1 de dez de 2014

Um país com muita crise moral...

 photo _abrics-1.jpg
O que aconteceu com a economia dos Brics? Em 2001, os Brics foram considerados países que poderiam remodelar a economia mundial. Brasil, Rússia, Índia e China - na época o grupo não incluía a África do Sul - foram identificados como economias grandes e de crescimento rápido que teriam papeis globais cada vez mais influentes no futuro. Mas a desaceleração econômica pela qual o Brasil está passando se repete em todo o grupo. O que aconteceu com estas economias? Brasil sai de recessão técnica, mas ritmo de recuperação decepciona.

Atenções do BC já estão voltadas para 2015. Reunião vai definir nova taxa de juros.

Para líder do MST Dilma foi a pior presidente para reforma agrária. Insatisfeito com Kátia Abreu no ministério da Agricultura, movimento pressiona por assentamento de 120 mil família.

Onze dos 39 ministros nem sequer foram recebidos por Dilma este ano.

Sem falar do Judiciário, não é mais ético dizer para o país que o aumento de salário de deputados federais custará R$ 73 milhões ao ano para o Brasil.

Quem é e o que faz Eduardo Paes? Comente embaixo.

Folha de São Paulo informa que os governadores petistas articulam a volta da CPMF, o imposto sobre transações financeiras.

É um nunca acabar.... A gigante sueca Skanska abriu investigação interna sobre o pagamento de propina a funcionários e autoridades brasileiros para viabilizar projetos com a Petrobras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). A safadeza envolveria as empreiteiras Camargo Corrêa e Engevix, enroladíssimas no Petrolão, e a Technit. Negócios no Brasil alcançam quase US$ 1 bilhão. O suecos gastaram US$ 73 milhões. Segundo auditoria do Tribunal de Contas da União, o afano nas obras do Comperj podem ter causado prejuízos de US$ 9 bilhões à Petrobras.

Sindicatos protestara em 28/11 em defesa da Petrobras. Ato visa reforçar a importância da empresa para o Brasil; A Petrobras tem que ser fortalecida após a Lava-Jato e não privatizada, diz Emanuel Cancella, Secretário-Geral do Sindipetro.

Com a entrega da prestação de contas da campanha de Dilma, veio à tona o valor total pago pelo PT ao marqueteiro João Santana. O ex-deputado Roberto Jefferson postou no seu blog que a empresa de Santana recebeu R$ 70 milhões, incluídos os honorários do baiano, por serviços prestados na campanha. Para o delator do mensalão, por três meses de trabalho, Santana ganhou mais do que Messi, do Barcelona, o craque mais bem pago do mundo, que recebe R$ 60,5 milhões por ano. Admirador do marqueteiro, Jefferson, desta vez, não gostou da atuação dele: Foi muito bem pago pelas baixarias que criou

Fiscalização flagra exploração de trabalho escravo na confecção de roupas da Renner. Costureiros bolivianos viviam sob condições degradantes em alojamentos, cumpriam jornadas exaustivas e estavam submetidos à servidão por dívida em oficina terceirizada na periferia de São Paulo (SP).

Tietê tantos outros rios brasileiros espelham de a muito amostragem da inércia governamental federal, estadual e municipal, onde, primeiro a educação da população e segundo de incrementos técnicos e que contribuam ao meio ambiente. Nada se faz e basta andar pelas ruas das cidades e ver o lixo campeando, as desovas sem tratamento adequado às posturas legais. Incompreensível olhar rios e mares e entender a desumanização no território e do planeta. Talvez quem poderá nos salvar?.... (AA)

Milhares de fãs deram adeus ao ator e roteirista mexicano Roberto Gómez Bolaños, o Chaves, em um funeral realizado no estádio Azteca, na Cidade do México, no domingo. Bolaños morreu em casa em Cancún, na sexta-feira, aos 85 anos. Fãs, muitos deles crianças, levaram flores e balões brancos para uma missa realizada no estádio de futebol, onde cantaram durante horas músicas em homenagem ao ator e fizeram a ola nas arquibancadas. Famílias inteiras se vestiram com roupas de personagens de Bolaños, como o Chapolim Colorado. Bolaños, cujos programas ainda estão no ar apesar de as gravações terem sido encerradas nos anos 1980, foi homenageado no sábado nos escritórios da emissora de TV mexicana Televisa, em que ele trabalhou na maior parte da carreira. (Reuters) 

Lava Jato só aguarda Procurador-Geral denunciar 77 deputados e 14 senadores ao STF.

Os analistas do mercado financeiro reduziram sua previsão para o crescimento da economia brasileira neste ano de 0,20%, projetado há uma semana, para 0,19%, segundo pesquisa semanal divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central. As previsões fazem parte do boletim Focus, pesquisa que o organismo realiza com cerca de cem de economistas de bancos e instituições financeiras. O boletim divulgado hoje prevê um crescimento da economia brasileira de 0,77% em 2015, enquanto há uma semana o cálculo era de 0,80%. (EFE) 

Quase todo o PP está ligado a propinas. Em depoimento à PF, doleiro Youssef citou participação do partido na Lava Jato. Ex-presidente do PP, Pedro Corrêa é relacionado à lavanderia de caixa 2. Investigadas na Lava Jato teriam sociedade com a Eletrobrás, aponta TCU.
Não queremos nenhuma ditadura. Precisamos de mais democracia. 

A melhor maneira de interromper uma dor derivada de uma metástase ainda é simplesmente morrer. Um dos maiores pecados - e erros - dos grupos armados que foi tentar substituir uma ditadura por outra.

Alguém pode até ter dificuldades para definir o que seja ditadura. Quem viveu uma delas não precisa. Sabe na pele o que é.

Quem defende o retorno às trevas ou é um dos que ajudaram a mergulhar o país no horror ou é um desavisado que quer dar razões aos lulopetistas para continuarem a defender a anarcoditadura bolivariana.

Num momento histórico em que se vê a camarilha desmanchar -se por si mesma, sob o efeito sanitário do sol, trata-se de um desserviço ao Brasil. Não queremos uma ditadura. Jamais a desejamos. Fomos às ruas lutar até pela concessão da anistia a quem pretendia trocar por outra a que nos infelicitava.

Queremos o fim do projeto ditatorial a que deram o nome de bolivarianismo. E não quero trocar uma incompetente boneca de ventríloquo por um general de óculos escuros. Não troco. Não faz parte de meu jogo. Nem do Brasil.

Queremos o resgate da cidadania. E neste conceito, há um papel reservado às Forças Armadas, sob as ordens do Poder Executivo.

Se havia um Muricy, havia um Sérgio Macaco. Para cada Burnier, tínhamos um Moreira Lima. Hoje, para cada Lula ainda temos um Ayres Brito, um Joaquim Barbosa ou um Pedro Simon.

São mais do que otários os que pedem o retorno do que lutamos tanto (nós, o povo) para jogar no lixo. São covardes. Precisam de bedéis para alcançar o que julgam ser democracia.

O PT fez renascer a direita no Brasil. Levou-nos a desprezar a América Latina recheada de populistas de quinta categoria. Usou a mentira em defesa de seus (deles) próprios crimes. Copiou a ditadura, abandonou a meritocracia e promoveu a substituição dos coronéis por militantes. Destruiu empresas. Envergonhou um país.

Nada mais parecido com a ditadura que caiu de podre, ao balançarmos a árvore. A árvore está balançando. Alguns frutos (os mais podres) já estão caindo.

Não precisamos de ditadura. Basta mais democracia. (Reynaldo Rocha) 

A refletir... 

Este Papa, na breve entrevista concedida, fez colocações apropriadas, duras e contundentes, que merecem reflexão...

Agora entendi melhor porque este cardeal argentino foi escolhido para Papa.

Ele tem ideias firmes, enxerga a realidade e não foge de uma resposta polêmica.

O mundo se acostumou à hipocrisia da política que diz o que o povo quer ouvir, e dos políticos fazerem o que eles bem entendem.

Com este papa não é assim, como podemos ver nesta entrevista com um repórter comunista, antes de ser Papa.

A entrevista começou quando o jornalista, tentando embaraçar o Cardeal, perguntou-lhe o que ele pensava sobre a pobreza no mundo. O cardeal respondeu: Primeiro na Europa e agora nas Américas, alguns políticos têm se dedicado a endividar as pessoas, fazendo com que fiquem dependentes./ E para quê? Para aumentar o seu poder... Eles são grandes especialistas em criação de pobreza e isso ninguém questiona. Eu me esforço para lutar contra esta pobreza. A pobreza tornou-se algo natural e isso é ruim. Minha tarefa é evitar o agravamento de tal condição. As ideologias que produzem a pobreza devem ser denunciadas. A educação é a grande solução para o problema. Devemos ensinar as pessoas como salvar sua alma, mas ensinar-lhes também a evitar a pobreza e a não permitir que o governo os conduza a esse estado lastimável.

Mathews ofendido pergunta: - O senhor culpa o governo?

- Eu culpo os políticos que buscam seus próprios interesses. Você e seus amigos são socialistas. Vocês (socialistas) e suas políticas, são a causa de 70 anos de miséria, e são culpados de levar muitos países à beira do colapso. Vocês acreditam na redistribuição, que é uma das razões para a pobreza. Vocês querem nacionalizar o universo para poder controlar todas as atividades humanas. Vocês destroem o incentivo do homem, até mesmo para cuidar de sua família, o que é um crime contra a natureza e contra Deus. Esta vossa ideologia cria mais pobres do que todas as empresas que vocês classificam de diabólicas.

Replica Mathews: - Eu nunca tinha ouvido nada parecido de um cardeal.

As pessoas dominadas pelos socialistas precisam de saber, não têm que ser pobres.

Ataca Mathews: - E a América Latina? O senhor quer negar o progresso conseguido?

O império da dependência foi criado na Venezuela por Hugo Chávez, com falsas promessas e mentindo para que se ajoelhem diante de seu governo. Dando peixe ao povo, sem lhes ensinar e permitir pescar. Se na América Latina alguém aprende a pescar é punido, e seus peixes são confiscados pelos socialistas. A liberdade é castigada. Você fala de progresso e eu falo de pobreza. Temo pela América Latina. Toda a região está controlada por um bloco de regimes socialistas, como Cuba, Argentina, Equador, Bolívia, Venezuela, Nicarágua. Quem vai salvá-los (a América Latina) dessa tirania?

Acusa Mathews: - O senhor é um capitalista.

Se pensarmos que o capital é necessário para construir fábricas, escolas, hospitais, igrejas, talvez eu seja capitalista. Você se opõe a este raciocínio?

- Claro que não, mas o senhor não acha que o capital é retirado do povo pelas corporações abusivas? 

- Não, eu acho que as pessoas, através de suas escolhas econômicas, devem decidir que parte do seu capital vai para esses projetos. O uso do capital deve ser voluntário. Só quando os políticos se apropriam (confiscam) esse capital para construir obras públicas políticas e para alimentar a burocracia é que surge um problema grave. O capital investido voluntariamente é legítimo, mas o que é investido com base na coerção é ilegítimo

Suas ideias são radicais", diz o jornalista.

Não. Há anos Khrushchev advertiu: Não devemos esperar que os americanos abracem o comunismo, mas podemos ajudar os seus líderes com injeções de socialismo, até que, ao acordar, eles percebam que abraçaram o comunismo. Isto está acontecendo agora mesmo no antigo bastião da liberdade. Como os EUA poderão salvar a América Latina, se eles próprios se tornarem escravos de seu governo?

Mathews diz: - Eu não consigo digerir (aceitar) tal pensamento.

O cardeal respondeu: Você está muito irritado porque a verdade pode ser dolorosa. Vocês (os socialistas) criaram o estado de bem-estar que consiste apenas em atender às necessidades dos pobres, pobres esses que foram criados por vocês mesmos, com a vossa política. O estado interventor retira da sociedade, a sua responsabilidade. Graças ao estado assistencialista, as famílias deixam de cumprir seus deveres para obterem o seu bem-estar. As pessoas já não praticam mais a caridade e veem os pobres como um problema de governo. Para a igreja já não há pobres a ajudar porque foram empobrecidos permanentemente e agora são propriedade dos políticos. E algo que me irrita profundamente, é o fato dos meios de comunicação observarem o problema sem conseguir analisar e expor o que o causa. O povo empobrece e logo em seguida, sem consciência, vota em quem os afundou na pobreza.

O Brasil não foi citado, mas é exatamente o que está acontecendo aqui e agora! 

O socialismo dura até terminar o dinheiro dos outros. (Margareth Tatcher)

Nenhum comentário: