27 de mai de 2014

Repetir o que todos..., mas não assimilam...

Abraço em defesa da Petrobrás é amanhã (28), no Edise
 photo _aedise.jpg O Trabalhadores da Petrobrás e movimentos sociais estarão reunidos, amanhã, dia 28, em frente à sede da companhia (Edise), na Avenida Chile. O objetivo é abraçar simbolicamente a maior empresa do país, contra os ataques que vem sofrendo.
Em seus 60 anos de existência, a Petrobrás tem desempenhado papel central no desenvolvimento do país. Com a dedicação dos seus trabalhadores, a companhia permitiu que o Brasil assegurasse autossuficiência na produção de petróleo, garantida pelos próximos 50 anos. Atualmente financia mais da metade da principal obra do governo federal, o Programa de Aceleração do Crescimento - PAC.
Uma performance dessas não pode ser obras de corruptos e de picaretas. Em relação a este episódio, os trabalhadores da Petrobrás são unânimes em afirmar que lugar de corrupto é na cadeia.
Por isso, abraçamos a Petrobrás, que tem no corpo técnico um de seus mais importantes patrimônios. A companhia não pode ter a sua história achincalhada por meia dúzia de corruptos.
A ideia deste ato partiu dos próprios trabalhadores da empresa.
Entidades que já confirmaram participação: AEPET, Sindipetro-RJ, FNP, Clube de Engenharia, Astape, Auditoria Cidadão da Dívida, Movimento pela Soberania Nacional, Modecon, CUT, CGTB, Fenaspe, Fist...

Petrobrás é a 10ª maior empresa do mundo A revista Forbes divulgou que a Petrobrás é a 10ª maior empresa do mundo, avaliada em US$ 180 bilhões (R$ 339,2 bilhões). No mesmo ranking, elaborado pela publicação, outras três petroleiras aparecem entre as 10 primeiras colocações, sendo que a Exxon Móbil ocupa a liderança - US$ 407,4 bilhões (R$ 768 bilhões). Cinco instituições financeiras e um conglomerado de empresas diversas completam a lista das 10 mais. 

Dilma Rousseff, a que vai se esconder do Itaquerão, 
repete discurso terrorista de campanha da TV 

e fala bobagem sobre o presente e sobre o passado.
 photo _adilma45.jpg
Dilma e o dedo na cabeça:
do outro lado, mundo quase desabitado. 

A presidente Dilma Rousseff participou, neste sábado, de um evento da UJS, a União da Juventude Socialista, do PCdoB. Com aquela pouca destreza para as sutilezas do idioma com que Deus nos dotou a todos (nascemos idiotas, como sabem) - e que, no caso de Dilma, nem o tempo nem a escola conseguiram corrigir -, a presidente anunciou que não vai permitir a volta de espectros fantasmagóricos. Ao optar por construção tão especiosa, ela só demonstra que não sabe o que quer dizer a palavra, espectro, que vem a ser justamente sinônimo de… fantasma! Logo, Dilma promete que vai impedir a volta de fantasmas fantasmagóricos. Contra o pleonasmo e a bobagem, ela não fez promessa nenhuma. Pretende deixar tudo como está.

Coitada da Dilma! E coitados de nós, também, caso ela obtenha sucesso na sua empreitada! Entendo esta senhora. Ela é uma ex-comunista (é ex?) e falava num encontro do PCdoB. É natural que seu cérebro estivesse numa espécie de convulsão, não é?, ainda que, ao pensar no assunto, eu imagine, assim, a mente presidencial como um lugar bem pouco habitado. Como esquecer as nove palavras iniciais do Manifesto Comunista, de Marx? A elas: Um espectro ronda a Europa - o espectro do comunismo. Só que o barbudo furunculoso não usava a imagem para assustar o povo.

Dilma meteu o pé na jaca, informa a Folha. Segundo a petista, seus adversários, se eleitos, vão promover desemprego, recessão e arrocho salarial. E avançou: Eu não fui eleita para colocar o país de novo de joelhos, para acabar com a política industrial, privatizar empresas. Não fui eleita para varrer a corrupção para debaixo do tapete, como era a prática anterior.

É tanta bobagem que mal se sabe por onde começar. Política industrial??? Segundo um estudo da Fiesp, entre 2004 e 2012, na gestão petista, a participação industrial na atividade econômica totalizou uma perda de 30,8%. A fatia de contribuição do setor manufatureiro para o PIB caiu de 19,2% em 2004 para 13,3% no ano passado. A taxa já é a menor desde 1955, quando a participação chegou a 13,1%. Se cair mais um pouco, o país chegará ao número de 1947 - 11,3% -, tempo em que o Brasil era uma economia rural, primário-exportadora.

Eis aí o resultado da genial política industrial do petismo. E por que a indústria precisa ser forte? Ora, perguntem aos países ricos ou à gigante China. Indústria em declínio significa exportação de emprego - e dos melhores empregos. Isso para começo de conversa. De qual país de joelhos fala Dilma? Aquele da hiperinflação, ao qual o PT se agarrava com patas e dentes - daí que tenha tentado sabotar o Plano Real de todas as formas possíveis? Quanto à privatização, dizer o quê? Dilma só não privatizou mais porque foi incompetente. Sua menção à corrupção só pode ser humor involuntário.

O discurso do medo, como resta óbvio, é o discurso de quem está com… medo. Estivesse ela flanando nas alturas, como há pouco mais de um ano, a conversa, obviamente, seria outra. A presidente que tenta botar terror nas eleições é aquela que decidiu silenciar na abertura da Copa do Mundo porque sabe bem o que o Itaquerão tinha reservado para ela.

Falar para os engajados da Juventude Socialista é fácil. Vá lá, Dilma, no Itaquerão, enfrentar o povo, cara a cara. Vamos ver se ele também aplaude. ( Reinaldo Azevedo) 



Seleção é hostilizada na saída e na chegada por baderneiros vermelhos e alguns tipos...
Estes os
Vermelhos baderneiros que alguns estão apoiando...
A imagem mostra bem a
Bandeira deles, uns 20 sujeitos com tolerância da polícia.
Não mostram os que empunham a
Bandeira do Brasil e apoiam a seleção.
O
Povo tem sim o que protestar, e a maioria sabe que não é o momento e não se aliam a estes tipos...
Brasil sempre, não apenas na Copa!

Tanto na saída do Rio 
quanto na chegada a Teresópolis, 
Seleção enfrenta protestos da população revoltada.  

Manifestantes protestam na passagem do ônibus com jogadores da seleção para a Granja Comary

 photo _acopamanifesta.jpg
Depois de enfrentarem manifestação de professores das redes municipal e estadual do Rio de Janeiro em frente ao Hotel Linx, onde se reuniram pela primeira vez, os jogadores da seleção brasileira chegaram também sob protestos na Granja Comary. O local será a concentração da equipe brasileira para a Copa do Mundo.

A seleção brasileira chegou a Teresópolis por volta das 12h.

No local havia aproximadamente 200 pessoas entre manifestantes do Sindicato Estadual dos Professores do Rio e militantes do PSTU e do PSDB e torcedores, segundo a polícia. Eles entoam cânticos e exibem faixas contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. Brasil vamos acordar, professor ganha menos do que o Neymar, era um dos cânticos.

No Rio de Janeiro, os professores exibiram também faixas e gritos contra a realização da Copa do Mundo no Brasil. Pode acreditar, educador vale mais do que o Neymar, é um dos cânticos dos manifestantes.

Eles também exibiram faixas em inglês: Tem dinheiro para a Copa, mas não tem dinheiro para educação.

Os manifestantes - aproximadamente 200 vaiaram os jogadores e colaram vários adesivos no ônibus contra a Copa e cobrando reajuste salarial na saída da delegação com destino à Granja Comary.

O ônibus da seleção deixou o local sob proteção de quatro carros da Polícia Federal.

Professores estaduais e municipais do Rio estão em greve desde o último dia 12. Eles reivindicam aumento de 20% no salário, redução da carga horária dos servidores administrativos para 30 horas semanais (atualmente são 40 horas por semana), plano de carreira unificado para a categoria e eleição direta para diretor de escolas.

Segundo o Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação), dos 75 mil professores do Estado, 30% aderiram à greve, e dos 42 mil do município, 55% cruzaram os braços. (Bernardo Itri, Marcel Rizzo, Sérgio Rangel, Petrópolis)

Campanha salarial: jornalistas do Rio aprovam estado de mobilização - Os jornalistas do Rio decidiram entrar em estado de mobilização para pressionar as empresas por um acordo salarial que garanta aumento real, piso digno, segurança e mais direitos. A decisão foi unânime nas duas sessões da assembleia da campanha salarial 2014, realizadas na quinta-feira (22/05). Foi recusada ainda a contraproposta apresentada pelos patrões de rádio e TV na rodada de negociação da última quarta (21/05). Os trabalhadores reafirmaram o apoio à íntegra da pauta de reivindicações do Sindicato.
A Copa e a Maldição dos Dezesseis Anos
No creo en brujas... Pero que las hay, isto hay.
A primeira grande frustração do Brasil em Copas do Mundo ocorreu em 1950, quando perdemos em casa para o Uruguai.
Dezesseis anos depois, a segunda. Em 1966, como bicampeões mundiais, caímos na primeira fase, perdendo para Hungria e Portugal.
Dezesseis anos depois, a terceira. Em 1982, como tricampeões e com um time de fazer inveja a qualquer argentino, fomos bisonhamente eliminados pela Itália, embora jogássemos pelo empate.
Dezesseis anos depois, a quarta grande decepção. Em 1998, já tetracampeões, perdemos a final para a França, de goleada. Até hoje não se sabe direito o que aconteceu com o nosso centroavante. Dançamos no Moulin Rouge do futebol!
Dezesseis anos depois, retorna a Copa ao Brasil. E mais uma vez perdemos. Perdemos para a mobilidade urbana, perdemos para a violência nos estádios, perdemos para os acidentes fatais nas obras, perdemos prazos, perdemos para a corrupção e para o superfaturamento, perdemos a chance de melhorar a saúde, a educação e a segurança. Derrota acachapante!
Só espero que o cabalístico azar dos dezesseis anos se confirme dentro do gramado, especialmente no ponto de inflexão da campanha ao enfrentarmos Espanha ou Holanda (não acredito na zebra chilena) nas oitavas de final, onde estarão se digladiando dezesseis seleções.
Pode parecer impatriótico torcer contra o escrete canarinho, mas se quebrarmos esse tabu e nos sagrarmos hexacampeões mundiais de futebol teremos, certamente, outra maldição muito mais calamitosa a se concretizar - o PT na Presidência da República por dezesseis anos! Que bola nas costas... (AD)
Jefferson diz que presidente do STF está exagerando com Dirceu. Joaquim Barbosa negou pedido de trabalho para o ex-ministro José Dirceu.
Roberto Jefferson cumpre pena desde fevereiro no RJ pelo mensalão do PT.
Em carta enviada à Folha de S.Paulo a pedido do jornal e publicada neste domingo (25), o delator do mensalão do PT, ex-deputado Roberto Jefferson, disse considerar que o presidente do Supremo Tribunal Fedeal (STF), Joaquim Barbosa, está exagerando com o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu e vitimizando a turma do PT.
No dia 16 de maio, o ministro Joaquim Barbosa rejeitou pedido de trabalho feito por Dirceu em um escritório de Brasília. Barbosa também decidiu revogar autorizações de trabalho para outros sete condenados no processo, entre eles o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. O argumento é de que eles não têm direito ao benefício porque não cumpriram um sexto da pena, conforme estabelece a Lei de Execução Penal (LEP).Apesar de isso estar previsto na lei, há mais de dez anos o Superior Tribunal de Justiça (STJ) tem autorizado o trabalho desde o início do cumprimento da pena para presos do semiaberto. A defesa de Dirceu já recorreu ao plenário do STF, mas depende de Barbosa o momento em que o recurso será analisado.
Jefferson escreveu a carta no dia 19 de maio, de dentro do Instituto Penal Coronel PM Francisco Spargoli Rocha, em Niterói.

Nenhum comentário: