13 de ago de 2014

Morre Presidenciável...

 photo _aeducardocampos.jpg
Morre Eduardo Campos, candidato do PSB à Presidência estava à bordo do jato que caiu em área residencial de Santos.

Doleiro deu dinheiro a deputados, diz ex-contadora. Depoimento de Meire Poza na comissão de ética pode ajudar a esclarecer relação entre Youssef e os parlamentares Argôlo e Vargas.

Ex-diretor da Petrobras virou sócio de empresa após ser preso. Projeto de porto no Norte fluminense foi feito para atender à estatal. Paulo Roberto Costa foi detido na Operação Lava-Jato.

Rede da Petrobras é usada para alterar verbete da refinaria de Pasadena na Wikipedia. Computadores da empresa também foram identificados fazendo modificações em artigos de desenhos animado.

Guerra da água vai afetar o Rio e outras 40 cidades, prevê agência. Governo de São Paulo ameaça deixar 26 cidades do Rio sem água, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA).


Lucro menor da Petrobrás reflete política de preços do governo - O lucro menor da Petrobrás é resultado da política do governo de tentar controlar a inflação represando artificialmente o preço dos combustíveis.” A afirmação é do presidente da AEPET, Silvio Sinedino, sobre a queda de 20% no lucro líquido da Petrobrás no segundo trimestre de 2014, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Além da lucratividade menor, houve aumento de 9% na dívida da Companhia em relação a dezembro de 2013. O montante atingiu R$ 241 bilhões. 

Cada vez mais apertado: Eike Batista vende sua Lamborghini de quase R$ 3 milhões. (InfoMoney) 

A entrevista com a candidata que fala dilmês dirá se o Jornal Nacional merece respeito 

O desempenho de William Bonner e Patrícia Poeta na entrevista com Aécio Neves não registrou nenhum pecado mortal. Abstraídas a exumação de cadáveres já devidamente autopsiados e a insistência em revisitar denúncias sem fundamento, ambos agiram como devem agir os jornalistas. Escolheram temas que interessava relevantes para os espectadores, dando preferência aos que poderiam incomodar o entrevistado, e exigiram respostas claras. Incisivos o tempo todo, não ultrapassaram a fronteira da civilidade nem incorreram em grosserias. Ao contrário do que se verá nos debates eleitorais transmitidos pela TV, não fizeram acusações. Fizeram perguntas.

Amparado em argumentos consistentes e contra-ataques oportunos, o senador do PSDB, Neves sobreviveu sem ferimentos à sabatina cuja taxa de risco se tornou extraordinariamente superior à dos debates entre candidatos. O tiroteio verbal transforma minutos em horas. Uma frase infeliz, uma resposta desastrada, uma gafe bisonha demais - quaisquer palavras, gestos ou mensagens fisionômicas que produzam manchetes negativas nos jornais do dia seguinte decretam a derrota de consequências desastrosas. As edições desta terça-feira atestam que, na pior das hipóteses, o Aécio empatou. Não é pouca coisa: nesse caso, empate é vitória.

Em vez de lastimar a postura da dupla de jornalistas, a oposição deve exigir que a performance seja reprisada com Dilma Rousseff no papel de entrevistada. Aécio, por exemplo, teve de voltar ao caso do aeroporto de R$ 13 milhões devassado pela imprensa sem que aparecesse uma única e escassa irregularidade. A presidente em campanha tem de ser localizar no mapa do Brasil pelo menos um dos 800 aeroportos que prometeu concluir até o fim do mandato. Também é hora de esclarecer por que o único porto inaugurado em seu mandato foi construído em Cuba, já engoliu quase 1 bilhão de dólares e virou segredo de Estado.

O candidato tucano foi interrogado sobre o mensalão mineiro, com o qual nada tem a ver. Dilma precisa justificar a nomeação de dois ministros que absolveram mensaleiros condenados pelos juristas que substituíram. Se não faltaram temas para fustigar Aécio, durante 15 minutos, nem a anexação ao JN será suficiente para a exposição de todos os casos de polícia, vigarices bilionárias e histórias muito mal contadas que tiveram a chefe de governo como protagonista ou coadjuvante.

Ao topar com entrevistadores sem medo, Dilma perde o rumo, o norte e o que resta de juízo. Acuada por verdades, recorre a álibis mambembes, cifras falsificadas, desculpas esfarrapadas e mentiras de pernas curtíssimas para que prolongar a farsa encenada há 12 anos. Contestado ou corrigido, o neurônio solitário entra em pane e sucumbe a outro chilique. Foi o que aconteceu nesta segunda-feira, durante uma entrevista à RBS no Palácio da Alvorada. Leia a reportagem de Gabriel Castro no site de VEJA. E ouça o áudio que reafirma o espantoso despreparo da governante à caça de um segundo mandato.

O senhor não respondeu à minha pergunta replicou William Bonner já no começo do interrogatório de segunda-feira. Se for tratada como os adversários, Dilma ouvirá a cada resposta a mesma cobrança. Além do acervo de mentiras, a candidata vai ampliar o oceano de palavrórios sem pé nem cabeça. Assim que ecoar a primeira maluquice em dilmês, Bonner está obrigado a usar a bela voz para formular a réplica que Dilma merece ouvir desde o comício de estreia: Não entendi a resposta. A senhora pode explicar direito o que está querendo dizer? (Augusto Nunes) 

O doidinho do Planalto 

Parece que existe um doidinho no Pálácio do Planalto!... Pelo menos, é o que se deduz da fala do Ministro Gilberto de Carvalho!...

Segundo ele, o uso de Computadores do Planalto, nas barbas de toda a estrutura de Poder do PT apóstata, para alterar Perfis de jornalistas não alinhados com o PT, cria uma suspeita de que possa existir algum doidinho por lá!...

Engraçado: o Palácio do Planalto, há muitos anos, vem sendo ocupado por doidões de todos os tipos e matizes!... Desde Jânio Quadros, até o maior doidão da história deste Pais, o sr. Lulla da Silva!

Portanto, não entendi muito bem esse espanto do sr. Gilberto! Ainda mais que, agora, parece existir somente um doidinho!...

É verdadeiramente estarrecedor constatar como a ÉPTica PTista apóstata, devagarinho, mas inexoravelmente, vem produzindo seus efeitos no comportamento e no modo de agir, de toda uma Nação!

Vemos a cada hora, notícias de todo o mundo, onde Gestores do País ou das grandes Corporações, quando pegos em atos ilícitos ou não condizentes com os valores mínimos humanos, se penitenciam publicamente, vão à televisão pedir desculpas e entregar seus cargos, e, até, em casos frequentes, não conseguem conviver com essas suas transgressões, diante de sua família, de seus filhos, de seus amigos e de toda a Nação e dão um tiro no ouvido!...

Aqui no Brasil, depois da ÉPTica PTista apóstata, nada parece surpreender mais a ninguém: os Gestores da coisa pública e os políticos são pegos em suas parcerias com criminosos explícitos, são cotejados com gravações e documentos inquestionáveis, são montadas verdadeiras farsas para fazer de conta que Instituições formais e devidamente legais - como uma CPI - estão de fato apurando algo! Enfim, diante dos ilícitos e crimes que vêm à tona, seus executores e responsáveis não esboçam o mínimo desconforto ou constrangimento! E continuam a viver e a agir exatamente do mesmo modo, com trânsito livre em qualquer passarela que se apresenta!...

Ou saem à procura de doidinhos que andam por aí, exigindo sua cabeça, como o fizeram com a analista do Santander ou estão querendo fazer com o louco que gravou a célebre reunião dos advogados da Petrobrás, para ensaiar as perguntas e respostas da CPI!

Agora, ninguém tem o mínimo interesse em saber se o que foi vazado por esses doidinhos é realmente um crime, um ilícito ou uma transgressão!

Esse cenário está se solidificando há quase 12 anos!...

Você não vai permitir que continuemos dançando essa música desafinada, indefinidamente, por mais 4 anos!... (Márcio Dayrell Batitucci) 

Alteração na Wikipédia gera suspeita de doidinho no Planalto, diz ministro. Computador ligado à rede do Planalto modificou perfis de jornalistas. Para Gilberto Carvalho, autor das alterações criou problema para o governo.

Ministro Gilberto Carvalho deu aula magna na faculdade de direito da USP. O ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República, comentou nesta segunda-feira (11) as alterações nos perfis dos jornalistas Carlos Alberto Sardenberg e Míriam Leitão na Wikipédia realizados por computadores ligados à rede do Palácio do Planalto. As modificações, noticiadas por reportagem do jornal O Globo de sexta-feira (8) faziam críticas aos jornalistas. Na opinião do ministro, a pessoa que realizou as mudanças prestou dois desfavores, para os jornalistas atingidos e para o governo federal. Segundo ele, ainda se criou um ambiente no qual paira suspeita sobre algum doidinho do Palácio do Planalto.

Lamentamos muito o que houve porque a pessoa que fez prestou dois desfavores [...] Agora paira a suspeita de que algum doidinho do Planalto tenha feito essa mudança, disse o ministro. Essa pessoa [que usou a rede do Planalto para alterar perfis de jornalistas na Wikipédia] fez mal feito e acabou jogando um problema para dentro do Planalto, completou o ministro, que nesta manhã deu aula magna na faculdade de Direito da USP.

No sábado (9), a presidente Dilma Rousseff declarou que considerava inadmissível a alteração nos perfis. Também no fim de semana, a Casa Civil divulgou nota em que informava a criação de uma comissão de sindicância formada por vários órgãos e ministérios para apurar o caso.

A comissão será integrada pela própria Casa Civil, representada pela autarquia Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, pelo Ministério da Justiça, com a participação da Polícia Federal, pela Controladoria-Geral da União e pela Secretaria-Geral da Presidência da República.

Petrobras

No mesmo evento, o ministro falou sobre críticas à atual gestão da Petrobras, surgidas após denúncias de contratos irregulares feitos pela estatal, têm motivação eleitoral. Carvalho ainda afirmou que o governo deve ter sangue frio e nervos de aço para lidar com os ataques.

É um foco [de críticas], todo ele tangenciado pela questão eleitoral. Nós também temos que ter sangue frio, nervos de aço, sempre para trabalhar bastante, mostrar para o povo brasileiro qual é o nosso projeto, afirmou o ministro, antes de ministrar uma aula magna na Faculdade de Direito da USP, no Centro de São Paulo.

O ministro disse também que não consegue avaliar o quanto às críticas à estatal vão causar impacto nas eleições. Ele afirmou ainda que a oposição, em especial o PSDB, deveria pensar duas vezes antes de atacar a Petrobras.

É difícil saber o quanto influencia na campanha. O que dá para avaliar é a exploração eleitoral do evento. Os que criticam a Petrobras, sobretudo o PSDB, deveriam pensar duas vezes antes de dizer qualquer coisa da Petrobras. Eles queriam privatizar a Petrobras, eles deram um prejuízo enorme. Nós valorizamos a Petrobras. Eles não têm moral nenhuma para criticar a Petrobras, disse Carvalho. (Ana Carolina Moreno G1 SP)

Na entrevista que concedeu nesta segunda-feira a jornalistas do grupo RBS, no Palácio da Alvorada, a presidente Dilma Rousseff foi cobrada por obras que não andaram como deveriam. É o caso da BR-470 entre Blumenau e Itajaí, que não tem sequer um quilômetro de asfalto pronto. A presidente tentou compensar citando empreendimentos federais realizados em Santa Catarina. Mas se atrapalhou, perdeu a paciência e distribuiu dois dos vocativos que usa quando está irritada: Minha filha e Querido. Na entrevista, Dilma argumenta: Tem várias obras que nós concluímos. Eu queria destacar, por exemplo: nós investimos nos três portos de Santa Catarina. São Francisco, Itajaí e... Ai meu Deus. São Francisco, Itajaí .... Moacir Pereira, um dos entrevistadores, tentou ajudar a presidente, mas foi rechaçado. Não, minha filha(?), só um pouquinho. São Francisco, Itajaí... Qual o terceiro porto?. O jornalista continuava tentando ajudar, sem sucesso. Seria o Porto de Navegantes? Não, querido. Não, não..., disse a presidente. Dilma, então, desistiu: Bom, nós não vamos lembrar. Eu vou lembrar, ao longo do programa eu lembro da ponte. Mas Moacir recordou-se do nome (do porto, e não da ponte): Imbituba. Acabou ouvindo outra bronca da presidente pela demora: E você é de Santa Catarina. Eu até estou bem, porque lembrei. Ouça o trecho da entrevista abaixo. (Gabriel Castro, de Brasília) 

Nenhum comentário: