20 de mai de 2014

O Brasil não têm legados ou têm?....

Não sei se posso entender que nebulosas causaram o que o ministro do STF mudou decisão e mantém suspeitos da operação Lava Jato presos, mas deixa livre o ex-diretor corrupto da Petrobras.
Sarney, por que não para já que políticos não lhe dão guarida e seus estados estão a mingua.
Cooptação na linha de frente: Ex-presidente da Petrobras isenta Dilma de responsabilidade por refinaria.
O denodo de Dilma em manter uma agenda, sabendo que o povo a acha incapaz de ficar a frente do governo.
Copa: 20 mil homens farão segurança no Rio - Força de Segurança apresenta planejamento para a Copa do Mundo, que começará no dia 12 de junho. Policiais estrangeiros darão apoio aos agentes brasileiros durante a competição.
A vergonha de anos: Despoluição da Guanabara volta a ser alvo de polêmica. (Reuters)
Mario Moscatelli vê tarefa com prazo curto, mas possível; despoluição volta a ser destaque na imprensa internacional.
Paulo Coelho sobre Copa: Ronaldo é um imbecil - Escritor critica gastos com Copa e declaração do jogador Fenômeno sobre investimentos do Mundial: "Nós poderíamos usar o dinheiro para construir algo diferente em um país que precisa de tudo: hospitais, escolas, transportes.
Ronaldo é um imbecil por dizer que não é o papel da Copa do Mundo construir esta infraestrutura. Ele deveria ter fechado a boca".
Copa: nossos aeroportos estão prontos? Voos atrasados, estruturas improvisadas, filas e obras são realidade em vários terminais a poucas semanas do Mundial; governo garante 'estar pronto' para atender demandas internacional e doméstica. (BBC)
Zico lamenta oportunidade perdida com a Copa - Ex-astro do futebol brasileiro se junta ao coro dos descontentes e lamenta oportunidade perdida de destacar positivamente o país em meio a protestos contra os recursos gastos com o evento; "O Brasil não conseguiu aproveitar essa oportunidade. Não houve projeto ou planejamento", disse o ídolo do Flamengo ao jornal italiano Corriere Dello Sport.
O Brasil e a Copa.
A quase um mês da Copa do Mundo, vejo a bola rolando quadrada no país do futebol. A festa que se previa deu lugar à tensão e ao ceticismo.
Sempre declarei meu amor pelo Brasil. Trabalho para ajudar a melhorar este país, gerando empregos, dando aulas, apoiando iniciativas nas áreas de educação e esporte e investindo em empresas que possam contribuir para o seu crescimento.
Como milhões de brasileiros, eu tenho o futebol como paixão. E não acho que protestando contra a Copa diante dos olhos do mundo ganharemos alguma coisa, pelo contrário. Devemos aproveitar a atenção mundial para mostrar a grandiosidade e as oportunidades do Brasil, não os nossos problemas. Estes, resolvemos nós.
A quase um mês da Copa do Mundo, vejo a bola rolando quadrada no país do futebol. A festa que se previa deu lugar à tensão e ao ceticismo. Pesquisa Datafolha aponta que hoje mais brasileiros rejeitam a Copa do que a apoiam. É possível que saia mais gente às ruas do país para protestar contra o torneio do que para celebrá-lo.
A intenção deste artigo não é desestimular ninguém a protestar. São muito justas as reivindicações por investimentos em educação, saúde, moradia, segurança e transportes. Com a nossa pesada carga de tributos, o Estado brasileiro deve, urgentemente, serviços mais eficientes e mais ética na gestão pública. Ter uma população mais engajada, exigindo serviços e gestão com a qualidade da nossa seleção e dos novos estádios, é saudável e legítimo.
Mas nós não podemos esquecer que a Copa do Mundo é uma das melhores oportunidades de projeção do país. Se a usarmos de forma eficaz na promoção da marca Brasil, ganharemos muito. E quanto mais ganharmos com a promoção global do país, menos a Copa nos terá custado. Num mundo cada vez mais globalizado, a imagem ou marca de uma nação pode ser mais importante do que o que ele produz e vende.
O Brasil não é só um país em construção, mas uma marca em construção. Uma marca que reflete tudo o que somos: um gigante em paz com os vizinhos, um país com enormes recursos humanos e materiais, uma das maiores democracias do mundo, uma economia de mercado de cerca de 200 milhões de consumidores, imprensa livre, Justiça independente, instituições sólidas. Quantos países têm essas credenciais?
O interesse das grandes empresas e dos grandes empresários estrangeiros pelo Brasil é enorme, vejo quando viajo para o exterior para promover nossos produtos e o nosso mercado. E não são apenas os empresários. Existem interesse e simpatia generalizados por um país de povo tão criativo, alegre e empreendedor.
Durante a Copa do Mundo, um terço do planeta estará grudado nas telinhas para ver os jogos e, por tabela, o país que os sediará. Não tem cartão de crédito nem emissão de títulos da dívida pública que paguem essa massiva publicidade global. Precisamos aproveitá-la ao máximo. O Brasil ainda é pequeno em comércio internacional e atração de turistas. Atrairemos muito mais recursos realizando uma Copa ordeira, que revele um país dinâmico, alegre e capaz de se organizar. Isto trará frutos para todos os brasileiros.
Também acho que foram cometidos equívocos. Não precisávamos de tantas sedes e estádios tão caros em cidades sem torneios de futebol expressivo. As obras de mobilidade urbana poderiam ter sido entregues a tempo. Precisamos tirar todas as lições desses fatos lamentáveis.
Mas a bola, afinal, vai rolar. O Brasil, maior seleção da história, sediará uma Copa já especial pela presença de todas as grandes seleções e seus craques fabulosos. Que honra receber e, torçamos, derrotar Messi, Cristiano Ronaldo, Balotelli, Özil e Iniesta.
O Brasil é muito maior que as dificuldades que atravessamos. Está na hora de mostrar o nosso amor por este país --de começar a Copa cantando "sou brasileiro, com muito orgulho" e encerrá-la com "we are the champions".
(Abilio Diniz, presidente do Conselho de Administração da companhia de alimentos BRF)

Grávidas denunciam médico cubano por abuso sexual 

Polícia Civil de Goiás investiga denúncia de três mulheres contra integrante do programa do governo federal Mais Médicos que atua desde o começo do ano na cidade de Luziânia (GO), região do Entorno de Brasília; elas alegam que clínico geral cometeu atos libidinosos durante consultas; Secretaria Municipal de Saúde afastou profissional e informou caso ao ministério; médico será ouvido nesta terça-feira (20) pela delegada que investiga o caso.

Crueldade e liberticídio assomam no Mais Médicos
 photo _draramonamatos.jpg

A Dra. Ramona Matos mostra pedido de refúgio no Brasil. Não ficou: tinha medo de ser deportada a Cuba. Os médicos cubanos Ramona Rodriguez e Ortélio Guerra, que abandonaram o “Mais Médicos” no Brasil, declaram que não lamentavam deixar o País.

Eles agora estão em Miami e querem trabalhar como assistentes ou técnicos em clínicas americanas, adaptando-se à nova realidade, segundo ouviu a “Folha de S.Paulo”. 

Eles aceitaram postos inferiores na enfermagem, enquanto se preparam para revalidar seus títulos. Revalidação que não será fácil, considerando-se o abismo que separa o miserável sistema médico cubano e a exigente formação dos médicos nos EUA. 

Mas, segundo Ramona, o esforço, vale a pena, pois no Brasil eles viviam na contínua insegurança de serem embarcados pela força para Cuba. “Minha primeira opção era os EUA. No Brasil, tinha medo de ser deportada”, disse ela à “Folha”. 

“Aqui, acrescentou, não se pode trabalhar logo como médica, como no Brasil, porque é preciso revalidar o diploma. Mesmo assim foi uma opção melhor”. 

O sofrimento de Ortélio Guerra era análogo: “No Brasil, eu não estava legal, não tinha residência permanente, então não poderia fazer o Revalida. Estava apenas com um contrato de trabalho, por meio do programa”. Estava à mercê do capricho dos chefes cubanos, como os escravos na Antiguidade.

“Aqui estou legal, mas tenho que atuar como assistente. Será um processo longo, mas vou estudar e tentar revalidar meu diploma”, explicou.

Os dois médicos obtiveram a tábua de salvação com que muitos de seus colegas sonham: o visto americano CMPP (Cuban Medical Professional Parole), programa para médicos que Cuba enviou em missões a outros países. O CMPP concede a residência permanente nos EUA. 

Ramona obteve refúgio no gabinete do deputado federal Ronaldo Caiado, em Brasília, mas desconfiou, não perdeu tempo e obteve o CMPP na embaixada americana da capital federal em dois meses. 

Guerra obteve o visto no consulado dos EUA em São Paulo, abandonou o Brasil em fevereiro e avisou aos colegas pelas redes sociais, de medo de ser interceptado no caminho. 

Os dois sentem saudades do Brasil e dos amigos que deixaram. Assim que tirar a residência americana, com essa garantia de não ser preso e encaminhado a Cuba, Guerra quer voltar.

Por sua vez, a revista “Isto é” denunciou mais uma cruel mazela resultante do caráter escravagista do plano “Mais Médicos”. 

Cinco médicas cubanas teriam engravidado no Brasil e o governo castrista estaria exigindo sua volta para Cuba. Elas só poderiam ficar se matarem seus bebês, abortando-os.

De fato, se nascem no Brasil serão brasileiros e suas mães poderão também requerer a cidadania brasileira. Assim fugiriam da ditadura cubana de modo legal./ Porém, o aborto nessas circunstâncias é crime no Brasil. 

Mais ainda, o acordo trabalhista Cuba-Brasil, que cria a Missão Médica Cubana no Brasil, é quem autoriza ou não o namoro das profissionais com homens não nascidos em Cuba. 

Isso levanta mais um aspecto escravagista do programa. A legislação brasileira proíbe a discriminação de nacionalidades em relações de tipo matrimonial. 

Crueldade e libertinagem estão indo de mãos dadas. Este é o rumo para o qual nos encaminham as esquerdas populistas. 

Cisão do Plano Petros do sistema Petrobrás
Lutar para que não aconteça o verdadeiro crime tentado pela composição nefasta FUP/Petrobrás. O chamamento para o debate deste tema separação de massas x cisão do PPSP é muito oportuno porque é fundamental que se tenha conhecimento claro sobre este assunto, pois separação de massas nunca foi problema, mas cisão sim. Sim, porque existência de diversas massas de participantes e assistidos nunca foi problema, porque ao longo dos 44 anos de existência da PETROS foram realizadas várias alterações no primeiro Regulamento do Plano Petros BD, hoje Plano Petros do Sistema Petrobrás, todas normatizadas e apenas afetando direitos dos ingressados após a alteração homologada pela “autoridade governamental competente” - porém mantendo direitos adquiridos para os admitidos antes das mudanças, mas também a esses, as mudanças criadas no que for melhor para eles. O problema foi a malandragem efetivada usando o tema separação de massas para tentar promover a imoral "cisão do plano". (Paulo T. Brandão)
“Abolir vossa propriedade, é isso o que queremos.”
“A Revolução Francesa aboliu a propriedade feudal para instaurar sobre suas ruínas a propriedade burguesa.
“O que caracteriza o comunismo não é a abolição da propriedade em geral, mas a abolição do regime de propriedade da burguesia (...)
“Assim entendida, os comunistas podem resumir sua teoria nessa fórmula: abolição da propriedade privada.
“Aterrorizai-vos de que queremos abolir a propriedade privada. (...) Nos reprovais, dizendo de uma só vez, querer abolir vossa propriedade. Pois sim, é isso o que queremos.” 
(Fonte: Karl Marx e Frederich Engels, “Manifesto comunista”, 21/02/1848) 

Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas. (Provérbios 3:5-6)

Nenhum comentário: