinha restrição de crédito e, mesmo assim, conseguiu acesso ao dinheiro no Banco do Brasil por meio de uma linha subsidiada pelo BNDES.
. Val Marchiori é amiga de Aldemir Bendine, conforme a Folha de S.Paulo revelou.
. Um grupo de funcionários do banco entrou com uma representação no MPF, questionando a lisura do empréstimo tomado pela empresa Torke Empreendimentos, propriedade de Val. A Justiça Federal ordenou ao BB que apresente os documentos sobre empréstimos feitos à socialite desde 2009. A instituição tem cinco dias para justificar a movimentação financeira. Enquanto espera o material, o MPF informa que os procuradores requerem à Polícia Federal que aprofunde as investigações. À Folha, no passado, Bendine negou ter participado da concessão do empréstimo. Ele classificou como coincidências ter ficado hospedado no mesmo hotel que Val em duas ocasiões. Por causa desse episódio, que veio à tona em 2014, Bendine quase saiu da presidência do Banco do Brasil. Outra denúncia que pesa contra o novo comandante da Petrobras foi feita por um ex-motorista do Banco do Brasil. Sebastião Ferreira da Silva declarou ao MPF que diversas vezes efetuou pagamentos em dinheiro vivo por ordem de Bendine. Quem é Val Marchiori? Leia

O que motiva as pessoas a festejar o Carnaval? 
. A estudante Mayra Marques e a terapeuta ocupacional Rejane Laeta contam a importância dessa festa em suas vidas.
. Na avenida, nas quadras ou nos blocos de rua, o Carnaval é conhecido como uma festa popular e democrática que junta e mistura gente de diferentes perfis. O samba e a folia contagiam a estudante Mayra Marques e a terapeuta ocupacional Rejane Laeta. Seja aos 18 ou aos 56 anos, as duas que não se conhecem, pulam o Carnaval com o mesmo entusiasmo, afinal, o Carnaval não tem limite de idade.
. Aos 18 anos, Mayra Marques acaba de terminar o Ensino Médio e faz técnico em Administração no Cefet. Desde 2008, ela desfila na Imperatriz Leopoldinense. Quando menina era Portela, mas depois que conseguiu uma vaga na ala das baianinhas da Imperatriz, sua escola de samba de coração mudou de nome. Quando eu estava no desfile e virei para ver a avenida, eu vi a magia que era e falei: ‘agora eu sou Imperatriz, lembra.
. Mesmo com idade abaixo da faixa etária da ala, que era composta por meninas entre 14 e 16 anos, ela desfilou com autorização da mãe. A estudante foi a primeira da família a ser inscrita em desfile. O Carnaval de Mayra começa em agosto nas disputas de samba. De lá até os dias de folia, ela vai à quadra todos os domingos. O Carnaval trouxe muita coisa boa na vida dela, inclusive um namorado. Este ano, ela vai desfilar vestida de jacaré em uma ala, em que todos os participantes vão estar fantasiados de animais. Na quadra e na avenida a gente extravasa tudo. A gente vai pra lá e encontra pessoas alegres e quer ficar daquele jeito, explica.
. A terapeuta ocupacional Rejane Laeta, por sua vez, trabalha no Serviço de Geriatria do Hospital Federal dos Servidores do Estado. Aos 56 anos, a mangueirense conhece todas as quadras do Rio. Com apenas três anos, ela já frequentava as quadras das escolas de samba com sua mãe. Rejane também toca chocalho em diversos blocos de rua. A programação deste ano inclui nove, mas ela conta que teve época em que tocou em 16. No sábado de Carnaval, eu abro a janela e tudo está diferente: a cor, o ar, o clima… É Carnaval, explica. O Carnaval é um grande retrato da nossa cultura. Tem Carnaval no mundo inteiro, mas esse Carnaval com essa cara e com esse desenvolvimento é só nosso, diz.
. A folia também acontece no grupo de idosos com o qual ela trabalha no hospital. Segundo Rejane, a ferramenta de trabalho da terapia ocupacional é a atividade humana. No encontro de Carnaval do hospital, todas as atividades de estimulação, como jogos de forca e de memória, são voltadas para o tema. O encontro vira, no final, um grande baile. Você tem tantos carnavais quanto anos de vida, diz ao explicar que esse resgate de memórias ajuda no trabalho com os pacientes, que por algum motivo tiveram uma alteração em sua capacidade funcional.
. Com anos de folia no currículo, ela explica que algumas coisas mudaram. .“Como tudo no mundo, nada é estático, tudo é mutável. O Carnaval mudou. O lado bom é que os blocos de rua voltaram, mas um lado negativo, segundo a terapeuta ocupacional, é o consumo exagerado de álcool, principalmente entre os jovens. Só neste ano, Rejane já tocou nos blocos Suvaco do Cristo, GB e Chupa mas não baba, mas ainda faltam muitos outros, inclusive o Cardosão de Laranjeiras, que é seu bloco de coração. (Mariana Mauro) 

Nenhum comentário: