27 de jan de 2014

Um conto de fada às avessas…

user: vadimzbanok photo vadimzbanok.gif 
O rombo do BNDES, CEF, BB e fundos de pensão! TNT puro!
Há um silêncio de cumplicidade. Ninguém fala sobre o assunto. Todos tem medo de fazer a conta e deparar com a dura realidade. Há um pacto de silêncio que interessa aos bancos oficiais e aos fundos de pensão, em específico.
Há situações na vida da pessoa que o tamanho do buraco é tão grande que tem medo de fazer a conta para ver o real tamanho do prejuízo. É assim que se encontram os bancos oficiais e os fundos de pensão, com relação ao prejuízo que levaram em 2013. Têm medo de expor a realidade aos acionistas e aos beneficiários dos fundos. A situação é grave!
Os bancos oficiais, entre eles, BNDESpar, CEF e Banco do Brasil e os fundos de pensão Previ, Funcef, Petros e outros tantos, carregam nos seus ativos, verdadeiros micos, como ações da OGX, MMX, LLX, JBS/Friboi, Mafrig, Petrobras, Eletrobras, entre elas. Em 2013, algumas delas simplesmente micaram, em jargão do mercado, viraram , como as empresas do grupo OGX. Outras, como a Petrobras e Eletrobras, perderam a grosso modo quase 50% do valor do mercado. E as do setor frigorífico nominados, alavancados, estão com perspectiva negativa, no caminho da OGX.
É possível que os bancos e fundos de pensão citados, não atualizem os ativos mencionados, verdadeiros micos, para não exporem o tamanho real do rombo. Pelas normas da Receita Federal, no dia 31 de dezembro de cada ano, teria que atualizar os seus ativos financeiros tomando como base a cotação de fechamento do último pregão do ano ou seja do dia 30/12/2013. Quando a cotação configura lucro é obrigado a atualizar, para pagar imposto de renda sobre a renda do capital. Quando configura o prejuízo, como não há renda sobre o capital, a Receita Federal, poderá fazer vista grossa para que não atualize os valores dos ativos.
Essa situação não acontece com os fundos de pensão de companhias privadas, porque os gestores destes não são obrigados a engolir os micos que o patrocinador determina. Aliás, nos fundos de pensão da iniciativa privada, tem gestão independente do patrocinador, de modo geral. Os bancos privados, também, não se metem em aventuras e quando se metem, os acionistas obrigam que contabilize os lucros ou prejuízos, o que der. Por isso, não vamos confundir os alhos com os bugalhos.
Estou a falar dos bugalhos, os bancos estatais e fundos de pensão ligados às companhias estatais. Com o prejuízo havido, no caso de fundos de pensão, conforme acima explicado, os cálculos atuariais sobre a garantia de pagamento dos benefícios futuros vão para o espaço. Não haverá garantia no longo prazo. Os beneficiários daqueles fundos, tem que começar a rezar para não acontecer como beneficiários do fundo de pensão da Varig. Claro, estou a dramatizar, mas é o único meio de acordar este povo.
Como não sou acionista dos bancos oficiais e nem tão pouco beneficiário dos fundos de pensão, não me é franqueado a carteira de ativos de cada instituição. É mister exigir que BNDESpar, CEF, BB, Previ, Petros, Funcef e demais instituições, vinculados ao governo federal, atualizem os ativos financeiros, nos seus balanços de 31/12/2013, baseados nas cotações dos ativos do último pregão do ano.
Se as providências aqui exigidas, foram tomadas conforme sugerido por mim, certamente cairá a República. A presidente Dilma poderá ser indiciada como responsável maior do poder executivo, donde se originaram todas determinações impróprias. (Ossami Sakamori) 

Mouse Crossfit photo mouse.gif 

Comentário de um longo capítulo negro
O rombo da Petros
1. Vejam abaixo, o relato fiel e incontestável, do que está a ocorrer com nosso Fundo Petros! Situação essa, que, à exaustão e inutilmente, vem sendo denunciada por um grupo de colegas nossos, mas que, aparentemente, tem sido ignorada por nossos Conselheiros, por nossas Entidades Representativas, pelos Sindicatos e pela imensa e esmagadora maioria dos grandes interessados diretos: a massa de Participantes do Fundo Petros!
2. A situação de perdas é real Está nos Balanços da Petros! É só consultar a Revista Petros & Você!
3. Inclusive, como particularmente tenho chamado a atenção, o rombo que ocorreu este ano em nosso Fundo Petros, não é somente de 6,760 Bilhões, até novembro/2013, como informado pelos Balanços da Petros! O rombo é maior ainda, considerando que, no Balanço de 31/12/2012, havia um Superavit de 2,333 Bilhões!
4. Portanto, até novembro de 2013, foram torrados e sumiram do Equilíbrio Técnico do Fundo Petros do Sistema Petrobrás, a absurda fortuna de 9 bilhões e 093 milhões! (2, 333 bilhões positivos existentes em dezembro/2012 + 6,760 bilhões do deficit informado pela Petros).
5. Esse rombo já é maior que a tal dívida da Petrobrás para com o Fundo Petros e que a FUP consagrou no famigerado AOR, para pagamento em 20 anos, quando, provavelmente não existirá mais nenhum Participante BD, nem existirá mais nenhum Plano BD! E a dívida desaparecerá milagrosamente, na inexistência de quem receber!
6. Só mesmo esses sábios sindicalistas não perceberam a grande jogada montada pela Petrobrás, para se ver livre de uma dívida já definida e estabelecida pela Justiça e que, simplesmente, foi perdoada, através desse artifício....
7. Essa absurda maquinação assumida e engolida pela FUP é igualzinha ao estratégico e visionário plano elaborado por um dos homens mais ricos do Brasil, o ex-deputado mineiro Antônio Luciano Pereira, (aquele que teve quarenta e tantos filhos por aí... ), cassado pela Revolução e, por acaso, casado com uma parenta minha! Como a Petrobrás, Antônio Luciano conhecia perfeitamente as artimanhas e as particularidades do tempo que não para e passa inexoravelmente!...
8. Naqueles longínquos tempos da década de 60, lançou um mega-projeto de construção de um maravilhoso Hotel, o Gran-Darrel Hotel, no centro de Belo Horizonte, a ser financiado pela aquisição de cotas individuais, que dariam direito ao adquirente, de usufruir de todas as benesses do referido Hotel, inclusive dos ganhos advindos da ocupação de seus apartamentos cotizados, pelo longo e inacabado tempo de 25 anos, a partir da data de aquisição.
9. Lançado o Projeto e iniciadas as obras de fundação, com toda a pompa possível, os otários da época, correram para adquirir suas respectivas cotas desse inovador e fabuloso Projeto!
10. Pois bem: depois de seis meses de obras, com todas as cotas vendidas, apareceu a genialidade do Antônio Luciano: ele simplesmente interrompeu as obras, que ficaram paralisadas por exatamente 25 anos! No dia seguinte, passado esse tempo, as obras foram reiniciadas e, hoje, está lá o Grande Hotel Dayrell, faturando e fazendo a alegria dos herdeiros!...
11. Exatamente como faz a Petrobrás com os bobocas da FUP, os otários da vez, que aceitaram e promoveram esse AOR para pagamento daqui a 20 anos, quando o direito de receber a tal dívida estará caducado, por não mais existirem os donos das cotas do Fundo BD....
12. Enquanto isso, sindicalistas fazem reuniões de negociações com a Direção da Petrobrás, para discutirem questões já definidas pela Justiça e que, legalmente, não admitem mais qualquer tipo de discussão!
13. Enquanto isso, Conselheiros e Entidades produzem documentos nunca adequadamente respondidos de pedidos de informações à Direção da Petros, ao Presidente do Conselho da Petros, etc.... E consideram que estão com sua lição em dia!.....
14. Moral da história: que existissem otários naqueles tempos antigos do século passado, até se admite! Mas, ainda existirem otários em pleno século XXI, com todas as ferramentas de informações e de avaliações à disposição de todos nós, é realmente espantoso! (Márcio Dayrell Batitucci)

Nenhum comentário: