16 de abr de 2014

Eu sonhei que tu estavas dormindo...

O Bode e os elefantes!... 

Esqueça Pasadena, Petrobras tem um problema maior no nordeste. Todos nós conhecemos aquela história do bode que é colocado na sala, como sendo o maior problema que podemos ter diante de nós!

Quando colocamos o bode para fora, com um pequeno chute ou uma paulada, ficamos para lá de felizes: resolvemos o nosso problema!

Na realidade, a questão básica não era essa: ela só serviu de camuflagempara esconder os verdadeiros problemas que estavam em torno de nós!...

É exatamente esse o caso dessa refinariazinha de araque de Pasadena, onde  foi desviado, um simples bilhão! Esse é o bode que o Governo, o PT apóstata e a Petrobrás estão colocando na sala!...

Mas as verdadeiras questões de má gestão, de superfaturamento, de propinas, de desvio de recursos do contribuinte, etc., estão na Refinaria Abreu Lima (PE), no Comperj, na Transpetro, na terceirização descabida, na falta de manutenção adequada das plataformas de petróleo, no garroteamento do corpo técnico da Empresa e em dezenas de outros empreendimentos que vem sendo tocados pela Petrobrás, sob a égide PTista-sindical apóstata!

Esses, não são bodes: são verdadeiros elefantes que estão aí, diante dos olhos de todo o País e que a imprensa, a oposição, os Órgãos de Controle e a população brasileira não conseguem, ou não querem ver!

E, assim, planejadamente e decididamente, a maior Empresa brasileira vai sendo destruída!... (Márcio Dayrell Batitucci)

 photo _chao.jpg

A solução para o Rio!


Coisas (fenômeno natural) da terra Prometida. 
Tsunami no Deserto de Israel! 

Esse fenômeno acontece em Israel pelo fim do Inverno, início da Primavera.

Foi adiantado este ano pelos dias de calor nos últimos dias.

As águas das chuvas e da neve são acumuladas nas montanhas perto de Jerusalém (a 700 m de altura) e libertadas pela pressão, num determinado momento.

O trajeto é para o Mar Morto (cerca de 300 m abaixo do nível do mar) através do deserto, que é montanhoso. O curso do rio pode ocorrer de 2 a 5 minutos. Quem não está avisado, pode ser arrastado, com final trágico. Meia hora depois, tudo seco, como se não tivesse acontecido nada. Só os desastres eventuais...... O vídeo é do fim de semana passada.

Quando o povo está armado... 

Para quem não sabe, pois nenhuma linha foi noticiada na imprensa nacional dominada pelo PT, vejam o que é a democracia em um país livre e onde se respeita o direito à propriedade. 

Um impasse gigantesco tomou conta do estado americano de Nevada na última semana. O Governo Federal tinha uma questão de terras com Clive Bundy, proprietário do Rancho Bundy. 

O governo confiscou 400 cabeças de gado e queria desapropriar parte das terras do fazendeiro. Para isso, enviou uma Força Tarefa para ocupar a área de terras do Rancho. Para a surpresa do governador do estado de Nevada, a força policial foi recebida por um enxame de fazendeiros montados a cavalo que se reuniram em linha na borda do rancho, em favor de Clive Bundy, todos armados com rifles, espingardas e até revólveres de ação simples em cinturões como nos filmes de western. Outros até mesmo armados com fuzis de assalto. Juntaram-se ainda ao movimento de resistência, moradores de locais próximos do rancho do fazendeiro de Nevada. Resultado: a policia teve de recuar e o governo, para evitar um banho de sangue, devolveu as cabeças de gado confiscadas e está negociando uma suposta multa de 1 milhão de dólares dada a Clive Bundy. Em entrevista a redes de televisão, muitos fazendeiros locais declararam: Juntei-me em apoio a Clive Bundy porque hoje o Governo quer desapropriar parte do rancho dele, amanhã poderá ser o meu...
  photo anigif_enhanced-26841-1396262416-1.gif 
Jornalista dinamarquês desiste de cobrir a Copa depois do que viu em Fortaleza.

Quase dois anos e meio atrás eu estava sonhando em cobrir a Copa do Mundo no Brasil. O melhor esporte do mundo em um país maravilhoso. Eu fiz um plano e vim estudar no Brasil. Aprendi português e estava preparado para voltar.

Voltei em setembro de 2013. O sonho seria cumprido. Mas hoje, dois meses antes da festa da Copa, decidi que não vou continuar aqui. O sonho se transformou em pesadelo.

Durante cinco meses fiquei documentando as consequências da Copa. Existem várias: remoções, Forças Armadas e PMs nas comunidades, corrupção, projetos sociais fechando. Descobri que todos os projetos e mudanças têm como objetivo pessoas como eu - um gringo e também uma parte da imprensa internacional. Eu sou um cara usado para impressionar.

Em março, estive em Fortaleza para conhecer a cidade mais violenta a receber um jogo de Copa do Mundo até hoje. Falei com algumas pessoas que me colocaram em contato com crianças da rua e fiquei sabendo que algumas estão desaparecidas. Muitas vezes, são mortas quando estão dormindo à noite em áreas com muitos turistas. Por quê? Para deixar a cidade limpa para os gringos e a imprensa internacional? Por causa de mim?

Em Fortaleza eu encontrei Allison, 13 anos, que vive nas ruas. Um cara com uma vida muito difícil. Ele não tinha nada - só um pacote de amendoins. Quando nos encontramos ele me ofereceu tudo o que tinha, ou seja, os amendoins. Esse cara, que não tem nada, ofereceu a única coisa de valor que tinha para um gringo que carregava equipamentos de filmagem no valor de R$ 10.000 e tinha um MasterCard no bolso. Inacreditável.

Mas a vida dele está em perigo por causa de pessoas como eu. Ele corre o risco de se tornar a próxima vítima da limpeza que acontece em Fortaleza.

Eu não posso cobrir esse evento depois de saber que o preço da Copa não só é o mais alto da história em reais e centavos - também é um preço que, estou convencido disso, inclui vidas de crianças.

Hoje, vou para a Dinamarca e não voltarei para o Brasil. Minha presença só está contribuindo para um desagradável show. Um show de que eu, dois anos e meio atrás, sonhava participar. Mas hoje eu vou fazer tudo que estiver ao meu alcance para criticar e focar no preço real da Copa do Mundo do Brasil.

Alguém quer dois ingressos para o jogo entre França e Equador no dia 25 de Junho? (Mikkel Keldorf Jensen, dinamarquês, jornalista independente)

Nenhum comentário: