30 de ago de 2014

Cenário político e seus episódios...

 photo _afilhghandi.jpg
Rio lidera ranking de hotéis mais sujos do mundo, divulga jornal Wall Street Journal. Junto com São Paulo, cidades são as únicas da América do Sul a integrar a lista.

Brasil tem recessão técnica - PIB registra queda de 0,6% no segundo trimestre. Melhor desempenho foi registrado pela agropecuária. No primeiro trimestre, retração havia sido de 0,2%, segundo o IBGE. Em 12 meses, PIB acumula alta de 1,4%. Recessão deverá ter impacto regional. Recuo da economia brasileira deverá atingir países da América Latina, atrasando investimentos e reduzindo níveis de produção, segundo analistas. Afinal, foi a Copa que derrubou a economia? O custo da energia ameaça frear economia.

Dilma e Aécio tentam desacelerar Marina. Pesquisa do Datafolha aponta empate técnico entre candidata do PSB de 34% e Aécio cai e fica em 15%.

Marina não tem rumo. Em Campinas, o candidato do PSDB Aécio Neves criticou Marina Silva, que não sabe qual direção seguir. Os assessores da Beata da Selva estão rachados: parte quer seguir o lulopetismo, parte quer FHC. É o poço de contradições do marinismo, que nem partido tem.

Impugnado, Arruda faz campanha à base de reza e sob xingamentos de ladrão. Ex-governador do DF diz que hostilização vem de um eleitor a cada dez e é alimentada pela oposição. Mesmo com seu registro de candidatura ao governo do Distrito Federal negado pelo Tribunal Superior Eleitoral, o ex-governador José Roberto Arruda (PR) segue normalmente em campanha./ Bonde de Santa Teresa se prepara para voltar a circular. Novo modelo repaginado tem dispositivos para reforçar a segurança, mas mantém as principais características do antigo. 

Ofício urgente e sigiloso do MPF questiona FAB se Vant Acauã bateu no jato que matou Eduardo Campos. Leia 


Mentira! FHC é o pai!

Ebola pode infectar mais 20 mil antes de ser controlado, alerta OMS. Agência também criticou suspensão de voos a países afetados. Vacina contra o ebola deverá ser testada em voluntários na Grã-Bretanha.

Número de refugiados sírios ultrapassa três milhões, informa ONU. Número não inclui pessoas que fugiram sem registro. Possível caso de HIV paralisa indústria pornô dos EUA. Suspensão de filmagens faz parte de protocolo.

Por que americanos dão armas a crianças? No país, 31% das residências têm ao menos uma criança e uma arma. Menina mata instrutor com tiro acidental nos EUA. 

ooo0ooo
Filha de Chico Mendes: Marina é ponto de interrogação. Depois de ser confrontada pelo Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Xapuri (Acre) por intitular Chico Mendes, uma de suas referências, de representante da elite nacional, Marina Silva passa por outra saia-justa.

A filha de Chico Mendes, Ângela Mendes, crava seu apoio a presidente Dilma Rousseff e declara via Facebook:

Ok, alguns amigos me pediram uma posição sobre a candidatura da Marina e a menção que ela fez ao meu pai como sendo ele da elite.

Vamos lá eu respeito e admiro muito a Marina pela sua trajetória de vida, pelo esforço pessoal com que venceu todas as dificuldades impostas à ela como o analfabetismo, doenças e toda espécie de discriminação, até pelo modo com que consegue envolver a todos com seu discurso ecologicamente correto e bem acabado, mas pra mim isso não basta pra governar um Brasil como o de hoje, tenho muitas dúvidas, de todos os tipos, Marina pra mim ainda é um enorme ponto de interrogação, pra começar: desistiu do PT (utopia do passado) quando poderia ter resistido como fazem hoje tantos PTistas históricos mesmo não tendo o mesmo espaço que a elite que tenta dominar o partido, não resistiu à pressão enquanto ministra quem me garante que vai resistir à pressões ainda mais forte se eleita presidente? Com tantas concessões feitas pela cúpula do PSB, aliás todas as concessões possíveis, penso eu que será que tramam as cabeças pensantes desse partido caso consigam eleger Marina? Terá ela realmente liberdade pra governar? Não sei como será esse mandato em rede, apenas com os melhores? Quem são esses melhores e quais critérios serão utilizados pra escolha desses melhores? Minhas dúvidas são pra Marina, mas minhas esperanças são pra companheira Dilma, que ela consiga, se eleita, continuar melhorando o Brasil, com uma política que tem problemas mas que não admite dúvidas.

Ah, quanto ao fato do Chico ser da elite, considero que foi apenas uma infeliz comparação, nem precisa de todo esse mimimi.


1. Merval: não há desculpas para contradições de Marina Silva. Colunista do Globo afirma que candidata do PSB tinha obrigação de se informar sobre detalhes como doação de campanha fora da legislação e uso de um empreendimento que considera nocivo ao meio ambiente, uma vez que ela foi contra a importação de pneus quando ministra; segundo ele, a nova política que ela e Eduardo Campos pregavam era transportada para cima e para baixo por um jatinho todo irregular.

2. Após convencer a Organização Mundial do Comércio a defender o direito do Brasil de proibir a importação de pneus usados como ministra do Meio Ambiente, Marina Silva voou no jato Cessna ao lado do então presidenciável Eduardo Campos, em campanha pelo PSB; PF aponta que o avião pertencia a Apolo Santana Vieira, dono da empresa Bandeirantes Companhia de Pneus Ltda; a informação foi divulgada por Luis Nassif.

3. Sindicato criado por Chico Mendes critica Marina Silva. Nota da entidade que representa trabalhadores rurais de Xapuri, no Acre, reclama de política ambiental criada pela ex-ministra. O entusiasmo com a candidata Marina Silva (PSB) contagiou boa parte do país, mas no Acre, sua terra natal, a insatisfação com a ex-ministra cresceu nos últimos dias. Depois do debate da Band, o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Xapuri divulgou nota com duras críticas a ela. 

4. Ódio contra o PT em SP é assustador - Segundo o colunista Ricardo Kotscho, o candidato ao governo de SP Alexandre Padilha é a maior vítima deste verdadeiro ódio contra o PT, Lula e Dilma que grassa e se espalha por São Paulo, onde ficam as sedes de dois dos três maiores jornais do país, que há anos se comportam como os principais adversários políticos do partido, ao mesmo tempo em que se empenham para preservar e manter os tucanos no Palácio dos Bandeirantes, por eles dominado há duas décadas

5. Adesistas já congestionam o entorno de Marina. Ex-ministros de Lula e Dilma cercam marina de olho em eventual governo.

6. Apelação ou.... - O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, resolveu financiar com dinheiro público uma revista para chamar de sua, denominada Democracia e Participação. A revista já nasce chapa branca: foi criada por uma portaria de Carvalho, na qual ele deixa claro que ficará por conta do contribuinte os custos da aventura editorial, que inclui produção, impressão e até distribuição.
Charada na campanha.
Eis aí, qual galera em noite apagada, essa imprevisível Marina Silva navegando outra vez em mar imenso - e levando a si própria, junto com os eleitores brasileiros, para algum porto desconhecido. O que existia até a morte de Eduardo Campos não existe mais; o que ninguém imaginava passa a ser a nova realidade. Marina, até agora uma mera candidata a vice que andava esquecida nas linhas de trás da disputa, e ainda por cima nem estava transferindo seus votos ao companheiro de chapa, como ele tanto queria, passa de repente a ser um nome decisivo para o resultado final – logo na primeira pesquisa após o acidente que tirou Campos da vida e da política brasileira, ela já aparece em segundo lugar na corrida, e à frente da atual líder Dilma Rousseff se houver um segundo turno entre as duas. Aécio Neves, que toda a lógica do governo apontava como o nome a derrotar, talvez não seja mais o desafiante número 1.
A presidente Dilma, até aqui a grande favorita por liderar com folga as sondagens, ter na televisão o dobro do tempo de propaganda que terão os seus adversários somados, e contar com a força bruta da máquina pública em seu favor, pode acabar nem sendo mais candidata a nada. O ex-­presidente Lula, que estava fora, volta a ficar dentro - se bater mesmo o desespero, poderá empurrar a presidente para fora do barco, sem maiores delicadezas, e assumir ele próprio a candidatura.
É a vida, com suas vastas emoções e itinerários imperfeitos. Um desses nevoeiros malignos que de repente se formam sobre o quebra-cabeça de rios, braços de mar, canais e mangues onde ficam Guarujá e Santos, no litoral paulista; um avião com tecnologia de primeira classe, feito para não cair nunca; uma falha que aparece quando nem máquina nem homens poderiam falhar. Pronto: bastaram alguns minutos de capricho da fortuna para reduzir a zero toda a vã sabedoria dos excelentes cálculos, análises e raciocínios feitos até agora sobre a eleição presidencial de 2014. Como se pode ver, a prudência básica está nos aconselhando a lidar só com o presente, e do jeito com que se lida com um porco-espinho - ou seja, com extremo cuidado. O que acontece hoje, quando Marina herda cheia de gás a candidatura de Campos, pode acabar não tendo nada a ver com o que acontecerá no dia 5 de outubro. Não há como fazer ciência aí. O que se sabe é menos do que o que não se sabe - a começar por quem é a própria candidata.
Marina, como a Rússia descrita por Churchill, é uma charada envolvida em mistério que fica dentro de um enigma. Em 2010, quando se candidatou à Presidência, conseguiu um prodígio: quase 20 milhões de pessoas votaram nela sem saber direito por quê. Não foi, certamente, por ficarem entusiasmadas quando ouviram Marina falar em centralidade da necessidade, controles ex post frente ou agenda plasmante. Que patuá é esse? Nem o rapaz do Rio de Janeiro que ganhou outro dia a supermedalha internacional de matemática seria capaz de entender. Ela admite que não se pode viver sem luz elétrica, mas parece não encontrar nenhuma usina que a satisfaça. Sabe que o Brasil não sobrevive 24 horas sem as exportações que só podem ser obtidas com agricultura capitalista de larga escala, mas defende uma inflexão na área agrícola. Marina tinha o dobro das intenções de voto de Eduardo Campos, mas era candidata a vice. Formou-se no PT, mas hoje é a sua principal concorrente. Não se sabe o que pretende fazer, na vida real, diante de nenhum dos problemas que o eleitor quer ver resolvidos com urgência.
Seus 20 milhões de admiradores, até hoje, não lhe cobraram mais esclarecimentos - não entendem o que ela está dizendo, mas parecem achar que é bom. Dá para chegar ao Planalto nessa toada, falando de sustentabilidade e esforço transversal? Lula e Dilma, mais que Aécio, esperam que não. Os dois só sabem fazer campanha apostando tudo na destruição do competidor, que sempre pintam como um inimigo da maioria pobre - e essa opção não está mais disponível para eles. Vai ser difícil, por exemplo, dizer que Marina é da elite branca do Sul, porque ela nasceu mais pobre do que Lula, não é branca e veio da periferia de Rio Branco, no fundo do Acre. Não dá para pregar ódio contra alguém que só foi se alfabetizar aos 16 anos de idade, ou teve a saúde arruinada pela falta de dinheiro. Não se conseguirá negar a Marina o heroísmo moral de que fala Cervantes - aquela penca de desvantagens que ninguém quer para si, a começar pela pobreza, mas acha um grande mérito nos outros.
Marina Silva pode ser uma pedreira. (J.R. Guzzo)

Não me julguem, mas PSOL, PSB e PT são iguais, sem contar os "sublimados de coligação". A hora é de traições! Mais ainda, não parecem os movimentos atuais como os de Jânio e Collor? (AAndrade)

Nenhum comentário: