11 de mar de 2014

Puxadinhos num país esquisito…

Universidade mineira administra curso para difundir comunismo
 photo _asalaaulacomunismo.jpg
Foto ilustrativa da Folha
Professor Alexandre Arbia dá aula de marxismo, Centro de Difusão do Comunismo, Universidade Federal de Ouro Preto A Folha de São Paulo (9-7-2013) informou que a Universidade Federal de Ouro Preto adotou um plano que ensina a propagar o comunismo.
No referido plano, a doutrina é exposta num programa de extensão que propaga desde 2012 ideias comunistas a estudantes e moradores do interior mineiro.
Obviamente, o programa não ensina luta de classes e outros aspectos violentos intrínsecos à expansão do comunismo, que poderiam atrair a polícia e a Justiça e terminar bloqueando a formação dos alunos nas artes revolucionárias.
A Folha sublinha o fato simbólico de o curso acontecer em Ouro Preto, pois vê uma relação intrínseca com a Inconfidência Mineira - movimento que há 224 anos se rebelou contra a ordem instalada por Portugal no Brasil nascente.
O Centro de Difusão do Comunismo da Ufop tem cunho abertamente ideológico, esclarece o jornal, porém deixa de lado a apologia da revolução contra o Estado que o tornaria uma palestra de técnicas subversivas passíveis de serem enquadradas na Lei.
A maioria dos alunos é composta por moças de classe média baixa e estudantes de serviço social de olho no mercado: esperam que a teoria marxista tenha valia na profissão que escolheram. Um bom gancho que depois pode precipitá-las aonde elas não imaginam.
Em 29 de junho, em Mariana (MG), o centro oferecia o curso Relações Sociais na Ordem do Capital. Ligado à escola de serviço social, o professor Alexandre Arbia criticava a avalanche neoliberal e as centrais sindicais, segundo a Folha.
Todas as atividades do centro são gratuitas. O programa consome R$ 60 mil por ano em bolsas mensais de R$ 250, segundo o pró-reitor de Extensão da universidade, Rogério Santos.
Quem não faz segredo da finalidade última do curso é o próprio Coordenador do Centro de Difusão do Comunismo, André Mayer, filiado ao PCB. Ele diz que a iniciativa permite aos participantes colocar a sociedade em xeque
É uma proposta muito clara de buscar as contradições dessa sociedade e transformá-la, acrescenta. Transformá-la como a falida URSS e Cuba foram transformadas, é claro.
Não é de espantar que apareçam do nada ativistas do comunismo que se acreditava ultrapassado, mas que hoje está de volta da mesma maneira que sua companheira de viagem, a Teologia da Libertação.

 Carta reverente de um príncipe brasileiro ao Papa Francisco  photo _adombertrand.jpg
 Dom Bertrand de Orleans e Bragança, bisneto da Princesa Isabel, redentora dos escravos. 
D. Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe da Casa Imperial do Brasil e bisneto da Princesa Isabel, enviou no dia 08/02 uma mensagem ao Papa Francisco mostrando a perplexidade de inúmeros brasileiros diante da acolhida que a Santa Sé deu recentemente ao MST e à Via Campesina.
O homem moderno sente-se órfão mesmo quando possui uma família, até quando tem um pai e uma mãe; sente-se órfão porque as elites não existem ou não atuam, e muitas vezes dão os piores exemplos.
Sente-se órfão porque a voz da Igreja não se faz ouvir como antes; e porque não existem mais na sociedade grandes personagens e grandes valores, já nem digo na ordem moral, mas simplesmente na ordem da sabedoria, do talento e da força de personalidade.
O mundo moderno está órfão. Ele se sente, na colorida expressão de Plinio Corrêa de Oliveira, cheio de nada e vazio de tudo. O vazio é hoje seu pai e sua mãe.
Em sentido contrário, Donoso Cortés assim descreve belamente o exemplo que Nosso Senhor nos dá: Sei que Tu és como a mãe e eu como o menino pequenino, em quem a mãe infunde o desejo de andar, e em seguida lhe dá a mão para que ande, e depois lhe dá um beijo na testa porque quis andar e andou com a ajuda de sua mão. É sublime! 
 photo _aveja1998.jpg 
João Pedro Stedile encarna a subversão e a violência agrária
Capa da revista Veja, 3-6-1998
A esquerda com raiva


Estava eu nestas cogitações sobre a orfandade, a paternidade e a filialidade, quando chega às minhas mãos a mensagem do príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança ao Papa Francisco. E que vejo? Um magnífico exemplo de filialidade numa situação delicada, pois se tratava de apontar alguns fatos, em que o Pontífice estava mal informado.
Os fatos que o príncipe menciona são estarrecedores, mas a atitude dele sempre é serena embora clarividente, e muito filial. Por exemplo: “Permita-me, Santo Padre, frisar a ameaça com a qual Stédile concluiu sua arenga: assinalando que é preciso que a classe trabalhadora se reúna a nível internacional, mas que isto seja feito por fora das ONGs e dos Fóruns Sociais - dado que estes teriam fracassado na tarefa de organizar o povo -, indicou que agora é preciso reunir todos os movimentos sociais do mundo em um outro espaço de confrontação ao capital financeiro internacional. Dessa forma, concluiu, a curva da luta de classes será mundial e, portanto, quando começar a fase de ascensão, será assim por toda parte. E a terra tremerá."
É uma chantagem: ou faz o que desejamos, ou a terra tremerá!

O agitador espera, ademais, que se estabeleça de agora em diante um diálogo maior do Vaticano com os movimentos sociais’, cujo resultado seria que ‘em nossos países [...] as igrejas locais ouçam os povos e não o Núncio apostólico, que é um burocrata a serviço de não sei quem’. É assim que ele retribui o convite e a passagem aérea que diz ter recebido do Vaticano…
A filial mensagem observa: 
 photo _avaticanospedro.jpg
Convém não esquecer o que Miguel Stédile (filho de J.P. Stédile), da coordenação nacional do MST, declarou à revista Época (n° 268, julho de 2003): Queremos a socialização dos meios de produção.Vamos adaptar as experiências cubana e soviética ao Brasil.
Ele está apontando para a desejada por ele República Socialista e Popular do Brasil…
Esta perspectiva, e mais numerosas citações, levam Dom Bertrand a exclamar: Santidade, para meu coração de católico e brasileiro resulta inexplicável que nos recintos sagrados da Cidade do Vaticano tenha ressoado uma tal apologia do comunismo - com sua ideologia fundada na negação da propriedade privada e na luta de classes - feita pelo Sr. Grabois, 76 anos depois que o Papa Pio XI houvesse condenado esse sistema antinatural como intrinsecamente perverso!
Infelizmente, citações análogas às aqui mencionadas abundam na documentadíssima Reverente e Filial Mensagem enviada por Dom Bertrand ao Papa Francisco.
Concluo observando que um dos deveres do pai é defender o filho quando este está em perigo, e um dos deveres do filho, com o devido respeito, é sempre que necessário ajudar o pai a tomar as atitudes cabíveis. É o que se lê no documento que estamos comentando.
Clique aqui para ler em tela completa.



Infraero, Secretaria de Aviação Civil do PT
Escrito por um piloto de linha aérea para todos os brasileiros que utilizam o meio de transporte aéreo.
Para você entender o que é a aviação no Brasil deve-se partir da seguinte ideia; imagine-se dirigindo um carro BMW luxuoso no meio de um safári na África; é mais ou menos assim que um aviador se sente voando no Brasil; você tem uma tecnologia de ponta dentro do seu avião e um sistema precário e ultrapassado a sua volta. Vou explicar porque.
Atrasos: Os atrasos no Brasil têm características incomuns comparado ao mundo afora; quando se tem nevoeiro... somente Guarulhos tem sistema mais preciso para pouso por instrumento, conhecido como ILS categoria 2. Curitiba também tem, mas lá é tão engraçado que colocam o sistema para manutenção exatamente em época de nevoeiro. Vergonhosamente Porto Alegre, Florianópolis e Confins não têm esse sistema. Estes sempre fecham por causa de nevoeiro. Manaus, que tem uma localização extremamente estratégica e que sempre tem nevoeiro, porém também não tem sistema ILS. Detalhe: Nos EUA, são mais de 100 aeroportos só com ILS categoria 2, fora os de categoria 1 e 3.
Se você, passageiro, está indo para Porto Alegre, fique sabendo que seu avião não pode alternar Florianópolis caso Porto Alegre esteja fechado. Florianópolis tem um vergonhoso pátio para apenas cinco aviões; lembrando que no verão Florianópolis recebe mais 150 voos de fretamento além dos regulares. Este aeroporto supracitado, vergonhosamente, não tem taxiway (pista para a aeronave taxiar até a pista principal), sendo necessário a aeronave taxiar pela pista principal gerando espaçamento maior entre as aeronaves que se aproximam, ou seja, ocasionam atrasos.
Se você está chegando a São Paulo, o problema é parecido. Guarulhos está sempre com o pátio lotado, Vitória e Confins também. Galeão e Congonhas dias atrás ficaram nesta situação, com o pátio lotado. Quem tinha Galeão como alternativa de pouso teve que escutar um negativo do controlador para alternar aquele aeroporto. Estava no plano de vôo que Galeão seria o alternado, Se o controlador aprovou o plano antes de decolar isso significa que é questão de lei e não de conveniência de pátio.
Nordeste. Voar no Nordeste é mais tranquilo por haver menor tráfego de aeronaves, porém lá tem outro problema: O controle de tráfego aéreo tem o desserviço de contar com as aeronaves militares fazendo treinamento que consequentemente geram atrasos, geralmente de mais de 20 minutos nas decolagens; o que desencadeia um atraso bem maior quando essas aeronaves chegam atrasadas ao sul do Brasil. Na regra internacional uma aeronave em instrução militar tem preferência sobre aeronaves civis de passageiro em pousos e decolagens, porém, se o País quer adotar regras internacionais ao pé da letra... que construam bases militares específicas para a função militar. Lembrem-se que aqui é o Brasil e não Europa ou EUA, onde os aviões são sequenciados para pouso com separações de 4 km entre aeronaves, enquanto que no Brasil é 8 km entre aeronaves e no caso de Florianópolis chega a 20 km por aeronaves por falta de taxiway.
Saibam que todo piloto Brasileiro se sente mais seguro voando nos EUA, Europa e Ásia do que voando aqui no Brasil, fato decepcionante, mas vou explicar o por que...
Aqui no Brasil existe uma regra: a menor distância entre dois pontos é uma curva. Você sabia que quando você sai do litoral brasileiro e vai pra São Paulo você voa em curva? É necessário passar por cima do Rio de Janeiro. Poderia ser direto via Minas Gerais. Esse contorno do litoral gera em cada voo pelo menos 1000 litros a mais de combustível consumido.
Nos EUA já não existe mais aerovia, somente proa direta para o destino. Se fosse aqui seria o equivalente a você decolar de Salvador e o controlador autorizar proa direto de São Paulo. São 1000 litros de querosene desperdiçados a cada 2 minutos.
A desculpa não pode ser separação de fluxo, já que os EUA são maiores que o Brasil, e onde o fluxo aéreo é cinquenta vezes maior do que no Brasil. O que o Brasil voa em horas de voos em 50 dias, os EUA voam o mesmo em apenas um dia. Poderia ser pior, se caísse neve no Brasil a desorganização aérea seria uma catástrofe diária.
Mas não coloco a culpa nos controladores. A culpa não é deles. O sistema brasileiro é que é arcaico e precário. O salário deles é baixo. Alguns são sérios e dedicados, porém não têm condições de trabalho dignas. Apenas um controlador cuida de várias regiões do País e todos sofrem muita pressão para no final das contas serem menos eficientes que os controladores americanos, europeus e asiáticos.
Outro dia ouvi um controlador se despedindo no rádio porque tinha passado em um concurso melhor, e desejei a ele o sucesso e consideração que ele merecia, mas não lhe é dado.
Eu como piloto de linha aérea digo sem exagero que voar no Brasil hoje é como estarmos voando numa espécie de alerta amarelo. Outro acidente está bem próximo de acontecer. Ao decolar não significa que temos a certeza de pousar no destino nem no aeroporto de alternativa. Outro dia cinco aeroportos estavam literalmente fechados por falta de pátio; Confins, Galeão, Vitoria, Guarulhos e Campinas. Você tem que decolar de Brasília para São Paulo com combustível suficiente para alternar Salvador.
Isso irá tornar a aviação brasileira inviável, sem mencionar a venda de nossas companhias aéreas para países vizinhos, em decorrência das altas taxas de impostos sobre as mesmas, que por isso, para sobreviverem no mercado, submetem-se a parcerias miraculosas inclusive mudando a sede da empresa para países vizinhos para se livrar dos impostos absurdos daqui, ou seja, irão agora pagar impostos em outro país... Por que será? Porque aqui não há incentivo. Falta de estrutura e falta de lucidez, Soberania não é somente colocar soldados militares nas fronteiras. O País nunca foi tão próspero, problema é que nossos governantes ganham eleições por saberem aparecer e ainda têm mentalidade medíocre.
Voei muito na Amazônia e garanto que depois que aquilo virar um deserto ninguém mais vai querer assumir. O desmatamento está na razão é de um campo de futebol por segundo.
Hoje só fazem hidrelétricas por causa do apagão de 2002. Esses apagões na aviação irão se repetir pelos próximos 20 anos. E lembre-se que a Copa do Mundo e as Olimpíadas serão em época de nevoeiro.
A Infraero já arrumou duas soluções; tirar os bancos de seus aeroportos para dar mais espaço para os passageiros ficarem em pé; e liberar internet Wi-Fi de graça como se fosse um cala-boca para seus usuários.
Hoje a aviação brasileira é realmente uma surpresa diferente a cada dia.
Nos EUA, Europa e Ásia constroem um aeroporto para atender uma demanda que só terá daqui a 20 ou 30 anos e com pátio suficiente para estacionar mais de 100 aviões de grande porte juntos. Isso é bem diferente dos puxadinhos brasileiros que não dão conta nem da demanda atual.
Enquanto você lê esse texto, na Índia estão sendo construídos mais de 10 aeroportos maiores do que o de Guarulhos. Na China são mais de 70 sendo construídos e os 3 países: China, Brasil e Índia fazem parte do mesmo grupo chamado BRIC, que ainda incluem Rússia e África do Sul.. Parece que só o Brasil ainda não acordou entre esses cinco.
Já é um absurdo os aeroportos brasileiros não terem metrôs. Os estrangeiros, quando chegam aqui e não veem metrôs nos aeroportos, acham que é uma piada até entenderem que não existe mesmo. Em qualquer aeroporto que se preze no exterior tem metrô.
O povo brasileiro só sabe reclamar. Só não sabe reclamar para a pessoa certa. Reclama pro vizinho e pro amigo, mas quase ninguém entra no site do Senado ou da Câmara dos deputados pra enviar e-mail para reclamar do seu político ou pelo menos para saberem o que eles estão fazendo.
É muito fácil ir aos Estados Unidos passear, fazer compras e voltar falando que lá é o máximo e aqui é o fim do mundo. De fato são décadas de atraso, porém lá o povo é mais consciente com relação ao que seus políticos estão fazendo com o dinheiro público e a burocracia no país deles praticamente inexiste se comparada a nossa.
No Brasil a ANAC leva 30 dias para emitir uma carteira de aeronauta, gerando assim uma queda no salário dos pilotos e comissários e prejuízo também para os empregadores. Quem vai pagar essa conta? A Anac? O Governo Federal? Nos EUA a mesma carteira é emitida em muito menos tempo pela FAA. Sem deixar de lembrar que no Brasil a ANAC administra um universo de 20 mil pilotos comerciais enquanto os EUA são mais de 600 mil.
Boa sorte a todos e que Deus nos proteja! (Antonio Carlos, piloto)

Nenhum comentário: