23 de ago de 2014

Candidatos(?) causam depressão no eleitor...

 photo _amodusoperandi.jpg
Jornalista pede a Dilma que o processe 

Como sempre faço em nossos colóquios redacionais, Dilma, lembro que deixarei de lado a formalidade para não comprometer a fluidez do texto. Você pode até estar pensando que fiquei louco, mas isso ainda não aconteceu. E saiba que não lhe darei esse privilégio. O dia que isso acontecer, que seja por uma mulher inteligente. E esse não é o seu caso, apesar de você continuar acreditando que é o Aladim com uma dose cavalar de progesterona.

Imagino o quanto deve ser difícil comandar um país com as dimensões e os problemas do Brasil, mas você abusou da irresponsabilidade ao errar seguidas vezes e não pedir para sair. Tivesse feito isso, com certeza teria entrado para a história. Mas não, você precisava mostrar aos brasileiros a extensão da sua incompetência, que de tão grande coloca na sua alça de mira até mesmo quem conta verdade sobre a economia. Veja a situação do analista do Santander que decidiu revelar aos clientes do banco o que mais da metade do planeta já sabia: que uma eventual vitória sua nas urnas de outubro próximo provocará um desastre ainda maior na economia.

Muito estranhamente, Dilma, você é economista. E por isso sabe que o tal analista, agora desempregado, não está errado. No máximo pode-se dizer que ele foi ousado, mas o Brasil ainda é uma democracia. Ou será que estou enganado, Dilma? Ao invés de rebater o conteúdo do comunicado estampado nos extratos bancários dos clientes especiais do Santander, você trabalhou nos bastidores para que o sujeito fosse demitido. Decisão típica de ditadores travestidos de democratas. O pior é que você sequer teve coragem para pressionar o presidente do banco, pois se a notícia vazasse seria o fim. Então surgiu a ideia esdrúxula de colocar em cena o doutor honoris causa em besteiras e alucinações.

Jamais acreditei em uma só palavra balbuciada por você, pois a política se confunde com a prática de omitir a verdade. E nesse quesito você é especialista. Eis a primeira oportunidade para me processar: afirmei que você esconde a verdade, o que não significa que tem mentindo mais. 

Apenas deu uma repaginada na mitomania de sempre. Quer dizer, Dilma, que aquele que fizer críticas à sua atuação genial diante da economia tupiniquim está com dos dias contados?

Como não tenho medo de cara feia e muito menos de ameaça, algo que seus cumpanheros fazem com invejável maestria, continuarei criticando de forma contundente, ácida e dura as barbaridades que você e seus estafetas cometeram e comentem na seara econômica, a ponto de colocar o Brasil a um passo do despenhadeiro da crise. Mesmo assim, você ousa dizer que o Brasil está prestes a entrar em um novo ciclo. Só se for o ciclo final da máquina de triturar. O estrago que você provocou na economia só tem uma explicação: a declaração de Lula, feita em 2010, de que você era, à época, a garantia de continuidade. Por isso reconheço desde já que nesse quesito você se mostrou extremamente competente. Continuou a lambança iniciada por Lula. Não contente, resolveu turbinar o estrago ao seu modo.

Mesmo assim, confesso que minha admiração por você é descomunal e crescente. Fato é, que tenho pensado em lhe presentear, talvez com uma camisa de força, pois dizem as más línguas palacianas que com você o jogo é duro e bruto. Entendo esse seu comportamento, Wanda, quer dizer, Dilma, pois a clandestinidade embrutece. É o que dizem os clandestinos de então, agora críticos contumazes do seu desgoverno. Quem diria, a guerrilheira Estela acabando seus dias de suposta glória na mira dos pretéritos companheiros de armas. Ou seja, lhe falta competência até para convencer os mais próximos.

Não venha com a aquela conversa melodramática de que foi torturada durante os plúmbeos anos, pois você tem se mostrado uma direitista de mão cheia. Senti literalmente na pele o que isso significa e sei o quão difícil é apagar esses momentos da memória. Talvez você tenha aprendido nos porões da ditadura como se pede a cabeça de alguém, como aconteceu, de forma covarde, em relação à pessoa do Santander que ousou afirmar que sua vitória nas urnas provocaria uma débâcle na economia da nossa querida e descontrolada Botocundia.

Um dia, não faz muito tempo, quando seus companheiros de palácio surgiram com a ideia de que a imprensa deveria ser controlada - sem contar aquela banda podre que passa no caixa do governo -, você, sem me convencer, disse que preferia o ruído da democracia ao silêncio da ditadura. Por sorte não me decepcionei, pois sempre soube que o ácido desoxirribonucléico - o tal do DNA - que ocupa sua carcaça é totalitarista. Fico imaginando o que acontecerá com os jornalistas que têm criticado de maneira recorrente as insanidades que descem a rampa do Palácio do Planalto dia após dia para destruir a Nação e vilipendiar os direitos mais básicos do cidadão.

Faltar com a verdade já não é problema pra você, Dilma. Fico a imaginar o que pensará o seu neto, o Gabriel, quando souber dos desvarios governamentais da avó. E discorro os porquês. Você insiste em vender à população a ideia de que o Brasil é o País de Alice, aquele das maravilhas. Provavelmente esse deve ser o seu endereço oficial, pois não é possível que a Presidente do Brasil desconheça a realidade (dura) da economia local. Para você está tudo certo, maravilhoso, impecável, apenas e tão somente porque o seu partido descobriu a fórmula mágica de governar, transformando-se na derradeira salvação do Universo.

Creio que há muito você não vai ao supermercado ou sai em campo para as compras corriqueiras do cotidiano. Por isso afirma, sem saber o que fala, que a inflação oficial está perto do teto da meta, mas sob controle. Dilma, para adoçar nosso apimentado colóquio cito alguns exemplos. Sou do tempo em que engordava-se os porcos com abóbora. Hoje, sob o manto da genialidade petista, um quilo de doce de abóbora custa R$ 35.

Tudo bem, você dirá que isso é uma exceção. Vamos à outra ponta da doçaria. Na infância, quando aos domingos saía para almoçar com a família, eu e meu pai, após o regabofe, nos rendíamos à doçura de suculentas cocadas. 

Coisa de gordo, assunto que você não desconhece, até porque sua cintura de pilão não deixa dúvidas a respeito. 

Recentemente encontrei um cidadão, em dada feira-livre da Pauliceia Desvairada, fazedor de cocadas. Por questões óbvias tornei-me cliente do sujeito. As cocadinhas, deliciosas, é bom lembrar, custavam R$ 4 cada.

Um belo dia, numa sexta-feira, saí em cima da hora para buscar as cocadas e descubro que os trocados que carregava no bolso eram insuficientes para levar as costumeiras doçuras para casa. O preço da cocada saltara de R$ 4 para R$ 5. Perguntei ao seu cocada, assim o chamo, sobre a razão do aumento, e ele me respondeu: pergunte à Dilma. Na sequência o seu cocada disparou: Inflação. Ou seja, nesse país que você sequer conhece, o Brasil, a inflação que reina no tabuleiro da baiana já está em 25% ao ano. Dilma, já passei da idade de sonhar com determinadas coisas, mas admito que o meu sonho maior no momento é morar nesse seu país. Que coisa bacana conviver com inflação de 6,5% ao ano!

Conhecida pela humildade e também pela facilidade com que reconhece os próprios equívocos, você há de dizer que no Brasil o responsável pela Economia é um tremendo cretino. E serei obrigado a concordar, Dilma. Que bando de incompetentes. O pior é que esses alarifes costumam pedir a cabeça de quem os critica. Definitivamente, os ditadores foram infectados pelo vírus da canalhice.

Diante da minha casa, magnânima Dilma, tem uma daquelas máquinas de assar frango, as chamadas televisões de cachorro. Nesse país chamado Brasil, minha terra natal e pela qual luto diuturna e incansavelmente, já tem gente se juntando aos cachorros que ficam a contemplar os frangos rodando debaixo das resistências incandescentes. 

Isso porque cada frango assado custa R$ 30. Pasme, Dilma, que a Presidente do meu País crê que ter aumentado o salário mínimo em pouco mais de R$ 40 foi um ganho enorme para o trabalhador. Ou seja, essa incompetente deu ao trabalhador comum um aumento salarial que corresponde a um frango assado e um punhado de cacarejos, mas acredita que está abafando.

Você também poderá alegar que as penosas estão mesmo pela hora da morte. Tudo muito bem… Passo ao pão de queijo, que você já deve ter ouvido falar. O danado do pão de queijo custava, onde costuma saborear essa guloseima, R$ 4, mas agora está custando R$ 5. De novo a inflação verdadeira, aquela que atormenta os brasileiros a todo instante, está na casa de 25% ao ano. Ultimamente tenho pensado em procurar um analista, não de economia, mas aquele de divã, porque ando dividido entre a cocada e o pão de queijo. E não sei que caminho tomar. Do doce de abóbora já desisti, pois está mais barato comer marrom glacê em uma daquelas charmosas pâtisseries parisienses. Em relação ao frango, ainda não decidi a identidade canina que adotarei de agora em diante.

Saindo do devaneio e voltando à realidade, cheguei à conclusão, Dilma, que presenteá-la com apenas uma camisa de força é pouco. O melhor é chegar na loja e pedir uma de cada cor, assim você poderá combinar com seus enfadonhos terninhos. Não pense que decifrei esse enigma sem uma inspiração de sua parte. Você despenca na minha cidade, a Pauliceia Desvairada, onde sua reputação está abaixo da axila da serpente, e como fosse um papagaio de pirata inovador diz que a verdade vai vencer o pessimismo. Isso porque sua espantosa criatividade precisou se escorar no besteirol de Lula, vociferado em 2002, quando a cantilena da ocasião era a esperança vai vencer o medo.

Dilma, para finalizar e não mais tomar o seu precioso tempo, até porque gênios têm a agenda repleta de compromissos, a Economia brasileira está uma grande porcaria. E se você for reeleita a situação ficará muito pior. Você chama isso de pessimismo, mas eu chamo de verdade.

Pedir a minha cabeça, apenas porque afirmo e repito que você é incompetente, é um direito seu, mas nesse caso o assunto deve ser tratado comigo mesmo. Como ainda não cheguei a um grau de loucura que me leve a ensaiar harakiris, sugiro que você me processe. Quanto ao Lula, o irresponsável que lhe inventou como presidenciável, você não precisará acioná-lo para me intimidar. Faça isso sozinha, pois desse falso doutor honoris causa cuido eu.

Como não consigo desejar o mal ao próximo, despeço-me com a elegância de sempre e sem finalizar com PT saudações, porque essas duas consoantes, quando juntas, provocam gastura. (Ucho Haddad, jornalista político e investigativo, analista e comentarista político, cronista esportivo, escritor e poeta) 


 

Marqueteiros, aquela da dentadura foi mais do que mal!


  photo _ameracoincid.jpg 

A Cobra vai fumar!... 

Se confirmada essa notícia, provavelmente não ficará pedra sobre pedra!...

O mesmo Diretor já havia declarado: ...se contasse tudo o que sabe à Justiça, não haveria eleições neste ano...

Vamos aguardar os próximos capítulos e torcer para que tudo isso sirva para passar este País à limpo! (Márcio Dayrell Batitucci)


 photo _apaulorcosta.jpg
Ex-diretor da Petrobras decide fazer delação premiada para sair da prisão O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa aceitou fazer na tarde desta sexta-feira (22) um acordo de delação premiada com procuradores que atuam na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, para deixar a prisão.

Costa é considerado uma bomba política pelos contatos que tinha. Ele foi indicado em 2004 para a diretoria da Petrobras pelo PP, obteve posteriormente o apoio do PT e tinha trânsito no PMDB. Ao mesmo tempo, tinha contato com a cúpula das maiores empreiteiras do país. Ficou no cargo até 2012. 

Ele teria dito na prisão que se contasse tudo o que sabe à Justiça não haveria eleições neste ano. 

A decisão sobre a delação ocorreu no mesmo dia em que a Justiça autorizou operações de busca e apreensão em 13 empresas no Rio de Janeiro que pertencem a uma filha, um genro e um amigo de Costa. 

Delação premiada ou colaboração com a Justiça é um recurso no qual um réu fornece informações para a Justiça em troca de uma pena menor. No caso de Costa, sua família quer que ele deixe a prisão o mais rapidamente possível. 

Uma nova advogada, especializada em delação premiada, foi enviada pela família a Curitiba para discutir os termos da delação. Beatriz Catta Preta, a defensora escolhida pelos familiares, já cuidou da colaboração dos doleiros Raul Srour e Richard Andrew de Mol van Otterloo. 

O advogado que defendia Costa, Nelio Machado, deixou o caso por discordar da estratégia da família. A defesa do Paulo Roberto é absolutamente viável. Estão trocando uma defesa certa por uma aventura, disse Machado à Folha. 

O ex-diretor da Petrobras foi preso pela segunda vez no dia 11 de junho, após as autoridades da Suíça informarem a Justiça brasileira que ele tinha contas com US$ 23 milhões naquele país. Ele havia sido preso inicialmente em 20 de março sob acusação de ocultar provas, mas foi liberado 59 dias depois por decisão do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal. 

Costa foi diretor da Petrobras no período em que a estatal começou uma de suas maiores obras, a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que já consumiu US$ 18,5 bilhões (R$ 42,2 bilhões). A construção de Abreu e Lima estava subordinada à diretoria ocupada por Costa na Petrobras. 

Ele é réu em um processo sob acusação de ter superfaturado contratos da refinaria e o valor a mais pago teria retornado a ele como propina. O doleiro Alberto Youssef, preso junto com Costa, é acusado de cuidar da lavagem do dinheiro recebido como suborno. 

Na única entrevista que deu após a sua primeira prisão, à Folha, Costa negou que houvesse superfaturamento e suborno em contratos da Petrobras. 

A Folha revelou no dia 10 de agosto que Youssef também queria colaborar com a Justiça por não ver saída jurídica para o seu caso tamanha é a quantidade de provas contra ele. 

O doleiro é réu em 12 processos e pode ser condenado a mais de cem anos de prisão. No caso de Youssef, porém, havia resistência dos procuradores porque eles não confiam no doleiro e já tinham documentos para provar uma plêiade de crimes contra ele. (Mario Cesar Carvalho, São Paulo) 


JBS/Friboi - Leia


Plante seu jardim e decore sua alma,
ao invés de esperar que alguém lhe traga flores...

Nenhum comentário: